O ros­to de uma pes­soa é co­mo uma pai­sa­gem

A Ar­gen­ti­na é um país com mui­ta di­fi­cul­da­de em se­guir em fren­te, e is­so vê-se na­qui­lo que se es­tá a pas­sar ho­je.

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS - A par­tir de uma con­ver­sa com LÚCIA CRESPO SÉR­GIO LE­MOS

Da­ni­el Mer­lín agar­ra em mi­lha­res de pe­que­nos pe­da­ços de pa­pel e, atra­vés da sua téc­ni­ca de co­la­gem so­bre­pos­ta, vai cons­truin­do ros­tos e pai­sa­gens hu­ma­nas. Al­guns dos seus tra­ba­lhos es­tão ago­ra ex­pos­tos na Ga­le­ria Art Loun­ge, em Lis­boa. Da­vid Bowie, Mick Jag­ger e Da­vid Lyn­ch são al­guns dos íco­nes con­tem­po­râ­ne­os re­tra­ta­dos na ex­po­si­ção “Mi­tos”. Da­ni­el Mer­lín nas­ceu na Ar­gen­ti­na em 1985, vi­ve em Ma­drid des­de os 10 anos e sem­pre gos­tou de pin­tar re­tra­tos. Pri­mei­ro a car­vão, de­pois a óleo e ago­ra uti­li­za pe­da­ços de pa­pel e res­tos de de­se­nhos an­ti­gos. Em 2015, ga­nhou o pré­mio BMV de pin­tu­ra. Os seus re­tra­tos têm si­do exi­bi­dos em di­ver­sas ga­le­ri­as e em even­tos co­mo a Art Ma­drid Fei­ra de Ar­te Con­tem­po­râ­nea e a AR­CO.

EO­meu pai é gui­tar­ris­ta clás­si­co, a mi­nha mãe é pi­a­nis­ta e os meus ir­mãos tam­bém são mú­si­cos, eu fui o úni­co a fi­car de fo­ra do mun­do da mú­si­ca. Mas em mi­nha ca­sa ha­via um am­bi­en­te ar­tís­ti­co e ía­mos vi­si­tar mui­tos mu­seus. Eu es­ta­va ha­bi­tu­a­do a ver os gran­des mestres da pin­tu­ra em li­vros e, de re­pen­te, po­der ob­ser­var os qua­dros ori­gi­nais de fi­gu­ras co­mo Ve­láz­quez e Goya foi al­go muito im­por­tan­te pa­ra mim. Do Pi­cas­so, por exem­plo, já não gos­ta­va muito. Pa­ra mim, pin­tu­ra era a pin­tu­ra clás­si­ca. Até cos­tu­ma­va co­pi­ar os Cris­tos e as Vir­gens que via nas igre­jas por­que acha­va que os pin­to­res de ver­da­de pin­ta­vam es­sas coi­sas. O tem­po pas­sou e per­ce­bi que a pin­tu­ra abar­ca um mun­do, cla­ro. Ho­je, dos con­tem­po­râ­ne­os, gos­to muito dos ex­pres­si­o­nis­tas abs­trac­tos. Co­me­cei por es­tu­dar pin­tu­ra com pro­fes­so­res par­ti­cu­la­res, muito rí­gi­dos, cha­te­a­va-me com to­dos, acha­va que não ti­nham na­da pa­ra me en­si­nar, o que era men­ti­ra, ob­vi­a­men­te. Mas lem­bro-me de uma pro­fes­so­ra que não me dei­xa­va usar co­res e man­da­va-me pin­tar na­tu­re­zas mor­tas, que eu não gos­ta­va mes­mo na­da, eu que­ria era ser li­vre e pin­tar re­tra­tos! Pin­ta­va qua­dros de fa­mí­lia e de ami­gos e as pes­so­as mos­tra­vam-se cu­ri­o­sas. Um dia, os meus pais or­ga­ni­za­ram-me aque­la que foi a mi­nha pri­mei­ra ex­po­si­ção, fei­ta com de­se­nhos in­fan­tis. Eu era muito pe­que­no e en­ca­ra­va tu­do co­mo uma brin­ca­dei­ra, mas aos 15 anos ex­pus de ver­da­de e, ain­da ho­je, não per­ce­bo muito bem co­mo é que tu­do acon­te­ceu. Con­ti­nu­ei a apren­der de for­ma au­tó­no­ma. De- Eu ti­nha mui­tos de­se­nhos an­ti­gos guar­da­dos em cai­xas e a da­da al­tu­ra co­me­cei a ras­gá-los e a acu­mu­lar pe­da­ços de pa­pel, or­ga­ni­zan­do-os por to­na­li­da­des mais cla­ras ou mais es­cu­ras. A par­tir des­sas man­chas, fui cri­an­do uma es­pé­cie de “ma­pas” de ros­tos e cons­truin­do re­tra­tos. Tam­bém apro­vei­to velhas ra­di­o­gra­fi­as e an­do sem­pre à ca­ça de fo­to­gra­fi­as an­ti­gas que, com o bri­lho do seu pa­pel, per­mi­tem-me avi­var o olhar das pes­so­as dos qua­dros. Qu­e­ro dar uma no­va vi­da plás­ti­ca às per­so­na­gens e, por is­so, não gos­to que os re­tra­tos fi­quem de­ma­si­a­do pa­re­ci­dos com as fo­to­gra­fi­as que ser­vem de mo­de­lo. Qu­e­ro cap­tar aqui­lo que re­al­men­te me in­te­res­sa, co­mo a ex­pres­são e a vi­da das pes­so­as, e não ter fo­to­có­pi­as de Ma­rilyn Mon­roe, por exem­plo. Qu­e­ro afas­tar-me das pin­tu­ras pop. Não gos­to mes­mo na­da. Nes­ta ex­po­si­ção, a úni­ca re­la­ção com o pop tem que ver com as per­so­na­gens dos qua­dros.

