POR­TU­GUE­SES EXTRAORDINÁRIOS

Di­re­tor do Com­pu­ta­ti­o­nal Neu­roEn­gi­ne­e­ring La­bo­ra­tory, “dis­tin­guished pro­fes­sor” da Uni­ver­si­da­de da Flo­ri­da, um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas mun­di­ais em neu­ro­en­ge­nha­ria com­pu­ta­ci­o­nal. Eis Jo­sé Car­los Prín­ci­pe.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - ALMA-NAQUE - Jo­sé Car­los Prín­ci­pe Por den­tro do cé­re­bro POR Ana Tu­lha FOTO Leonel de Cas­tro / Glo­bal Imagens

“Nós ten­de­mos a achar que quan­do mo­ve­mos o cor­po é tu­do au­to­má­ti­co. Mas não é. É tu­do pré-pro­gra­ma­do. E há um con­jun­to de si­nais que po­dem ser re­co­lhi­dos, pa­ra aju­dar a des­co­di­fi­car a in­ten­ção do mo­vi­men­to.” O es­cru­tí­nio in­ces­san­te des­tes si­nais tem si­do uma das gran­des de­man­das do tra­ba­lho de Jo­sé Car­los Prín­ci­pe, 68 anos de ida­de e mais de 40 de uma car­rei­ra que já o tor­nou um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas mun­di­ais em en­ge­nha­ria com­pu­ta­ci­o­nal – ou, na ver­são sim­pli­fi­ca­da, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al.

Tem a pa­la­vra o es­pe­ci­a­lis­ta. “Nos pa­ra­plé­gi­cos, o cé­re­bro es­tá in­tac­to, mas não co­man­da o cor­po. Se con­se­guir­mos des­co­di­fi­car a in­ten­ção de mo­vi­men­to, po­de­mos ter uma má­qui­na in­ter­na ou usar o cor­po pa­ra im­ple­men­tar o mo­vi­men­to. É uma área em que te­nho mui­to tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do”, con­ta o in­ves­ti­ga­dor.

Mas es­ta é ape­nas uma das nu­an­ces do vas­to le­que de con­quis­tas que Jo­sé Car­los Prín­ci­pe tem so­ma­do ao lon­go dos anos, uma pe­que­na par­te de uma his­tó­ria de su­ces­so com epi­cen­tro na Flo­ri­da. Foi pa­ra lá que ru­mou em 1973 pa­ra fa­zer mes­tra­do em en­ge­nha­ria ele­tro­téc­ni­ca, foi pa­ra lá que vol­tou anos de­pois pa­ra se de­di­car ao dou­to­ra­men­to na mes­ma área – is­to após um re­gres­so de três anos a Por­tu­gal, pa­ra fa­zer par­te dos “anos extraordinários” da re­vo­lu­ção.

Foi lá que fun­dou o Com­pu­ta­ti­o­nal Neu­roEn­gi­ne­e­ring La­bo­ra­tory, que ain­da ho­je di­ri­ge. E foi lá que se fez pro­fes­sor, ain­da na dé­ca­da de 80. Pro­fes­sor con­vi­da­do pri­mei­ro, pro­fes­sor as­so­ci­a­do de­pois e, mais tar­de, pro­fes­sor dis­tin­gui­do. A es­ca­la­da, no en­tan­to, não ter­mi­nou por aqui. Em 2014 foi ga­lar­do­a­do co­mo “Te­a­cher-Scho­lar of the Ye­ar”. Ou se­ja, Pro­fes­sor do Ano na Uni­ver­si­da­de da Flo­ri­da. “Foi uma dis­tin­ção im­por­tan­te, até por­que, na mai­or par­te das ve­zes, os pro­fes­so­res des­ta­ca­dos são os das áre­as das li­te­ra­tu­ras. Foi um re­co­nhe­ci­men­to das mi­nhas con­tri­bui­ções, tan­to ao ní­vel do en­si­no co­mo da in­ves­ti­ga­ção”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta, que já gra­du­ou per­to de uma cen­te­na de dou­to­ran­dos.

E afi­nal, até on­de nos vai le­var a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al? “Não ve­jo li­mi­tes. É co­mo a tec­no­lo­gia. Se me per­gun­tar se há pos­si­bi­li­da­de de ha­ver uma má­qui­na pa­ra per­ce­ber o Mun­do, que é exa­ta­men­te o que

o nos­so cé­re­bro faz, eu acho que sim. Não há li­mi­tes nas ci­ên­ci­as da com­pu­ta­ção que nos fa­çam pen­sar que a par­tir da­li não con­se­gui­mos fa­zer mais”, ga­ran­te. Mas o tam­bém pre­si­den­te do Con­se­lho Ci­en­tí­fi­co do por­tu­guês INESC TEC, no Por­to, tam­bém dei­xa uma res­sal­va: “Há mui­ta fan­ta­sia as­so­ci­a­da à in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al.” ●m

M Jo­sé Car­los Prín­ci­pe nas ins­ta­la­ções do INESC TEC, no Por­to, on­de pre­si­de ao Con­se­lho Ci­en­tí­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.