In­ves­ti­ga­ção em Portugal

CI­ÊN­CIA E IN­VES­TI­GA­ÇÃO EM PORTUGAL

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - ESPECIAL FAMÍLI A -

O que se es­tá a fa­zer nos la­bo­ra­tó­ri­os de in­ves­ti­ga­ção por­tu­gue­ses pa­ra aju­dar a com­ba­ter o can­cro.

Há quin­ze anos, no IPO Lis­boa, um gru­po de especialistas per­ce­beu que se­ria ne­ces­sá­rio um mé­to­do que per­mi­tis­se ajus­tar um fár­ma­co uti­li­za­do com frequên­cia no trans­plan­te de me­du­la, o bus­sul­fa­no, à for­ma co­mo ca­da do­en­te o eli­mi­na. «Quan­do o me­di­ca­men­to é da­do em do­se su­pe­ri­or à ne­ces­sá­ria te­mos mai­or to­xi­ci­da­de, po­den­do es­ta ser fa­tal, pro­vo­ca­da pe­la do­en­ça ve­no - oclu­si­va [en­tu­pi­men­to dos va­sos ca­pi­la­res do fí­ga­do]», diz Nu­no Mi­ran­da, on­co­lo­gis­ta da uni­da­de de trans­plan­te de mMe­du­la (UTM) des­te hos­pi­tal. «Por ou­tro la­do, quan­do a do­se é in­fe­ri­or à ne­ces­sá­ria va­mos ter me­nos efei­to de com­ba­te à do­en­ça on­co­ló­gi­ca do do­en­te, ge­ral­men­te a leu­ce­mia.»

Após dois anos de es­tu­do e mui­tas reu­niões com os par­cei­ros – o Uni­ver­sity Me­di­cal Cen­ter Utre­cht, na Ho­lan­da, pi­o­nei­ro mun­di­al na apli­ca­ção des­te mé­to­do, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­di­ci­na Le­gal e Ci­ên­ci­as Fo­ren­ses (INMLCF) e a Fa­cul­da­de de Farmácia da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa – o IPO co­me­çou, em 2014, a ope­ra­ci­o­na­li­zar a per­so­na­li­za­ção da do­se de bus­sul­fa­no em 25 por cen­to dos do­en­tes que fa­zem trans­plan­te de me­du­la e que são se­gui­dos na UTM. Em Portugal, es­te é o úni­co hos­pi­tal a re­a­li­zar a téc­ni­ca.

A mai­or di­fi­cul­da­de lo­gís­ti­ca é ajus­tar as do­ses te­ra­pêu­ti­cas nos do­en­tes em tem­po re­al uma vez que es­te me­di­ca­men­to é ad­mi­nis­tra­do du­ran­te qua­tro di­as, an­tes do trans­plan­te. «Te­mos de sa­ber quais são as con­cen­tra­ções do me­di­ca­men­to que es­tão no san­gue do do­en­te, fa­zer a aná­li­se des­tes da­dos, de mo­do a oti­mi­zar a ex­po­si­ção do mes­mo», ex­pli­ca Ve­ra Do­min­gos, far­ma­cêu­ti­ca do hos­pi­tal. Em me­nos de 24 ho­ras, a amos­tra de san­gue co­lhi­da vá­ri­as ve­zes du­ran­te a noi­te é en­vi­a­da pa­ra o INMLCF pa­ra aná­li­se, e os re­sul­ta­dos são de­vol­vi­dos ao IPO on­de é ela­bo­ra­da uma no­va pro­pos­ta de do­se.

SUR­GIU AS­SIM UMA NO­VA FOR­MA de ad­mi­nis­trar e per­so­na­li­zar a do­se des­te fár­ma­co, que per­mi­te au­men­tar a efi­cá­cia e di­mi­nuir a to­xi­ci­da­de, num equi­lí­brio que é di­fí­cil. «Exis­te uma ja­ne­la mui­to es­trei­ta en­tre a do­se de que ne­ces­si­ta­mos e a que não po­de­mos ul­tra­pas­sar», diz o on­co­lo­gis­ta. «Des­de que co­me­çá­mos a fa­zê-lo, não vol­tá­mos a ter ne­nhum ca­so de do­en­ça ve­no - oclu­si­va. Es­ta téc­ni­ca sal­va vi­das.»

