HIS­TÓ­RIA DA SE­MA­NA A exaus­tão emo­ci­o­nal dos mé­di­cos

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1374 - TEX­TO

É um ce­ná­rio cor de chum­bo, aque­le que as­som­bra a car­rei­ra na saú­de em Por­tu­gal lo­go des­de a uni­ver­si­da­de. Um ce­ná­rio com his­tó­ri­as de so­bre­car­ga ho­rá­ria, bur­nout, agres­sões de pa­ci­en­tes, bullying, de­pres­são, sui­cí­dio.

A jor­na­lis­ta Ana Tu­lha apre­sen­ta re­tra­tos ex­tre­mos de uma re­a­li­da­de que abun­da em hos­pi­tais e cen­tros de saú­de do país. Re­tra­tos apoi­a­dos em tes­te­mu­nhos mui­tas ve­zes di­fí­ceis de ex­trair, de ví­ti­mas aves­sas à ex­po­si­ção me­diá­ti­ca.

Clí­ni­cos que che­gam a ver 80 do­en­tes num dia, pa­ci­en­tes que par­tem pa­ra a agres­são, in­ter­nos que são ví­ti­mas de bullying, pro­fis­si­o­nais em exaus­tão emo­ci­o­nal que se re­fu­gi­am em an­ti­de­pres­si­vos e ad­mi­tem aban­do­nar a profissão. O raio X à me­di­ci­na em Por­tu­gal é tu­do me­nos en­co­ra­ja­dor. E até as fa­cul­da­des da área an­dam pre­o­cu­pa­das com a saú­de men­tal dos es­tu­dan­tes.

Lem­bra-se de que aos seis anos já que­ria ser mé­di­ca. Mui­to por cul­pa do pai, do­en­te cró­ni­co des­de sem­pre. “Cui­dar do ou­tro foi sem­pre uma for­ma de es­tar”, re­su­me Ana Monsanto, lis­bo­e­ta de 58 anos. Por is­so, quan­do foi pa­ra a fa­cul­da­de, a me­di­ci­na foi a úni­ca op­ção. Li­cen­ci­ou-se na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas, mu­dou-se pa­ra Ou­ri­que, vi­la do dis­tri­to de Be­ja, pa­ra exer­cer me­di­ci­na ge­ral e fa­mi­li­ar, e por lá fi­cou. Há mais de 30 anos. Enér­gi­ca e de­di­ca­da, foi acu­mu­lan­do res­pon­sa­bi­li­da­des, até se tor­nar qua­se om­ni­pre­sen­te. “Pas­sa­va tu­do pe­las mi­nhas mãos. Ti­nha di­as em que ob­ser­va­va, en­tre con­sul­tas, re­cei­tas e exa­mes com­ple­men­ta­res de di­ag­nós­ti­co, 80 pes­so­as. Nes­tas uni­da­des, as pes­so­as es­tão mui­to pró­xi­mas de nós e eu acha­va que não po­dia di­zer que não. Ti­nha me­do que a pes­soa a quem eu fos­se di­zer que não fos­se aque­la que pre­ci­sa­va mais de mim.”

A aver­são às ne­gas saiu-lhe ca­ra. Em maio de 2017, um can­sa­ço ex­tre­mo co­me­çou a apo­de­rar-se de­la. Ao pon­to de pe­dir pa­ra lhe re­du­zi­rem o nú­me­ro de con­sul­tas. A par­tir daí, foi sem­pre a pi­o­rar. Aos pou­cos, a ha­bi­tu­al em­pa­tia que ti­nha com os do­en­tes es­fu­mou-se. Até che­gar o dia em que “já não con­se­guia olhar pa­ra a ca­ra dos pa­ci­en­tes”. E em que ain­da não ti­nha en­tra­do no Cen­tro de Saú­de de Ou­ri­que e já só pen­sa­va em sair.

Fo­ra do tra­ba­lho, o pa­no­ra­ma não era mais ri­so­nho. Não dor­mia, não co­mia, doíam-lhe os mús­cu­los e a ca­be­ça. An­da­va apá­ti­ca. Tris­te co­mo a noi­te. Ti­nha di­fi­cul­da­des em con­cen­trar-se. Ler uma sim­ples no­tí­cia do prin­cí­pio ao fim pas­sou a ser impossível. Só lhe res­ta­va co­mu­ni­car à che­fe que não es­ta­va em con­di­ções de con­ti­nu­ar a exer­cer. As­sim fez. Se­guiu-se uma ida à psi­có­lo­ga. Ou­tra ao psi­qui­a­tra. Am­bos con­cor­da­ram que es­ta­va em bur­nout. O di­ag­nós­ti­co não a sur­pre­en­deu. Até por­que, anos an­tes, nu­ma pós-gra­du­a­ção, ti­nha fei­to um tra­ba­lho so­bre a pre­ven­ção do bur­nout no médico de fa­mí­lia. “E, no en­tan­to, en­trei por ele aden­tro”, la­men­ta, ain­da in­cré­du­la. Se­gui­ram-se 11 me­ses de re­cu­pe­ra­ção. On­ze me­ses de tra­ta­men­tos psi­quiá­tri­cos e ses­sões de psi­co­te­ra­pia. Até que em maio se sen­tiu ca­paz de vol­tar. De­va­ga­ri­nho, co­mo se quer de­pois de um aba­lo for­te. “Não sou a mes­ma pes­soa”, de­sa­ba­fa, la­men­tan­do ain­da a fal­ta de apoio das che­fi­as re­gi­o­nais e dis­tri­tais.

