Co­ru­jas co­lo­cam gai­vo­tas em sen­ti­do

Pa­re­cem re­ais, po­dem du­rar eter­ni­da­des, são ba­ra­tas e, aci­ma de tu­do, efi­ca­zes na ho­ra de man­ter lon­ge os pás­sa­ros que mais ir­ri­tam quem mo­ra em mei­os ur­ba­nos.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma-Naque -

São a gran­de pra­ga das ci­da­des cos­tei­ras. Pe­las do­en­ças que es­pa­lham, pe­la su­ji­da­de que pro­vo­cam, pe­lo per­tur­ba­dor ruí­do que emi­tem, pe­la ame­a­ça à saú­de pú­bli­ca que cons­ti­tu­em. As gai­vo­tas são um mal que mui­tos te­mem e que pou­cos sa­bem co­mo com­ba­ter. Per­de­ram o me­do do con­tac­to com o ho­mem, in­va­dem jar­dins de ca­sas tér­re­as e va­ran­das de pré­di­os que na­da de­vem à al­tu­ra.

Mas há for­ma de as afu­gen­tar. Tal co­mo nos mei­os ru­rais eram co­muns os es­pan­ta­lhos, es­sas ata­ba­lho­a­das fi­gu­ras de pa­lha que ten­ta­vam imi­tar se­res hu­ma­nos e evi­ta­vam que aves de pe­que­no e de gran­de por­te se ali­men­tas­sem das se­men­tes pa­ra co­lhei­ta, ho­je a res­pos­ta mais efi­caz pa­ra afu­gen­tar es­pé­ci­es vo­a­do­ras in­de­se­ja­das es­tá nas... co­ru­jas. Is­so mes­mo, co­ru­jas, leu bem (não é ne­ces­sá­rio vol­tar atrás no tex­to pa­ra con­fir­mar). Não são umas co­ru­jas quais­quer. São fi­gu­ras a fa­zer lem­brar es­se pás­sa­ro de as­pe­to pou­co amis­to­so, que, de tão efi­ca­zes e as­sus­ta­do­ras (pa­ra as gai­vo­tas), têm si­do um su­ces­so de ven­das. Me­dem pou­co mais de 40 cen­tí­me­tros, são fei­tas de plás­ti­co e re­si­na, des­ta­cam-se pe­las di­fe­ren­tes com­bi­na­ções de co­res gar­ri­das, re­sis­tem fa­cil­men­te ao sol e po­dem du­rar anos a fio. Além dis­so, o pre­ço mé­dio não é proi­bi­ti­vo – ron­da os 12 eu­ros, em­bo­ra ha­ja mo­de­los mais so­fis­ti­ca­dos que po­dem che­gar aos 35 (de­pen­de dos vá­ri­os ta­ma­nhos), e não é ne­ces­sá­ria qual­quer ba­te­ria pa­ra o man­ter a fun­ci­o­nar. A for­ça do ven­to en­car­re­ga-se dis­so.

Além de gai­vo­tas, es­sas co­ru­jas es­pe­ci­ais são óti­mas pa­ra man­ter fo­ra de ór­bi­ta ou­tros pás­sa­ros pou­co de­se­já­veis, co­mo os pom­bos, tam­bém na­da ami­gos da sa­lu­bri­da­de ur­ba­na.

Se não qui­ser ex­pan­dir os gas­tos, po­de sem­pre op­tar por uma co­ru­ja ho­lo­grá­fi­ca. O pre­ço é mais bai­xo – po­de com­prar uma por se­te eu­ros –, mas o as­pe­to não é tão ape­la­ti­vo e a efi­cá­cia po­de não ser tão gran­de co­mo as que são mais fiéis ao ori­gi­nal.

A ca­ça às gai­vo­tas tam­bém tem ou­tras ar­mas. Não le­tais, cla­ro es­tá, que aqui o ob­je­ti­vo é man­tê-las à dis­tân­cia e não ti­rar-lhes a vi­da. Uma das op­ções po­de pas­sar pe­la uti­li­za­ção de la­sers. São pe­que­nas lan­ter­nas que emi­tem uma luz su­per efi­caz pa­ra as afas­tar, ga­ran­tem os es­pe­ci­a­lis­tas na ma­té­ria, ini­bin­do-as du­ran­te lon­gos pe­río­dos de se apro­xi­ma­rem do lo­cal on­de os rai­os são emi­ti­dos por se lem­bra­rem da per­tur­ba­ção cau­sa­da por tal lu­mi­no­si­da­de. Sis­te­ma que, igual­men­te, pri­ma por re­sul­ta­dos ti­dos co­mo com­pro­va­da­men­te sa­tis­fa­tó­ri­os é o re­pe­len­te so­no­ro, que emi­te sons proi­bi­ti­vos e in­có­mo­dos pa­ra gai­vo­tas – e não só –, le­van­do-as a não so­bre­vo­ar a área de on­de são pro­du­zi­dos du­ran­te lar­gos pe­río­dos.

Há tam­bém ven­toi­nhas pró­pri­as, mui­to vul­ga­res em bar­cos, por exem­plo, mas que co­me­çam a ser op­ção pa­ra am­bi­en­tes ca­sei­ros. O mo­vi­men­to con­tí­nuo des­se sis­te­ma é o gran­de se­gre­do pa­ra afas­tar vi­si­tas in­de­se­ja­das. Ou os cha­ma­dos “Sca­re Eye”, que imi­tam olhos de pre­da­do­res e as­sus­tam as tão te­mi­das aves. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.