VACINAS, MALAS, PAR­TI­DA!

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumario #1361 - POR Sofia Teixeira

Con­sul­tas fei­tas, a jor­na­lis­ta Sofia Teixeira re­ce­beu o di­ag­nós­ti­co que mui­tos ain­da des­co­nhe­cem: se es­tá pres­tes a ru­mar em fé­ri­as pa­ra outras la­ti­tu­des, mais ou me­nos tro­pi­cais, a me­di­ci­na de vi­a­gens é pre­ci­o­sa na pre­ven­ção de com­pli­ca­ções que po­dem sur­gir a con­ti­nen­tes de dis­tân­cia. To­me no­ta de sin­to­mas e cui­da­dos bá­si­cos.

Não nos ape­te­ce pen­sar em do­en­ças an­tes de par­tir de fé­ri­as, não te­mos por há­bi­to ir ao mé­di­co sem es­tar­mos do­en­tes e há, ain­da, uma ideia ge­ne­ra­li­za­da de que a con­sul­ta do vi­a­jan­te só é ne­ces­sá­ria se o país de des­ti­no exi­ge vacinas que não te­mos, co­mo a da fe­bre-ama­re­la. Com es­tas três idei­as er­ra­das em men­te, mui­tos por­tu­gue­ses continuam a ru­mar a pa­ra­gens mais ou me­nos dis­tan­tes sem fa­zer uma con­sul­ta de me­di­ci­na de vi­a­gens an­tes da par­ti­da, au­men­tan­do as­sim a pro­ba­bi­li­da­de de com­pli­ca­ções per­fei­ta­men­te evi­tá­veis. A me­di­ci­na de vi­a­gens é abran­gen­te e há mui­tos mo­ti­vos pa­ra fa­zer uma con­sul­ta an­tes de par­tir, além das vacinas obri­ga­tó­ri­as: a al­ti­tu­de e o frio, as más con­di­ções de sa­ne­a­men­to bá­si­co no des­ti­no, a pre­sen­ça de do­en­ças en­dé­mi­cas – co­mo a den­gue, ma­lá­ria, fe­bre-ama­re­la e a en­ce­fa­li­te ja­po­ne­sa –, as ati­vi­da­des di­fe­ren­tes das ha­bi­tu­ais que se­rão fei­tas du­ran­te a vi­a­gem ou a pre­sen­ça de con­di­ções de saú­de mais frá­geis, ain­da que o des­ti­no se­ja em tu­do idên­ti­co ao país de ori­gem.

“O mun­do é gran­de e as re­giões são to­das mes­mo mui­to di­fe­ren­tes umas das outras, mas ge­ne­ri­ca­men­te os paí­ses da América Cen­tral e do Sul, Áfri­ca e Ásia são me­re­ce­do­res de al­guns cui­da­dos pa­ra ga­ran­tir uma vi­a­gem mais se­gu­ra”, de­fen­de Di­o­go Me­di­na, mé­di­co com es­pe­ci­a­li­za­ção em Me­di­ci­na do Vi­a­jan­te. E é so­bre­tu­do im­por­tan­te fu­gir das ar­ma­di­lhas que vêm com o ex­ces­so de con­fi­an­ça: “Lo­cais co­mo o Bra­sil, São To­mé ou Ca­bo Ver­de, pe­la pro­xi­mi­da­de his­tó­ri­ca e cul­tu­ral, cri­am uma fal­sa sen­sa­ção de fa­mi­li­a­ri­da­de nos vi­a­jan­tes por­tu­gue­ses, que se ex­põem a ris­cos pre­ve­ní­veis quan­do vi­a­jam pa­ra es­tes lo­cais.”

O me­lhor con­se­lho a qual­quer vi­a­jan­te é que fa­ça uma con­sul­ta an­tes da par­ti­da, en­tre qua­tro a oi­to se­ma­nas an­tes, co­mo re­co­men­da a Organização Mun­di­al de Saú­de (OMS). Não fal­tam no país con­sul­tas des­te gé­ne­ro dis­po­ní­veis, se­ja em hos­pi­tais, centros de saú­de, con­sul­tó­ri­os pri­va­dos ou mes­mo atra­vés de te­le­me­di­ci­na, co­mo faz Di­o­go Me­di­na.

