A FÓRMULA QUÍMICA DO AMOR

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1374 - TEX­TO Cláu­dia Pin­to

Um pe­que­no pas­so po­de se­pa­rar al­guns es­tu­dos de psi­co­lo­gia de um “re­a­lity show” te­le­vi­si­vo. É o que su­ce­de em “Ca­sa­dos à pri­mei­ra vis­ta”, con­cur­so a es­tre­ar em ou­tu­bro e ba­se­a­do nu­ma fórmula in­ter­na­ci­o­nal bem-su­ce­di­da, no qual dois des­co­nhe­ci­dos se ca­sam à es­pe­ra que al­go acon­te­ça. A jor­na­lis­ta Cláu­dia Pin­to pro­cu­rou sa­ber, jun­to de psi­có­lo­gas e se­xó­lo­gas, se es­tas con­tas afe­ti­vas ba­tem cer­to.

É pos­sí­vel dar um im­pul­so ao cu­pi­do e for­çar a química en­tre du­as pes­so­as que não se co­nhe­cem? Os es­pe­ci­a­lis­tas di­vi­dem-se, mas a psi­co­lo­gia con­se­gue es­tu­dar o per­fil de des­co­nhe­ci­dos e cru­zar com­pa­ti­bi­li­da­des. “Mar­ri­ed at first sight” é o pro­gra­ma de te­le­vi­são que ele­va es­sas in­trin­ca­das equa­ções amo­ro­sas à má­xi­ma po­tên­cia. A ver­são por­tu­gue­sa che­ga em ou­tu­bro.

De­pois de um des­gos­to amo­ro­so, e ao fi­nal de seis anos de um re­la­ci­o­na­men­to que não deu cer­to, He­le­na já não acre­di­ta­va em his­tó­ri­as fe­li­zes. Até que viu um anún­cio dos ser­vi­ços de uma agên­cia ma­tri­mo­ni­al nu­ma re­vis­ta. Ins­cre­veu-se pe­la pri­mei­ra vez em 2006 na Amo­re Nos­trum, se­di­a­da no Por­to, te­ve uma con­sul­ta com uma psi­có­lo­ga, res­pon­deu a tes­tes de per­so­na­li­da­de e aguar­dou.

Após du­as ten­ta­ti­vas que não cor­re­ram bem, e nu­ma fa­se em que não ten­ci­o­na­va vol­tar a re­cor­rer aos ser­vi­ços da agên­cia, foi à ter­cei­ra que co­nhe­ceu o atu­al ma­ri­do, em 2012. De­pois de en­tre­vis­tas e res­pos­tas a tes­tes de per­so­na­li­da­de, pes­so­as sol­tei­ras, viú­vas ou di­vor­ci­a­das, cu­jo ob­je­ti­vo pas­se por ter um re­la­ci­o­na­men­to sé­rio – a agên­cia não pro­mo­ve os en­con­tros oca­si­o­nais –, uma equi­pa de psi­có­lo­gos su­ge­re a união de per­fis com­pa­tí­veis e as pes­so­as en­con­tram-se pe­la pri­mei­ra vez com a su­per­vi­são dos mes­mos. “A par­tir daí, são os cli­en­tes a de­ci­dir se que­rem con­ti­nu­ar a ver-se e se que­rem tro­car nú­me­ros de te­le­mó­vel ou ou­tras in­for­ma­ções”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga e co­or­de­na­do­ra da agên­cia, Li­li­a­na Pai­va.

He­le­na re­lem­bra o pri­mei­ro mo­men­to. “Hou­ve uma atra­ção ime­di­a­ta. A ma­nei­ra co­mo o Nu­no olhou pa­ra mim di­zia-me que ia acon­te­cer al­go mais en­tre nós”, con­ta. Tro­ca­ram os con­tac­tos res­pe­ti­vos, não se vol­ta­ram a ver na pri­mei­ra se­ma­na, mas man­ti­ve­ram o con­tac­to por SMS e, ao fi­nal de 15 di­as, He­le­na apre­sen­tou

o já na­mo­ra­do a to­da a fa­mí­lia. “Ape­sar de acha­rem que era mui­to ce­do, os meus pais gos­ta­ram lo­go de­le.” Se­guiu-se um ano e meio de na­mo­ro, mo­men­to em que de­ci­di­ram vi­ver jun­tos. Têm uma fi­lha de dois anos e ca­sa­ram-se em ou­tu­bro pas­sa­do. “Es­ta­mos jun­tos e fe­li­zes, te­mos o fru­to do nos­so amor e is­so é o mais im­por­tan­te. Acre­di­to no des­ti­no e acho que fiz a es­co­lha mais acer­ta­da”, as­se­gu­ra He­le­na.

