Um Al­va­ri­nho com Pi­not Noir! E es­ta?

Na Quin­ta de So­a­lhei­ro, já sa­be­mos que a cas­ta Al­va­ri­nho é ma­té­ria pa­ra cri­ar mui­ta coi­sa. Ago­ra que Luís Cer­dei­ra lhe jun­tas­se Pi­not Noir pa­ra fa­zer um ro­sé, nem a so­nhar ima­gi­na­ría­mos tal coi­sa.

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS - EDGARDO PA­CHE­CO

Quem es­cre­ve so­bre vi­nhos, azei­tes, quei­jos, en­chi­dos, pei­xes, car­nes, chás, ca­fés e – pa­ra in­te­grar tu­do – res­tau­ran­tes e che­fes aca­ba por ocu­par muito do seu tem­po com os pro­ces­sos his­tó­ri­cos da pro­du­ção. E, ul­ti­ma­men­te, dei por mim a cri­ar no te­le­mó­vel um do­cu­men­to es­pe­ci­al so­bre quais se­rão os pro­du­to­res/enó­lo­gos mais ino­va­do­res em Por­tu­gal. Co­mo se ima­gi­na, es­sa his­tó­ria da ino­va­ção no mun­do do vi­nho é uma equa­ção com va­riá­veis que nun­ca mais aca­bam. Há ti­pos que, a de­ter­mi­na­da al­tu­ra, fo­ram es­tra­te­gi­ca­men­te ino­va­do­res e de­pois de­sa­pa­re­ce­ram do ma­pa ou se dei­ta­ram à som­bra das ven­das e ou­tros que, de co­lhei­ta pa­ra co­lhei­ta, se ali­men­tam de uma cul­tu­ra as­sen­te na ne­ces­si­da­de de cri­ar a to­da a ho­ra. Pa­ra me fa­ci­li­tar a vi­da, cri­ei men­tal­men­te um pó­dio dos pro­du­to­res ino­va­do­res por re­gião vi­tí­co­la. Pe­lo que, co­me­çan­do no Mi­nho, dois no­mes se des­ta­cam a lé­guas nes­te cam­pe­o­na­to: An­sel­mo Men­des e Luís Cer­dei­ra, os enó­lo­gos que, em pou­co mais de 20 anos, fi­ze­ram do Al­va­ri­nho a cas­ta bran­ca mais ama­da em Por­tu­gal. Ho­je, des­ta­que­mos o lí­der da Quin­ta de So­a­lhei­ro por cau­sa do re­cém-che­ga­do Ro­sé Al­va­ri­nho & Pi­not Noir. Em si mes­mo, So­a­lhei­ro é si­nó­ni­mo de qua­li­da­de máxima e ino­va­ção, de tal for­ma que Luís Cer­dei­ra con­fir­mou-nos que exis­te mes­mo uma área de I&D na em­pre­sa que in­ves­te muito do seu tem­po na vi­si­ta a pro­du­to­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais pa­ra per­ce­ber tu­do o que es­tá a fer­men­tar na ca­be­ça de ou­tros pro­du­to­res. Co­mo vi­ver à con­ta do su­ces­so es­ta­be­le­ci­do é coi­sa que nun­ca en­cai­xou na ma­nei­ra de ser da fa­mí­lia Cer­dei­ra, a em­pre­sa foi sur­pre­en­den­do, nos úl­ti­mos anos, com coi­sas co­mo o Al­lo (Al­va­ri­nho e Lou­rei­ro), o Dó­cil (9% de ál­co­ol), o Gra­nit (mi­ne­ra­li­da­de ex­tre­ma), o Na­tu­re (sem adi­ção de sul­fi­tos), o Ter­ra­mat­ter (fei­to co­mo se fos­se um tin­to e sem fil­tra­gem) e o Opac­co, o tin­to que jun­ta Al­va­ri­nho à cas­ta Vi­nhão. Tu­do is­to fei­to sem­pre a pen­sar na cas­ta