A fo­guei­ra das ver­da­des

Jornal de Negócios - - SEMANA -

Co­mo é que Mar­ce­lo se po­de­rá sen­tar ao la­do de Bru­no de Car­va­lho?

De­sa­pa­re­ceu há di­as Tom Wol­fe, o au­tor de “AFo­guei­ra das Vai­da­des”, olhar clí­ni­co e úni­co so­bre a as­cen­são de que­da de um “bro­ker” de Wall Stre­et na cha­ma­da épo­ca de ou­ro do ca­pi­ta­lis­mo fi­nan­cei­ro, na dé­ca­da de 1980. Wol­fe era um ver­da­dei­ro “dandy”, sím­bo­lo do “no­vo jor­na­lis­mo” (a de­sig­na­ção pa­ra uma sé­rie de autores que uti­li­za­va as téc­ni­cas do jor­na­lis­mo pa­ra es­cre­ver obras que cru­za­vam re­por­ta­gem e fic­ção, e don­de sur­gi­ram no­mes co­mo Tru­man Ca­po­te, Nor­man Mai­ler ou Gay Ta­le­se). Fã de Bal­zac ou Dic­kens, que re­tra­ta­ram co­mo pou­cos as so­ci­e­da­des de Pa­ris e Lon­dres, ele fez o mes­mo ao “ame­ri­can way ofli­fe”. Era um pro­vo­ca­dor. Faz fal­ta al­guém co­mo Wol­fe que re­tra­te es­tes lon­gos anos de pro­mis­cui­da­de en­tre di­ri­gen­tes do fu­te­bol, po­lí­ti­cos e al­guns em­pre­sá­ri­os. Fal­ta uma “Fo­guei­ra das Ver­da­des”. É por is­so que soa a um gran­de vazio a de­cla­ra­ção de An­tó­nio Cos­ta de que se vai avan­çar pa­ra uma al­ta au­to­ri­da­de con­tra a vi­o­lên­cia no des­por­to. Per­gun­ta-se: pa­ra quê? Os pro­ble­mas es­tão iden­ti­fi­ca­dos. As op­ções pa­ra os com­ba­ter são ób­vi­as. Is­to só su­ce­de por­que o Es­ta­do ab­di­cou da sua ac­ção (bas­ta ou­vir o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Des­por­to, a di­zer o ób­vio, pa­ra se per­ce­ber is­so), e a Li­ga de Clu­bes é um tra­pé­zio de equi­lí­bri­os que não con­du­zem a la­do al­gum (bas­ta ver a rá­bu­la da re­pro­mo­ção do Gil Vi­cen­te). Há al­guns anos, o Spor­ting pa­re­ceu anun­ci­ar um no­vo mun­do ao fu­te­bol in­dí­ge­na. Os seus di­ri­gen­tes, pi­o­nei­ros em Por­tu­gal nes­ta es­tra­té­gia, ves­ti­am os fa­tos de exe­cu­ti­vos e di­zi­am que ti­nham um “pro­jec­to”: tor­nar o clu­be um pro­jec­to em­pre­sa­ri­al. De mer­ce­a­ria iria trans­for­mar-se nu­ma SAD. Era uma pro­fe­cia que iria cau­sar um tre­mor de ter­ra no fu­te­bol por­tu­guês. To­dos fi­ca­ram à es­pe­ra de en­con­trar ali a so­lu­ção pa­ra os ví­rus que con­ta­mi­na­vam a ac­ti­vi­da­de des­por­ti­va. Os clu­bes iri­am fi­nal­men­te trans­for­mar-se em so­ci­e­da­des anó­ni­mas, os pre­si­den­tes em em­pre­sá­ri­os, os jo­ga­do­res em “ac­ti­vos”. O Spor­ting pa­re­cia ter des­co­ber­to o ca­mi­nho ma­rí­ti­mo pa­ra um fu­tu­ro ra­di­o­so. Apos­tou em jo­vens cra­ques que, de­pois de co­lo­ca­dos no mer­ca­do, pa­ga­ri­am o exer­cí­cio e in­ves­tir em es­co­las de for­ma­ção. Mas, com o pas­sar dos anos, a que fo­mos as­sis­tin­do? O “pro­jec­to” foi-se des­mo­ro­nan­do. Os pre­si­den­tes su­ce­de­ram-se, qua­se sem­pre es­co­lhi­dos por quem na som­bra ia fi­nan­ci­an­do os “pro­jec­tos”, co­mo o foi o de Bru­no de Car­va­lho. Es­pan­ta ago­ra ver al­guns dos que cri­a­ram Bru­no de Car­va­lho es­ta­rem a pe­dir-lhe que se de­mi­ta por­que “mu­dou nos úl­ti­mos seis me­ses”. Se is­to não é uma ane­do­ta, não se sa­be o que se­rá. Per­ce­be-se o des­con­for­to de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa so­bre ir ao Ja­mor no do­min­go: co­mo se po­de sen­tar ao la­do de Bru­no de Car­va­lho? Era o des­pres­tí­gio fi­nal do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co. O que cus­ta é que to­da es­ta tra­gé­dia tem a ver com a cum­pli­ci­da­de po­lí­ti­ca com os di­ri­gen­tes do fu­te­bol, por­que is­so traz vo­tos e fo­to­gra­fi­as ao la­do de cra­ques. As vi­tó­ri­as no fu­te­bol, em Por­tu­gal, são uma boa des­cul­pa pa­ra a fal­ta de idei­as. Bru­no de Car­va­lho é só a pon­ta do ice­ber­gue do que é o fu­te­bol nes­te país. On­de o po­pu­lis­mo rei­na e ameaça o Es­ta­do de­mo­crá­ti­co. E is­so só acon­te­ce por­que es­te se de­mi­tiu de ul­tra­pas­sar clu­bis­mos e ac­tu­ar a sé­rio pa­ra fa­zer re­gres­sar a mo­ra­li­da­de a um mun­do que pa­re­ce vi­ver fo­ra da lei. Em Al­co­che­te, mas não só. E que cri­ou uma cul­tu­ra de ódio que atra­ves­sa to­da a so­ci­e­da­de.

Mi­guel Bar­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.