C LXXVI I I. Ca­ro Eu­cli­des

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS - VIRGOLINO FANECA

Ami­go, pe­des-me o im­pos­sí­vel, que fa­le so­bre fu­te­bol, quando não há na­da a fa­lar so­bre o di­to. Aliás, o meu so­bri­nho Pa­ra­gra­fi­no já me ti­nha avi­sa­do, tio, as tu­as epís­to­las es­tão a tor­nar-se mo­no­te­má­ti­cas, só es­cre­ves so­bre fu­te­bol, fu­te­bol e fu­te­bol. Já nem ten­tas uma pi­a­da so­bre o Kim ou um tro­ca­di­lho fá­cil à vol­ta da pa­la­vra Trump. Ol­vi­das­te o po­ten­ci­al mo­fan­te da Ma­ria Le­al, não exer­ci­tas a tua fa­ce­ta vi­pe­ri­na so­bre os po­lí­ti­cos, es­tás to­tal­men­te vi­dra­do nes­se des­por­to es­fé­ri­co e nos seus pro­ta­go­nis­tas, a tal pon­to que pa­re­ces to­lhi­do por uma do­en­ça men­tal da­que­las que exi­gem o uso das ca­mi­sas bran­cas com vel­cros. Acon­te­ce, ami­go Eu­cli­des, que o meu pre­di­lec­to Pa­ra­gra­fi­no tem car­ra­das de ra­zão. No fu­te­bol, um ti­po nem pre­ci­sa de exer­ci­tar as cé­lu­las cin­zen­tas pa­ra des­co­brir um as­sun­to, es­tá tu­do ali, de mão bei­ja­da, é só es­co­lher e zás, sai uma epís­to­la pa­ra a me­sa três, acom­pa­nha­da por umas al­ca­goi­tas e a res­pec­ti­va mi­ni, sen­do até per­mi­ti­da uma cer­ta bo­ça­li­da­de, de for­ma a ni­ve­lar a coi­sa. Por is­so, es­ti­ma­do, en­trei num pro­ces­so de tra­ta­men­to que pas­sa por me de­sin­to­xi­car do fu­te­bol (e tam­bém, por uma ques­tão de ac­tu­a­li­da­de, do an­de­bol). Em ma­té­ria de des­por­to, só abro du­as ex­cep­ções, uma pa­ra o cur­ling, ou­tra pa­ra sno­o­ker, que tu cer­ta­men­te con­si­de­ra­rás, de for­ma er­ró­nea, mo­da­li­da­des so­po­rí­fe­ras. Cla­ro que po­dia pe­ro­rar so­bre o se­nhor Bru­no e uns ener­gú­me­nos que agre­di­ram jo­ga­do­res do Spor­ting, por­que is­so não é fu­te­bol, mas sim bes­ti­a­li­da­de em es­ta­do pu­ro. Mas nem a tal me atre­vo, por­que é im­pos­sí­vel iro­ni­zar so­bre acon­te­ci­men­tos tão dan­tes­cos e pro­ta­go­nis­tas de gran­di­o­sa me­di­o­cri­da­de. Aliás, de­pois des­te pen­sa­men­to pe­ca­mi­no­so fui ver um ví­deo que an­da pe­las re­des on­de se vê o fi­lho do fu­te­bo­lis­ta Mar­ce­lo, no bal­neá­rio, a dar to­ques de ca­be­ça com os jo­ga­do­res do Re­al Ma­drid, pa­ra me ali­men­tar a es­pe­ran­ça de que um dia as coi­sas po­de­rão ser diferentes. Pos­to is­to, o que te pos­so as­se­gu­rar, amá­vel Eu­cli­des, é que ama­nhã es­ta­rá um bom dia se por­ven­tu­ra não cho­ver e que é muito pro­vá­vel que o Pre­si­den­te Mar­ce­lo co­men­te um as­sun­to qual­quer, por exem­plo, a trans­for­ma­ção de Ví­tor Cons­tân­cio de ban­quei­ro em blog­ger in­te­lec­tu­al, ou a que­da de um tu­ris­ta da mu­ra­lha do cas­te­lo de Óbi­dos, cir­cuns­tân­cia que po­de be­lis­car a ima­gem ex­ter­na de Por­tu­gal, ou ser ape­nas uma im­pru­dên­cia do di­to. Tam­bém te po­dia adi­an­tar que a Lu­ci­a­na Abreu fez uma mú­si­ca de apoio à se­lec­ção na­ci­o­nal, can­ta­da me­ta­de em por­tu­guês, me­ta­de em cas­te­lha­no, o que faz sen­ti­do por­que Por­tu­gal e Es­pa­nha se vão de­fron­tar na Rús­sia, mas is­so se­ria que­brar a mi­nha pro­mes­sa de tor­nar o fu­te­bol um te­ma ta­bu. Olha, Eu­cli­des, nes­te mo­men­to sin­to-me na ca­ver­na ale­gó­ri­ca cri­a­da por Pla­tão e tris­te por as­sim me en­con­trar, de­ri­va­do do fac­to de con­si­de­rar que há gen­te mais me­re­ce­do­ra de estar num lu­gar es­cu­ro, hú­mi­do, cu­jos no­mes não es­cre­ve­rei pa­ra não cair em ten­ta­ção. Só es­pe­ro que na pró­xi­ma se­ma­na a “la bom­ba” Ana Ma­lhoa responda mu­si­cal­men­te à Lu­ci­a­na Abreu, pa­ra po­der dis­ser­tar so­bre a im­por­tân­cia da boa mú­si­ca na for­ma­ção dos jo­vens. Um adeus por­tu­guês des­te teu,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.