FUNK É MEM’BOM – OU SE­RÁ QUE NÃO?

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1374 -

É uma es­té­ti­ca mi­ni­mal e pro­vo­can­te que se­duz miú­dos de li­ceu e adul­tos de au­tor­rá­dio à mão de se­me­ar. A jor­na­lis­ta Fi­lo­me­na Abreu em­pres­tou os ou­vi­dos ao funk ma­de in Bra­sil.

O no­me nas­ceu nos Estados Unidos, vi­a­jou pa­ra o Bra­sil e ago­ra es­tá es­pa­lha­do pe­lo Mun­do. O gé­ne­ro mu­si­cal da clas­se bai­xa já é ou­vi­do por to­dos, in­de­pen­den­te­men­te do es­tra­to so­ci­al. Mas há quem con­tes­te os be­ne­fí­ci­os da sua po­pu­la­ri­da­de.

No seu es­ti­lo mui­to pró­prio, Le­o­nor Lo­pes, 15 anos, re­for­ça o que a mai­o­ria já per­ce­beu. “Ago­ra, to­dos ou­vem funk.” Po­de­rão não ser to­dos. Ela, por exem­plo, não é fã. Mas os ami­gos e os ou­tros miú­dos lá da es­co­la não per­dem uma opor­tu­ni­da­de. Foi no úl­ti­mo ano le­ti­vo que mais no­tou o fe­nó­me­no. “Ca­da gru­po ti­nha a sua co­lu­na e nos in­ter­va­los ti­nham sem­pre a mú­si­ca a to­car.” A jo­vem su­põe que o que atrai tan­tos adep­tos “é a ba­ti­da me­xi­da e a le­tra re­pe­ti­ti­va, que aca­ba por fi­car no ou­vi­do”.

O gé­ne­ro tem ca­rac­te­rís­ti­cas fa­cil­men­te iden­ti­fi­cá­veis, e se­rá por is­so que vi­ve nos ex­tre­mos: ou se ama ou se odeia. Mas os mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções no YouTu­be e um re­cen­te co­mu­ni­ca­do do Spo­tify con­fir­mam que a acei­ta­ção es­tá a pre­va­le­cer. Pe­lo mun­do to­do. Con­tu­do, ain­da no ano pas­sa­do o es­ti­lo foi al­vo de um abai­xo-as­si­na­do no Bra­sil, com mais de 20 mil as­si­na­tu­ras, pa­ra pe­dir ao Se­na­do que

o cri­mi­na­li­zas­se. De na­da adi­an­tou. Aliás, em ju­nho des­te ano, o “Pas­si­nho”, a dan­ça que co­me­çou nos bai­les funk do Rio de Ja­nei­ro, con­quis­tou o tí­tu­lo de Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Ima­te­ri­al do po­vo ca­ri­o­ca. Só en­tre 2016 e 2018, o con­su­mo de play­lists de funk bra­si­lei­ro au­men­tou 3 421% fo­ra do Bra­sil, se­gun­do um le­van­ta­men­to re­cen­te fei­to pe­la pla­ta­for­ma de stre­a­ming Spo­tify. Já o cres­ci­men­to glo­bal foi de 4 694%. Afi­nal, o que tem es­te es­ti­lo de mú­si­ca que faz par­te das pes­so­as acre­di­ta­rem que es­tá não só a de­ne­grir a cul­tu­ra bra­si­lei­ra, co­mo a por­tu­gue­sa?

O te­ma ain­da to­ca e faz fu­ror. A mú­si­ca “Vai ma­lan­dra”, da ar­tis­ta bra­si­lei­ra Anit­ta, li­de­ra o ran­king dos funks mais ou­vi­dos de to­dos os tem­pos. O ví­deo aju­da à fes­ta. Co­me­ça com uma mu­lher a ca­mi­nhar na rua du­ran­te al­guns se­gun­dos, an­tes de su­bir pa­ra uma mo­ta. Pla­no fe­cha­do no qua­dril. Rou­pa in­te­ri­or de pa­drão es­ti­lo lin­ce a sair pe­los cur­tos cal­ções ver­me­lhos. O rit­mo é tra­du­zí­vel por um “an-an, tu­tu­dum, an-an”. “Vai, ma­lan­dra, an an Ê, ‘tá lou­ca, tu brin­can­do com o bum­bum.” O clip, fil­ma­do em ce­ná­rio de fa­ve­la, che­gou aos qua­tro can­tos do pla­ne­ta.

