NO CORPO, UM EFEI­TO BORBOLETA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1374 -

É glân­du­la pou­co fa­la­da e me­nos vis­ta, mas cu­jas hor­mo­nas atu­am em qua­se to­das as cé­lu­las do corpo. Em vés­pe­ras do Dia da Sen­si­bi­li­za­ção pa­ra o Can­cro da Ti­roi­de, a jor­na­lis­ta Sa­ra Di­as Oli­vei­ra con­sul­tou mé­di­cos e pa­ci­en­tes, nu­ma vi­a­gem de des­co­ber­ta da for­ma (de borboleta, nem mais) e fun­ção de uma pe­ça vi­tal do or­ga­nis­mo. Uma pe­ça que a do­en­ça ata­ca si­len­ci­o­sa­men­te, mui­tas ve­zes sem sin­to­mas.

Re­gu­la vá­ri­as fun­ções do corpo e con­tro­la o me­ta­bo­lis­mo. Em Por­tu­gal, es­ti­ma-se que um mi­lhão de pes­so­as so­fra de dis­túr­bi­os da pe­que­na glân­du­la lo­ca­li­za­da no pes­co­ço.

Há 15 anos, Ma­ria da Pi­e­da­de Tor­res, ho­je com 71, não fa­zia ideia o que era e pa­ra que ser­via a ti­roi­de. Per­ce­beu ra­pi­da­men­te. “Pa­re­ce in­sig­ni­fi­can­te mas tem uma fun­ção cru­ci­al no or­ga­nis­mo”, diz ago­ra com co­nhe­ci­men­to de cau­sa. En­ten­deu o po­der da glân­du­la, lo­ca­li­za­da no pes­co­ço, que con­tro­la o me­ta­bo­lis­mo e re­gu­la fun­ções do corpo. E nun­ca mais es­que­ceu. “An­da­va com uma tos­se ir­ri­tan­te e não sa­bia o que se pas­sa­va”, lem­bra. Otor­ri­no, exa­mes, na­da de anor­mal. “O médico não en­con­trou na­da, mas man­dou fa­zer mais exa­mes.” Foi aí que os nó­du­los da ti­roi­de fo­ram apa­nha­dos e a ci­rur­gia mar­ca­da. “Lim­pa­ram tu­do e cor­reu mui­to bem”, fri­sa Ma­ria da Pi­e­da­de, co­mer­ci­al na área do cal­ça­do, que só de­pois sou­be que um dos nó­du­los era ma­lig­no. Três di­as de­pois da ci­rur­gia, es­ta­va em ca­sa. “Foi ex­tre­ma­men­te sim­ples. Re­a­jo mui­to bem às coi­sas.” E, afi­nal, aque­la tos­se não ti­nha na­da a ver com a ti­roi­de, mas sim com uma aler­gia

a um me­di­ca­men­to pa­ra a hi­per­ten­são. “Foi por um aca­so que o pro­ble­ma se descobriu. Nem en­gor­dei, nem ema­gre­ci, não ha­via sin­to­mas mais com­pli­ca­dos.” Ho­je to­ma me­di­ca­ção pa­ra com­pen­sar a au­sên­cia da ti­roi­de e vai a con­sul­tas de seis em seis me­ses.