Li­li­a­na Pai­va con­ta à “Notícias Ma­ga­zi­ne” que a Amo­re Nos­trum foi cri­a­da em 2013 e tem mais de 20 mil cli­en­tes, dos 19 aos 80 e mui­tos anos. “Te­mos psi­có­lo­gos a tra­ba­lhar con­nos­co e fun­ci­o­na­mos com es­tu­dos de com­pa­ti­bi­li­da­de re­a­li­za­dos com ba­se nu­ma ba­te­ria de tes­tes de per­so­na­li­da­de”, sus­ten­ta. To­dos os aten­di­men­tos são fei­tos pre­sen­ci­al­men­te com o ob­je­ti­vo de co­nhe­cer me­lhor os can­di­da­tos. Lo­go nu­ma pri­mei­ra con­sul­ta, é fei­ta uma re­co­lha das ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas, so­ci­ais e psi­co­ló­gi­cas do cli­en­te ava­li­an­do-se ain­da que ti­po de pes­so­as gos­ta­ria de co­nhe­cer. O per­fil psi­co­ló­gi­co as­sen­ta em in­for­ma­ções re­la­ci­o­na­das com os va­lo­res que a pes­soa de­fen­de, se fu­ma, os gos­tos e hob­bi­es, se tem fi­lhos ou gos­ta­ria de ter, en­tre ou­tras in­for­ma­ções.

“O nos­so tra­ba­lho vem con­tra­ri­ar a ve­lha má­xi­ma ‘os opos­tos atra­em-se’. So­mos a pro­va de que ten­tar unir des­co­nhe­ci­dos, atra­vés des­ta me­to­do­lo­gia, re­sul­ta e fun­ci­o­na”, fri­sa Li­li­a­na Pai­va.

Pri­mei­ro, a química

Se­rá a ci­ên­cia ca­paz de de­mons­trar que é pos­sí­vel le­var sol­tei­ros a en­con­trar o par ide­al? O pro­gra­ma “Mar­ri­ed at first sight”, um ori­gi­nal di­na­marquês, trans­mi­ti­do atu­al­men­te em 13 paí­ses e com adap­ta­ção por­tu­gue­sa a es­tre­ar em ou­tu­bro (ver cai­xa), na SIC, fun­ci­o­na com o mes­mo pres­su­pos­to das agên­ci­as ma­tri­mo­ni­ais com a di­fe­ren­ça de que os sol­tei­ros se ca­sam com uma pes­soa que nun­ca co­nhe­ce­ram. A pri­mei­ra vez que se ve­em é já no al­tar, se­guin­do-se a lua-de-mel e se­te se­ma­nas de vi­da con­jun­ta até de­ci­di­rem se man­têm o ma­tri­mó­nio ou op­tam pe­lo di­vór­cio.

Se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, pri­mei­ro vem a atra­ção e a tão cha­ma­da “química” en­tre du­as pes­so­as. Só de­pois o amor. “A gran­de mai­o­ria dos es­tu­dos in­ter­na­ci­o­nais que se de­bru­çam so­bre es­ta te­má­ti­ca tem vin­do a des­mis­ti­fi­car a ideia de amor à pri­mei­ra vis­ta, con­si­de­ran­do-o co­mo uma ilu­são, uma me­mó­ria ro­mân­ti­ca que os ca­sais cri­am so­bre a pró­pria re­la­ção”, ana­li­sa Ca­ta­ri­na Lu­cas, psi­có­lo­ga e te­ra­peu­ta de ca­sal. Sur­ge as­sim um in­te­res­se pe­lo corpo, pe­los tra­ços fí­si­cos, pe­la be­le­za ex­te­ri­or (que va­ria se­gun­do a per­ce­ção de ca­da um). “O pri­mei­ro en­con­tro é re­ple­to de in­ver­da­des, coi­sas que di­ze­mos pa­ra agra­dar, pa­ra se­du­zir e pa­ra des­per­tar o in­te­res­se. É di­fí­cil que da­qui sur­ja lo­go o amor”, acres­cen­ta.

E, afi­nal, qual é o pa­pel das hor­mo­nas e da com­po­nen­te química em to­do o pro­ces­so? “As mes­mas con­du­zem à atra­ção pe­lo ou­tro, atra­vés do chei­ro, da voz, do as­pe­to, pro­vo­can­do uma re­a­ção química, au­men­tan­do a pro­du­ção de tes­tos­te­ro­na no ho­mem e de es­tro­gé­nio nas mu­lhe­res. To­da­via, pas­sa­do um tem­po, es­sas hor­mo­nas dei­xam de ser li­ber­ta­das sen­do subs­ti­tuí­das por ou­tras que nos fa­zem sen­tir mais cal­mos”, re­fe­re Ca­ta­ri­na Lu­cas.