Há mui­to que o funk dei­xou de ser uma ex­pres­são cir­cuns­cri­ta à clas­se des­fa­vo­re­ci­da. Em Por­tu­gal, adul­tos e so­bre­tu­do ado­les­cen­tes ab­sor­ve­ram os rit­mos com uma ve­lo­ci­da­de se­me­lhan­te à das ba­ti­das.

O funk nas­ceu no fi­nal da dé­ca­da de 1960. É um ra­mo da gran­de ár­vo­re da mú­si­ca afro-ame­ri­ca­na, com in­fluên­ci­as do r&b, do jazz, dos blu­es e da soul.

Um dos ar­tis­tas que mais mar­cou

o gé­ne­ro foi Ja­mes Brown. Nas dé­ca­das de 70 e 80 os bai­les funk cres­cem na Ci­da­de Ma­ra­vi­lho­sa. Co­me­ça­ram a dei­xar os su­búr­bi­os e pas­sa­ram pa­ra as ru­as. For­ma­ram-se equi­pas ri­vais que dis­pu­ta­vam as apa­re­lha­gens mais po­ten­tes. As mú­si­cas tra­ta­vam te­mas do quo­ti­di­a­no de co­mu­ni­da­des mar­ca­das pe­la po­bre­za e pe­la vi­o­lên­cia. Na dé­ca­da de 90, o funk bra­si­lei­ro já tem es­tru­tu­ra e iden­ti­da­de pró­pri­as e con­quis­ta se­gui­do­res nos bair­ros chi­ques de Co­pa­ca­ba­na e nas rá­di­os da­que­le país.

Nes­ta al­tu­ra, as le­tras con­ti­nu­am a tra­tar te­mas li­ga­das aos pro­ble­mas do dia-a-dia dos mar­gi­na­li­za­dos. O trá­fi­co de dro­ga pas­sa a ter mais des­ta­que. E há um cu­nho de vul­ga­ri­da­de as­sen­te em fra­ses mais ero­ti­za­das.

É a par­tir de 2000 que o funk ti­ra pas­sa­por­te e pas­sa a ser ci­da­dão do Mun­do. A ba­ti­da mar­can­te e as

le­tras re­pe­ti­ti­vas e ou­sa­das de­ram gás à pro­pa­ga­ção. O rit­mo é bom pa­ra se dan­çar. E em am­bi­en­tes de mas­sa con­ta­gia. Os ver­sos, não sen­do de to­do con­sen­su­ais, aca­bam por ser can­ta­dos a bom som. E sur­ge a dis­cus­são.

A GESTAÇÃO DE UMA NO­VA CUL­TU­RA?

O funk es­tá a acabar com a cul­tu­ra? Faz apo­lo­gia das dro­gas, das ar­mas, da por­no­gra­fia? Que efei­tos pro­du­zi­rá nos jo­vens que ou­vem is­to? Je­an Mar­tin Ra­bot, do­cen­te de So­ci­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, em Bra­ga, pre­fe­re des­mis­ti­fi­car o re­ceio: “De­fen­do a ideia de que não há es­tra­gos nos jo­vens nem de­ge­ne­res­cên­cia da sua cul­tu­ra. En­ten­do que se tra­te an­tes da gestação de uma no­va cul­tu­ra.” O so­ció­lo­go lem­bra que “a mú­si­ca tem um pa­pel fun­da­men­tal na for­ma­ção e na con­so­li­da­ção das tri­bos ju­ve­nis”. Pe­los seus “rit­mos pró­pri­os, pe­la sua lin­gua­gem, pe­lo uso de có­di­gos que ser­vem de meio de re­co­nhe­ci­men­to aos in­di­ví­du­os”. Con­tu­do, pre­fe­re não ser “pes­si­mis­ta” fa­ce à ade­são dos jo­vens a um ti­po de mú­si­ca “mar­gi­nal”. Até por­que, re­fe­re, “de na­da va­le la­men­tar-se so­bre o de­sa­pa­re­ci­men­to dos va­lo­res que nor­te­a­ram a so­ci­e­da­de até ho­je”, uma vez que “sur­gem ou­tros va­lo­res, mais pau­ta­dos pe­la emo­ção do que pe­la ra­zão”, que aca­ba­rão por dei­xar “fo­men­tar a vi­da co­le­ti­va e a efer­ves­cên­cia de que a so­ci­e­da­de pre­ci­sa”.

