Pa­ra se ter su­ces­so des­por­ti­vo é pre­ci­so ser trau­li­tei­ro?

Jornal de Negócios - - HOME PAGE PAGE - CA­MI­LO LOU­REN­ÇO Jor­na­lis­ta de Eco­no­mia

Um dia, num en­con­tro pri­va­do de an­ti­gos alu­nos da AESE, ou­vi Fer­nan­do Ul­ri­ch di­zer mais ou me­nos is­to: “Eu gos­to de fu­te­bol. Mas do fu­te­bol jo­ga­do den­tro do cam­po. O que se vê nas te­le­vi­sões é outro fu­te­bol: o dos co­men­ta­ris­tas. Dis­pen­so is­so.” Nos úl­ti­mos tem­pos te­nho-me lem­bra­do muito da in­ter­ven­ção de Ul­ri­ch. Por­que che­guei a um pon­to em que des­li­go a te­le­vi­são quando ou­ço cer­tos co­men­ta­ris­tas. Vem is­to a pro­pó­si­to do es­ta­do do fu­te­bol por­tu­guês. De­pois do que se pas­sou nos úl­ti­mos me­ses (acu­sa­ções de cor­rup­ção, in­ves­ti­ga­ções ju­di­ci­ais e o mais re­cen­te epi­só­dio, o da vi­o­lên­cia na Aca­de­mia do Spor­ting), tor­na-se ine­vi­tá­vel ques­ti­o­nar a for­ma co­mo o fu­te­bol por­tu­guês es­tá a ser ge­ri­do. E há uma per­gun­ta que é pre­ci­so fa­zer: pa­ra se ter su­ces­so co­mo di­ri­gen­te des­por­ti­vo, é pre­ci­so ser trau­li­tei­ro? To­dos nós já ou­vi­mos, e vi­mos, epi­só­di­os pou­co agra­dá­veis (um gran­de eu­fe­mis­mo!) en­vol­ven­do os pre­si­den­tes de clu­bes por­tu­gue­ses. Com des­ta­que pa­ra os três gran­des. To­dos nos lem­bra­mos da “fru­ta” do Fu­te­bol Clu­be do Por­to e, mais re­cen­te­men­te, do e-tou­pei­ra no Ben­fi­ca, pa­ra não fa­lar das mais re­cen­tes re­ve­la­ções so­bre cor­rup­ção nos de­par­ta­men­tos de fu­te­bol e an­de­bol do Spor­ting. Mas os epi­só­di­os me­nos dig­ni­fi­can­tes não fi­cam por aqui. Os in­sul­tos e as acu­sa­ções mú­tu­as fa­zem par­te do re­la­ci­o­na­men­to qua­se diá­rio en­tre di­ri­gen­tes. Aco­me­çar pe­los pre­si­den­tes. Ain­da há pou­cas se­ma­nas, Bru­no de Car­va­lho re­fe­riu-se a An­tó­nio Sal­va­dor, do Bra­ga, com mi­mos do gé­ne­ro “la­bre­go, tro­lha, al­dra­bão e idi­o­ta”. Tu­do is­to é com­ple­men­ta­do com uma re­a­li­da­de no­va: os “co­men­ta­do­res en­ga­ja­dos”, pre­sen­te nos ca­nais in­for­ma­ti­vos de te­le­vi­são. Com ra­rís­si­mas ex­ce­ções, che­ga a ser pe­no­so ver um pro­gra­ma des­tes (on­de va­le tu­do) do prin­cí­pio ao fim de­vi­do ao ex­plo­si­vo cock­tail de agres­si­vi­da­de, in­sul­tos e má edu­ca­ção. O ob­je­ti­vo é cla­ro: con­ven­cer a opi­nião pú­bli­ca que o vi­zi­nho do la­do é cor­rup­to e fal­seia a ver­da­de des­por­ti­va. É nes­te en­qua­dra­men­to que vi­ve o fu­te­bol por­tu­guês. Pri­mei­ra per­gun­ta: acha as­sim tão es­tra­nho que com tan­ta in­to­xi­ca­ção te­nha­mos epi­só­di­os co­mo os da vi­o­lên­cia em Al­co­che­te? Se­gun­da per­gun­ta: pa­ra se ter su­ces­so no fu­te­bol pre­ci­sa­mos de ter pre­si­den­tes trau­li­tei­ros e peões de bre­ga que co­pi­am es­se com­por­ta­men­to? Ve­ja­mos o que se pas­sa nou­tros paí­ses: al­guém vê o pre­si­den­te do Re­al Ma­drid, Bar- ce­lo­na, Man­ches­ter Uni­ted, Ar­se­nal, Man­ches­ter City, Bayern de Mu­ni­que, In­ter de Mi­lão, Ju­ven­tus, PSG ou Mo­na­co en­vol­vi­do em tro­ca de pa­la­vras co­mo o que acon­te­ce em Por­tu­gal? Pe­lo con­trá­rio: em ca­da clás­si­co que se pre­ze ve­mos di­ri­gen­tes sen­ta­dos la­do a la­do, em ame­na ca­va­quei­ra. E não ve­mos di­ri­gen­tes a in­sul­ta­rem-se quando os jor­na­lis­tas lhe apon­tam o mi­cro­fo­ne ou a câ­ma­ra de fil­mar... Ok, po­de­mos dar o exem­plo do pre­si­den­te do Pa­ok (da Gré­cia), de pis­to­la no col­dre, a in­va­dir do ter­re­no de jo­go, pa­ra mos­trar que há pi­or do que nós. Mas é es­se o mo­de­lo que que­re­mos co­pi­ar? Aqui che­ga­dos é pos­sí­vel con­cluir uma coi­sa: o es­ti­lo ca­ce­tei­ro não é a úni­ca for­ma de mo­ti­var o uni­ver­so de apoi­an­tes de uma equi­pa. E de ga­nhar cam­pe­o­na­tos. E de ga­nhar pro­vas eu­ro­pei­as: o Re­al Ma­drid vai na 4.ª fi­nal eu­ro­peia dos úl­ti­mos cin­co anos. E ga­nhou três de­las (fal­ta sa­ber se ga­nha a des­te ano). O Atlé­ti­co de Ma­drid dis­pu­tou du­as das úl­ti­mas qu­a­tro re­a­li­za­das. É nis­to que te­mos de me­di­tar. O fu­te­bol é ca­da vez mais um ne­gó­cio. Que mo­ve mi­lhões. A for­ma la­men­tá­vel co­mo es­tá a ser ge­ri­do em Por­tu­gal é a me­lhor ma­nei­ra de dar ca­bo des­ses mi­lhões. Co­mo o Spor­ting es­tá a des­co­brir. Ar­ti­go em con­for­mi­da­de com o no­vo acor­do or­to­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.