Ve­ra Ri­bei­ro é psi­có­lo­ga clí­ni­ca, se­xó­lo­ga e au­to­ra do li­vro “Ma­nu­al de Se­du­ção”, edi­ta­do pe­la Ma­nus­cri­to, e con­subs­tan­cia es­sa te­o­ria. “Pos­so dar o exem­plo das fe­ro­mo­nas, cap­ta­das pe­lo ol­fa­to, que fa­zem as­si­na­lar uma res­pos­ta química e fi­si­o­ló­gi­ca no ou­tro.” Do pon­to de vis­ta da se­xo­lo­gia, “os in­ti­tu­la­dos ‘ma­pas se­xu­ais’ es­tão as­so­ci­a­dos a um pa­drão in­trín­se­co se­xu­al pre­sen­te em ca­da um de nós. Quan­do olha­mos pa­ra al­guém, es­se mapa en­cai­xa ou não na­qui­lo que es­ta­mos a ver. Se en­cai­xar, en­tão te­mos atra­ção, co­mo se de um puzz­le vi­su­al se tra­tas­se”, su­bli­nha.

E é pos­sí­vel pas­sar a ser amor des­va­ne­ci­da que é a in­ten­si­da­de dos pri­mei­ros mo­men­tos? Ape­sar de exis­ti­rem re­gis­tos de ge­ra­ções an­te­ri­o­res com ca­sa­men­tos que re­sul­ta­ram e que ocor­ri­am sem tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra que as pes­so­as se co­nhe­ces­sem, as di­nâ­mi­cas so­ci­ais são ho­je mui­to dis­tin­tas. “Es­tá­va­mos nu­ma épo­ca de mai­or

de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra da mu­lher em re­la­ção ao ho­mem e em que de­ter­mi­na­dos com­por­ta­men­tos eram acei­tes e to­le­ra­dos, on­de o di­vór­cio não era vis­to com bons olhos. Atu­al­men­te, as re­la­ções são mui­to exi­gen­tes, já não nos su­jei­ta­mos à in­fe­li­ci­da­de. Ho­je, pro­cu­ra-se o bem-es­tar e não se to­le­ra tan­to o con­for­mis­mo”, con­si­de­ra Ca­ta­ri­na Lu­cas.

O que sus­ten­ta o amor?

De­pen­den­do da ida­de, exis­tem mo­ti­va­ções que con­di­ci­o­nam as pes­so­as a pro­cu­rar um re­la­ci­o­na­men­to sé­rio, des­de lo­go, o avan­çar da ida­de e a so­li­dão. “Na mi­nha con­sul­ta, são mui­to fre­quen­tes os re­la­tos que re­ve­lam im­pa­ci­ên­cia por en­con­trar al­guém. A so­li­dão e o de­se­jo de ter­mos uma pes­soa na nos­sa vi­da po­dem cri­ar al­gu­ma con­fu­são de sen­ti­men­tos e emo­ções, le­van­do-nos a in­te­res­sar por pes­so­as que, nou­tras cir­cuns­tân­ci­as, não nos des­per­ta­ri­am a mes­ma aten­ção. É tam­bém pos­sí­vel que ha­ja uma mai­or cor­res­pon­dên­cia às in­ves­ti­das de al­guém, pe­lo de­se­jo de não es­tar­mos so­zi­nhos”, ob­ser­va a te­ra­peu­ta de ca­sal.

No pro­gra­ma “Mar­ri­ed at first sight”, uma das prin­ci­pais quei­xas dos can­di­da­tos é pre­ci­sa­men­te o fac­to de não te­rem nin­guém à es­pe­ra em ca­sa, quan­do vol­tam de um dia de tra­ba­lho.

So­fia [no­me fic­tí­cio] tem 33 anos e es­tá se­pa­ra­da há seis me­ses. Co­nhe­ceu o ex-com­pa­nhei­ro nu­ma fes­ta com ami­gos em co­mum e não de­mo­rou até que tro­cas­sem men­sa­gens e co­me­ças­sem a sair jun­tos. “As coi­sas fo­ram acon­te­cen­do. Co­me­çá­mos a na­mo­rar e a ver­da­de é que, sem nos aper­ce­ber­mos, já es­tá­va­mos a vi­ver jun­tos dois ou três me­ses de­pois. Eu vi­via so­zi­nha na al­tu­ra e ele co­me­çou a fi­car em mi­nha ca­sa, pois não se jus­ti­fi­ca­va pa­gar­mos am­bos uma ren­da”, con­ta.