O IPO Lis­boa é um dos cen­tros de in­ves­ti­ga­ção por­tu­gue­ses on­de de­cor­rem di­a­ri­a­men­te pes­qui­sas em can­cro que já di­re­ta na vi­da de do­en­tes ou que po­de­rão vir a fa­zer a di­fe­ren­ça no fu­tu­ro. Mas, em to­do o país, ou­tros pro­je­tos es­tão em de­sen­vol­vi­men­to, com re­sul­ta­dos no ter­re­no.

O do­se­a­men­to, par­ti­cu­lar­men­te im­por­tan­te em cri­an­ças [30 por cen­to dos do­en­tes se­gui­dos na UTM] e em pes­so­as obe­sas, «não é ir­re­le­van­te, pois po­de dar-nos in­di­ca­ção de mo­di­fi­ca­ções da do­se pa­ra me­nos ou mais de 50 por cen­to». No fi­nal, a decisão é par­ti­lha­da em equi­pa mul­ti­dis­ci­pli­nar e os do­en­tes sal­va­guar­da­dos.

En­tre­tan­to, es­tes pro­fis­si­o­nais es­tão a ana­li­sar a pos­si­bi­li­da­de de do­se­ar mais dois fár­ma­cos nes­ta área. «Co­me­çá­mos pe­lo bus­sul­fa­no, um fár­ma­co no qual te­mos gran­de ex­pe­ri­ên­cia, mas que tam­bém é o mais di­fí­cil de ope­ra­ci­o­na­li­zar em ter­mos lo­gís­ti­cos», diz Nu­no Mi­ran­da.

O IPO Lis­boa é um dos cen­tros de in­ves­ti­ga­ção por­tu­gue­ses on­de de­cor­rem

di­a­ri­a­men­te pes­qui­sas em can­cro que já têm in­fluên­cia di­re­ta na vi­da de do­en­tes ou que po­de­rão vir a fa­zer a di­fe­ren­ça no fu­tu­ro. Mas, em to­do o país, ou­tros pro­je­tos es­tão em de­sen­vol­vi­men­to, com re­sul­ta­dos no ter­re­no.

No ca­so específico do can­cro da ma­ma, o mais fre­quen­te na mu­lher [es­ti­ma- se que uma em ca­da oi­to a dez de­sen­vol­va a do­en­ça ao lon­go da vi­da], as aten­ções es­tão ho­je vi­ra­das pa­ra o ex­ces­so de qui­mi­o­te­ra­pia que, du­ran­te dé­ca­das, sal­vou vi­das, jun­ta­men­te com a ins­ti­tui­ção de programas de ras­treio na Eu­ro­pa.

«De­vi­do aos bons re­sul­ta­dos dos rastreios e do tra­ta­men­to na so­bre­vi­da, hou­ve pro­va­vel­men­te um exa­ge­ro do uso de qui­mi­o­te­ra­pia em si­tu­a­ção de can­cro pre­co­ce. Pre­fe­riu er­rar-se por ex­ces­so do que por de­fei­to», diz Fátima Cardoso, on­co­lo­gis­ta e diretora da Uni­da­de de Ma­ma do Cen­tro Clí­ni­co Cham­pa­li­maud.

