Tom Wol­fe

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS -

D E S CALAB RO

Aro­ti­na por­tu­gue­sa é es­ta: não há se­ma­na em que não sur­ja um es­cân­da­lo – se­ja de cor­rup­ção en­tre os po­lí­ti­cos, se­ja em clu­bes de fu­te­bol. Che­gá­mos a um pon­to em que tu­do pa­re­ce ser per­mi­ti­do, em que exis­te um sen­ti­men­to de im­pu­ni­da­de que faz uma mis­tu­ra ex­plo­si­va quando apa­re­ce com­bi­na­do com ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, co­mo tem si­do o ca­so. Os acon­te­ci­men­tos des­ta se­ma­na no Spor­ting, ou­tros de se­ma­nas an­te­ri­o­res no Ben­fi­ca, mos­tram is­to mes­mo. Tu­do se pas­sa co­mo se os clu­bes de fu­te­bol ti­ves­sem dei­xa­do de ter di­rec­ções e pas­sas­sem a ser go­ver­na­dos por cla­ques des­con­tro­la­das. Clu­bes que de­vi­am ser uma re­fe­rên­cia ins­pi­ra­do­ra de bons com­por­ta­men­tos des­por­ti­vos pas­sa­ram a exem­plo do que não po­de acon­te­cer. O que se pas­sou no Spor­tin­gé, aes­se ní­vel, par­ti­cu­lar­men­te gra­ve – tra­ta-se de agres­sões a jo­ga­do­res em du­as oca­siões: dia 13, nas ga­ra­gens do es­tá­dio, de­pois da che­ga­da da Ma­dei­ra, e dia 15, nas ins­ta­la­ções da aca­de­mia, em Al­co­che­te. Nos dois ca­sos, as agres­sões re­a­li­za­ram-se em ins­ta­la­ções do Spor­ting, pe­ran­te a au­sên­cia ou in­di­fe­ren­ça da se­gu­ran­ça que aí de­via exis­tir – e que de­via ser in­ves­ti­ga­da por ter per­mi­ti­do o que se pas­sou. Va­le a pe­na ler es­tas du­as ci­ta­ções – a pri­mei­ra é de Bru­no de Car­va­lho: “Foi chato, mas ama­nhã é um no­vo dia e te­mos de per­ce­ber que o cri­me faz par­te do dia-a-dia”; e a se­gun­da foi pro­fe­ri­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca: “São acon­te­ci­men­tos gra­ves que não po­de­mos nor­ma­li­zar ou ba­na­li­zar sob pe­na de per­mi­tir­mos es­ca­la­das que são más pa­ra o des­por­to por­tu­guês e pa­ra a so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa no seu to­do”. O des­por­to pro­fis­si­o­nal, que de­via ser uma mo­ti­va­ção e um exem­plo de fair-play, trans­for­mou-se em Por­tu­gal num va­le-tu­do go­ver­na­do por ar­ri­vis­tas que se jul­gam aci­ma da lei. Is­to já não é des­por­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.