De­ve­do­res pú­bli­cos

Jornal de Negócios - - HOME PAGE PAGE -

De as­sun­to ta­bu pas­sou a frac­tu­ran­te e de frac­tu­ran­te pas­sou a con­sen­su­al. A di­vul­ga­ção da lis­ta dos gran­des de­ve­do­res dos ban­cos que re­ce­be­ram aju­da pú­bli­ca pas­sou a reu­nir o apoio de to­dos os par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar. Após a dis­cus­são e vo­ta­ção on­tem no Par­la­men­to, o as­sun­to bai­xou à co­mis­são par­la­men­tar on­de se es­pe­ra que os par­ti­dos apro­xi­mem po­si­ções. A am­bi­ção das pro­pos­tas va­ria muito, des­de a abordagem mais res­tri­ti­va em que o aces­so à in­for­ma­ção se li­mi­ta às si­tu­a­ções pas­sa­das até à abordagem mais am­bi­ci­o­sa de di­vul­ga­ção re­gu­lar da lis­ta de mai­o­res de­ve­do­res in­cum­pri­do­res.

Es­te é um as­sun­to me­lin­dro­so e com­pre­en­de-se a pre­o­cu­pa­ção da ban­ca. “O se­gre­do ban­cá­rio é a pe­dra an­gu­lar en­tre ban­co e cli­en­te”, dis­se na se­ma­na pas­sa­da o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Ban­cos (APB), Fa­ria de Oli­vei­ra. É ver­da­de que a con­fi­an­ça é es­sen­ci­al no ne­gó­cio ban­cá­rio, mas tam­bém é ne­ces­sá­ria con­fi­an­ça da so­ci­e­da­de e dos ci­da­dãos no sec­tor ban­cá­rio e es­sa fi­cou muito aba­la­da nos úl­ti­mos anos. Os su­ces­si­vos ca­sos de ban­cos so­cor­ri­dos com per­das ir­re­pa­rá­veis pa­ra o erário pú­bli­co dei­xa­ram um ras­to de in­jus­ti­ça e im­pu­ni­da­de na so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa.

Nes­se sen­ti­do, a di­vul­ga­ção da lis­ta dos de­ve­do­res que in­cum­pri­ram po­de con­tri­buir pa­ra res­tau­rar es­se elo de con­fi­an­ça per­di­do. Por outro la­do, pro­mo­ve mai­or trans­pa­rên­cia não só so­bre as de­ci­sões de po­lí­ti­ca de crédito das ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as co­mo tam­bém so­bre a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra das em­pre­sas, que in­te­res­sa aos seus for­ne­ce­do­res, aos seus tra­ba­lha­do­res e aos ci­da­dãos em ge­ral.

Cla­ro que há­bo­as ra­zões pa­ra que es­ta in­for­ma­ção não se­ja tor­na­da pú­bli­ca: a de­fe­sa do bom no­me das en­ti­da­des en­vol­vi­das, a sal­va­guar­da da ac­ti­vi­da­de ban­cá­ria e a pro­tec­ção da ima­gem do sis­te­ma fi­nan­cei­ro por­tu­guês aos olhos dos in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais. Mas fo­ram es­ses mes­mos ar­gu­men­tos que ser­vi­ram ao lon­go de anos pa­ra tra­var o levantamento do si­gi­lo ban­cá­rio, qu­er nos pro­ces­sos ju­di­ci­ais qu­er no com­ba­te à eva­são fis­cal que ho­je nin­guém con­tes­ta. Se ho­je em dia já di­vul­ga­mos pu­bli­ca­men­te os no­mes das pes­so­as e em­pre­sas com dí­vi­das ao Fis­co, não fa­rá sen­ti­do tam­bém tor­nar um pou­co me­nos opa­co o uni­ver­so dos de­ve­do­res cro­ni­ca­men­te in­cum­pri­do­res?

Se os ban­cos têm si­do de­ma­si­a­do gran­des pa­ra fa­li­rem, en­tão é pre­ci­so um es­cru­tí­nio pú­bli­co e so­ci­al mai­or so­bre as su­as de­ci­sões de crédito. Se os de­ve­do­res são tão gran­des que man­dam mais do que os ban­cos, en­tão têm de ser co­nhe­ci­dos. So­bre is­to pa­re­ce ha­ver ago­ra um en­ten­di­men­to na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e já não é pou­co. Fi­ca a fal­tar tu­do o res­to, que é muito: sa­ber co­mo, em que cir­cuns­tân­ci­as, a quem, a par­tir de que va­lo­res, se ape­nas pa­ra o pas­sa­do ou com re­gu­la­ri­da­de no fu­tu­ro se­rá dis­po­ni­bi­li­za­da es­sa in­for­ma­ção que ho­je é ex­clu­si­va do Ban­co de Por­tu­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.