Ago­ra, quan­do re­vi­ra os úl­ti­mos anos na ten­ta­ti­va de des­co­brir as cau­sas, en­con­tra um ema­ra­nha­do de fa­to­res. “O fac­to de ter fei­to a pós-gra­du­a­ção em cui­da­dos pa­li­a­ti­vos, uma área que sem­pre achei mui­to ri­ca, mas não me ter si­do per­mi­ti­do efe­tu­ar es­se tra­ba­lho, por já exis­tir uma equi­pa a ní­vel dis­tri­tal, con­tri­buiu. Foi uma de­si­lu­são”, apon­ta. Mas tam­bém “as ex­pec­ta­ti­vas ele­va­das, o ex­ces­so de de­di­ca­ção, não re­co­nhe­ci­da, a res­pon­sa­bi­li­da­de exa­cer­ba­da”.

É por is­so que o ca­so de Ana não é só mais um ca­so. É um re­tra­to ex­tre­mo de uma re­a­li­da­de que pro­li­fe­ra em hos­pi­tais e cen­tros de saú­de de nor­te a sul. É uma de mui­tos pro­fis­si­o­nais pres­si­o­na­dos pe­la so­bre­car­ga ho­rá­ria e pe­la des­me­su­ra­da pro­por­ção en­tre o nú­me­ro de do­en­tes e de mé­di­cos. É o ros­to de uma clas­se em que o bullying vai ga­nhan­do for­ma (so­bre­tu­do no in­ter­na­to) e as agres­sões dos pa­ci­en­tes não pa­ram de au­men­tar. É um gri­to de al­ma que mos­tra que o ofí­cio que mui­tos pais se ha­bi­tu­a­ram a de­se­jar pa­ra os fi­lhos po­de ter um la­do per­ver­so. Po­de ser, no li­mi­te, uma profissão de ris­co.

O bur­nout, par­ti­cu­lar­men­te fre­quen­te nos mé­di­cos, sur­ge, mui­tas ve­zes, a re­bo­que des­tas pa­to­lo­gi­as de clas­se. “Há cer­tas pro­fis­sões que es­tão mais su­jei­tas a des­gas­te do que ou­tras. No ca­so da me­di­ci­na, as con­di­ções em que é exer­ci­da, as di­fi­cul­da­des que há, o ex­ces­so de tra­ba­lho, a fal­ta de material, tu­do is­so são fa­to­res que con­tri­bu­em pa­ra a sen­sa­ção de es­go­ta­men­to. Por­que o bur­nout é exa­ta­men­te is­so: a sen­sa­ção de es­go­ta­men­to. A fal­ta de sen­sa­ção de re­a­li­za­ção tam­bém in­flu­en­cia. E ain­da há a re­la­ção emo­ci­o­nal que o médico tem com o do­en­te, par­ti­cu­lar­men­te em áre­as co­mo a on­co­lo­gia”, ex­pli­ca An­tó­nio Pa­lha, pro­fes­sor

“Nu­ma pós-gra­du­a­ção, ti­nha fei­to um tra­ba­lho so­bre a pre­ven­ção do bur­nout no médico de fa­mí­lia. E no en­tan­to en­trei por ele aden­tro” ANA MONSANTO Mé­di­ca no Cen­tro de Saú­de de Ou­ri­que

ju­bi­la­do da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to na área da Psi­qui­a­tria e Saú­de Men­tal. “Se qui­ser­mos ir mais lon­ge, há ain­da um ter­cei­ro fa­tor. É que nem to­da a gen­te de­via ser médico. Nem to­da a gen­te tem per­so­na­li­da­de emo­ci­o­nal que lhe per­mi­ta en­fren­tar a profissão com com­pe­tên­cia e equi­lí­brio”, acres­cen­ta.

Fa­to­res que, quan­do con­ju­ga­dos, ten­dem a tra­du­zir-se num cock­tail ex­plo­si­vo. Se­gun­do o es­tu­do “Bur­nout na clas­se mé­di­ca”, con­du­zi­do pe­la Or­dem dos Mé­di­cos e pe­lo Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, em 2016, 66% dos mé­di­cos em Por­tu­gal apre­sen­ta­vam um ín­di­ce ele­va­do de exaus­tão emo­ci­o­nal, um dos in­di­ca­do­res do es­ta­do de bur­nout. Nos ou­tros dois in­di­ca­do­res des­sa sín­dro­me, as per­cen­ta­gens não eram tão ar­ra­sa­do­ras, mas con­ti­nu­a­vam a ser pre­o­cu­pan­tes: 38,9% dos mé­di­cos apre­sen­ta­vam ní­veis de des­per­so­na­li­za­ção ele­va­dos e 30,6% re­gis­ta­vam uma que­da abrup­ta nos ní­veis de re­a­li­za­ção pro­fis­si­o­nal.