ci­di não ir pa­ra a fa­cul­da­de pois ti­nha mui­tos ami­gos que es­ta­vam na uni­ver­si­da­de e sen­ti­am-se frus­tra­dos. En­tão, ar­ren­dei o meu pró­prio es­pa­ço, on­de vou in­ves­ti­gan­do e ex­pe­ri­men­tan­do sem­pre no­vas pos­si­bi­li­da­des. Vou er­ran­do e vol­tan­do a ex­pe­ri­men­tar até en­con­trar um ca­mi­nho pró­prio pe­lo qu­al a mi­nha pin­tu­ra po­de evo­luir. Es­tou nes­se pro­ces­so con­ti­nu­a­men­te. Por ve­zes, blo­queio e não sei o que fa­zer. Na ver­da­de, es­sa é a vi­da de um pin­tor: estar blo­que­a­do e des­blo­que­ar-se. Sem­pre me sen­ti muito li­vre no meu tra­ba­lho, sei que há coi­sas que se ven­dem me­lhor, ou­tras nem tan­to, mas is­so não me pre­o­cu­pa muito. Cla­ro que é di­fí­cil, é sem­pre as­sim, os pin­to­res es­tão em cri­se per­ma­nen­te­men­te. Mas não va­mos dei­xar de pin­tar se não ven­der­mos as pin­tu­ras, pe­lo con­trá­rio, até pin­ta­mos mais. Por is­so, o me­lhor é não nos pres­si­o­nar­mos a ven­der, pois é al­go que não po­de­mos con­tro­lar muito bem. Cla­ro que se for­mos muito bons, cer­ta­men­te se­rá me­lhor. Acho que ain­da me fal­ta muito pa­ra ser bom, mas es­tá cla­rís­si­mo na mi­nha ca­be­ça que é is­to que vou fa­zer to­da a vi­da. Nem eu sa­be­ria que ou­tra coi­sa po­de­ria fa­zer. Nes­ta ex­po­si­ção, em con­cre­to, es­tão exi­bi­das pin­tu­ras de ce­le­bri­da­des, mas ge­ral­men­te pin­to gen­te nor­mal, es­tou sem­pre aten­to aos ros­tos das pes­so­as e às su­as ex­pres­sões. O ros­to de uma pes­soa é co­mo uma pai­sa­gem. O ros­to é mes­mo uma pai­sa­gem. Há mui­ta gen­te que me per­gun­ta por­que é que eu só pin­to ca­ras. Não sei res­pon­der muito bem. Sei que um ros­to tem tu­do, sei que um ros­to con­den­sa tu­do. Po­de­mos ver uma tem­pes­ta­de nos olhos de al­guém. Po­de­mos ver mui­ta coi­sa atra­vés do olhar. Por exem­plo, Da­vid Bowie é uma ce­le­bri­da­de, mas tem um ros­to muito par­ti­cu­lar, eu ti­ro-lhe a más­ca­ra de Da­vid Bowie e ve­jo-o.

Nas­ci na Ar­gen­ti­na em 1985, on­de vi­vi até aos 10 anos, e ain­da me lem­bro da cri­se eco­nó­mi­ca de en­tão. Te­nho me­mó­ria de Bu­e­nos Ai­res com tu­do par­ti­do, su­jo e caó­ti­co, mas eu era muito pe­que­no e não ti­nha ver­da­dei­ra cons­ci­ên­cia da­qui­lo que se es­ta­va a pas­sar. A Ar­gen­ti­na é um país com mui­ta di­fi­cul­da­de em se­guir em fren­te... E is­so vê-se na­qui­lo que se es­tá a pas­sar ho­je. Co­mo o meu pai pas­sa­va mui­tos me­ses fo­ra de ca­sa, so­bre­tu­do em “tour­nées” na Eu­ro­pa, a da­da al­tu­ra mu­dá­mo-nos pa­ra Es­pa­nha, um bom pon­to de par­ti­da pa­ra paí­ses co­mo Ale­ma­nha e Fran­ça, on­de ele ti­nha muito tra­ba­lho. Quando che­gá­mos à Eu­ro­pa, es­ta­va tu­do tão lim­pi­nho quando com­pa­ra­do com a Ar­gen­ti­na... Con­ti­nuo a ler bas­tan­tes jor­nais ar­gen­ti­nos, não sei porquê, até por­que já nem te­nho mui­ta fa­mí­lia no país, po­de ter que ver com a ques­tão da pá­tria, mas sin­to-me bas­tan­te es­pa­nhol tam­bém, Es­pa­nha tem-me da­do muito. Um dia, gos­ta­ria de não ser tu­ris­ta em Por­tu­gal, que­ria vi­ver cá du­ran­te uma tem­po­ra­da, um ou dois anos, sin­to bas­tan­te paz nes­te país. É o ar, é a luz, são as pes­so­as, é tu­do jun­to. Ima­gi­no-me a mo­rar per­to de Sin­tra, nu­ma gran­de ca­sa jun­to ao mar, e a pin­tar. Sim, nós, pin­to­res, ain­da acre­di­ta­mos no ro­man­tis­mo, ain­da acre­di­ta­mos nos ama­nhe­ce­res e nos en­tar­de­ce­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.