ELES NÃO SE IMAGINAM PARADOS

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1374 - TEX­TO So­fia Tei­xei­ra

Aqui­lo que sa­bem fa­zer, di­zem, é tra­ba­lhar. A che­ga­da da ida­de ofi­ci­al da re­for­ma não os fez pa­rar. A jor­na­lis­ta So­fia Tei­xei­ra re­ve­la três pes­so­as que, por gos­to ou ne­ces­si­da­de, não es­que­ce­ram a fo­lha de pon­to.

Por­tu­gal é um dos paí­ses da União Eu­ro­peia em que mais se­ni­o­res se man­têm pro­fis­si­o­nal­men­te ati­vos. Por­que não se imaginam parados, por ra­zões eco­nó­mi­cas, por­que ado­ram a profissão ou por­que não têm nin­guém que si­ga com o ne­gó­cio, inú­me­ros por­tu­gue­ses re­for­mam-se, mas con­ti­nu­am a tra­ba­lhar. Às ve­zes mais do que an­tes.

Má­rio Fer­rei­ra, 73 anos, tra­ba­lha há qua­se 60. Co­me­çou aos 15, quan­do ru­mou de Ami­ais de Ci­ma, em San­ta­rém, até uma ofi­ci­na de au­to­mó­veis em Lis­boa, pa­ra apren­der o ofí­cio de ele­tri­cis­ta. Mas sem­pre que pas­sa­va na Rua Ca­va­lei­ro de Oli­vei­ra, em Ar­roi­os, o ra­paz de­ti­nha-se em fren­te à lo­ja de um mes­tre re­lo­jo­ei­ro que ti­nha a ban­ca de tra­ba­lho em fren­te à mon­tra.

Má­rio fi­ca­va ali pa­ra­do a ad­mi­rar os ges­tos pre­ci­sos com que o ho­mem da­va no­va vi­da aos me­ca­nis­mos dos re­ló­gi­os. “Tal­vez por­que já ti­nha o bi­chi­nho dos re­ló­gi­os, que me ti­nha pas­sa­do o meu avô: aos oi­to anos en­si­nou-me a ver as ho­ras com um re­ló­gio de sol, com a es­ta­ca es­pe­ta­da no chão. Mais tar­de, deu-me es­ta bús­so­la com re­ló­gio de sol”, con­ta, pe­gan­do no pe­que­no ob­je­to de ma­dei­ra fei­to à mão. En­quan­to olha­va o re­lo­jo­ei­ro pen­sa­va que tro­ca­ria, de bom gra­do, o ofí­cio de ele­tri­cis­ta por aque­le, mas ti­nha ver­go­nha de en­trar e pe­dir. “Um dia a mu­lher

de­le, ven­do-me ali pa­ra­do a olhar, co­nhe­ceu-me – eles eram da mi­nha ter­ra –, cha­mou-me e apre­sen­tou-me ao ma­ri­do, que me dis­se que eu po­dia ir pa­ra lá apren­der.” As­sim foi. Daí pas­sou pa­ra a Ou­ri­ve­sa­ria Cris­tó­vão, in­ter­rom­peu a profissão pa­ra cum­prir

o ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio e quan­do vol­tou, três anos de­pois, co­me­çou na ca­sa Rodrigues, Gon­çal­ves e Ne­ves, on­de es­te­ve em­pre­ga­do 35 anos. Até o ne­gó­cio dei­xar de dar. Atu­al­men­te, a ida­de da re­for­ma en­con­tra-se nos 66 anos e qua­tro me­ses. Em 2019, tem su­bi­da pre­vis­ta pa­ra os 66 anos e cin­co me­ses, mas, na al­tu­ra, a lei per­mi­tia a re­for­ma aos 62, a quem, co­mo ele, ti­nha já 40 anos de des­con­tos. “Re­for­mei-me. Mas ia pa­ra ca­sa com es­sa ida­de? Ia pa­ra o ca­fé jo­gar às car­tas e fa­lar de fu­te­bol? Is­so po­de ter gra­ça um dia ou dois, mas de­pois tam­bém can­sa.” As­sim, de­pois de 40 anos a tra­ba­lhar pa­ra os ou­tros, de­ci­diu abrir a sua pró­pria ofi­ci­na de re­lo­jo­a­ria no nú­me­ro 135 da Rua dos Dou­ra­do­res, em Lis­boa, on­de se man­tém até ho­je.

