CO­MI­DA PAN-ASIÁTICA EM LIS­BOA

LIS­BOA Os ven­tos do Ori­en­te trou­xe­ram até ao bair­ro da ca­pi­tal o pan-asiá­ti­co Soão, on­de ca­bem vá­ri­os paí­ses da­que­le con­ti­nen­te. Da de­co­ra­ção tra­di­ci­o­nal ao ser­vi­ço, pra­tos, chás e cock­tails, tu­do é pen­sa­do pa­ra en­cur­tar es­ta vi­a­gem.

Jornal de Notícias - JN + Evasões - - SUMÁRIO - TEX­TO DE MARLENE RENDEIRO FOTOGRAFIAS DE FER­NAN­DO MAR­QUES

No res­tau­ran­te Soão, aber­to re­cen­te­men­te em Al­va­la­de, ca­bem pra­tos, pe­tis­cos e be­bi­das do Ori­en­te.

OEx­pres­so do Ori­en­te, que che­gou a li­gar Pa­ris a Is­tam­bul, te­ria pou­ca ca­pa­ci­da­de pa­ra aguen­tar o per­cur­so que o no­vo res­tau­ran­te de Al­va­la­de se pro­põe fa­zer. Na car­ta do Soão (o ven­to que so­pra de Ori­en­te) a vi­a­gem gas­tro­nó­mi­ca per­cor­re Ín­dia, Vi­et­na­me, Tai­lân­dia, Chi­na, Co­reia do Sul e Ja­pão, com pos­si­bi­li­da­de de in­cluir ou­tras pa­ra­gens. «Ti­ve­mos de dei­xar pra­tos de ou­tros paí­ses fo­ra da car­ta», ex­pli­ca Luís Car­do­so, o chef que con­duz es­te com­boio. Foi dis­cí­pu­lo do ja­po­nês Ta­kashi Yoshi­ta­ke no an­ti­go Aya, mas o en­cer­ra­men­to do res­tau­ran­te le­vou-o a Bra­ga, on­de con­ti­nu­ou a fa­zer sushi tra­di­ci­o­nal.

O na­mo­ro com o gru­po Sea Me (com es­pa­ço ho­mó­ni­mo no Chi­a­do e a ca­deia Pre­go na Peixaria) já vi­nha de ou­tros tem­pos e o pro­je­to do Soão aca­bou por o con­ven­cer a re­gres­sar à ca­pi­tal. Jun­ta­men­te com Rui Gas­par, ad­mi­nis­tra­dor do Sea Me, lan­çou-se num pé­ri­plo pe­lo Ori­en­te an­tes da aber­tu­ra des­ta no­va apos­ta do gru­po. Pa­ra dar ex­pres­são às es­pe­ci­a­li­da­des da car­ta, o chef con­ta com uma equi­pa de se­te na­ci­o­na­li­da­des, ca­paz

de pre­pa­rar as mas­sas fres­cas

al den­te dos pad thai, o pi­can­te ca­ril ver­de e a so­pa tom yam, além do sushi. Nas en­tra­das en­con­tram­se dim sum de cham­pa­nhe e la­va­gan­te, pão fri­to com cho­co, ba­os e ain­da os ko­re­an chic­ken wings. Fo­ram os úl­ti­mos a en­trar na car­ta e são tão gu­lo­sos que se man­te­ve o há­bi­to de os comer à mão.

A ce­râ­mi­ca se­gue a li­nha ori­en­tal, co­mo o res­to da de­co­ra­ção. O car­pin­tei­ro Luís Sou­to foi o res­pon­sá­vel por cri­ar os pai­néis de ma­dei­ra que es­tão na en­tra­da de três das qua­tro sa­las pri­va­das no pi­so in­fe­ri­or. Ca­da uma tem lu­gar pa­ra seis pes­so­as e no­mes dis­tin­tos: ve­lu­do, bam­bu e se­da. A quar­ta sa­la, a Ki­mo­no, é a mais re­ser­va­da, com por­ta de ma­dei­ra, me­sa re­don­da e uma ja­ne­la pa­ra a co­zi­nha. Não é a úni­ca pos­si­bi­li­da­de de as­sis­tir à con­fe­ção dos pra­tos, já que no pri­mei­ro an­dar há lu­ga­res ao bal­cão e me­sas in­di­vi­du­ais.

A qual­quer um dos lo­cais de re­fei­ção che­gam as be­bi­das e cock­tails, que sa­em do bar no úl­ti­mo an­dar. Os chás fo­ram se­le­ci­o­na­dos pe­lo tea som­me­li­er Se­bas­ti­an Fil­gue­ra, da Com­pa­nhia Por­tu­gue­za do Chá, que se ali­ou ao

bar­ten­der Vas­co Mar­tins pa­ra se as­se­gu­rar de que as op­ções acom­pa­nha­vam os sa­bo­res da car­ta. Os dois cru­za­ram idei­as ao fa­zer nas­cer o mo­men­to Ce­ri­mó­nia de Chá, uma ex­pe­ri­ên­cia se­me­lhan­te ao «di­ges­ti­vo por­tu­guês», que jun­ta o whisky ao chá e que os vi­si­tan­tes po­dem pe­dir no fi­nal da re­fei­ção.

Vas­co Mar­tins, de­pois de mui­tos anos em Bar­ce­lo­na, en­tre­gou-se ao ali­ci­an­te no­vo pro­je­to, que lhe per­mi­te ter 95 por cen­to dos des­ti­la­dos da ca­sa com na­ci­o­na­li­da­de asiática. Nas pra­te­lei­ras es­tão runs tai­lan­de­ses e in­di­a­nos, gins e vod­ca ja­po­ne­ses e be­bi­das tra­di­ci­o­nais: saqué, bai­jiu e son­ju, es­tes úl­ti­mos des­ti­la­dos chi­nês e sul-co­re­a­no, res­pe­ti­va­men­te. É pos­sí­vel pro­vá-los in­di­vi­du­al­men­te e em cock­tails, que na­da têm de con­ven­ci­o­nal. Até por­que ingredientes mais ób­vi­os co­mo

wa­sa­bi e mat­cha fi­cam de fo­ra. «Qu­e­re­mos res­pei­tar as tra­di­ções asiá­ti­cas», ex­pli­ca Vas­co Mar­tins, en­quan­to men­ci­o­na sa­bo­res co­mo o ci­tri­no yu­zu, noz-mos­ca­da, ro­sa e pi­men­tas. Mui­ta pes­qui­sa e es­tu­do en­vol­vi­do nes­ta car­ta, tal co­mo em tu­do no Soão. Afi­nal, uma vi­a­gem não se faz sem pre­pa­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.