O Ins­ti­tu­to On­co­ló­gi­co de Ames­ter­dão de­sen­vol­veu nos úl­ti­mos anos o Mam­maP­rint, que uti­li­za uma tec­no­lo­gia de mi­cro­ar­ray ou ge­nó­mi­ca que faz uma im­pres­são di­gi­tal do tu­mor, uma es­pé­cie de bi­lhe­te de iden­ti­da­de do mes­mo. Num es­tu­do, pu­bli­ca­do em 2016 no New En­gland Jour­nal of Me­di­ci­ne, que ava­li­ou o tes­te em 6200 do­en­tes de 110 cen­tros, em no­ve paí­ses eu­ro­peus, con­cluiu-se que o Mam­maP­rint per­mi­te «pou­par um gru­po de do­en­tes à qui­mi­o­te­ra­pia sem im­pac­to ne­ga­ti­vo no prog­nós­ti­co, evi­tan­do efei­tos se­cun­dá­ri­os, ime­di­a­tos ou a lon­go prazo, e per­mi­tin­do uma pou­pan­ça em ter­mos eco­nó­mi­cos (cus­tos di­re­tos e in­di­re­tos do tra­ta­men­to, de­cor­ren­tes da abs­ten­ção ao tra­ba­lho en­quan­to a do­en­te faz qui­mi­o­te­ra­pia)», diz a mé­di­ca.

Exis­tem três sub­ti­pos de can­cro da ma­ma: «O hor­mo­no­de­pen­den­te que é o mais fre­quen­te (cer­ca de 65 por cen­to dos ca­sos), o HER2 po­si­ti­vo, que re­pre­sen­ta cer­ca de 15 a 20 por cen­to dos ca­sos e im­pli­ca tra­ta­men­to di­ri­gi­do com qui­mi­o­te­ra­pia, e o tri­plo ne­ga­ti­vo (cer­ca de 15 por cen­to dos ca­sos) que é o mais agres­si­vo e que ne­ces­si­ta sem­pre de qui­mi­o­te­ra­pia.» Nem to­das as do­en­tes de can­cro da ma­ma cum­prem os

re­qui­si­tos pa­ra fa­zer es­te tes­te, que é ha­bi­tu­al­men­te re­co­men­da­do a quem te­nha um tu­mor do ti­po hor­mo­no­de­pen­den­te [ali­men­ta-se de hor­mo­nas pro­du­zi­das pe­lo pró­prio or­ga­nis­mo] e nos ca­sos em que os fa­to­res tra­di­ci­o­nais dei­xam al­gu­ma dú­vi­da so­bre o va­lor da qui­mi­o­te­ra­pia. «Es­ti­ma­mos que só cer­ca de 20 por cen­to das do­en­tes com can­cro da ma­ma é que têm in­di­ca­ção pa­ra fa­zer es­te tes­te.»

A DECISÃO FI­NAL SE­RÁ SEM­PRE da do­en­te, a quem es­te tes­te é su­ge­ri­do, até por­que tem um cus­to de cer­ca de 2500 eu­ros, sen­do com­par­ti­ci­pa­do atu­al­men­te pe­la CGD e pe­lo IASFA, es­pe­ran­do a mé­di­ca que ou­tros si­gam es­te exem­plo, uma vez que já foi fei­ta a aná­li­se fa­vo­rá­vel de cus­to/efi­cá­cia do mes­mo. «O Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de [SNS], a ADSE e to­dos os sub­sis­te­mas e se­gu­ros de saú­de po­dem pou­par di­nhei­ro ao com­par­ti­ci­par es­te tes­te, nas in­di­ca­ções pre­ci­sas», diz. Fátima Cardoso faz par­te de um gru­po que es­tá a ten­tar mon­tar um pro­je­to, co­or­de­na­do pe­lo Ins­ti­tu­to de Pa­to­lo­gia e Imu­no­lo­gia Mo­le­cu­lar da Uni­ver­si­da­de do Por­to (IPATIMUP), que con­sis­ti­rá no es­tu­do ge­nó­mi­co de can­cro da ma­ma em Portugal, com o ob­je­ti­vo de de­mons­trar o cus­to/efi­cá­cia es­pe­ci­fi­ca­men­te na po­pu­la­ção por­tu­gue­sa «e fa­zer pres­são pa­ra que o SNS e to­das as se­gu­ra­do­ras o fi­nan­ci­em», ex­pli­ca. O IPO Lis­boa e o IPO Por­to já dis­põem de ou­tros tes­tes ge­nó­mi­cos, se­gun­do cri­té­ri­os de­fi­ni­dos, e com a mes­ma fi­na­li­da­de.