He­ma­to­lo­gia clí­ni­ca, ra­di­o­te­ra­pia e on­co­lo­gia mé­di­ca são as es­pe­ci­a­li­da­des com mai­o­res ín­di­ces de exaus­tão emo­ci­o­nal. Os nú­me­ros são ain­da mais alar­man­tes quan­do com­pa­ra­dos com os de ou­tros paí­ses. Se­gun­do o mes­mo es­tu­do – o mais com­ple­to fei­to so­bre a ma­té­ria em Por­tu­gal –, nos Estados Unidos, “só” 38% dos mé­di­cos apre­sen­tam ní­veis ele­va­dos de exaus­tão emo­ci­o­nal.

E as más notícias não fi­cam por aqui. “O bur­nout as­so­cia-se mui­tas ve­zes a ce­ná­ri­os de­pres­si­vos e uma das si­tu­a­ções que po­de de­cor­rer dis­so é a pos­si­bi­li­da­de de ali­men­tar idei­as sui­ci­das”, aler­ta An­tó­nio Pa­lha, es­pe­ci­a­lis­ta em Psi­qui­a­tria e Saú­de Men­tal.

INSULTOS, MURROS E PONTAPÉS

Pau­la (no­me fic­tí­cio) é mé­di­ca nu­ma Uni­da­de de Cui­da­dos de Saú­de Per­so­na­li­za­dos. Pre­fe­re sal­va­guar­dar a iden­ti­da­de pa­ra evi­tar pro­ble­mas. Já lhe bas­tam os que te­ve no ano pas­sa­do, com uma uten­te da uni­da­de em que tra­ba­lha. Por se re­cu­sar a pas­sar uma bai­xa mé­di­ca – “a uma pa­ci­en­te que era usei­ra e ve­zei­ra nes­se ti­po de pe­di­dos”, ex­pli­ca à “Notícias Ma­ga­zi­ne” – apa­nhou um sus­to da­que­les. Sa­fou-se da agres­são pro­pri­a­men­te di­ta (por pou­co), mas não do res­to. O res­to fo­ram im­pro­pé­ri­os pa­ra to­dos os gos­tos e um chor­ri­lho de ame­a­ças – des­de a

pro­mes­sa de fa­zer quei­xa à Or­dem dos Mé­di­cos à de cha­mar a po­lí­cia. “Até as ca­dei­ras do con­sul­tó­rio pon­ta­pe­ou”, por­me­no­ri­za. In­cré­du­la, Pau­la apre­sen­tou quei­xa na Ad­mi­nis­tra­ção Re­gi­o­nal de Saú­de e no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Mas da ARS nun­ca ob­te­ve qual­quer res­pos­ta e, na jus­ti­ça, o ca­so ain­da não te­ve de­sen­vol­vi­men­tos.

Já nes­te ano, em maio, um jo­vem médico de fa­mí­lia a tra­ba­lhar nu­ma ex­ten­são do cen­tro de saú­de da Cha­mus­ca foi no­tí­cia por ter de­nun­ci­a­do, nas re­des so­ci­ais, uma agres­são – no ca­so, um mur­ro do com­pa­nhei­ro de uma do­en­te, tam­bém por se re­cu­sar a re­no­var uma bai­xa mé­di­ca. A bra­vu­ra va­leu-lhe ma­ni­fes­ta­ções de apoio do bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos e do pró­prio Mi­nis­tro da Saú­de, mas tam­bém ame­a­ças do agres­sor. Com me­do de vol­tar a ser agre­di­do, pe­diu pa­ra ser trans­fe­ri­do pa­ra uma uni­da­de de saú­de do nor­te do país. Mas o pe­di­do foi-lhe ne­ga­do. Qua­tro me­ses de­pois, con­ti­nua, por is­so, a aguar­dar que os re­sul­ta­dos do con­cur­so pa­ra a con­tra­ta­ção de mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas lhe re­ser­vem me­lhor sor­te – ir pa­ra bem lon­ge da Cha­mus­ca, en­ten­da-se.

São ape­nas dois de um sem fim de ca­sos, fre­quen­te­men­te ocul­ta­dos por uma clas­se aves­sa à ex­po­si­ção me­diá­ti­ca. Mas os nú­me­ros não men­tem. Des­de 2007, ano em que foi cri­a­do um ob­ser­va­tó­rio da vi­o­lên­cia con­tra os pro­fis­si­o­nais de saú­de no lo­cal de tra­ba­lho, as quei­xas têm au­men­ta­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va: se no pri­mei­ro ano só che­ga­ram à Di­re­ção-Ge­ral de Saú­de 35 no­ti­fi­ca­ções por epi­só­di­os de vi­o­lên­cia, em 2017 já hou­ve 678 re­gis­tos. E os da­dos mais re­cen­tes não são mais ani­ma­do­res: só na pri­mei­ra me­ta­de des­te ano, fo­ram re­por­ta­das 439 si­tu­a­ções, um quar­to de­las por mé­di­cos. Quer is­to di­zer que, só en­tre ja­nei­ro e ju- nho de 2018, mais de cem mé­di­cos fo­ram su­jei­tos a epi­só­di­os de vi­o­lên­cia, se­jam eles o as­sé­dio mo­ral, a vi­o­lên­cia ver­bal ou a vi­o­lên­cia fí­si­ca. Os si­nais de aler­ta au­men­tam se ti­ver­mos em con­ta que os nú­me­ros pe­cam por de­fei­to, uma vez que a con­ta­bi­li­da­de es­tá su­jei­ta a quei­xas apre­sen­ta­das pe­los pró­pri­os pro­fis­si­o­nais de saú­de, atra­vés de um por­tal on­li­ne. Tor­na-se, por is­so, impossível des­cor­ti­nar quan­tas ocor­rên­ci­as es­ca­pam aos re­gis­tos.

