Ge­rir me­lhor

Jornal de Negócios - - OPINIÃO UMA VEZ POR MÊS - Ar­ti­go em con­for­mi­da­de com o no­vo Acor­do Or­to­grá­fi­co JOÃO BOR­GES DE AS­SUN­ÇÃO Pro­fes­sor na Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Por­tu­gue­sa jba@cls­be.lis­boa.ucp.pt

Li re­cen­te­men­te uma his­tó­ria so­bre a for­ma de ge­rir reu­niões de al­to ní­vel na Ama­zon que me dei­xou in­tri­ga­do. Apa­ren­te­men­te ca­da reu­nião co­me­ça com a lei­tu­ra si­len­ci­o­sa de um me­mo­ran­do de qu­a­tro a seis pá­gi­nas, por par­te de to­dos os pre­sen­tes. O que me pa­re­ce cu­ri­o­so é que uma das em­pre­sas mais evo­luí­das tec­no­lo­gi­ca­men­te co­me­ce as reu­niões de al­to ní­vel com um dos ins­tru­men­tos de ges­tão mais an­ti­gos do mun­do: o me­mo­ran­do. Po­der-se-ia es­pe­rar que as reu­niões co­me­ças­sem com apre­sen­ta­ção de re­sul­ta­dos, de in­di­ca­do­res, e da ve­ri­fi­ca­ção do cum­pri­men­to de me­tas nu­mé­ri­cas. Afi­nal es­ses re­la­tó­ri­os nu­mé­ri­cos de­vem ser muito fá­ceis de pro­du­zir pa­ra a Ama­zon, even­tu­al­men­te com re­cur­sos a fer­ra­men­tas de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. De igual mo­do o me­mo­ran­do não po­de ser subs­ti­tuí­do por uma apre­sen­ta­ção de Power Point. Não. É pre­ci­so fa­zer um ar­gu­men­to na for­ma nar­ra­da. O se­gun­do as­pe­to é igual­men­te cu­ri­o­so. O me­mo­ran­do de­ve ser li­do em si­lên­cio pe­los pre­sen­tes. O que tem al­guns sig­ni­fi­ca­dos in­te­res­san­tes. Pri­mei­ro, as pes­so­as têm de estar fi­si­ca­men­te pre­sen­tes na reu­nião (não há par­ti­ci­pan­tes re­mo­tos) pa­ra ga­ran­tir uma par­ti­ci­pa­ção com­ple­ta e de­di­ca­da. E, em se­gun­do lu­gar, as pes­so­as só co­me­çam a fa­lar após le­rem os ar­gu­men­tos, a nar­ra­ti­va, do pro­mo­tor da reu­nião. Es­sa lei­tu­ra é si­len­ci­o­sa, o que pro­pi­cia a re­fle­xão in­te­ri­or. É pa­ra­do­xal que num mun­do em que o dia de tra­ba­lho dos ges­to­res é in­ter­rom­pi­do em ca­ta­du­pa por emails, men­sa­gens, te­le­fo­ne­mas, aler­tas e no­tí­ci­as, a reu­nião te­nha um mo­men­to ini­ci­al de 15 mi­nu­tos a meia ho­ra pas­sa­do no si­lên­cio de uma pri­mei­ra lei­tu­ra de um me­mo­ran­do. E con­tra­di­tó- ria com a ideia co­mum de que os ges­to­res não têm tem­po pa­ra na­da, muito me­nos pa­ra ler. O mo­men­to de lei­tu­ra, mui­tas ve­zes as­so­ci­a­do à ina­ção ou ao ócio, é con­tra­di­tó­rio com a ima­gem do ges­tor em per­ma­nen­te ati­vi­da­de e sem­pre a to­mar de­ci­sões. O pre­si­den­te da Ama­zon re­co­nhe­ce que a lei­tu­ra si­len­ci­o­sa em co­mum de me­mo­ran­dos é um dos as­pe­tos mais es­tra­nhos (“weird”) da cul­tu­ra de ges­tão na em­pre­sa. Um me­mo­ran­do de qu­a­tro pá­gi­nas so­bre um te­ma de de­ci­são po­de pa­re­cer sim­ples. A re­a­li­da­de é que de­mo­ra muito tem­po a es­cre­ver, e é par­ti­lha­do com mui­tas pes­so­as an­tes de ser apre­sen­ta­do. Por is­so é mais di­fí­cil de fa­zer em tem­po do que a lis­ta de in­di­ca­do­res de per­for­man­ce re­gu­la­res usa­dos por uma em­pre­sa nas su­as reu­niões pe­rió­di­cas. Os ins­tru­men­tos da tec­no­lo­gia cri­am a ilu­são de que tu­do o que é im­por­tan­te po­de e de­ve ser fei­to de for­ma rá­pi­da. A cren­ça nas po­ten­ci­a­li­da­des da in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, por exem­plo, pa­ra to­dos os do­mí­ni­os da ges­tão, cria uma ideia fa­la­ci­o­sa: a de que a tec­no­lo­gia da­rá aos po­de­ro­sos os ins­tru­men­tos pa­ra to­ma­rem to­das as su­as de­ci­sões de for­ma rá­pi­da e se­gu­ra. O que nós ob­ser­va­mos, po­rém, é uma re­a­li­da­de di­fe­ren­te. As em­pre­sas que ne­gli­gen­ci­am os pro- ces­sos de to­ma­da de de­ci­são se­guem as mo­das e a ve­lo­ci­da­de de exe­cu­ção. Es­tão fas­ci­na­das pe­lo uso da tec­no­lo­gia. Os pro­ble­mas de ges­tão, po­rém, exi­gem pon­de­ra­ção, re­fle­xão e res­pei­to por pers­pe­ti­vas di­fe­ren­ci­a­das, da­que­las que só se ob­têm nu­ma reu­nião com vá­ri­as pes­so­as. Cu­ri­o­so que se­ja a Ama­zon a re­des­co­brir o va­lor de um bom me­mo­ran­do pre­pa­ra­tó­rio.

Os ins­tru­men­tos da tec­no­lo­gia cri­am a ilu­são de que tu­do o que é im­por­tan­te po­de e de­ve ser fei­to de for­ma rá­pi­da. Cu­ri­o­so que se­ja a Ama­zon a re­des­co­brir o va­lor de um bom me­mo­ran­do pre­pa­ra­tó­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.