Nes­tas con­sul­tas, o mé­di­co re­a­li­za uma ava­li­a­ção per­so­na­li­za­da que in­clui o des­ti­no, o pró­prio vi­a­jan­te e as ati­vi­da­des que vai de­sen­vol­ver. Além das vacinas e dos me­di­ca­men­tos pro­fi­lá­ti­cos (pa­ra a ma­lá­ria, por exemplo), o vi­a­jan­te sai da con­sul­ta com um con­jun­to de re­co­men­da­ções de com­por­ta­men­to pa­ra

É da tradição: o verão é um pe­río­do em que mui­tos por­tu­gue­ses op­tam por fé­ri­as fo­ra do país. Pa­ra vi­a­jar em se­gu­ran­ça, pre­ve­nin­do pro­ble­mas de saú­de no des­ti­no e dis­sa­bo­res no re­gres­so, tor­na-se es­sen­ci­al fa­zer a con­sul­ta do vi­a­jan­te an­tes da par­ti­da.

fa­zer fa­ce aos ris­cos. Ge­ne­ri­ca­men­te, o con­se­lho mais im­por­tan­te, de acor­do com o mé­di­co, é “ser­mos a nos­sa pró­pria mi­ni-ASAE e po­li­ci­ar um pou­co a qua­li­da­de do que co­me­mos”, já que uma par­te subs­tan­ci­al dos pro­ble­mas de saú­de en­tra pe­la bo­ca. “De­ve­mos evi­tar água da tor­nei­ra não tra­ta­da, re­cu­sar co­pos com ge­lo e pre­fe­rir os ali­men­tos que pos­sa­mos des­cas­car, de­sem­ba­lar ou que se­jam co­zi­nha­dos na ho­ra e ao ca­lor, por opo­si­ção aos ali­men­tos crus, co­mi­dos com cas­ca ou de preparação ques­ti­o­ná­vel, co­mo mo­lhos e so­bre­me­sas ca­sei­ras em lo­cais cu­jos cui­da­dos de hi­gi­e­ne ali­men­tar se­jam dú­bi­os.”

Não é por aca­so que os pro­ble­mas mais comuns du­ran­te a vi­a­gem e na pós-vi­a­gem são as alterações gas­troin­tes­ti­nais, co­mo di­ar­reia e vó­mi­tos, qua­se sem­pre be­nig­nas e pas­sa­gei­ras, mas que po­dem e de­vem ser ava­li­a­das se o qua­dro per­sis­tir.

O mai­or si­nal de alar­me é a fe­bre, que nun­ca de­ve ser ne­gli­gen­ci­a­da. “Qual­quer fe­bre que sur­ja na sequên­cia de uma vi­a­gem a um des­ti­no tro­pi­cal de­ve ser al­vo de in­ves­ti­ga­ção nas pri­mei­ras 24 ho­ras após o apa­re­ci­men­to. Po­de­mos es­tar pe­ran­te si­tu­a­ções de ma­lá­ria, den­gue ou outras in­fe­ções que ne­ces­si­tem de cui­da­dos ur­gen­tes e que, ca­so con­trá­rio, po­dem ser po­ten­ci­al­men­te fa­tais”, aler­ta o mé­di­co. A ma­lá­ria é previsível, qua­se sem­pre cu­rá­vel, mas Di­o­go Me­di­na lem­bra que, em­bo­ra sen­do ca­da vez mais ra­ro, ain­da morrem pes­so­as em Portugal de­vi­do a ma­lá­ria con­traí­da em vi­a­gens por os cui­da­dos de saú­de não te­rem si­do pro­cu­ra­dos, ou si­do fei­tos de­ma­si­a­do tar­de.

A con­sul­ta do vi­a­jan­te é tal­vez uma das úni­cas na qual a pes­soa não tem quei­xas e não es­tá do­en­te. E is­so al­te­ra completamente a di­nâ­mi­ca da ob­ser­va­ção. “Im­pli­ca um pen­sa­men­to mé­di­co completamente ori­en­ta­do pa­ra a pre­ven­ção e, por is­so, me­nos pa­ter­na­lis­ta e di­re­ti­vo do que a me­di­ci­na di­ta cu­ra­ti­va. É pre­ci­so di­a­lo­gar bastante e con­ven­cer as pes­so­as que as me­di­das que pro­po­mos po­dem mes­mo evi­tar a do­en­ça”, ex­pli­ca o mé­di­co, acres­cen­tan­do que nem sem­pre é fá­cil con­ven­cer as pes­so­as a to­ma­rem me­di­ca­men­tos pro­fi­lá­ti­cos.

As cri­an­ças e ido­sos são os gru­pos mais fá­ceis de abor­dar: as cri­an­ças por­que os pais ge­ral­men­te cumprem to­das as re­co­men­da­ções, os mais ve­lhos por­que já vi­ram mui­ta coi­sa e são mais pru­den­tes. “O gru­po mais difícil é mes­mo o dos adul­tos e jo­vens adul­tos, que têm uma sen­sa­ção de in­ven­ci­bi­li­da­de que às ve­zes é difícil de des­cons­truir”, re­su­me Di­o­go Me­di­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.