Gran­des de­ve­do­res à ban­ca vão ser tor­na­dos pú­bli­cos

Par­ti­dos vão ago­ra ne­go­ci­ar quais os de­ve­do­res que po­de­rão ser di­vul­ga­dos e em re­la­ção a que pe­río­do.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - ELISABETE MI­RAN­DA

Pa­ra já, o acor­do é ape­nas de prin­cí­pio: os de­pu­ta­dos vão tra­ba­lhar nu­ma “so­lu­ção equi­li­bra­da” pa­ra que os gran­des de­ve­do­res à ban­ca se­jam tor­na­dos pú­bli­cos. A in­ten­ção é que a di­vul­ga­ção se cin­ja aos ban­cos que re­cor­re­ram a aju­das pú­bli­cas e re­cai ape­nas so­bre gran­des de­ve­do­res que, por te­rem en­tra­do em in­cum­pri­men­to, aca­ba­ram por con­tri­buir pa­ra as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das pe­las ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras. Tu­do o res­to es­tá em aber­to. O ca­mi­nho pa­ra a que­bra do se­gre­do ban­cá­rio foi aber­to pe­lo PS, quando es­ta quin­ta aca­bou por as­so­ci­ar-se aos de­mais par­ti­dos que, à sua es­quer­da e à sua di­rei­ta, re­cla­ma­vam uma me­di­da des­ta na­tu­re­za. Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de, de­pu­ta­do do PS, anun­ci­ou que os so­ci­a­lis­tas es­tão dis­pos­tos a tra­ba­lhar, no de­ba­te na es­pe­ci­a­li­da­de, “nu­ma so­lu­ção equi­li­bra­da” em du­as áre­as. Uma de­las é que as co­mis­sões par­la­men­ta­res de inqué­ri­to pas­sem a ter aces­so a in­for­ma­ção pro­te­gi­da pe­lo si­gi­lo, pa­ra que se evi­tem si­tu­a­ções co­mo as que ocor­re­ram, por exem­plo, no ca­so da CGD (si­tu­a­ção re­cla­ma­da pe­lo BE e pe­lo PSD). Ase­gun­da área é, pre­ci­sa­men­te, aque­la que pre­vê que, em de­ter­mi­na­das cir­cuns­tân­ci­as, o Ban­co de Por­tu­gal di­vul­gue os mai­o­res cre­do­res dos ban­cos su­jei­tos a aju­da pú­bli­ca. Com es­te ali­nha­men­to de von­ta­des, de­ve ser cer­to que al­guns dos gran­des de­ve­do­res à ban­ca se­jam tor­na­dos pú­bli­cos, mas muito fi­ca por es­cla­re­cer. Des­de lo­go, se a di­vul­ga­ção só re­cai­rá so­bre o pas­sa­do ou se se cria uma nor­ma per­ma­nen­te que vi­go­re tam­bém pa­ra o fu­tu­ro. As pro­pos­tas que bai­xa­ram à es­pe­ci­a­li­da­de apon­tam nos dois sen­ti­dos mas, no de­ba­te de on­tem, as in­ter­ven­ções dos de­pu­ta­dos do PS não fo­ram cla­ras. De­pois, tam­bém não é cla­ro o que vai ser en­ten­di­do por “gran­des de­ve­do­res” (em ter­mos de mon­tan­te do crédito e de si­tu­a­ções con­cre­tas em que se con­si­de­ra que hou­ve in­cum­pri­men­to) nem tão-pou­co o ho­ri­zon­te tem­po­ral co­ber­to pe­las obri­ga­ções de di­vul­ga­ção (é quem es­tá em in­cum­pri­men­to na da­ta em que o ban­co ac­ci­o­nou aju­da­pú­bli­ca, é quem en­trou em in­cum­pri­men­to me­ses ou anos an­tes?). Além dis­so, se­rá ain­da pre­ci­so de­ci­dir quem te­rá aces­so à in-

