O des­por­to sem rei nem ro­que

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS - JOÃO QUA­DROS

De­pois de um adep­to as­sas­si­na­do jun­to ao Es­tá­dio daLuz, es­tá­di­os com ban­ca­das que ame­a­çam cair e afi­nal são só­li­das, cân­ti­cos de ale­gria so­bre mor­tos por “very-lights” e aviões com equi­pas que de­vi­am ter caí­do, in­va­sões de cam­po e agres­são a jo­ga­do­res, vi­si­tas da PJ a vá­ri­os es­tá­di­os, pro­gra­mas de TV com ame­a­ças fí­si­cas, cla­ques ile­gais, e de um gru­po de trin­ta adep­tos en­ca­pu­za­dos, em Ja­nei­ro, ter in­va­di­do o trei­no do Vi­tó­ria de Gui­ma­rães e agre­di­do vá­ri­os pro­fis­si­o­nais do clu­be, fi­nal­men­te, após o no­jen­to ata­que a Al­co­che­te e aos jo­ga­do­res do SCP, pra­ti­ca­do por 50 bi­son­tes li­ga­dos àJu­ve Leo, o Go­ver­no acor­dou pa­ra o es­ta­do do fu­te­bol por­tu­guês. Te­mos uma es­pé­cie de re­pe­ti­ção do mo­men­to “afi­nal, Só­cra­tes era um pa­ti­fe”, mas des­ta vez com o des­por­to-rei. Pro­va­vel­men­te, a se­guir, va­mos ver a ex-mu­lher de Bru­no de Car­va­lho vir di­zer que ele en­ga­nou to­da a gen­te.

Em pou­co tem­po, fa­la­ram Mar­ce­lo, Cos­ta e Fer­ro Ro­dri­gues. Só fal­tou fa­lar o Sal­va­dor Sobral e te­ría­mos as mais al­tas fi­gu­ras do país a co­men­tar o ca­so.

O pre­si­den­te da AR, Fer­ro Ro­dri­gues, dis­se que não fi­ca­ria sur­pre­en­di­do se a fi­nal da Ta­ça de Por­tu­gal se re­a­li­zas­se à por­ta fe­cha­da ou em Vi­la de Aves e res­pon­sa­bi­li­zou Bru­no de Car­va­lho pe­los in­ci­den­tes: “Põe em cau­sa o país.” Que pe­na não ter si­do tão rá­pi­do a jul­gar Só­cra­tes. Ima­gi­no que se Bru­no de Car­va­lho fos­se de­pu­ta­do e ti­ves­se da­do a mo­ra­da de Al­co­che­te pa­ra re­ce­ber sub­sí­di­os de des­lo­ca­ção, Fer­ro Ro­dri­gues di­ria “nun­ca ali­nhei, não ali­nho e não vou ali­nhar em di­nâ­mi­cas que ape­nas vi­sam di­mi­nuir a re­pre­sen­ta­ção de­mo­crá­ti­ca com jul­ga­men­tos éti­cos des­ca­bi­dos e apres­sa­dos”.

Já o PM, An­tó­nio Cos­ta, ad­mi­tiu cri­ar uma au­to­ri­da­de na­ci­o­nal pa­ra a vi­o­lên­cia no des­por­to. Es­pe­re­mos que cor­ra me­lhor do que com os in­cên­di­os. Uma coi­sa é cer­ta, sa­be­mos há uns tem­pos que An­tó­nio Cos­ta an­da a pen­sar nis­to da­se­gu­ran­ça no des­por­to. Tal­vez por is­so te­nha pe­di­do bi­lhe­tes pa­ra fi­car na tri­bu­na de hon­ra no Ben­fi­ca-Por­to (ao la­do do mai­or de­ve­dor do No­vo Ban­co que ti­nha si­do ven­di­do no dia an­te­ri­or, por tu­ta-e-meia de­vi­do às im­pa­ri­da­des) – por­que é o lo­cal mais seguro do es­tá­dio.

Tam­bém o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca veio fa­lar do ca­so, mos­tran­do-se cho­ca­do e exi­gin­do que os sus­pei­tos do ata­que se­jam ra­pi­da­men­te le­va­dos à jus­ti­ça, até por­que nes­te ca­so po­de­mos estar à von­ta­de da­do que, se­gun­do se sa­be, não há­ne­nhum ci­da­dão an­go­la­no en­vol­vi­do nain­va­são que pos­sa atra­pa­lhar as nos­sas re­la­ções com An­go­la.

O Pre­si­den­te tam­bém acres­cen­tou que ain­da não sa­be se vai as­sis­tir ao jo­go da fi­nal da Ta­ça. Mar­ce­lo, se­gun­do as no­tí­ci­as, es­tá in­co­mo­da­do com a pos­si­bi­li­da­de de se sen­tar ao la­do de Bru­no de Car­va­lho. Se ca­lhar, o me­lhor é o nos­so PR con­vi­dar o Salgado pa­ra o jo­go no Ja­mor e sen­tar-se ao la­do de­le, co­mo fa­zia no Es­to­ril Open. As­sim, já não sen­te in­có­mo­do.

Ima­gi­no que, de ago­ra em di­an­te, de­pois do ata­que a Al­co­che­te e com o fu­te­bol tão mal vis­to, os po­lí­ti­cos vão dei­xar de pe­dir bi­lhe­tes pa­ra a bola e co­me­çar ame­ter cu­nhas ape­dir ca­ma­ro­tes pa­ra aó­pe­ra ou o te­a­tro. É um fi­nal fe­liz.

Te­mos uma es­pé­cie de re­pe­ti­ção do mo­men­to “afi­nal, Só­cra­tes era um pa­ti­fe”, mas des­ta vez com o des­por­to-rei. Pro­va­vel­men­te, a se­guir, va­mos ver a ex-mu­lher de Bru­no de Car­va­lho vir di­zer que ele en­ga­nou to­da a gen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.