Diz que apro­vei­ta a re­for­ma: faz uns cru­zei­ros nas fé­ri­as, an­da de bi­ci­cle­ta, faz na­ta­ção, vai al­guns fins de se­ma­na à ter­ra on­de nas­ceu. Mas, mes­mo as­sim, a mu­lher e a fi­lha ra­lham-lhe por tan­to tra­ba­lho. “En­tro às no­ve da ma­nhã e às ve­zes só saio às se­te e meia ou oi­to da noi­te. A mi­nha mu­lher, a brin­car, diz que só me fal­ta tra­zer pa­ra aqui a ca­ma.” Por is­so, des­de que che­gou de fé­ri­as, há 15 di­as, an­da a ten­tar re­du­zir um bo­ca­di­nho o ho­rá­rio. Mas pa­rar de tra­ba­lhar não quer.

Ape­sar de a ra­zão prin­ci­pal não ser es­sa, tam­bém é uma for­ma de ter mais de­sa­fo­go eco­nó­mi­co e não fi­car só com o di­nhei­ro da re­for­ma. “Sem­pre tra­ba­lhei mui­to por­que nun­ca quis ter pri­va­ções. Quan­do tra­ba­lha­va por con­ta dos ou­tros, ain­da fa­zia uns bis­ca­tes em ca­sa, já à noi­te, pa­ra com­por o or­ça­men­to”, con­ta. “Pa­ra po­der tro­car de car­ro, pas­se­ar e fa­zer es­sas coi­sas que to­dos gos­ta­mos de fa­zer.”

A cau­sa das coi­sas

O Eu­ro­found – Eu­ro­pe­an Foun­da­ti­on for the Im­pro­ve­ment of Li­ving and Wor­king Con­di­ti­ons – mos­tra que os se­ni­o­res por­tu­gue­ses são dos que mais tra­ba­lham na União Eu­ro­peia: em 2015, dos 2,1 mi­lhões de ido­sos por­tu­gue­ses, 11,3% con­ti­nu­a­vam ati­vos, con­tra a mé­dia de 5,5% dos estados mem­bros. Tam­bém de acor­do com o Inqué­ri­to ao Em­pre­go do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE), em 2015, 208 mil por­tu­gue­ses con­ti­nu­a­vam a tra­ba­lhar de­pois dos 66 anos. Es­ses nú­me­ros irão cer­ta­men­te cres­cer quan­do for

apro­va­da a in­ten­ção do Go­ver­no de acabar com a re­for­ma obri­ga­tó­ria na fun­ção pú­bli­ca aos 70 anos, uma re­gra com qua­se um sé­cu­lo de vi­da.

A op­ção de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar de­pois de atin­gi­da a ida­de da re­for­ma tem uma for­te com­po­nen­te cul­tu­ral, mas as mo­ti­va­ções eco­nó­mi­cas tam­bém não lhe são alhei­as. Os nú­me­ros da Se­gu­ran­ça So­ci­al mos­tram que, em 2014, 80% dos se­ni­o­res re­ce­bi­am me­nos de 364 eu­ros por mês de re­for­ma. “As cau­sas cul­tu­rais e eco­nó­mi­cas sur­gem de for­ma tão in­trin­ca­da que é di­fí­cil afir­mar qual é a cau­sa do­mi­nan­te”, es­cla­re­ce Ja­cin­to Gau­dên­cio, pro­fes­sor de Psi­co­lo­gia da Es­co­la Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção da Uni­ver­si­da­de do Al­gar­ve e es­pe­ci­a­lis­ta em ques­tões de en­ve­lhe­ci­men­to. “Na nos­sa cul­tu­ra, é mui­to va­lo­ri­za­do man­ter uma vi­da pro­fis­si­o­nal lon­ga, is­so é as­so­ci­a­do a uma mai­or vi­ta­li­da­de e a uma me­lhor ca­pa­ci­da­de fí­si­ca e men­tal. Por ou­tro la­do, es­pe­ci­al­men­te pa­ra o nu­me­ro­so gru­po de pes­so­as com ida­de avan­ça­da e pou­cos re­cur­sos eco­nó­mi­cos que se de­fron­tam com a ex­pec­ta­ti­va de, na re­for­ma, ve­rem ain­da mais di­mi­nuí­dos os par­cos ren­di­men­tos, o pro­lon­ga­men­to da vi­da pro­fis­si­o­nal sur­ge co­mo al­ter­na­ti­va, ain­da que pre­fe­ris­sem op­tar pe­la re­for­ma, se não es­ti­ves­sem tão con­di­ci­o­na­dos”.