Mais do que is­so, há quem la­men­te a bu­ro­cra­cia e a lo­gís­ti­ca, que dão gua­ri­da aos do­en­tes mal-in­ten­ci­o­na­dos e com­pli­cam a vi­da aos mé­di­cos. “Se um do­en­te pe­de pa­ra mu­dar de médico, a mu­dan­ça é au­to­má­ti­ca. Is­to faz com que ha­ja uns quan­tos do­en­tes a mu­dar de médico pe­ri­o­di­ca­men­te, pa­ra que as bai­xas vão sen­do re­no­va­das. Já se um médico pe­de pa­ra dei­xar de ver um do­en­te, tem de fa­zer uma ex­po­si­ção à Di­re­ção do Agru­pa­men­to de Cen­tros de Saú­de e aguar­dar pe­la va­li­da­ção – ou não – do pe­di­do, um pro­ces­so que po­de de­mo­rar. Há aqui uma de­si­gual­da­de que não faz sen­ti­do, que nos dei­xa nu­ma si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de”, con­de­na Pau­la.

DO BULLYING ÀS LICENÇAS SEM VENCIMENTO

A vul­ne­ra­bi­li­da­de acen­tua-se no ca­so dos in­ter­nos – os jo­vens mé­di­cos que se en­con­tram num pe­río­do de for­ma­ção pós-gra­du­a­da, que con­duz à ob­ten­ção da es­pe­ci­a­li­da­de. Por ou­tra, o “elo mais fra­co” na re­la­ção de for­ças que exis­te en­tre mé­di­cos dos hos­pi­tais e cen­tros de saú­de. “Os in­ter­nos vi­vem uma si­tu­a­ção ain­da mais de­li­ca­da, até por­que, ape­sar de es­ta­rem em for­ma­ção, são tra­ba­lha­do­res com de­ve­res la­bo­rais”, re­co­nhe­ce Fá­bio Bor­ges, pre­si­den­te da Co­mis­são de In­ter­nos

do Sin­di­ca­to In­de­pen­den­te dos Mé­di­cos (SIM).

A ló­gi­ca é sim­ples: por que­re­rem mos­trar tra­ba­lho, e mui­tas ve­zes, por te­me­rem re­pre­sá­li­as dos su­pe­ri­o­res hi­e­rár­qui­cos que lhes con­di­ci­o­nem o fu­tu­ro, os mé­di­cos mais jo­vens fi­cam, em te­o­ria, mais vul­ne­rá­veis aos abu­sos e à so­bre­car­ga ho­rá­ria. “É ver­da­de que, es­tan­do os in­ter­nos nu­ma po­si­ção hi­e­rar­qui­ca­men­te in­fe­ri­or, de­pen­den­tes de uma no­ta atri­buí­da por co­le­gas mais ve­lhos [no­ta es­sa que vai aju­dar a se­ri­ar os in­ter­nos e a de­ci­dir quem fi­ca com que va­ga em ca­da es­pe­ci­a­li­da­de], são mais pro­pen­sos a su­jei­tar-se às exi­gên­ci­as. Ain­da que is­so de­pen­da sem­pre da ma­nei­ra de ser de ca­da um”, ad­mi­te Ca­ta­ri­na Per­ry, co­or­de­na­do­ra do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Médico In­ter­no. Con­ta que, pe­ri­o­di­ca­men­te, lhe são re­por­ta­das si­tu­a­ções de mé­di­cos in­ter­nos que se quei­xam de es­tar a fa­zer de­ma­si­a­das ur­gên­ci­as ou um nú­me­ro de ho­ras ex­ces­si­vo, mas ad­mi­te que “nem sem­pre [os jo­vens mé­di­cos] têm co­ra­gem de de­nun­ci­ar es­sas si­tu­a­ções”.

O bullying den­tro da profissão – das che­fi­as pa­ra com os su­bor­di­na­dos e dos in­ter­nos mais ve­lhos pa­ra com os mais no­vos – é, por is­so, uma re­a­li­da­de ca­da vez mais ine­gá­vel. “É ver­da­de, há mes­mo bullying em re­la­ção aos in­ter­nos. Fun­ci­o­nam co­mo ta­pa-bu­ra­cos e são fre­quen­te­men­te pos­tos a tra­ba­lhar pa­ra os ou­tros. Por ve­zes, a fa­zer ban­co de ur­gên­cia de ma­nhã à noi­te. Fe­liz­men­te, ago­ra há uma lei que diz que não po­dem fa­zer mais do que 12 ho­ras se­gui­das. Mas, na ver­da­de, es­sa re­a­li­da­de não é mui­to di­fe­ren­te do que era no meu tem­po”, de­fen­de João Pro­en­ça, pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Mé­di­cos (FNAM).