A sim­pa­tia, a am­bi­ção e o fac­to de o na­mo­ra­do fa­zer pla­nos pa­ra um fu­tu­ro em con­jun­to foi o que mais agra­dou a So­fia. A sin­to­nia era qua­se per­fei­ta. “Dá­va­mo-nos bem e con­cor­dá­va­mos na mai­or par­te das coi­sas, tí­nha­mos gos­tos em co­mum, ati­vi­da­des pa­re­ci­das, co­mo vi­a­jar e ir jan­tar fo­ra. Co­mo tu­do cor­ria bem, pa­re­ceu-me que ti­nha en­con­tra­do a pes­soa cer­ta. Não achei lo­go que as per­so­na­li­da­des ti­nham en­cai­xa­do, mas acre­di­tei que, com o tem­po, is­so ia acon­te­cer”, con­fes­sa. A re­a­li­da­de aca­bou por ser um pou­co di­fe­ren­te com uma adap­ta­ção di­fí­cil e uma re­la­ção diá­ria mar­ca­da pe­lo afas­ta­men­to. “Quan­do de­mos por nós, pa­re­cía­mos dois co­le­gas a par­ti­lhar ca­sa, dis­cu­tía­mos mui­to e, com o tem­po, aper­ce­bi-me que ele não es­ta­va dis­pos­to a mu­dar al­guns há­bi­tos, de­di­ca­va mui­to tem­po ao tra­ba­lho e ha­via al­gu­mas in­ter­fe­rên­ci­as fa­mi­li­a­res”, des­ta­ca.

O ca­sal es­te­ve jun­to du­ran­te três anos e che­gou a com­prar ca­sa. Olhan­do pa­ra trás, So­fia acha que po­de­rá ter-se pre­ci­pi­ta­do. “Per­ce­bi que não co­nhe­ce­mos uma pes­soa em dois me­ses. Os pro­ble­mas só co­me­ça­ram de­pois e pen­so que não tí­nha­mos ma­tu­ri­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra le­var a re­la­ção em con­jun­to”, ad­mi­te. Pro­cu­rou aju­da es­pe­ci­a­li­za­da re­cor­ren­do a uma psi­có­lo­ga, re­or­ga­ni­zou as ro­ti­nas e re­co­me­çou. “Es­tou me­lhor ago­ra, mas não foi fá­cil. Sin­to que a ida­de pas­sa e que per­di a opor­tu­ni­da­de de ter uma fa­mí­lia, mas con­ti­nuo a acre­di­tar no amor.” O seu pro­je­to de vi­da man­tém-se. O er­ro po­de não es­tar na ra­pi­dez com que se ofi­ci­a­li­za uma re­la­ção, de­fen­de a se­xó­lo­ga Ve­ra Ri­bei­ro. “O pro­ble­ma es­tá na di­fi­cul­da­de em du­as pes­so­as se co­nhe­ce­rem e sa­be­rem o que re­al­men­te pro­cu­ram. Quan­to mais se sou­ber pa­ra on­de e com quem ca­mi­nhar, mais acer­ta­da se­rá a es­co­lha do/a par­cei­ro/a.”

Os tes­tes de per­so­na­li­da­de con­se­guem ava­li­ar a com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre du­as pes­so­as. Dis­so pa­re­ce não ha­ver dú­vi­das. Os de­sa­fi­os sur­gem de­pois. “A so­ci­e­da­de es­tá a pas­sar por gran­des trans­for­ma­ções e ho­je tu­do acon­te­ce mui­to ra­pi­da­men­te. As pes­so­as co­nhe­cem-se, en­vol­vem-se e, às ve­zes, sem se aper­ce­be­rem, cons­ci­en­te­men­te ou não, já es­tão a vi­ver jun­tas. De for­ma rá­pi­da e fá­cil, sem ne­ces­si­da­de de mui­to in­ves­ti­men­to, sem ama­du­re­ci­men­to da re­la­ção, sem cons­tru­ção do amor, sem que as di­fi­cul­da­des ou a di­mi­nui­ção da pai­xão te­nham ocor­ri­do. De­pois, de for­ma igual­men­te rá­pi­da, são re­la­ções que se des­fa­zem, tal­vez por­que não te­nham si­do con­so­li­da­das”, con­clui Ca­ta­ri­na Lu­cas. E é nes­se mo­men­to que a fra­se “vi­ve­ram fe­li­zes pa­ra sem­pre” dei­xa de ter lu­gar. ●m

M Ca­ta­ri­na Lu­cas, Li­li­a­na Pai­va e Ve­ra Ri­bei­ro, três psi­có­lo­gas que tra­ba­lham em área dis­tin­tas, mas que co­nhe­cem bem a re­a­li­da­de de ca­sais com re­la­ci­o­na­men­tos que co­me­ça­ram em pou­co tem­po

a Di­a­na Cha­ves vai ser a apre­sen­ta­do­ra da ver­são por­tu­gue­sa de um ori­gi­nal di­na­marquês que es­tá a ser exi­bi­do em 13 paí­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.