Dis­cus­são da lei la­bo­ral vai cru­zar-se com o or­ça­men­to

O Go­ver­no agen­dou a dis­cus­são da lei la­bo­ral pa­ra 6 de Ju­lho, no Par­la­men­to. Se­rá o iní­cio de uma dis­cus­são que tra­rá pa­ra ci­ma da me­sa as exi­gên­ci­as la­bo­rais de PCP e Blo­co de Es­quer­da. E que de­ve­rá der­ra­par pa­ra de­pois do Ve­rão, a ca­mi­nho da apre­sen­ta­çã

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - CA­TA­RI­NA AL­MEI­DA PE­REI­RA ca­ta­ri­na­pe­rei­ra@ne­go­ci­os.pt

Se o Go­ver­no con­se­guir man­ter o pla­no que de­se­nhou, e co­me­çar a dis­cu­tir a pro­pos­ta de al­te­ra­ções ao Có­di­go do Tra­ba­lho a6 de Ju­lho, no Par­la­men­to, as ne­go­ci­a­ções na es­pe­ci­a­li­da­de deverão es­ten­der-se pa­ra lá do Ve­rão. Nes­sa al­tu­ra, Go­ver­no e par­ti­dos que o apoi­am no Par­la­men­to es­ta­rão já na con­ta­gem de­cres­cen­te pa­ra­a­a­pre­sen­ta­ção do pró­xi­mo Or­ça­men­to do Es­ta­do, o úl­ti­mo an­tes das elei­ções le­gis­la­ti­vas. En­quan­to o Or­ça­men­to en­vol­ve me­di­das com im­pac­to na des­pe­sa pú­bli­ca – alí­vio dos cor­tes nas pen­sões an­te­ci­pa­das, sa­lá­ri­os ou pro­gres­sões do Es­ta­do – o Có­di­go do Tra­ba­lho traz me­di­das com re­le­vân­cia pa­ra os cus­tos das em­pre­sas. O fim do ban­co de ho­ras in­di­vi­du­al, com im­pac­to nas ho­ras ex­tra­or­di­ná­ri­as, é uma de­las. Em co­mum, as du­as ma­té­ri­as têm o fac­to de se­rem de­ci­si­vas pa­ra o equi­lí­brio en­tre o PS e os par­ti­dos à sua es­quer­da. Res­ta sa­ber a que rit­mo é que a dis­cus­são so­bre a lei la­bo­ral se fa­rá. Quando a lei do Or­ça­men­to é de­ba­ti­da na es­pe­ci­a­li­da­de os res­tan­tes tra­ba­lhos são sus­pen­sos e po­dem atra­sar. Foi o que acon­te­ceu no fi­nal do ano pas­sa­do com o di­plo­ma so­bre a re­gu­la­ri­za­ção de pre­cá­ri­os da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

PCP e Blo­co le­vam me­di­das an­ti-troi­ka

As pro­pos­tas do Go­ver­no pa­ra al­te­rar o Có­di­go do Tra­ba­lho, or­ga­ni­za­das em 27 idei­as, fo­ram apre­sen­ta­das há qua­se dois me­ses. Quando che­ga­rem ao Par­la­men­to, no iní­cio de Ju­lho, le­va­rão à bo­leia os di­plo­mas que os par­cei­ros par­la­men­ta­res já têm apre­sen­ta­do, e que se­rão de­ba­ti­dos e vo­ta­dos con­jun­ta­men­te. O Blo­co de Es­quer­da qu­er agen­dar a re­po­si­ção do pa­ga­men­to das ho­ras ex­tra­or­di­ná­ri­as, dos três di­as de fé­ri­as, das in­dem­ni­za­ções ou das re­gras de des­pe­di­men­to, afir­mou ao Ne­gó­ci­os o de­pu­ta­do Jo­sé So­ei­ro. Ma­té­ri­as tam­bém de­fen­di­das pe­lo PCP, tal co­mo o fim da ca­du­ci­da­de das con­ven­ções co­lec­ti­vas ou a re­po­si­ção do prin­cí­pio do tra­ta­men­to mais fa­vo­rá­vel. O que pro­ces­sos an­te­ri­o­res têm re­ve­la­do é que os par­ti­dos que apoi­am o Go­ver­no es­tão dis­pos­tos a to­le­rar o chum­bo das su­as pro­pos­tas, na es­pe­ci­a­li­da­de, des­de que con­si­de­rem que o efei­to fi­nal do di­plo­ma, pa­ra o qu­al con­tri­bu­em, é po­si­ti­vo. Em en­tre­vis­ta à RTP no fi­nal de Mar­ço, di­as de­pois de o Go­ver­no ter anun­ci­a­do as su­as pro­pos­tas, Je­ró­ni­mo de Sou­sa su­bli­nhou que o Go­ver­no “op­tou pe­lo la­do do mais for­te”, mas tam­bém acres­cen­tou: “Não per­de­re­mos ne­nhu­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra con­ti­nu­ar a re­por ren­di­men­tos e di­rei­tos.” O Go­ver­no as­su­me a in­ten­ção de re­du­zir a du­ra­ção máxima dos con­tra­tos a ter­mo cer­to de três pa­ra dois anos, dos con­tra­tos a ter­mo in- cer­to de seis pa­ra qu­a­tro anos, e de li­mi­tar as re­no­va­ções, que po­dem ain­da che­gar ao tra­ba­lho tem­po­rá­rio. É re­du­zi­da a pos­si­bi­li­da­de de con­tra­tar a ter­mo sem mais jus­ti­fi­ca­ções e pro­me­ti­da uma no­va ta­xa so­bre as em­pre­sas que ge­ram mais ro­ta­ti­vi­da­de. A in­ten­ção de aca­bar com o ban­co de ho­ras que só de­pen­de de ne­go­ci­a­ção in­di­vi­du­al tem si­do muito con­tes­ta­da pe­la CIP.

Par­cei­ros so­ci­ais vão a jo­go

ACCP tam­bém “la­men­ta” que o Go­ver­no quei­ra aca­bar com o ban­co de ho­ras in­di­vi­du­al, mas pro­põe que em con­tra­par­ti­da fle­xi­bi­li­ze o ban­co de ho­ras por ne­go­ci­a­ção co­lec­ti­va, re­vo­gan­do li­mi­tes. O do­cu­men­to da CCP foi di­vul­ga­do um dia de­pois de o Go­ver­no ter agen­da­do a dis­cus­são no Par­la­men­to, si­na­li­zan­do que ha­ve­rá li­mi­tes ao pra­zo das ne­go­ci­a­ções em con­cer­ta­ção so­ci­al. “Te­nho mui­tas in­ter­ro­ga­ções em re­la­ção a um acor­do”, que te­ria de “en­vol­ver ou­tras áre­as”, co­mo a fis­ca­li­da­de, afir­mou ao Ne­gó­ci­os João Vi­ei­ra Lo­pes. E so­bre is­so “o Go­ver­no não nos deu ne­nhum si­nal”. An­tó­nio Sa­rai­va, da CIP, dis­se na­quar­ta-fei­ra­ao Ne­gó­ci­os que de­cor­rem con­ver­sas bi­la­te­rais, mas não di­vul­gou as su­as po­si­ções.

Mi­guel Bal­ta­zar

Vi­ei­ra da Sil­va apre­sen­tou há dois me­ses um con­jun­to de 27 idei­as pa­ra al­te­rar a le­gis­la­ção la­bo­ral. Que não en­ca­ra co­mo uma “re­vi­são” do Có­di­go do Tra­ba­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.