Ní­dia Zó­zi­mo, tam­bém di­ri­gen­te da FNAM e che­fe de equi­pa no ser­vi­ço de ur­gên­cia do Hos­pi­tal de San­ta Ma­ria, de Lis­boa, re­fe­re ain­da um ou­tro ti­po de bullying, que ex­tra­va­sa os li­mi­tes da re­la­ção en­tre as che­fi­as e os su­bor­di­na­dos e ocor­re ao ní­vel do pró­prio gru­po. Sin­to­mas da cres­cen­te com­pe­ti­ti­vi­da­de. “Há jo­vens que são in­sul­ta­dos e ca­ta­lo­ga­dos co­mo in­ca­pa­zes”, avi­sa, aler­tan­do ain­da pa­ra o con­su­mo re­cor­ren­te de an­si­o­lí­ti­cos e an­ti­de­pres­si­vos du­ran­te

o in­ter­na­to.

Há, no en­tan­to, ca­sos ain­da mais ex­tre­mos. Há quem de­nun­cie su­ces­si­vos abu­sos e so­fra re­pre­sá­li­as (co­mo SMS in­ti­mi­da­tó­ri­as por par­te dos pró­pri­os co­le­gas) e quem, já far­to de fa­zer ta­re­fas que mais nin­guém quer fa­zer e das su­ces­si­vas al­te­ra­ções de ho­rá­ri­os à úl­ti­ma, com ho­ras ex­tra em ci­ma de ho­ras ex­tra, che­gue mes­mo a op­tar por pe­dir li­cen­ça sem vencimento. São his­tó­ri­as a que, por me­do ou sim­ples ver­go­nha, nin­guém quer dar ros­to, mas que nos fo­ram con­ta­das por mé­di­cos a tra­ba­lhar pe­lo país fo­ra.

O ce­ná­rio agra­va-se fa­ce à fal­ta de con­di­ções. O nú­me­ro re­du­zi­do de mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas no Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de, ca­pa­zes de as­se­gu­rar uma for­ma­ção ade­qua­da aos in­ter­nos, en­tra aqui co­mo mais um en­tra­ve. Mas é ape­nas um de mui­tos pro­ble­mas. En­tre ou­tras ques­tões con­jun­tu­rais, Miguel Guimarães, bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos, cri­ti­ca à fal­ta de con­di­ções fí­si­cas (que ain­da re­cen­te­men­te le­vou à de­mis­são de 52 mé­di­cos com car­gos de che­fia no Cen­tro Hos­pi­ta­lar Vi­la No­va de Gaia/Es­pi­nho) e à “so­bre­car­ga gran­de nas con­sul­tas ex­ter­nas”. “Há mé­di­cos que têm vá­ri­os do­en­tes pa­ra a mes­ma ho­ra e al­guns que, em qua­tro ho­ras, che­gam a ver 25 do­en­tes. Mui­tas ve­zes alar­gam os ho­rá­ri­os de tra­ba­lho pa­ra fa­zer fa­ce às ne­ces­si­da­des des­tes. Há uma pres­são ex­ces­si­va e to­da es­ta exi­gên­cia que é co­lo­ca­da nos mé­di­cos tem uma in­ter­fe­rên­cia ne­ga­ti­va. Es­tá-se a des­ca­rac­te­ri­zar a re­la­ção médico-do­en­te. Is­so pro­vo­ca des­mo­ti­va­ção, per­tur­ba­ção, an­si­e­da­de”, re­fe­re o res­pon­sá­vel da Or­dem.

Miguel Guimarães la­men­ta a “su­bor­ça­men­ta­ção cró­ni­ca” e uma ten­dên­cia de “de­sin­ves­ti­men­to no se­tor da saú­de” que se acen­tu­ou des­de os tem­pos da troi­ka. João Pro­en­ça, pre­si­den­te da FNAM, apon­ta ain­da o de­do aos sa­lá­ri­os que, en­ten­de, não es­tão à al­tu­ra da exi­gên­cia da profissão. A re­mu­ne­ra­ção men­sal bru­ta dos mé­di­cos em Por­tu­gal vai des­de os 1 566 eu­ros bru­tos no ano co­mum do in­ter­na­to aos 5 063 eu­ros de um as­sis­ten­te gra­du­a­do sé­ni­or (che­fe de ser­vi­ço) em to­po de car­rei­ra. “As con­di­ções de tra­ba­lho e re­mu­ne­ra­tó­ri­as dos mé­di­cos em Por­tu­gal são mui­to más. É na­tu­ral que vão a cor­rer pa­ra a Suí­ça, pa­ra a Ale­ma­nha... por­que ga­nham bas­tan­te mais”, ar­gu­men­ta.