A nor­te, no I3S/IPATIMUP e no IPO Por­to, es­tão tam­bém a ser de­sen­vol­vi­dos pro­je­tos re­la­ci­o­na­dos com o can­cro he­re­di­tá­rio. «Sa­be­mos que há uma per­cen­ta­gem de can­cro nas fa­mí­li­as que são he­re­di­tá­ri­os, à vol­ta dos 5 a 10 por cen­to», diz o di­re­tor do Ser­vi­ço de Ge­né­ti­ca e do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção do IPO Por­to, Manuel Tei­xei­ra.

Nes­te hos­pi­tal, es­tá a ser de­sen­vol­vi­do um es­tu­do so­bre a pre­dis­po­si­ção he­re­di­tá­ria pa­ra o can­cro da prós­ta­ta, uma do­en­ça que ocor­re em mui­tas fa­mí­li­as mas cu­ja li­ga­ção en­tre si é di­fí­cil de ex­pli­car em ter­mos de cau­sa ge­né­ti­ca. «Ao ser uma do­en­ça mui­to co­mum, mais fa­mí­li­as po­dem be­ne­fi­ci­ar des­te es­tu­do», ex­pli­ca.

O can­cro da prós­ta­ta afe­ta «um em ca­da oi­to ho­mens em Portugal e dez por cen­to do to­tal de ca­sos tem his­tó­ria fa­mi­li­ar», acres­cen­ta. Atra­vés do Re­gis­to On­co­ló­gi­co do Nor­te fo­ram con­vi­da­dos to­dos os ho­mens com can­cro da prós­ta­ta, di­ag­nos­ti­ca­do an­tes dos 55 anos ou que ti­ves­sem his­tó­ria fa­mi­li­ar de can­cro da prós­ta­ta, em que

Fátima Cardoso faz par­te do gru­po que ten­ta mon­tar um pro­je­to de es­tu­do ge­nó­mi­co de can­cro da ma­ma em Portugal, com o ob­je­ti­vo de de­mons­trar na po­pu­la­ção por­tu­gue­sa «e fa­zer pres­são pa­ra que o SNS e to­das as se­gu­ra­do­ras

pe­lo me­nos um de­les fos­se di­ag­nos­ti­ca­do an­tes dos 65. Até ao mo­men­to, já fo­ram re­cru­ta­das 500 fa­mí­li­as.

Tam­bém no I3S/IPATIMUP, o can­cro fa­mi­li­ar tem si­do al­vo de es­tu­do. A equi­pa li­de­ra­da por Car­la Oli­vei­ra, in­ves­ti­ga­do­ra nes­te ins­ti­tu­to e pro­fes­so­ra da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to, es­tu­da a sín­dro­me de can­cro gás­tri­co di­fu­so he­re­di­tá­rio que pre­dis­põe pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de can­cro no estô­ma­go e na ma­ma an­tes dos 50 anos. Há vin­te anos que es­ta equi­pa do Por­to ten­ta sa­ber mais so­bre es­te can­cro con­si­de­ra­do ra­ro, in­te­gran­do o pro­je­to SOLVE-RD e a Re­de de Re­fe­rên­cia Eu­ro­peia ERN GENTURIS, que en­vol­ve ci­en­tis­tas e mé­di­cos de to­da a Eu­ro­pa, e que tem co­mo um dos ob­je­ti­vos iden­ti­fi­car no­vas cau­sas da do­en­ça. « Até ao mo­men­to, fo­ram reu­ni­das 400 fa­mí­li­as en­ca­mi­nha­das pe­los ser­vi­ços de ge­né­ti­ca de vá­ri­os hospitais do país, pa­ra que se­ja fei­ta uma aná­li­se ao ge­ne ca­de­ri­na-E (CDH1), res­pon­sá­vel por es­te ti­po de can­cro», ex­pli­ca a in­ves­ti­ga­do­ra.

