O PI­OR AMI­GO DO PE­TRÓ­LEO

O pre­ço ele­va­do dos com­bus­tí­veis tem le­va­do mui­tos a ado­ta­rem uma con­du­ção mais eco­nó­mi­ca. Os ame­ri­ca­nos até têm um mo­vi­men­to: o “Hy­per Mi­le­a­ge”. Si­ga as re­co­men­da­ções.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1362 -

Os ame­ri­ca­nos le­vam o con­cei­to pa­ra o exa­ge­ro e até in­ven­ta­ram um no­me a con­di­zer: “Hy­per Mi­le­a­ge”. Ou, em ver­são mé­tri­ca à eu­ro­peia, Hi­per-Qui­lo­me­tra­gem. É um mo­vi­men­to que par­ti­lha in­con­tá­veis tru­ques pa­ra os au­to­mó­veis gas­ta­rem o mí­ni­mo de com­bus­tí­vel que a ci­ên­cia e as leis da fí­si­ca per­mi­ti­rem. O jor­na­lis­ta Reis Pin­to leu ca­lha­ma­ços de di­cas e apre­sen­ta as me­lho­res re­co­men­da­ções pa­ra que a ga­so­li­na no de­pó­si­to du­re, du­re...

Con­tra­ri­an­do as cren­ças, o mo­tor de com­bus­tão in­ter­na dos car­ros é das pe­ças de en­ge­nha­ria mais ine­fi­ci­en­tes que se co­nhe­cem. Da ga­so­li­na ou ga­só­leo com que os abas­te­ce­mos ape­nas 18 a 20% é, efe­ti­va­men­te, trans­for­ma­da em ener­gia mo­triz. Tu­do o res­to é des­per­di­ça­do, se­ja pe­la per­da de ca­lor, atri­to com o so­lo, ae­ro­di­nâ­mi­ca ou fric­ção me­câ­ni­ca en­tre as pe­ças.

Se con­tra is­so na­da se po­de fa­zer, há um con­jun­to de téc­ni­cas de con­du­ção e de com­por­ta­men­tos que po­dem fa­zer bai­xar o con­su­mo dos car­ros pa­ra va­lo­res que se jul­ga­vam im­pos­sí­veis, es­ti­man­do-se que a pou­pan­ça pos­sa atin­gir os 37% em veí­cu­los em bo­as con­di­ções me­câ­ni­cas.

Es­ta pro­cu­ra pe­lo úl­ti­mo qui­ló­me­tro já deu ori­gem a um mo­vi­men­to nos Es-

EMA­GRE­CER

ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, o Hy­per Mi­le­a­ge (ou Hi­per-Qui­lo­me­tra­gem, re­con­ver­ten­do pa­ra o nos­so sis­te­ma mé­tri­co), cu­jos se­gui­do­res mais fun­da­men­ta­lis­tas che­gam a con­di­ci­o­nar o com­por­ta­men­to de ou­tros con­du­to­res.

Além do bom es­ta­do da me­câ­ni­ca (po­de mu­dar-se pa­ra ve­las de ig­ni­ção de irí­dio, mais efi­ci­en­tes), a pri­mei­ra ta­re­fa dos “hi­per­mi­lhis­tas” é ti­rar do car­ro tu­do o que se­ja su­pér­fluo e lhe acres­cen­te pe­so. Quan­to mais pe­sa­do es­ti­ver o veí­cu­lo, mais po­tên­cia te­rá de usar, ou se­ja, mais com­bus­tí­vel quei­ma­rá.

Por is­so, fora com as bar­ras de te­ja­di­lho e su­por­tes de bi­ci­cle­ta que só se usam ao fim de se­ma­na (po­dem au­men­tar o con­su­mo en­tre 14 a 20%).