A 7 de ou­tu­bro, o pau­lis­ta MC Ke­vi­nho vai atu­ar no Mul­tiu­sos de Gon­do­mar, de­pois de em mar­ço ter es­go­ta­do o Co­li­seu dos Re­crei­os, em Lis­boa. O can­tor de 20 anos con­ta com mais de um bi­lião de vi­su­a­li­za­ções no YouTu­be, en­tre os mui­tos te­mas lan­ça­dos no ca­nal da pro­du­to­ra Kond­zil­la Re­cords, es­pe­ci­a­li­za­da na pro­du­ção de ví­de­os funk. No YouTu­be, é a mai­or pla­ta­for­ma do Bra­sil e a quin­ta mai­or do mun­do.

Ao tor­nar-se tão po­pu­lar, a “ins­ti­tui­ção do funk” co­me­çou a mo­vi­men­tar gran­des quan­ti­as de di­nhei­ro. O pre­ço dos bi­lhe­tes pa­ra ver Ke­vi­nho em Gon­do­mar va­ria en­tre os 35 e os 70 eu­ros. E o pú-

bli­co-al­vo não é ape­nas os ado­les­cen­tes, são tam­bém os adul­tos. O funk não ge­ra só di­nhei­ro: tam­bém cria mo­das. Por cau­sa da lin­gua­gem mas tam­bém pe­la in­du­men­tá­ria. Um pou­co co­mo no

“EU ‘TÔ LINDA, LI­VRE, LEVE E SOLTA/DOIDA PRA BEIJAR NA BOCA” MAJOR LAZER (FEAT. ANIT­TA, PABLLO VITTAR) – “SUA CA­RA”

“VO­CÊ PAR­TIU MEU CORAÇÃO AI MEU CORAÇÃO/MAS MEU AMOR NÃO TEM PRO­BLE­MA, NÃO, NÃO” NEGO DO BOREL – “VO­CÊ PAR­TIU MEU CORAÇÃO”

“E O PI­OR QUE ELE É SAFADO E AIN­DA POR CI­MA É CARINHOSO/ELE FAZ TÃO GOSTOSO, ELE FAZ TÃO GOSTOSO” BLAYA– “FAZ GOSTOSO”

“CHEGUEI (CHEGUEI) CHEGUEI CHEGANDO, BAGUNÇANDO A ZORRA TO­DA/ E QUE SE DANE, EU QUE­RO MAIS É QUE SE EXPLODA” LUDMILLA – “CHEGUEI”

rap, pre­do­mi­na a os­ten­ta­ção. Os co­la­res e brin­cos, pa­ra elas e pa­ra eles. Re­ló­gi­os, pen­te­a­dos ex­cên­tri­cos, de­co­tes, ges­tos os­ten­ta­tó­ri­os. E, nos vi­de­o­clips, mui­tas miú­das em pe­que­nos biquí­nis, de pre­fe­rên­cia a aba­nar o “bum­bum”. Pa­la­vras co­mo “pe­ga­ção”, e ou­tras de co­no­ta­ção se­xu­al e mui­tas ve­zes de sig­ni­fi­ca­do am­bí­guo, são fre­quen­tes. Fun­kei­ro que é fun­kei­ro ten­ta en­con­trar o seu lu­gar no lar­go mun­do des­te es­ti­lo mu­si­cal. Fu­gir do pa­drão tam­bém po­de ser meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra o su­ces­so.