APÓS A RE­A­LI­ZA­ÇÃO DO TES­TE ge­né­ti­co, os ca­sos con­si­de­ra­dos mais sim­ples são os que apre­sen­tam uma mu­ta­ção ge­né­ti­ca co­nhe­ci­da. São depois en­ca­mi­nha­dos pa­ra a con­sul­ta de risco de hospitais de re­fe­rên­cia, po­den­do ser sub­me­ti­dos a gas­trec­to­mia ou mas­tec­to­mia pro­fi­lá­ti­ca [ci­rur­gia de re­du­ção de risco que im­pli­ca a re­ti­ra­da do estô­ma­go ou da ma­ma] ou fi­car em vigilância, atra­vés de en­dos­co­pia e res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, ca­so ain­da não te­nham de­sen­vol­vi­do a do­en­ça.

O mai­or pro­ble­ma es­tá nos que não têm ain­da uma mu­ta­ção ge­né­ti­ca iden­ti­fi­ca­da. «Jun­tan­do to­das as fa­mí­li­as do mun­do com his­tó­ria fa­mi­li­ar de can­cro di­fu­so do estô­ma­go, 70 por cen­to não têm cau­sa ge­né­ti­ca iden­ti­fi­ca­da. E são 400, de to­do o mun­do, que es­ta­mos a es­tu­dar nes­te mo­men­to», diz Car­la Oli­vei­ra.

Re­sul­tan­te da in­ves­ti­ga­ção do IPO Por­to, é pro­pos­to um ras­treio à prós­ta­ta às pes­so­as sau­dá­veis das fa­mí­li­as es­tu­da­das cu­ja mu­ta­ção ge­né­ti­ca iden­ti­fi­ca­da au­men­te o risco fa­mi­li­ar, com­pos­to por aná­li­se ao mar­ca­dor tu­mo­ral PSA, to­que re­tal e, ca­so ha­ja al­gu­ma sus­pei­ta, bi­op­sia, po­den­do even­tu­al­men­te su­ge­rir-se res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, ain­da que não se­ja o pro­ce­di­men­to mais co­mum. «Pas­sam a ser con­si­de­ra­das fa­mí­li­as de al­to risco e a ser se­gui­das no IPO Por­to», ex­pli­ca Manuel Tei­xei­ra.

Com es­te es­tu­do, a equi­pa já iden­ti­fi­cou fa­mí­li­as com ge­nes com mu­ta­ção que são res­pon­sá­veis por ou­tras do­en­ças on­co­ló­gi­cas ge­né­ti­cas, co­mo can­cro da ma­ma, do ová­rio e do có­lon, sen­do tam­bém pro­pos­ta a vigilância nas res­pe­ti­vas con­sul­tas de risco.

No IPO Por­to, em 96 do­en­tes de 45 fa­mí­li­as em es­tu­do, hou­ve a ne­ces­si­da­de de alar­gar o es­pe­tro e fa­zer a se­quen­ci­a­ção do ge­no­ma in­tei­ro [es­tu­dar to­dos os ge­nes, em vez de um a um], uma vez que ti­nham vá­ri­as pes­so­as afe­ta­das. «Nes­tes ca­sos, va­mos va­lo­ri­zar ape­nas as mu­ta­ções co­muns aos vá­ri­os do­en­tes, o que nos da­rá ge­nes no­vos que po­dem ex­pli­car a pre­dis­po­si­ção pa­ra o can­cro da prós­ta­ta he­re­di­tá­rio», ex­pli­ca Manuel Tei­xei­ra.

