On­de fi­ca a nos­sa ca­sa quando a sau­da­de se equi­li­bra no oce­a­no

As his­tó­ri­as dos ou­tros têm sem­pre al­go de nós. Quando se diz adeus à pá­tria, é ela que aca­ba por mar­car o nos­so dis­cur­so sem­pre que nos ques­ti­o­nam so­bre o no­vo des­ti­no. O Bra­sil e a emi­gra­ção por­tu­gue­sa pe­los ou­vi­dos aten­tos de Ti­a­go Ca­de­te.

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS - WILSON LEDO

To­da e qual­quer me­mó­ria é cons­truí­da. Aqui­lo que guar­da­mos dos lu­ga­res, das vo­zes, dos to­ques dos ou­tros na nos­sa pe­le não é mais do que uma va­ri­a­ção cons­tan­te ao lon­go do tem­po. É com me­mó­ri­as que se jo­ga em “En­tre­vis­tas”, o no­vo tra­ba­lho de Ti­a­go Ca­de­te. A tra­ba­lhar en­tre Lis­boa e o Rio de Ja­nei­ro, o ar­tis­ta foi co­nhe­cer as his­tó­ri­as de emi­gran­tes por­tu­gue­ses no Bra­sil. De ge­ra­ções diferentes mas, cu­ri­o­sa­men­te, com as mes­mas pre­o­cu­pa­ções. As pre­o­cu­pa­ções de­le pró­prio. Por is­so, Ti­a­go não he­si­ta em chamar es­te tra­ba­lho de “bi­o­gra- fia ex­pan­di­da”, apro­pri­an­do-se de uma no­ção vin­da das ar­tes vi­su­ais. A pa­la­vra e a ima­gem são in­dis­so­ciá­veis, tal co­mo se mos­tra nu­ma das en­tre­vis­tas, quando o ar­tis­ta re­en­con­tra um co­le­ga de in­fân­cia no Al­gar­ve, mas ago­ra do outro la­do do Atlân­ti­co. Em “En­tre­vis­tas” le­van­tam-se ques­tões im­por­tan­tes sem a ne­ces­si­da­de de um tom gra­ve. Pren­dem pe­la sua uni­ver­sa­li­da­de e, em si­mul­tâ­neo, pe­lo seu ca­rác­ter ín­ti­mo. Ti­a­go Ca­de­te des­fia as nar­ra­ti­vas que ele pró­prio ou­ve atra­vés de um au­ri­cu­lar. É fi­el às va­ri­a­ções de voz, aos si­lên­ci­os, aos ri­sos. Is­so é si­nó­ni­mo de sa­ber es­cu­tar. Dá-nos con­ta dos pré-con­cei­tos que en­vol­vem a ima­gem do Bra­sil, da in­se­gu­ran­ça à tro­pi­ca­li­da­de. Ca­pí­tu­lo a ca­pí­tu­lo, en­tre­cor­ta­dos pe­la in­ver­são de canções que fa­cil­men­te as­so­ci­a­mos à iden­ti­da­de por­tu­gue­sa. Por­que é de iden­ti­da­de lusa que aqui aca­ba por se fa­lar. “As pes­so­as que­ri­am muito fa­lar de Por­tu­gal. Com a tua saí­da co­me­ças a vis­lum­brar o que é Por­tu­gal”, con­ta. Pe­lo ca­mi­nho, nes­tas vi­a­gens, mos­tra-se co­mo é di­fí­cil o pro­ces­so de fa­zer o lu­to à dis­tân­cia ou de ques­ti­o­nar qu­al é, afi­nal, a nos­sa ver­da­dei­ra ca­sa. As ques­tões da co­lo­ni­za­ção, par­te in­te­gran­te da pes­qui­sa de Ti­a­go Ca­de­te ao lon- go dos anos, mar­cam tam­bém pre­sen­ça pa­ra mos­trar co­mo ain­da exis­tem fe­ri­das aber­tas en­tre os dois paí­ses. “Eu já não sou o mes­mo”, ou­ve-se nu­ma das en­tre­vis­tas. Mu­dar de pá­tria im­pli­ca tam­bém mu­dar de iden­ti­da­de, de so­ta­que, de ide­ais. No­vos con­tex­tos tra­zem no­vos ho­ri­zon­tes: o país na­tal pas­sa a ser vis­to à dis­tân­cia, num mis­to en­tre a sau­da­de e a sen­sa­ção de que já ali não se per­ten­ce. Ti­a­go Ca­de­te não se li­mi­ta a ser o por­ta-voz des­tas his­tó­ri­as. Ao lon­go da pe­ça, é um ver­da­dei­ro ilu­si­o­nis­ta – no bom sen­ti­do. Três de­ze­nas de ovos vão pas­san-

EN­TRE­VIS­TAS O NO­VO TRA­BA­LHO DE TI­A­GO CA­DE­TE ES­TÁ EM CE­NA NA RUA DAS GAI­VO­TAS 6, EM LIS­BOA, DE 17 A 19 DE MAI O. VOARÁ PA­RA O BRASI L NO FI NAL DO ANO, COM APRESENTAÇÕES NO RIO DE JANEI RO.

do en­tre os seus de­dos e, sur­pre­en­den­te­men­te, equi­li­bran­do-se de pé na me­sa on­de se dão as en­tre­vis­tas. O tru­que de Cris­tó­vão Co­lom­bo é me­tá­fo­ra sim­ples e efi­caz. Nes­tes ovos de­fi­nem-se ter­ri­tó­ri­os, en­cai­xes, adap­ta­ções. Até que o fi­nal di­ta­rá o seu des­ti­no. O som do em­ba­te do seu con­teú­do com o chão, evo­can­do lá­gri­mas por­tu­gue­sas num Bra­sil lon­gín­quo. Es­se som é pas­sa­do, pre­sen­te e fu­tu­ro: é o nos­so con­teú­do, a nos­sa es­sên­cia, a em­ba­ter no des­co­nhe­ci­do. Bas­ta que te­nha­mos to­ma­do a de­ci­são de di­zer adeus a um sí­tio que, ou­tro­ra, foi a nos­sa ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.