As mu­lhe­res tam­bém já par­ti­lham im­por­tan­te quo­ta des­te mer­ca­do. Além de Anit­ta, gran­de em­bai­xa­do­ra do funk, uma vez que tem es­ta­be­le­ci­do diversas par­ce­ri­as com ar­tis­tas in­ter­na­ci­o­nais, tam­bém há Jo­jo Tody­nho (a can­to­ra “plus si­ze” que pro­va que nes­te mun­do ma­tam-se es­te­reó­ti­pos). E ain­da Valesca Popozuda, MC Ca­rol, Ludmilla. E os no­mes não aca­bam aqui. No ca­so fe­mi­ni­no, a mú­si­ca é usa­da co­mo sím­bo­lo de re­sis­tên­cia à do­mi­na­ção mas­cu­li­na. Jen­ni­fer Lo­pez e até Blaya já se dei­xa­ram in­flu­en­ci­ar pe­los rit­mos do funk. Do la­do de­les tam­bém há mui­tos no­mes co­nhe­ci­dos: MC Li­vi­nho, Nego do

Borel, Bu­che­cha, MC Fi­o­ti, etc..

Den­tro do es­ti­lo há al­gu­mas sub­di­vi­sões. Em São Pau­lo pro­li­fe­ra o funk os­ten­ta­ção, um es­ti­lo que abor­da a te­má­ti­ca do con­su­mis­mo. No Rio de Ja­nei­ro ou­ve-se mais o funk proi­bi­dão e o funk me­lody. Mui­tos dos can­to­res usam a abre­vi­a­tu­ra MC – Mas­ter of Ce­re­mo­ni­es – pa­ra vin­car que são eles a fi­gu­ra prin­ci­pal dos bai­les funk. Se­gun­do al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, a pa­la­vra “funk” de­ri­va de “funky”, que po­de sig­ni­fi­car “chei­rar mal”, “que tem mau chei­ro”, “que chei­ra a su­or”. Co­me­çou por ser as­so­ci­a­da ao odor sen­ti­do em bair­ro de afro-ame­ri­ca­nos na dé-

ca­da de 1960. Je­an Mar­tin

Ra­bot ex­pli­ca o porquê de a pa­la­vra ter-se man­ti­do até aos di­as de ho­je: “O funk é por ex­ce­lên­cia o meio de ex­pres­são das ca­ma­das des­fa­vo­re­ci­das e ex­cluí­das. Ou, pe­lo me­nos, re­pre­sen­ta um ti­po de mu­si­ca re­ve­la­do­ra da con­di­ção de vi­da des­tas ca­ma­das, dos seus ide­ais, dos seus afe­tos e das su­as vo­li­ções.”

Pa­ra o so­ció­lo­go, es­tes “mo­vi­men­tos cha­ma­dos de con­tra­cul­tu­ra”, nos quais se ins­cre­vem os di­fe­ren­tes ti­pos de mú­si­ca funk – ame­ri­ca­no, bra­si­lei­ro, por­tu­guês – “re­pre­sen­tam for­mas de con­tes­ta­ção dos de­síg­ni­os im­pos­tos pe­la nos­sa mo­der­ni­da­de e re­a­ções que enal­te­cem an­tes os va­lo­res co­le­ti­vos que es­tão na ba­se de to­da a co­mu­ni­da­de e de to­do o re­la­ci­o­na­men­to so­ci­al”. Se­rá o funk mais uma mo­da fu­gaz, ou veio pa­ra fi­car por tem­po in­de­ter­mi­na­do?

“DESCE, REBOLA GOSTOSO/ EMPINA ME OLHAN­DO/ TE PEGO DE JEI­TO” ANIT­TA - “VAI MA­LAN­DRA”

“OLHA A EX­PLO­SÃO/ QUAN­DO ELA BATE COM A BUNDA NO CHÃO” MC KE­VI­NHO - “OLHA A EX­PLO­SÃO”

“O MEU SENSOR DE PIRIGUETE EXPLODIU/ PEGA A SUA INVEJA E VAI PRA...” VALESCA POPOZUDA - “BEIJINHO NO OMBRO”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.