O ca­so de Pau­la Cris­ti­na Fer­rei­ra foi mais com­pli­ca­do. Ne­nhum sin­to­ma. Ne­nhum si­nal. Se­gui­da, des­de miú­da, por pro­ble­mas de bó­cio. Aos 21 anos, uma gra­vi­dez e um fi­lho. Oi­to anos de­pois, um di­ag­nós­ti­co du­ro de ou­vir: can­cro na ti­roi­de. Tu­do de­pois de uma con­sul­ta de ro­ti­na, exa­mes, re­sul­ta­dos com va­lo­res al­te­ra­dos, en­ca­mi­nha­men­to pa­ra a es­pe­ci­a­li­da­de. Pau­la Fer­rei­ra, ho­je com 50 anos, ad­mi­nis­tra­ti­va nu­ma imo­bi­liá­ria na Maia, su­jei­tou-se a vá­ri­os exa­mes. “Ti­nha um nó­du­lo, era só um nó­du­lo”, re­cor­da. Fez uma bióp­sia que se re­ve­lou in­con­clu­si­va. “Em ca­so de dú­vi­da, op­tou-se pe­la ci­rur­gia.” Me­ta­de da ti­roi­de foi re­mo­vi­da. Oi­to di­as de­pois, re­ce­beu um te­le- fo­ne­ma do hos­pi­tal. Nas aná­li­ses, es­ta­va es­cri­to car­ci­no­ma. “Foi ne­ces­sá­rio pro­gra­mar uma no­va ci­rur­gia.” Cin­co me­ses mais tar­de, es­ta­va no­va­men­te na sa­la de ope­ra­ções. De­pois des­sa ci­rur­gia, os va­lo­res da ti­roi­de es­ta­vam ain­da mais al­tos, mais des­con­tro­la­dos. Avan­ce-se mais no­ve me­ses, ru­mo à ter­cei­ra ope­ra­ção pa­ra es­va­zi­ar a par­te lin­fá­ti­ca, dre­nar a zo­na do pes­co­ço, por­que já ha­via me­tás­ta­ses. Do­ze ho­ras com os mé­di­cos à vol­ta. “A ter­cei­ra ci­rur­gia foi mais com­pli­ca­da, fi­quei mais tem­po de bai­xa.” Sen­tiu a fra­gi­li­da­de do corpo e a for­ça de uma glân­du­la que a ata­cou de man­si­nho. E os va­lo­res tei­ma­vam em não vol­tar à nor­ma­li­da­de. Se­guiu-se um tra­ta­men­to com io­do ra­di­o­a­ti­vo, três ses­sões em meio ano, e a ti­roi­de dei­xou de dar que fa­zer. Pau­la Fer­rei­ra an­da vi­gi­a­da, to­ma me­di­ca­ção de com­pen­sa­ção. “Fa­ço uma vi­da nor­mal, com mais cui­da­do. No meu ca­so, foi mes­mo uma do­en­ça si­len­ci­o­sa. Na­da de sin­to­mas.”

Su­o­res, can­sa­ço, de­pres­são

Se­gun­da, dia 24, é Dia de Sen­si­bi­li­za­ção pa­ra o Can­cro daTi­roi­de. Em Por­tu­gal ha­ve­rá um mi­lhão de pes­so­as com dis­túr­bi­os des­ta glân­du­la. To­dos os anos sur­gem 500 ca­sos de can­cro da ti­roi­de mas es­ti­ma-se que me­ta­de das si­tu­a­ções con­ti­nue por di­ag­nos­ti­car. A ti­roi­de é uma glân­du­la im­por­tan­te, as hor­mo­nas que sin­te­ti­za e ar­ma­ze­na vão di­re­ta­men­te pa­ra o san­gue e atu­am em qua­se to­das as cé­lu­las. “Aju­dam a uti­li­zar a ener­gia e re­gu­lam a tem­pe­ra­tu­ra cor­po­ral, o cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al nas cri­an­ças e per­mi­tem um nor­mal fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro, mús­cu­los, coração e ou­tros ór­gãos”, ex­pli­ca Ma­ria João Oli­vei­ra, en­do­cri­no­lo­gis­ta do Cen­tro Hos­pi­ta­lar de Vi­la No­va de Gaia/Es­pi­nho. “São im­por­tan­tes pa­ra a me­mó­ria e pa­ra o es­ta­do de hu­mor. Is­to sig­ni­fi­ca que a ti­roi­de é fun­da­men­tal pa­ra a vi­da.” Co­mo se des­co­nhe­cem as cau­sas, é di­fí­cil pre­ve­nir. No en­tan­to, o corpo sen­te quan­do a ti­roi­de não fun­ci­o­na co­mo

