FI­CAR EM ALMADA COM VISTAS PA­RA BE­LÉM

ALMADA Na mar­gem sul do Te­jo es­tá o Olá Be­lém, um moi­nho com cer­ca de 200 anos. To­tal­men­te re­no­va­do, en­tre a ci­da­de e as prai­as da Cos­ta de Ca­pa­ri­ca, é o lo­cal per­fei­to pa­ra des­can­sar, usu­fruir da na­tu­re­za e apre­ci­ar a mí­ti­ca luz de Lis­boa

Jornal de Notícias - JN + Evasões - - SUMÁRIO - TEX­TO E FOTOGRAFIAS DE ANTÓNIO PE­DRO SAN­TOS

Num moi­nho re­cu­pe­ra­do faz-se tu­ris­mo ru­ral per­to da ci­da­de, das prai­as e em am­bi­en­te bu­có­li­co.

«Mu­da de vi­da se não vi­ves sa­tis­fei­to, mu­da de vi­da se há vi­da em ti a la­te­jar», can­ta­va, nos anos 1980, António Va­ri­a­ções. Foi is­so que o ca­sal Pe­dro Ro­dri­gues e Cláu­dia Mar­ques de­ci­diu fa­zer, com a re­mo­de­la­ção de um moi­nho na mar­gem sul de Lis­boa. Com uma vis­ta pri­vi­le­gi­a­da so­bre a ca­pi­tal, foi fá­cil en­con­trar

o nome cer­to. «Es­ta­mos mes­mo em fren­te a Be­lém. É já ali à fren­te. Po­de­mos ir à ja­ne­la e li­te­ral­men­te di­zer “Olá Be­lém”. Qui­se­mos um nome sim­ples pa­ra o pú­bli­co es­tran­gei­ro, mas que fos­se em por­tu­guês», ex­pli­ca Cláu­dia.

A ideia ini­ci­al, ima­gi­na­da há três anos, era fa­zer do moi­nho um es­pa­ço de lazer e con­ví­vio pa­ra a fa­mí­lia. To­dos os ami­gos ado­ra­vam

a lo­ca­li­za­ção e o es­pa­ço en­vol­ven­te, a meio ca­mi­nho en­tre a ci­da­de e as prai­as da Cos­ta de Ca­pa­ri­ca, com a par­ti­cu­la­ri­da­de de se che­gar até lá atra­vés de uma vi­a­gem de bar­co en­tre Be­lém e Porto Bran­dão. Até que um dia tu­do mu­dou. «Há já al­gum tem­po que que­ria explorar ou­tro ti­po de ati­vi­da­de. Com o nas­ci­men­to da nos­sa fi­lha, sentimos a ne­ces­si­da­de de pas­sar­mos mais tem­po jun­tos e per­ce­be­mos que os nos­sos exi­gen­tes tra­ba­lhos não nos per­mi­ti­ri­am a vi­da que pre­ten­de­mos», re­fe­re Pe­dro Ro­dri­gues. A de­ci­são in­cluía a mu­dan­ça de mar­gem de ar­mas e ba­ga­gens, além da trans­for­ma­ção do moi­nho num alo­ja­men­to lo­cal. «A par­tir do mo­men­to em que de­ci­di­mos que as­sim se­ria, o pro­ces­so foi to­do

mui­to rá­pi­do», acres­cen­ta Pe­dro.

O lo­cal on­de es­tá im­plan­ta­do o moi­nho tem tu­do o que um aman­te da na­tu­re­za gos­ta: paz, cal­ma, ve­ge­ta­ção, pás­sa­ros, uma boa vis­ta, mui­ta luz. Além dis­so, a pro­xi­mi­da­de das prai­as da Cos­ta de Ca­pa­ri­ca per­mi­te re­a­li­zar di­ver­sas ati­vi­da­des e des­por­tos. Es­ta é a mar­gem cer­ta, na opi­nião de mui­tos. Já o moi­nho po­de ser o lo­cal per­fei­to pa­ra um pe­di­do de ca­sa­men­to, de pre­fe­rên­cia ao pôr do Sol, com Lis­boa e Sin­tra co­mo pa­no de fun­do; ou, sim­ples­men­te, pa­ra ter tem­po de qua­li­da­de pa­ra pas­sar com os fi­lhos, já que o es­pa­ço po­de aco­mo­dar até qua­tro pes­so­as, du­as na ca­ma prin­ci­pal e ou­tras du­as no so­fá-ca­ma do pi­so su­pe­ri­or.

Se em tem­pos lon­gín­quos eram vá­ri­os os moi­nhos nes­ta zo­na, ho­je em dia é o úni­co nas ime­di­a­ções. Um le­van­ta­men­to fei­to nos anos 1970 in­di­ca que pe­la ti­po­lo­gia de cons­tru­ção o moi­nho tem per­to de 200 anos. «A nos­sa in­ten­ção foi man­ter tu­do o que era pos­sí­vel do tra­ça­do ori­gi­nal, em es­pe­ci­al as mós que ser­vem de pi­so tér­reo, as­sim co­mo as pe­dras de can­ta­ri­as e ou­tros acessórios de fer­ro. Com es­te in­ves­ti­men­to im­pe­di­mos a de­gra­da­ção que se ve­ri­fi­ca­va e que le­va­ria ine­vi­ta­vel­men­te ao seu de­sa­pa­re­ci­men­to», ex­pli­ca Cláu­dia. «Quem nos vi­si­ta pro­cu­ra al­go di­fe­ren­te e úni­co. A va­ri­e­da­de de pás­sa­ros, o sos­se­go, a sen­sa­ção de li­ber­da­de, a pos­si­bi­li­da­de de apa­nhar a fru­ta di­re­ta­men­te das ár­vo­res. Es­te é um sí­tio que po­ten­cia a des­co­ber­ta das coi­sas sim­ples, que ape­la ao des­can­so. É o es­tar no cam­po com um pé na praia e ou­tro na ci­da­de.»

A ce­re­ja no to­po do bo­lo (ou do moi­nho) é a pos­si­bi­li­da­de de desfrutar de três ca­sas de ma­dei­ra si­tu­a­das den­tro da pro­pri­e­da­de pa­ra to­mar o pe­que­no-al­mo­ço, ou sim­ples­men­te pa­ra ad­mi­rar a vis­ta. A pon­te é uma pas­sa­gem pa­ra a mar­gem cer­ta. A que ofe­re­ce uma vis­ta ar­re­ba­ta­do­ra so­bre Lis­boa. Co­mo can­ta­va a ban­da Já­fu­me­ga, «um desafio pai­ran­do so­bre o rio».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.