“SOU TÃO RA­CIS­TA CO­MO O MEU MA­RI­DO”

Me­la­nia Trump é adep­ta da ex­pres­são es­fín­gi­ca que dei­xa to­dos na dú­vi­da se es­tá a pen­sar em mui­ta coi­sa ou em coi­sa ne­nhu­ma. Mas um fac­to é cer­to: a pri­mei­ra-da­ma dos EUA não tem gran­de jei­to pa­ra a es­co­lha de gu­ar­da-rou­pa.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma- Naque - POR João Qua­dros

Es­ta se­ma­na te­nho, fi­nal­men­te, uma con­vi­da­da nas en­tre­vis­tas que nun­ca fiz. Até ago­ra ti­nham si­do só ho­mens e o Jai­me Mar­ta So­a­res, mas che­gou a vez de uma se­nho­ra. Co­mi­go te­nho a pri­mei­ra-da­ma dos Es­ta­dos Uni­dos, Me­la­nia Trump. Olá, Me­la­nia. Es­tá tu­do bem? Es­tá com aque­le olhar de quem es­tá a pen­sar se pôs ou não mo­e­das no parquí­me­tro da EMEL.

Eu te­nho sem­pre es­ta ex­pres­são quan­do es­tou em pú­bli­co. É pa­ra fin­gir que es­tou a pen­sar em coi­sas.

A mim não me en­ga­na. Sei bem que a Me­la­nia é mui­to mais do que aqui­lo que dei­xa trans­pa­re­cer.

Viu as mi­nhas fo­tos an­ti­gas, to­da nua?

Eu?! Não, nem pen­sar! Quem é que lhe dis­se is­so?! Não­me­di­ga­que­os­seu­sa­mi­gos­rus­sos­fo­ra­ma­o­meu his­tó­ri­co da net?! Se fui, foi sem que­rer. Es­ta­va à pro­cu­ra da sua fo­to, mas ves­ti­da com o ca­sa­co que usou na vi­si­ta sur­pre­sa a um cen­tro de de­ten­ção in­fan­til, jun­to à fron­tei­ra com o Mé­xi­co. E, quan­do vi

o ca­sa­co, te­nho de lhe di­zer que fi­quei cho­ca­do!

Era só um ca­sa­co com uma ins­cri­ção nas cos­tas: “Eu não qu­e­ro sa­ber, e tu?”

Mas era da Za­ra! Ver a Me­la­nia com rou­pa da Za­ra é um cri­me! Vo­cê não po­de an­dar ves­ti­da com rou­pa que cus­te me­nos que cen­to e cin­quen­ta mil or­de­na­dos mí­ni­mos. A Me­la­nia tem a no­ção do que re­pre­sen­ta pa­ra os imi­gran­tes ile­gais nos EUA?

Me­do, es­pe­ro eu.

O opos­to. O so­nho. Pa­re­cen­do que não, a se­nho­ra é o exem­plo má­xi­mo de co­mo um imi­gran­te ile­gal po­de ter su­ces­so nos EUA. Pro­va­vel­men­te, há cen­te­nas de mu­lhe­res jo­vens, imi­gran­tes ile­gais, que ar­ris­cam a vi­da a ten­tar atra­ves­sar a fron­tei­ra por­que so­nham ser uma Me­la­nia.

Fa­le mais bai­xo que o meu ma­ri­do po­de es­tar a ou­vir.

É a re­a­li­da­de. Ti­ran­do a par­te de ter de ver o Trump nu de vez em quan­do, a se­nho­ra é um dos mai­o­res in­cen­ti­vos à imi­gra­ção ile­gal. Não fos­se o seu ta­ma­nho de co­pa, se eu fos­se ra­cis­ta e xe­nó­fo­bo co­mo o seu ma­ri­do já a ti­nha re­cam­bi­a­do.

Mas is­so não é jus­to. Eu sou tão ra­cis­ta co­mo o meu ma­ri­do. Por que raio acha que usei um ca­sa­co da Za­ra (fi­quei com co­mi­chão no pes­co­ço du­ran­te uma se­ma­na) an­tes­de­vi­si­ta­rum­cen­tro­de­de­ten­ção­de­cri­an­ças­com uma fra­se da­que­las?! “I re­ally don’t care. Do u?”

Bem, na al­tu­ra pen­sei que ti­nha si­do o seu ma­ri­do que de ma­nhã, an­tes de a se­nho­ra sair, ti­nha pin­ta­do aqui­lo nas cos­tas do ca­sa­co sem a Me­la­nia sa­ber. Ce­na de pu­tos, co­mo quan­do co­la­mos um pa­pel com fi­ta-co­la nas cos­tas de um co­le­ga com uma pi­a­da par­va qual­quer. Ima­gi­nei que, se a sua vis­ta fos­se a Tre­blin­ka, ele es­cre­ves­se: “Não te chei­ra a gás?”

ILUS­TRA­ÇÃO: MAR­CO MEN­DES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.