de­via. Se a pro­du­ção de hor­mo­nas se tor­na in­su­fi­ci­en­te, o me­ta­bo­lis­mo ce­lu­lar de­sa­ce­le­ra e o or­ga­nis­mo fun­ci­o­na mais de­va­gar. É o hi­po­ti­roi­dis­mo e os seus sin­to­mas po­dem ser con­fun­di­dos com ou­tras pa­to­lo­gi­as: can­sa­ço, mai­or sen­si­bi­li­da­de ao frio, que­da de ca­be­lo, pe­le se­ca, au­men­to de pe­so, ede­mas, fra­que­za mus­cu­lar, de­pres­são, irregularidades mens­tru­ais. Se, ao in­vés, há ex­ces­so de hor­mo­nas, o me­ta­bo­lis­mo ce­lu­lar ele­va-se, as fun­ções do or­ga­nis­mo ace­le­ram-se, há um mai­or gas­to de ener­gia. É o hi­per­ti­roi­dis­mo. Os sin­to­mas são mais evi­den­tes: al­te­ra­ções do hu­mor, ir­ri­ta­bi­li­da­de, agi­ta­ção, per­da inex­pli­cá­vel de pe­so, tre­mor, su­o­res, in­to­le­rân­cia ao ca­lor, pal­pi­ta­ções, di­ar­reia, au­men­to do vo­lu­me cer­vi­cal.

A de­te­ção pre­co­ce é es­sen­ci­al. O can­cro da ti­roi­de tem prog­nós­ti­co po­si­ti­vo des­de que pre­vi­a­men­te di­ag­nos­ti­ca­do e tra­ta­do cor­re­ta­men­te. “O di­ag­nós­ti­co ini­cia-se pe­la pal­pa­ção do pes­co­ço e da ti­roi­de, se­guin­do-se a re­a­li­za- ção de uma eco­gra­fia cer­vi­cal. A eco­gra­fia é o exa­me mais sen­sí­vel que per­mi­te ca­rac­te­ri­zar os nó­du­los da ti­roi­de. Quan­do es­tes apre­sen­tam ca­rac­te­rís­ti­cas eco­grá­fi­cas sus­pei­tas de­vem ser sub­me­ti­dos a uma pun­ção as­pi­ra­ti­va com uma agu­lha fi­na em que são re­ti­ra­das cé­lu­las que, de­pois de co­ra­das por um re­a­gen­te e ob­ser­va­das ao mi­cros­có­pio por um es­pe­ci­a­lis­ta, per­mi­tem clas­si­fi­car o nó­du­lo co­mo be­nig­no ou ma­lig­no”, de­ta­lha a es­pe­ci­a­lis­ta.

O tra­ta­men­to é ci­rúr­gi­co e, re­gra ge­ral, to­da a glân­du­la é re­ti­ra­da. Há ca­sos em que é ne­ces­sá­rio fa­zer uma te­ra­pêu­ti­ca com io­do 131 pa­ra eli­mi­nar res­tos de tu­mor ou gân­gli­os me­tas­ti­za­dos. “O io­do é cap­ta­do pe­las cé­lu­las da ti­roi­de e ao lon­go de al­guns me­ses pro­vo­ca a sua fi­bro­se e morte.” Se a ti­roi­de é com­ple­ta­men­te re­mo­vi­da, é ne­ces­sá­ria a to­ma diá­ria, em je­jum, de um com­pri­mi­do pa­ra o res­to da vi­da. É uma glân­du­la poderosa, mas o corpo ha­bi­tua-se a vi­ver sem ela. ●m

r Ma­ria da Pi­e­da­de Tor­res: “Nem en­gor­dei, nem ema­gre­ci, não ha­via sin­to­mas mais com­pli­ca­dos”

r “A ter­cei­ra ci­rur­gia foi mais com­pli­ca­da, fi­quei mais tem­po de bai­xa”, diz Pau­la Cris­ti­na Fer­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.