Fun­dos di­vi­dem as­so­ci­a­ção de mu­ni­cí­pi­os

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - SA­LO­MÉ PIN­TO

Re­giões do in­te­ri­or deverão re­ce­ber mais 358 mi­lhões de eu­ros de fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os do que o pre­vis­to. A pro­pos­ta sa­tis­faz o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Mu­ni­cí­pi­os mas é con­tes­ta­da pe­los seus vi­ces do PSD. Es­ta­mos sa­tis­fei­tos com a pro­pos­ta e, por is­so, ten­ci­o­na­mos acom­pa­nhar o Go­ver­no quando for a Bru­xe­las. MA­NU­EL MA­CHA­DO Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Mu­ni­cí­pi­os A pro­pos­ta pas­sou de pés­si­ma a má. Por is­so, man­te­nho a mi­nha po­si­ção de apre­sen­tar uma quei­xa con­tra o Go­ver­no na Co­mis­são Eu­ro­peia. AN­TÓ­NIO AL­MEI­DA HEN­RI­QUES Vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Mu­ni­cí­pi­os

Aúl­ti­ma pro­pos­ta do Go­ver­no so­bre a re­pro­gra­ma­ção dos fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os do Por­tu­gal2020 abriu uma ci­são den­tro da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Mu­ni­cí­pi­os Por­tu­gue­ses (ANMP). De um la­do, o pre­si­den­te so­ci­a­lis­ta Ma­nu­el Ma­cha­do afir­ma que es­tá “sa­tis­fei­to” e ad­mi­te mes­mo “acom­pa­nhar o Go­ver­no quando en­tre­gar o do­cu­men­to em Bru­xe­las”. Do outro la­do do mu­ro, le­van­ta-se a con­tes­ta­ção dos seus vi­ce­pre­si­den­tes so­ci­ais-de­mo­cra­tas An­tó­nio Al­mei­da Hen­ri­ques e Jo­sé Ri­bau Es­te­ves: “A pro­pos­ta pas­sou de pés­si­ma a má”. E o ar­gu­men­to é o mes­mo. O Exe­cu­ti­vo es­tá a usar fun­dos eu­ro­peus “pa­ra ta­par bu­ra­cos do Or­ça­men­to do Es­ta­do” quando de­vi­am ser ca­na­li­za­dos pa­ra “ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de ”, ati­ra Al­mei­da Hen­ri­ques, que tam­bém li­de­ra a câ­ma­ra de Vi­seu. O Exec­ti­vo de An­tó­nio Cos­ta pro­põe ago­ra re­for­çar o in­ves­ti­men­to mu­ni­ci­pal em 558 mi­lhões de eu­ros. Se­gun­do o Mi­nis­té­rio do Pla­ne­a­men­to e das Infraestruturas (MPI), “es­te va­lor mais do que du­pli­ca o mon­tan­te ini­ci­al de 200 mi­lhões”. Ma­nu­el Ma­cha­do con­si­de­ra que es­ta é “uma evo­lu­ção po­si­ti­va das ne­go­ci­a­ções por­que sig­ni­fi­ca uma aproximação do Go­ver­no aos de­se­jos da ANMP”. O tam­bém pre­si­den­te da câ­ma­ra de Coim­bra re­cor­da que, in­clu­si­va­men­te, já “ti­nha so­li­ci­ta­do um au­men­to das verbas eu­ro­pei­as pa­ra equi­pa­men­tos co­mo es­co­las e cen­tros de saú­de, pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e o ci­clo ur­ba­no da água. “Pa­re­ce que ago­ra es­ta­mos a che­gar a al­gum con­sen­so”, vin­ca. Mas Al­mei­da Hen­ri­ques man­tém o bra­ço de fer­ro: “Pa­ra já não há na­da que me leve a ti­rar uma vír­gu­la do que dis­se nem me de­mo­ve da quei­xa que ten­ci­o­no en­tre­gar à Co­mis­são Eu­ro­peia con­tra es­ta re­pro­gra­ma­ção ”. A pro­pos­ta que o Go­ver­no en­tre­gou à ANMP e a que o Ne­gó­ci­os te­ve aces­so ten­ci­o­na re­a­fe­tar 1.388 mi­lhões de eu­ros que se des­ti­na­vam ini­ci­al­men­te a li­nhas de crédito pa­ra in­ves­ti­men­to em­pre­sa­ri­al e pro­mo­ção da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca. Des­te mon­tan­te, 558 mi­lhões de eu­ros vão pa­ra as re­giões mais des­fa­vo­re­ci­das (in­ves­ti­men­to de ba­se ter­ri­to­ri­al), 414 mi­lhões des­ti­nam-se a sis­te­mas de in­cen­ti­vos a fun­do per­di­do pa­ra em­pre­sas e 305 mi­lhões pa­ra a ciência. É es­ta re­par­ti­ção das verbas que le­van­ta dú­vi­das a Al­mei­da Hen­ri­ques: “O Go­ver­no vai uma vez mais uti­li­zar gran­de par­te dos fun­dos eu­ro­peus pa­ra fi­nan­ci­ar em­pre­sas e for­ma­ção pro­fis­si­o­nal”. Es­tas du­as par­ce­las so­ma­das - sis­te­mas de in­cen­ti­vos e ciência - “re­pre­sen­tam mais de 700 mi­lhões en­quan­to as câ­ma­ras do in­te­ri­or co­mo Vi­seu fi­cam ape­nas com 558 mi­lhões”. O au­tar­ca de­nun­cia ain­da uma in­con­gruên­cia nas con­tas do Exe­cu­ti­vo so­ci­a­lis­ta no que diz res­pei­to ao fi­nan­ci­a­men­to co­mu­ni­tá­rio do ci­clo ur­ba­no da água em “bai­xa” pro­mo­vi­do pe­los mu­ni­cí­pi­os. O Go­ver­no su­biu o mon­tan­te de in­ves­ti­men­to pa­ra 200 mi­lhões de eu­ros, mas Al­mei­da Hen­ri­ques re­ve­lou ao Ne­gó­cio que o “Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te só vai ga­ran­tir me­ta­de, is­to é, 100 mi­lhões”. Por is­so, o di­ri­gen­te da ANMP diz que, “fa­zen­do as con­tas e es­cal­pu­li­zan­do tu­do, fi­ca­mos com pou­co mais do que na­da”. O Ne­gó­ci­os ten­tou in­sis­ten­te­men­te ob­ter es­cla­re­ci­men­tos jun­to do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­a­men­to so­bre a re­pro­gra­ma­çao do Por­tu­gal 2020, mas até ao fe­cho da edição não ob­te­ve qual­quer res­pos­ta.

Inês Go­mes Lou­ren­ço

Al­mei­da Hen­ri­ques, vi­ce-pre­si­den­te da ANMP, não es­con­de a sua in­sa­tis­fa­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.