O Fa­ce­bo­ok, o jor­na­lis­mo e o zó­ca­lo per­di­do

Sai­ba­mos ou­vir as nos­sas co­mu­ni­da­des não ape­nas atra­vés de fo­cus groups. Es­te­ja­mos on­de es­tá o leitor.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - FORÇA ANÍMICA - CATARINA CARVALHO DIRETORA NOTÍCIAS MAGAZINE

OO Fa­ce­bo­ok che­gou co­mo uma apli­ca­ção pa­ra ge­rir ami­za­des... e sim, tam­bém, en­ga­tar. Um Tin­der en­do­gâ­mi­co e mais su­a­ve – ba­se­a­do no li­vro de cur­so da uni­ver­si­da­de. Pes­so­as fa­la­vam com pes­so­as que se apre­sen­ta­vam com uma fo­to­gra­fia ti­po pas­se – que evo­luiu pa­ra de per­fil –, ou so­bre pes­so­as, e ava­li­a­vam pes­so­as com li­kes. No fun­do, aqui­lo que Mark Zuc­ker­berg cri­a­va era um gran­de cam­pus ele­tró­ni­co.

Se qui­ser­mos ser mais ge­ne­ra­lis­tas, uma pra­ça de al­deia. O lu­gar cen­tral on­de va­mos co­chi­char so­bre vi­zi­nhos, dis­cu­tir al­to fu­te­bol e po­lí­ti­ca ou fi­car a ver os ou­tros a pas­sar. Já pen­sa­ram co­mo é tan­to is­to que o Fa­ce­bo­ok é? A pra­ça cen­tral das nos­sas vi­das di­gi­tais. Co­mo o di­gi­tal es­tá ca­da vez mais pre­sen­te no re­al, a des­trin­ça é di­fí­cil. É, aliás, in­te­res­san­te ve­ri­fi­car que, num tem­po em que as ci­da­des são ca­da vez mais ma­cro­cé­fa­las, ha­ja ca­da vez me­nos pra­ças cen­trais re­ais – as pes­so­as es­tão dis­per­sas. Os cen­tros co­mer­ci­ais che­ga­ram a re­pre­sen­tar es­se pa­pel, que tal­vez ho­je es­te­ja ape­nas re­ser­va­do aos gran­des even­tos – o fu­te­bol é um de­les – e fes­ti­vais de mú­si­ca. Mas já a no­ção de co­mu­ni­da­de ver­da­dei­ra­men­te se perdeu.

É aqui que re­si­de o po­der imen­so do Fa­ce­bo­ok, o de cri­ar uma or­ga­ni­za­ção na dis­per­são das nos­sas vi­das – re­ais, in­for­ma­ti­vas e di­gi­tais. A ti­me­li­ne é uma cro­no­lo­gia de idei­as, fac­tos, ami­gos e acon­te­ci­men­tos. E es­tá or­ga­ni­za­da– é li­ne­ar. O gran­de de­sa­fio de Zuc­ker­berg é es­se: o de man­ter a or­ga­ni­za­ção na ca­co­fo­nia de in­for­ma­ção que ca­da vez mais pas­sa por ali. Daí que de vez em quan­do te­nha de aba­nar o al­go­rit­mo, chu­tar umas quan­tas coi­sas pa­ra fo­ra.

Des­ta vez, fo­ram as notícias, que Zuc­ker­berg e com­pa­nhia con­si­de­ram pe­ri­go­sas pa­ra a ima­gem da em­pre­sa – quan­do fal­sas (e há pou­cas pos­si­bi­li­da­des re­ais de as con­tro­lar) – e, tam­bém, me­nos im­por­tan­tes pa­ra o es­pí­ri­to e o en­vol­vi­men­to das pes­so­as (o tão fa­la­do en­ga­ge­ment).

Pois, ai ai ai, vi­e­ram os pro­du­to­res de in­for­ma­ção e os me­dia mais uma vez quei­xar-se do que lhes ia acon­te­cer – depois de tam­bém te­rem usa­do es­se es­pa­ço co­mo a sua pla­ta­for­ma de di­fu­são, co­lo­can­do-se to­dos nas mãos de uma em­pre­sa. Não os cul­po – nós fi­ze­mos o mes­mo. Até por­que se­ría­mos ton­tos não tê-lo fei­to, es­ta­mos on­de es­tão os nos­sos lei­to­res. Es­ta é a pra­ça cen­tral on­de as nos­sas notícias são vis­tas, é nes­ta co­mu­ni­da­de, por mui­to vir­tu­al que se­ja, que cor­re mui­to do fio nar­ra­ti­vo do mun­do, ho­je.

Sem­pre que pen­so em Fa­ce­bo­ok e jor­na­lis­mo re­cor­do o li­vro do an­ti­go di­re­tor do New York Daily News, Pe­te Ha­mill, News Is a Verb, que li aca­ba­da de che­gar às re­da­ções. Ha­mill des­cre­via os me­dia co­mo uma es­pé­cie de zó­ca­lo, a pra­ça cen­tral das ci­da­des me­xi­ca­nas, on­de o es­pí­ri­to la­ti­no acen­tua o ca­lor da co­mu­ni­da­de e a co­mu­ni­ca­ção. Ou an­tes, Ha­mill di­zia que os me­dia de­vi­am ser is­so e que, na­que­la al­tu­ra, já em 1998, es­ta­vam a dei­xar de ser, com os staffs dos jor­nais e tvs e rá­di­os en­vol­vi­dos em bo­lhas eli­tis­tas, afastados das su­as co­mu­ni­da­des, des­co­brin­do o que lhes in­te­res­sa­va atra­vés de fo­cus groups e não de con­tac­to di­re­to.

Is­so, o Fa­ce­bo­ok – e ou­tras re­des so­ci­ais – trou­xe-nos de no­vo, so­bre­tu­do atra­vés de tec­no­lo­gi­as in­te­ra­ti­vas que po­de­mos re­pli­car. As­sim sai­ba­mos estar pre­sen­tes na nos­sa co­mu­ni­da­de e ou­vi-la com ou­vi­dos de ou­vir e olhos de ver. E não ape­nas atra­vés das pla­ta­for­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.