Al­va­ri­nho. Ago­ra sai-nos na emen­ta es­te ro­sé fo­ra da cai­xa pe­lo fac­to de, ao Al­va­ri­nho, jun­tar cer­ca de 30% de Pi­not Noir. Re­sul­ta­do, um vi­nho iné­di­to, que agra­da­rá muito a uns e fa­rá tor­cer o na­riz a ou­tros, mas que não dei­xa­rá de dar que fa­lar pe­lo fac­to an­dar por aqui uma cas­ta es­tran­gei­ra. E, con­fron­ta­do des­de lo­go com a ques­tão da ne­ces­si­da­de de me­ter no ro­sé Pi­not Noir (não po­de­ria, por exem­plo, ter usa­do Vi­nhão?), Cer­dei­ra é muito rá­pi­do: “Pri­mei­ro, o nos­so fo­co foi e sem­pre se­rá cri­ar a par­tir do Al­va­ri­nho; se­gun­do, to­dos gos­ta­mos muito do Pi­not e sa­be­mos que é uma cas­ta com gran­de ele­gân­cia, fá­cil e rá­pi­da de afi­nar na ade­ga; ter­cei­ro, en­ten­de­mos que a as­so­ci­a­ção de uma cas­ta es­tran­gei­ra fa­mo­sa ao Al­va­ri­nho é a me­lhor for­ma de pro­mo­ção nos mer­ca­dos ex­ter­nos e, quar­to, po­de­ría­mos de fac­to usar uma cas­ta tin­ta por­tu­gue­sa (a Tou­ri­ga Na­ci­o­nal, por exem­plo), é ver­da­de, mas não se­ria bem a mesma coi­sa.” De uma for­ma ou de ou­tra, a re­a­li­da­de é es­ta: es­ta­mos pe­ran­te um ro­sé de gran­de ca­te­go­ria, fo­ca­do no es­pí­ri­to da ele­gân­cia. A cor ins­pi­ra-se no que se faz em Pro­ven­ce (até o for­ma­to da gar­ra­fa), os aro­mas são de­li­ca­dís­si­mos (fru­tos de ba­ga ver­me­lhos, li­gei­ro flo­ral do Al­va­ri­nho e mi­ne­ra­li­da­de), mas a bo­ca é mar­ca­da pe­la fres­cu­ra, de­li­ca­de­za e, aci­ma de tu­do, pe­la se­cu­ra. Se­cu­ra quan­to bas­te. As uvas de Pi­not Noir cres­cem jun­to ao Atlân­ti­co e as de Al­va­ri­nho nas mar­gens do rio Mi­nho, ra­zão pe­la qu­al o vi­nho ga­nha uma fres­cu­ra e co­mo que umas cer­tas no­tas ru­des na bo­ca (nes­ta fa­se). Don­de, es­te é da­que­les ro­sés que não foi fei­to pa­ra quem gos­ta de for­ma­tos muito do­ces e con­cen­tra­dos. Mais, a prova nes­ta al­tu­ra in­di­ca que es­ta­mos pe­ran­te um vi­nho que evo­lui­rá bem em gar­ra­fa, tan­to mais que até te­mos a pos­si­bi­li­da­de de com­prar gar­ra­fas de 1,5 li­tros. Se eu fos­se um da­que­les es­can­ções que faz da sur­pre­sa um mo­do de tra­ba­lhar, com­pra­ria al­gu­mas gar­ra­fas des­te ro­sé e es­que­cia-me de­las dois ou três anos. Lá pa­ra 2021 co­me­ça­ria a pro­vá-lo. Da­rá pa­ra fa­zer umas be­las brin­ca­dei­ras à me­sa. Al­guém da ade­ga de Monção que, se ca­lhar, nun­ca es­tu­dou coi­sas de mar­ke­ting ou leu Ale­xan­dre O’Neil, te­ve uma ti­ra­da fe­liz pa­ra fa­zer um slo­gan a es­te ro­sé: “Chei­ra a do­ce, mas sa­be a se­co.” Per­fei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.