Na ba­ga­gei­ra só de­ve le­var-se o que é le­gal­men­te obri­ga­tó­rio (co­mo o tri­ân­gu­lo de si­na­li­za­ção). E mes­mo as mar­cas já co­la­bo­ram nes­ta ca­ça ao pe­so, eli­mi­nan­do o pneu so­bres­se­len­te, que é subs­ti­tuí­do por um kit an­ti-fu­ros (es­ti­ma-se que um car­ro te­nha um fu­ro a ca­da 100 mil qui­ló­me­tros).

SU­A­VI­DA­DE

Se há uma pa­la­vra que de­fi­ne a con­du­ção eco­nó­mi­ca é a su­a­vi­da­de, mas ou­tras se lhe po­dem jun­tar, co­mo a mu­dan­ça pa­ra um óleo de mo­tor com mai­or ín­di­ce de vis­co­si­da­de ou a ma­nu­ten­ção dos pneus com a pres­são re­co­men­da­da (há quem a au­men­te um pou­co pa­ra di­mi­nuir o atri­to).

Mas a re­gra de ou­ro dos “hi­per­mi­lhis­tas” é ra­ra­men­te tra­var e tra­tar o pe­dal do ace­le­ra­dor com o ca­ri­nho que é de­vi­do a uma flor de es­tu­fa. Na­ver­da­de,es­te­com­por­ta­men­to­na­da tem de ab­sur­do. Tra­ta-se de an­te­ci­par o que­o­sou­tros­con­du­to­res­vão­fa­ze­re­man­ter uma ace­le­ra­ção cons­tan­te. De­ve-se olhar sem­pre umas cen­te­nas de me­tros maisà­fren­tee,mal­se­de­te­te­mos­pri­mei­ros si­nais de que o trân­si­to vai pa­rar ou abran­dar,ti­rar-se­o­pé­do­a­ce­le­ra­do­re­dei­xar o car­ro des­li­zar pe­la inér­cia.

Ao apro­xi­mar-se de uma fi­la pa­ra­da, não tra­ve e di­mi­nua a ve­lo­ci­da­de com a cai­xa, pri­vi­le­gi­an­do sem­pre a se­gu­ran­ça. Na mai­or par­te das si­tu­a­ções o trân­si­to re­co­me­ça a cir­cu­lar an­tes mes­mo de se pa­rar.

Es­ta re­gra tam­bém se po­de apli­car em cur­va. Não se de­ve nun­ca se­guir a ve­lo­ci­da­de ele­va­da – um con­cei­to ba­ni- do do vo­ca­bu­lá­rio dos “hi­per­mi­lhis­tas” – e, al­guns me­tros an­tes, pé fora do ace­le­ra­dor, dei­xan­do que a inér­cia le­ve o car­ro a des­cre­ver a cur­va.

E apro­vei­te to­das as des­ci­das pa­ra des­can­sar o pé di­rei­to. En­gre­ne a ve­lo­ci­da­de mais al­ta (nun­ca em ponto mor­to) e dei­xe a gra­vi­da­de atu­ar.

O uso do ar con­di­ci­o­na­do não é con­sen­su­al. O sis­te­ma rou­ba al­gu­ma po­tên­cia ao mo­tor mas, aci­ma dos 70 km/h, an­dar com as ja­ne­las aber­tas cria um ar­ras­to ae­ro­di­nâ­mi­co ain­da mais pe­na­li­za­dor. Os mais fun­da­men­ta­lis­tas fe­cham as ja­ne­las, des­li­gam o ar con­di­ci­o­na­do e re­fres­cam-se amiú­de com água fres­ca. No meio-ter­mo, há quem ad­vo­gue des­li­gar o A/C mal o ha­bi­tá­cu­lo es­te­ja fres­co e vol­tar a li­gá-lo quan­do a tem­pe­ra­tu­ra in­te­ri­or so­be. ●m

1 2 3

4 5 6 M A pou­pan­ça de com­bus­tí­vel re­sul­ta da so­ma de uma ma­nu­ten­ção aten­ta do veí­cu­lo, eli­mi­na­ção da car­ga su­pér­flua e bom uso de pe­dais e cai­xa de ve­lo­ci­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.