É tam­bém nes­ta fa­se que es­tá o es­tu­do do can­cro gás­tri­co he­re­di­tá­rio. No âm­bi­to do pro­je­to SOLVE -RD, do IPATIMUP, 91 do­en­tes de 74 fa­mí­li­as do Por­to, de Van­cou­ver, de Cam­brid­ge e de Nij­me­gen, têm o ge­no­ma se­quen­ci­a­do [ou se­ja, o DNA das su­as cé­lu­las ger­mi­nais é co­nhe­ci­do] e ser­vem de ba­se pa­ra se ten­tar per­ce­ber qual a cau­sa da do­en­ça na sua fa­mí­lia.

Em Guimarães, o ci­en­tis­ta Rui L. Reis, di­re­tor do 3B’S Re­se­ar­ch Group, vi­ce-rei­tor pa­ra a in­ves­ti­ga­ção e a ino­va­ção da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho e pre­si­den­te mun­di­al da Tis­sue En­gi­ne­e­ring

Es­ti­ma-se que uma em ca­da oi­to a dez mu­lhe­res de­sen­vol­va can­cro da ma­ma ao lon­go da vi­da. Du­ran­te dé­ca­das, a qui­mi­o­te­ra­pia sal­vou vi­das, jun­ta­men­te com a ins­ti­tui­ção de programas de ras­treio na Eu­ro­pa, mas ho­je as aten­ções es­tão mais vi­ra­das pa­ra o ex­ces­so de quí­mi­cos, que pro­cu­ra evi­tar-se.

and Re­ge­ne­ra­ti­ve Me­di­ci­ne In­ter­na­ti­o­nal So­ci­ety (TERMIS), li­de­ra um pro­je­to que pro­põe a cri­a­ção de mo­de­los de can­cro em 3D, que per­mi­ti­rão, no fu­tu­ro, pre­ver a efi­cá­cia de me­di­ca­men­tos e te­ra­pi­as pa­ra a do­en­ça. «Va­mos cri­ar me­to­do­lo­gi­as pa­ra o can­cro da pe­le (me­la­no­mas), ós­seo (os­te­o­sar­co­mas) e cé­re­bro (gli­o­mas)», ex­pli­ca.

O 3 B’S Re­se­ar­ch Group tem ex­pe­ri­ên­cia em en­ge­nha­ria de te­ci­dos e me­di­ci­na re­ge­ne­ra­ti­va, e nes­te pro­je­to vai ser pos­sí­vel «cri­ar te­ci­dos tri­di­men­si­o­nais, em vez de fa­zer o que é tí­pi­co em in­ves­ti­ga­ção do can­cro em la­bo­ra­tó­rio, que é tra­ba­lhar sem­pre em 2D, em pra­tos de cul­tu­ra. Com es­ta no­va abor­da­gem se­rá pos­sí­vel co­me­çar a tes­tar uma de­ter­mi­na­da te­ra­pia, que po­de ser qui­mi­o­te­ra­pia ou um no­vo fár­ma­co ex­pe­ri­men­tal pa­ra tra­tar aque­le can­cro».

OS MO­DE­LOS EM 3D VÃO PER­MI­TIR pou­par mi­lhões de eu­ros, fa­zer me­nos en­sai­os clí­ni­cos e en­sai­os pré­vi­os em ani­mais, pois a tec­no­lo­gia per­mi­ti­rá ter « scre­a­nings mais ce­do». «Con­se­gui­re­mos fa­zer uma tri­a­gem mui­to mais efe­ti­va, me­lho­rar o fár­ma­co e en­ten­dê-lo mui­to me­lhor. Num tra­ta­men­to por ra­di­a­ção, pos­so ex­pe­ri­men­tar um con­jun­to de do­ses, per­ce­ber o que fun­ci­o­na me­lhor, e quan­do for tes­tar num ani­mal já es­tou nu­ma fa­se mais oti­mi­za­da por­que já ex­pe­ri­men­tei um con­jun­to de coi­sas em pe­que­nos pe­da­ços de te­ci­dos», sa­li­en­ta Rui L. Reis.

