CTG diz que há du­as Chi­nas na EDP

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - AN­DRÉ CA­BRI­TA-MEN­DES an­dre­men­des@ne­go­ci­os.pt NU­NO CARREGUEIRO ALE­XAN­DRA MA­CHA­DO

A CMVM obri­gou a Chi­na Th­ree Gor­ges a pro­ce­der a al­te­ra­ções ao anún­cio pre­li­mi­nar da OPA, co­mo a im­pu­ta­ção das par­ti­ci­pa­ções dos ac­ci­o­nis­tas chi­ne­ses. E es­cla­re­ceu que a CTG par­te pa­ra a ofer­ta com os seus 23% e não com os 28% atri­buí­dos ao Es­ta­do chi­nês.

AChi­na Th­ree Gor­ges (CTG) foi obri­ga­da pe­la CMVM a fa­zer vá­ri­as al­te­ra­ções ao anún­cio pre­li­mi­nar da ofer­ta pú­bli­ca de aqui­si­ção (OPA) so­bre a EDP. A aden­da da­ta­da de 16 de Maio não mu­da, no es­sen­ci­al, a ofer­ta da CTG, li­mi­tan­do-se a pro­ce­der a al­gu­mas cla­ri­fi­ca­ções. Uma das al­te­ra­ções mais re­le­van­tes pren­de-se com a se­pa­ra­ção das águas en­tre as par­ti­ci­pa­ções ac­ci­o­nis­tas im­pu­ta­das ao Es­ta­do chi­nês na EDP: a CTG con­ta com 23,27%, en­quan­to a CNIC tem 4,98%. “De acor­do com o en­ten­di­men­to da CMVM”, as du­as par­ti­ci­pa­ções são “im­pu­tá­veis à Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na”, se­gun­do a aden­da. Mas os di­rei­tos de vo­to da CNIC na EDP “não são, con­tu­do tam­bém de acor­do com o en­ten­di­men­to da CMVM, im­pu­tá­veis” à CTG. Es­tas du­as po­si­ções sur­gem no si­te da EDP im­pu­ta­das à Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na, mas, co­mo es­cre­veu o Ne­gó­ci­os, em as­sem­bleia de ac­ci­o­nis­tas não têm si­do agru­pa­das. A CMVM es­cla­re­ceu que, pa­ra a CTG atin­gir a con­di­ção dos 50%, vai ter de par­tir dos 23,27% que de­tém e não dos 28,25% que são im­pu­tá­veis ao Es­ta­do chi­nês. Mas há mais. No anún­cio ori­gi­nal a CTG es­ta­be­le­ce co­mo con­di­ção que a “efi­cá­cia da ofer­ta es­ta­rá su­jei­ta” à aqui­si­ção de, pe­lo me­nos, 50% dos di­rei­tos de vo­to, mais um di­rei­to de vo­to. A CTG tam­bém “re­ser­va-se o di­rei­to de, por sua li­vre e dis­cri­ci­o­ná­ria de­ci­são, re­nun­ci­ar” a es­ta con­di­ção “até à li­qui­da­ção da ofer­ta”. Mas na aden­da ago­ra pu­bli­ca­da a CTG es­cla­re­ce que a “ofe­ren- te re­ser­va-se o di­rei­to de, por sua li­vre e dis­cri­ci­o­ná­ria de­ci­são, re­nun­ci­ar” à efi­cá­cia da ofer­ta atin­gir os 50% “nos ter­mos le­gal­men­te ad­mis­sí­veis”. Es­ta úl­ti­ma ex­pres­são sig­ni­fi­ca que “o pra­zo e de­mais ter­mos pa­ra que a CTG pos­sa dei­xar cair a con­di­ção” cons­ta­rão do pros­pec­to da ofer­ta e se­rão co­nhe­ci­dos dos des­ti­na­tá­ri­os quando a ofer­ta for lan­ça­da”, ex­pli­cou a CMVM. No anún­cio ori­gi­nal, a CTG es­ti­pu­la­va que es­ta OPA ti­nha si­do lan­ça­da no pres­su­pos­to de que os ór­gãos so­ci­ais da EDP não iri­am apro­var de­ter­mi­na­das de­li­be­ra­ções, tal co­mo a “prá­ti­ca de quais­quer ac­tos, pe­la [EDP] ou por so­ci­e­da­des em re­la­ção de do­mí­nio ou de gru­po, que não se re­con­du­zam à res­pec­ti­va ges­tão cor­ren­te ou que con­subs­tan­ci­em um in­cum­pri­men­to do de­ver de neu­tra­li­da­de do ór­gão de ad­mi­nis­tra­ção”. Mas na aden­da de­sa­pa­re­ceu a ex­pres­são “de­ver de neu­tra­li­da­de”. Ques­ti­o­na­da so­bre is­to, a CMVM apon­ta que a no­va ver­são re­me­te pa­ra o Có­di­go dos Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os, que es­ta­be­le­ce que a so­ci­e­da­de vi­sa­da, nes­te ca­so a EDP, de­ve “agir de boa fé, de­sig­na­da­men­te quan­to à cor­rec­ção da in­for­ma­ção e quan­to à le­al­da­de do com­por­ta­men­to”. Já o anún­cio pre­li­mi­nar da OPA so­bre a EDP Re­no­vá­veis tam­bém so­freu mu­dan­ças. Na aden­da, a ofer­ta so­bre a em­pre­sa dei­xa de ser obri­ga­tó­ria e pas­sa a ser ape­nas ge­ral. Em re­la­ção a es­ta al­te­ra­ção a CMVM apon­ta que a “OPA ge­ral pre­li­mi­nar­men­te anun­ci­a­da pe­la EDP Re­no­vá­veis não tem ain­da ca­rác­ter obri­ga­tó­rio, se o ti­ves­se não po­de­ria o seu lan­ça­men­to fi­car su­jei­to à con­di­ção de su­ces­so da OPA so­bre a EDP, por exem­plo”. As­sim, a ofer­ta so­bre a Re­no­vá­veis só pas­sa a ser obri­ga­tó­ria se a CTG “ad­qui­rir o con­tro­lo da EDP e, in­di­rec­ta­men­te, da EDP Re­no­vá­veis”, des­ta­ca o re­gu­la­dor.

Mi­guel Bal­ta­zar

O pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da EDP, An­tó­nio Me­xia, com o pre­si­den­te da Chi­na Th­ree Gor­ges, Lu Chun.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.