Ra­zões de so­bra pa­ra o bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos tra­çar um re­tra­to ne­gro. “Nun­ca sen­ti uma in­sa­tis­fa­ção ge­ne­ra­li­za­da tão gran­de”, aler­ta, an­tes de avi­sar pa­ra um ce­ná­rio ain­da mais pre­o­cu­pan­te: “Há mui­tos mé­di­cos a aban­do­nar

o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de. Uns vão pa­ra o se­tor pri­va­do, ou­tros emi­gram. E até já há mui­tos mé­di­cos, em iní­cio de car­rei­ra, que es­tão a aban­do­nar a profissão. Te­nho ti­do co­nhe­ci­men­to de al­guns ca­sos.” A “Notícias Ma­ga­zi­ne” en­de­re­çou vá­ri­as per­gun­tas ao Mi­nis­té­rio da Saú­de, a pro­pó­si­to des­ta e de ou­tras ques­tões, mas nem as quei­xas quan­to à in­sa­tis­fa­ção ge­ne­ra­li­za­da da clas­se, nem os pe­di­dos de es­cla­re­ci­men­to quan­to ao que es­tá a ser fei­to em ma­té­ria de bur­nout e agres­sões de pa­ci­en­tes (en­tre ou­tros pon­tos) me­re­ce­ram res­pos­ta.

“Nun­ca sen­ti uma in­sa­tis­fa­ção ge­ne­ra­li­za­da tão gran­de. Até já há mé­di­cos, em iní­cio de car­rei­ra, que es­tão a aban­do­nar a profissão” MIGUEL GUIMARÃES Bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos

“Re­cu­sei re­no­var uma bai­xa a uma pa­ci­en­te que era usei­ra e ve­zei­ra nes­se ti­po de pe­di­dos. Ela até as ca­dei­ras do con­sul­tó­rio pon­ta­pe­ou” “PAU­LA” “Ha­via quem es­con­des­se apon­ta­men­tos e ha­via pas­tas [com apon­ta­men­tos] que vol­ta e meia de­sa­pa­re­ci­am dos com­pu­ta­do­res da re­pro­gra­fia” “MA­RIA”

FA­CUL­DA­DES ATENTAS À SAÚ­DE MEN­TAL DOS ALUNOS

Cu­ri­o­sa­men­te, a di­vul­ga­ção das lis­tas de co­lo­ca­ção no En­si­no Su­pe­ri­or vol­tou a mos­trar que as fa­cul­da­des de me­di­ci­na es­tão a per­der ter­re­no no ran­king das mais pro­cu­ra­das. De­pois do quar­to lu­gar re­gis­ta­do no ano pas­sa­do, em 2018 o pri­mei­ro cur­so de me­di­ci­na a fi­gu­rar na lis­ta de li­cen­ci­a­tu­ras com mé­dia mais al­ta (o do Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as Bi­o­mé­di­cas Abel Sa­la­zar, no Por­to) sur­ge no sé­ti­mo lu­gar, com uma mé­dia de aces­so de 18,2 va­lo­res, atrás de cin­co cur­sos de engenharia e de um de ma­te­má­ti­ca apli­ca­da. Um sin­to­ma que po­de ter re­la­ção com a de­gra­da­ção da car­rei­ra mé­di­ca? Afir­ma­ti­vo. “Sim, po­de ha­ver es­sa as­so­ci­a­ção. Eu jul­go mes­mo que há”, ad­mi­te Miguel Guimarães, bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos.

De res­to, as di­fi­cul­da­des co­me­çam lo­go aos pri­mei­ros pas­sos na car­rei­ra de me­di­ci­na, ain­da no ar­ran­que do En­si­no Su­pe­ri­or. Se as ta­xas de re­pro­va­ção até são, no ge­ral, re­si­du­ais (se­gun­do da­dos for­ne­ci­dos pe­las pró­pri­as ins­ti­tui­ções, na Es­co­la Mé­di­ca da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, a mé­dia de alunos que não tran­si­tam de ano, nu­ma es­ta­tís­ti­ca re­la­ti­va aos seis anos do cur­so, é in­fe­ri­or a 2% e, na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to, 87% dos alunos aca­ba o pri­mei­ro ano sem dei­xar qual­quer ca­dei­ra pa­ra trás), a re­a­li­da­de é que os cur­sos da área im­põem um grau de exi­gên­cia com o qual mui­tos re­cém-che­ga­dos têm di­fi­cul­da­des em li­dar. Ain­da mais tra­tan­do-se de jo­vens que até ali sem­pre fo­ram bons alunos –

ou não te­ri­am as ele­va­das mé­di­as que ga­ran­tem o aces­so ao cur­so – e che­gam à vi­da uni­ver­si­tá­ria com um his­tó­ri­co re­che­a­do de su­ces­sos e pou­ca ca­pa­ci­da­de pa­ra li­dar com o fra­cas­so. A es­se cho­que de re­a­li­da­de (e de au­to­es­ti­ma), há a jun­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de, nem sem­pre sau­dá­vel, en­tre co­le­gas.

Ma­ria (no­me fic­tí­cio, pois pe­de que lhe sal­va­guar­de­mos a iden­ti­da­de) dá con­ta dis­so mes­mo. Fre­quen­tou a Es­co­la Mé­di­ca da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho e nem tu­do foi um mar de ro­sas. “No iní­cio pa­re­ce to­da a gen­te fi­xe, mas, quan­do co­me­çam as au­las, per­ce­be­mos que es­se país das ma­ra­vi­lhas não exis­te. Ha­via apon­ta­men­tos que cir­cu­la­vam em gru­pos res­tri­tos e pas­tas nos com­pu­ta­do­res da re­pro­gra­fia que vol­ta e meia de­sa­pa­re­ci­am. Até ha­via quem fi­zes­se per­gun­tas idi­o­tas an­tes dos exa­mes só pa­ra dei­xar as pes­so­as ner­vo­sas”, re­cor­da. Já a fa­zer o in­ter­na­to, não dei­xa de apon­tar o de­do à pres­são que sen­tiu nos tem­pos da fa­cul­da­de: “Quem não ti­nha su­ces­so e chum­ba­va a mais ca­dei­ras era olha­do pe­los ou­tros co­le­gas com al­gum des­dém. Is­so aju­da­va a au­men­tar a in­se­gu­ran­ça. A par­tir do mo­men­to em que se chum­ba a pri­mei­ra vez, há aque­le me­do de que se vá chum­bar sem­pre.”