CGD, BPI, BCP, NB: a lei nas­ce pa­ra to­dos

for­ma­ção: se só os de­pu­ta­dos (co­mo pre­ten­dem PCP e PSD), se to­dos os con­tri­buin­tes. Es­ta­di­vi­são le­vou João Al­mei­da, do CDS, a avi­sar que “não são só os de­pu­ta­dos que co­brem os bu­ra­cos da ban­ca, são to­dos os con­tri­buin­tes. Pa­ra nós é fun­da­men­tal que a in­for­ma­ção se­ja pú­bli­ca e não ape­nas trans­mi­ti­da ao Par­la­men­to”. Mais cla­ra pa­re­ce ser a in­ten­ção de aco­lher um con­cei­to am­plo de “aju­da pú­bli­ca”, que abran­ja ban­cos que fo­ram re­ca­pi­ta­li­za­dos (ca­so da CGD), su­jei­tos a uma me­di­da de re- so­lu­ção (ca­sos do BES/NB e Ba­nif), na­ci­o­na­li­za­dos (BPN) ou que re­ce­be­ram em­prés­ti­mos (BPI e BCP, que re­cor­re­ram aos cha­ma­dos CoCos). A de­fi­ni­ção des­te pe­rí­me­tro ge­rou, aliás, um dos mo­men­tos mais quen­tes do de­ba­te, com a es­quer­da a acu­sar o PSD de fa­zer mi­ra se­lec­ti­va à CGD e o PSD a ri­pos­tar que a es­quer­da só se me­xeu por cau­sa dos ca­sos de cor­rup­ção que en­som­bram o PS. Se­gun­do Ma­ri­a­na Mor­tá­gua, “o PSD sem­pre vi­veu muito bem com a cul­tu­ra de si­lên­cio” e “só co­lo­cou o si­lên­cio ban­cá­rio na ga­ve­ta no ca­so da CGD” . Se­gun­do a de­pu­ta­da, “foi pre­ci­so o BE agen­dar po­tes­ta­ti­va­men­te

Tal­vez se­ja tu­do uma es­tra­nha coin­ci­dên­cia tem­po­ral. (...) A es­quer­da ga­nhou ver­go­nha por ter an­da­do a en­co­brir a ges­tão de­sas­tro­sa na CGD nos anos da ges­tão so­ci­a­lis­ta. AN­TÓ­NIO LEI­TÃO AMA­RO De­pu­ta­do do PSD O PSD sem­pre vi­veu muito bem com a cul­tu­ra de si­lên­cio e ocul­ta­ção até ao dia em que viu ne­la uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ata­car a CGD. MA­RI­A­NA MOR­TÁ­GUA De­pu­ta­da do BE A ban­ca pri­va­da e o seu mo­do de fun­ci­o­na­men­to são pro­te­gi­dos pe­lo man­to de opa­ci­da­de que a co­bre. MA­NU­EL TI­A­GO De­pu­ta­do do PCP Não são só os de­pu­ta­dos que co­brem os bu­ra­cos da ban­ca, são to­dos os con­tri­buin­tes. Pa­ra nós é fun­da­men­tal que a in­for­ma­ção se­ja pú­bli­ca e não ape­nas trans­mi­ti­da ao Par­la­men­to. JOÃO AL­MEI­DA De­pu­ta­do do CDS/PP

um de­ba­te pa­ra só en­tão o PSD em ci­ma da ho­ra de­ci­dir vir a jo­go”. Anar­ra­ti­va­foi se­cun­da­da­por Ro­chaAn­dra­de, que avi­sou que o PS exi­ge que “as cir­cuns­tân­ci­as se­jam iguais pa­ra to­dos. (...) Os mi­lhões da CGD não são diferentes de ou­tros mi­lha­res de mi­lhões que ou­tros governos co­lo­ca­ram nou­tras ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras”. E, pre­ci­sa­men­te por­que o PS en­ten­de que a pro­pos­ta do PSD ex­cluía o BES, BPI e BCP dos de­ve­res de di­vul­ga­ção, a pro­pos­ta dos so­ci­ais-de­mo­cra­tas se­ria chum­ba­da. Pa­ra o PSD, con­tu­do, a his­tó­ria con­ta-se de ou­tra for­ma. A es­quer­da “fez o fre­te” ao Go­ver­no de en­cer­rar a co­mis­são de inqué­ri­to àCGD­pa­raim­pe­dir a exe­cu­ção da sen­ten­ça do Tri­bu­nal daRe­la­ção de Lis­boa(que obri­ga­va à di­vul­ga­ção dos de­ve­do­res). E, mais tar­de, só de­pois de Rui Rio ter in­sis­ti­do no as­sun­to e de­pois de se ter­co­me­ça­do “a des­ta­par a teia de pro­mis­cui­da­de, cor­rup­ção e a teia de po­der que en­vol­veu a an­te­ri­or go­ver­na­ção so­ci­a­lis­ta, com os ca­sos Só­cra­tes e Pi­nho, mas não só” é que “aes­quer­da­ga­nhou ver­go­nha por ter an­da­do a en­co­bri­ra­ges­tão de­sas­tro­sa­naCGD nos anos da ges­tão so­ci­a­lis­ta. Tal­vez se­ja tu­do uma­es­tra­nha­coin­ci­dên­ci­a­tem­po­ral”, diz An­tó­nio Lei­tão Ama­ro. De to­do o mo­do, “foi tar­de, mas bem”.

Mi­guel A. Lo­pes

Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de deu voz à aber­tu­ra do PS pa­ra tra­ba­lhar nu­ma “so­lu­ção equi­li­bra­da” de fle­xi­bi­li­za­ção do se­gre­do ban­cá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.