Em pa­ra­le­lo, o 3B’S Re­se­ar­ch Group es­tá a de­sen­vol­ver ou­tros pro­je­tos em can­cro, nou­tras áre­as, co­mo o pul­mão e a ma­ma. No fu­tu­ro, po­de ser pos­sí­vel ti­rar si­ner­gi­as das vá­ri­as in­ves­ti­ga­ções em cur­so ou adap­tar as con­clu­sões pa­ra es­tu­dar ou­tras do­en­ças.

Tam­bém es­te pro­je­to se­gue a pre­mis­sa da «me­di­ci­na centrada no do­en­te», e após uma pri­mei­ra fa­se em que se se­le­ci­o­nam ma­te­ri­ais, tor­nan­do - os fun­ci­o­nais, e se de­sen­vol­vem mo­de­los, co­me­çar-se-á a tes­tar com de­ter­mi­na­dos fár­ma­cos e te­ra­pi­as. «Em si­mul­tâ­neo, va­mos ana­li­san­do e com­pa­ran­do com en­sai­os com ani­mais, po­den­do ter de vol­tar atrás, pa­ra oti­mi­zar tu­do quan­to des­co­brir­mos.» E por­que a ci­ên­cia não é es­tan­que e deve ser en­ca­ra­da pas­so a pas­so, po­de dar-se o ca­so de a equi­pa se fo­car mais num ti­po de can­cro do que nos três es­tu­da­dos ini­ci­al­men­te, se as des­co­ber­tas fo­rem mais in­te­res­san­tes num de­les.

Se es­ta me­to­do­lo­gia fun­ci­o­nar e for adap­ta­da, po­de­rá vir a ser «uma área com um po­ten­ci­al bru­tal que po­de ter um im­pac­to eco­nó­mi­co enor­me a ní­vel mun­di­al», con­clui Rui L. Reis.

No I3S/ /IPATIMUP, no Por­to, a equi­pa de Car­la Oli­vei­ra es­tu­da a sín­dro­me de can­cro gás­tri­co di­fu­so he­re­di­tá­rio que pre­dis­põe pa­ra de­sen­vol­vi­men­to de can­cro no estô­ma­go e na ma­ma an­tes dos 50 anos.

A far­ma­cêu­ti­ca Ve­ra Do­min­gos e o on­co­lo­gis­ta Nu­no Mi­ran­da fa­zem par­te da equi­pa do IPO Lis­boa que de­sen­vol­veu um mé­to­do de per­so­na­li­za­ção de um fár­ma­co uti­li­za­do no trans­plan­te de me­du­la, ajus­tan­do-o à for­ma co­mo ca­da do­en­te o eli­mi­na.

Re­cor­ren­do a tec­no­lo­gia de mi­cro­ar­ray ou ge­nó­mi­ca, o Mam­maP­rint faz uma im­pres­são di­gi­tal do tu­mor e per­mi­te «pou­par um gru­po de do­en­tes à qui­mi­o­te­ra­pia sem im­pac­to ne­ga­ti­vo no prog­nós­ti­co, evi­tan­do efei­tos se­cun­dá­ri­os, ime­di­a­tos ou a lon­go prazo, e per­mi­tin­do uma pou­pan­ça em ter­mos eco­nó­mi­cos», diz a on­co­lo­gis­ta Fátima Cardoso, do Cen­tro Clí­ni­co Cham­pa­li­maud.

No IPO Por­to, Manuel Tei­xei­ra che­fia a equi­pa que es­tu­da a pre­dis­po­si­ção he­re­di­tá­ria pa­ra o can­cro da prós­ta­ta, uma do­en­ça que ocor­re em mui­tas fa­mí­li­as mas cu­ja li­ga­ção en­tre si é di­fí­cil de ex­pli­car em ter­mos de cau­sa ge­né­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.