Pa­ra con­tor­nar os ner­vos, mui­tos es­tu­dan­tes, em fa­cul­da­des se­di­a­das nas mais diversas la­ti­tu­des, op­tam por to­mar me­di­ca­ção an­tes dos exa­mes. Há quem se fi­que pe­los ba­nais su­ple­men­tos vi­ta­mí­ni­cos e quem re­cor­ra a an­ti­de­pres­si­vos e an­si­o­lí­ti­cos (tran­qui­li­zan­tes). Mas tam­bém há quem op­te por me­di­ca­men­tos

mais es­pe­cí­fi­cos, co­mo o In­de­ral , um me­ta­blo­que­a­dor que aju­da a di­mi­nuir a frequên­cia car­día­ca e, por is­so, a acal­mar, ou a Ri­ta­li­na, um es­ti­mu­lan­te que atua no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral e aju­da a man­ter o fo­co e a con­cen­tra­ção. No li­mi­te, há mes­mo quem re­cor­ra a subs­tân­ci­as mais pe­sa­das (e ilí­ci­tas), co­mo as an­fe­ta­mi­nas. E tam­bém o ex­tre­mo opos­to, evi­den­te­men­te: es­tu­dan­tes que che­gam ao fi­nal do cur­so sem nun­ca te­rem to­ma­do um úni­co com­pri­mi­do com vis­ta ao su­ces­so nos es­tu­dos. O as­sun­to con­ti­nua, ain­da as­sim, a ser co­men­ta­do en­tre­den­tes en­tre es­tu­dan­tes e an­ti­gos es­tu­dan­tes de me­di­ci­na, até por­que, em Por­tu­gal, fal­tam ain­da inqué­ri­tos e es­tu­dos abran­gen­tes so­bre o pro­ble­ma.

Os que há pren­dem-se, is­so sim, com a pre­va­lên­cia da de­pres­são en­tre es­tu­dan­tes de me­di­ci­na. Na Es­co­la Mé­di­ca da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, por exem­plo, há, des­de 2009, um pro­je­to ino­va­dor, na área da Psi­qui­a­tria e Saú­de Men­tal, que mo­ni­to­ri­za os ní­veis de an­si­e­da­de, de­pres­são e bur­nout dos alunos da ins­ti­tui­ção. A re­co­lha e aná­li­se de da­dos que tem si­do fei­ta, anos após ano, pe­la uni­ver­si­da­de, per­mi­tiu já con­cluir que “os es­tu­dan­tes de Me­di­ci­na em Por­tu­gal apre­sen­tam ní­veis de de­pres­são, an­si­e­da­de e bur­nout li­gei­ra­men­te su­pe­ri­o­res aos de ou­tros cur­sos de en­si­no su­pe­ri­or”, ex­pli­ca Pe­dro Mor­ga­do, vi­ce-pre­si­den­te da es­co­la. Mas, quan­do com­pa­ra­do com o pa­no­ra­ma fo­ra de por­tas, o ce­ná­rio en­con­tra­do na Uni­ver­si­da­de do Mi­nho até pu­xa ao oti­mis­mo. “A ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, os es­tu­dos en­con­tram ní­veis de de­pres­são en­tre os es­tu­dan­tes de me­di­ci­na a ron­dar os 25%. No nos­so, os ní­veis va­ri­am en­tre 12 e 21% con­for­me o ano le­ti­vo”, res­sal­va o es­pe­ci­a­lis­ta em Psi­qui­a­tria e Saú­de Men­tal. En­tre 2007 e 2010, re­gis­ta­ram-se dois ca­sos de sui­cí­dio en­tre alunos da ins­ti­tui­ção, mas Pe­dro Mor­ga­do cha­ma a aten­ção pa­ra o fac­to de es­se ser um pro­ble­ma trans­ver­sal na so­ci­e­da­de, que em na­da se re­la­ci­o­na com as es­pe­ci­fi­ci­da­des dos cur­sos de me­di­ci­na.

O vi­ce-pre­si­den­te põe an­tes a tó­ni­ca no tra­ba­lho que tem si­do fei­to pe­la ins­ti­tui­ção ao ní­vel da saú­de men­tal. “Em 2013/14, foi cri­a­da, na fa­cul­da­de, uma co­mis­são de apoio ao alu­no, que re­ce­be pe­di­dos de aju­da em di­fe­ren­tes âm­bi­tos. Um de­les diz res­pei­to às di­fi­cul­da­des psi­co­ló­gi­cas, com os alunos a se­rem en­ca­mi­nha­dos pa­ra os ser­vi­ços de Psi­co­lo­gia da Uni­ver­si­da­de e de Psi­qui­a­tria do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de. Além dis­so, em par­ce­ria com a As­so­ci­a­ção En­con­trar+se, têm si­do fei­tas cam­pa­nhas de in­for­ma­ção e sen­si­bi­li­za­ção pa­ra as ques­tões da saú­de men­tal jun­to da co­mu­ni­da­de aca­dé­mi­ca”, or­gu­lha-se.

Tam­bém a Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to (FMUP) tem da­do aten­ção à área da saú­de men­tal. A ins­ti­tui­ção con­ta com um ga­bi­ne­te de apoio ao es­tu­dan­te que per­mi­te aos alunos te­rem aces­so a con­sul­tas gra­tui­tas de apoio psi­co­ló­gi­co, du­ran­te e após o cur­so. Além de pro­mo­ver vá­ri­as ini­ci­a­ti­vas que vi­sam o bem-es­tar psi­co­ló­gi­co dos alunos (co­mo cur­sos de de­sen­vol­vi­men­to in­ter­pes­so­al e de ges­tão de stress), a FMUP já ar­ran­cou tam­bém com um pro­je­to de es­tu­do da pre­va­lên­cia do bur­nout du­ran­te o cur­so, me­di­an­te a ava­li­a­ção de inqué­ri­tos pre­en­chi­dos pe­los alunos. Os da­dos es­tão ain­da a ser es­tu­da­dos por uma equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res da fa­cul­da­de.

Pe­dro Mor­ga­do, da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, ad­mi­te que os es­tu­dan­tes de me­di­ci­na po­dem ser con­si­de­ra­dos, por uma mul­ti­pli­ci­da­de de fa­to­res, par­ti­cu­lar­men­te sus­ce­tí­veis. “Há al­guns es­tu­dos que lhes iden­ti­fi­cam ca­rac­te­rís­ti­cas de per­so­na­li­da­de que os tor­nam mais vul­ne­rá­veis, co­mo o fac­to de se­rem me­tó­di­cos e mui­to de­di­ca­dos ao es­tu­do e de te­rem mai­o­res di­fi­cul­da­des em li­dar com o in­su­ces­so e o fra­cas­so. De­pois, pe­la vas­ti­dão dos co­nhe­ci­men­tos que é ne­ces­sá­rio ad­qui­rir”, re­al­ça. A pres­são, ain­da as­sim, tem au­men­ta­do des­de 2015, quan­do as va­gas de es­pe­ci­a­li­da­de pas­sa­ram a ser in­fe­ri­o­res ao nú­me­ro de can­di­da­tos saí­dos das uni­ver­si­da­des. “Nos úl­ti­mos dois/três anos, te­mos de­te­ta­do um au­men­to mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo dos pe­di­dos de apoio psi­co­ló­gi­co dos es­tu­dan­tes que se en­con­tram em pre­pa­ra­ção pa­ra a Pro­va Na­ci­o­nal de Se­ri­a­ção. A mai­or par­te des­tes con­tac­tos es­tão re­la­ci­o­na­dos com sin­to­mas an­si­o­sos e de­pres­si­vos que sur­gem no con­tex­to da pres­são que os es­tu­dan­tes sen­tem em re­la­ção ao re­sul­ta­do des­sa pro­va [de­ci­si­va pa­ra a atri­bui­ção das va­gas da es­pe­ci­a­li­da­de]”, sa­li­en­ta.

Uma di­fi­cul­da­de adi­ci­o­nal que re­for­ça a ne­ces­si­da­de de apos­tar na pre­ven­ção. “Ter uma vi­da além do es­tu­do, com ati­vi­da­des re­gu­la­res, e a prá­ti­ca do exer­cí­cio fí­si­co” são há­bi­tos im­por­tan­tes pa­ra ga­ran­tir uma boa saú­de men­tal. E, se a si­tu­a­ção es­ti­ver a fu­gir ao con­tro­lo, há sem­pre so­lu­ção. “É im­por­tan­te que quem es­tá nu­ma si­tu­a­ção di­fí­cil, quem se sen­te mais tris­te, quem se sen­te mais pre­o­cu­pa­do, sai­ba que de­ve fa­lar. Fa­lar com al­guém que se­ja mais pró­xi­mo ou, se for ca­so dis­so, com um pro­fis­si­o­nal de saú­de, pa­ra ten­tar per­ce­ber se es­tá pe­ran­te uma si­tu­a­ção de do­en­ça. Se for, há que se­guir o tra­ta­men­to por­que es­sas do­en­ças são

tra­tá­veis.” ●

M As fa­cul­da­des de me­di­ci­na es­tão a per­der ter­re­no. De­pois do quar­to lu­gar re­gis­ta­do no ano pas­sa­do, em 2018 o pri­mei­ro cur­so a fi­gu­rar na lis­ta de li­cen­ci­a­tu­ras com mé­dia mais al­ta sur­ge na sé­ti­ma po­si­ção

M He­ma­to­lo­gia clí­ni­ca, ra­di­o­te­ra­pia e on­co­lo­gia mé­di­ca são as es­pe­ci­a­li­da­des com mai­o­res ín­di­ces de exaus­tão emo­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.