O in­ves­ti­ga­dor de­fen­de ain­da que, nal­guns ca­sos, os mo­ti­vos eco­nó­mi­cos sur­gem pre­ci­sa­men­te in­ter­li­ga­dos com a pró­pria tra­di­ção cul­tu­ral, que par­ti­lha­mos com ou­tros paí­ses do sul da Eu­ro­pa, e que dá uma gran­de ên­fa­se à so­li­da­ri­e­da­de e en­tre­a­ju­da en­tre as ge­ra­ções que com­põem a es­tru­tu­ra fa­mi­li­ar. “Já to­dos ou­vi­mos fa­lar de ca­sos em que o pro­lon­ga­men­to da vi­da pro­fis­si­o­nal tem co­mo mo­ti­vo prin­ci­pal a aju­da eco­nó­mi­ca a fi­lhos que fi­ca­ram no de­sem­pre­go ou a ne­tos que es­tão a es­tu­dar na uni­ver­si­da­de.”

Pa­rar é mor­rer?

“É im­por­tan­te per­ce­ber que a ida­de da re­for­ma é um mar­co fic­tí­cio de en­tra­da na ve­lhi­ce. Nin­guém acor­da um dia ido­so”, de­fen­de Ale­xan­dra Vei­ga de Araú­jo, mas­ter em Psi­co­lo­gia Po­si­ti­va e dou­to­ran­da em Po­lí­ti­ca So­ci­al (ISCSP), que se tem de­di­ca­do ao es­tu­do do en­ve­lhe­ci­men­to. “Lo­go, é na­tu­ral que quan­do a pes­soa es­tá bem, sin­ta que po­de ca­pi­ta­li­zar to­da a ex­pe­ri­ên­cia de tra­ba­lho e te­nha von­ta­de de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar”, de­fen­de.

No ca­so de Ana Ma­ria Cha­ves, a re­for­ma pôs um pon­to fi­nal nu­ma das su­as pro­fis­sões, mas aca­bou por in­ten­si­fi­car a ou­tra. Até há seis anos era do­cen­te na Uni­ver­si­da­de do Mi­nho (UMi­nho) e tra­du­to­ra li­te­rá­ria. A tra­du­ção era, no en­tan­to, uma se­gun­da profissão: acei­ta­va o que po­dia, aten­den­do ao tem­po de­di­ca­do à uni­ver­si­da­de e aos inú­me­ros pro­je­tos co­la­bo­ra­ti­vos com alunos.

Des­de a re­for­ma, sem o com­pro­mis­so e os ho­rá­ri­os das au­las, a se­gun­da profissão trans­for­mou-se na pri­mei­ra e úni­ca, pas­san­do a tra­du­zir a tem­po in­tei­ro. Por is­so, ape­sar de se ter apo­sen­ta­do, tem dú­vi­das que tra­ba­lhe me­nos. “Se ca­lhar até tra­ba­lho mais ho­ras, mas com um ho­rá­rio mui­to fle­xí­vel”, con­fes­sa a tra­du­to­ra, de 72 anos. “Há fa­ses em que tra­du­zo de noi­te, nou­tras apro­vei­to a ma­nhã e in­ter­rom­po à tar­de, se não hou­ver ne­nhum pra­zo aper­ta­do a cum­prir.” Pas­sou a ser tam­bém men­to­ra e for­ma­do­ra da en­tre­tan­to cri­a­da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Tra­du­to­res e In­tér­pre­tes (AP-

TRAD) e dá al­guns workshops de tra­du­ção na UMi­nho. A tra­du­ção é uma pai­xão há 40 anos. O que ado­ra na ati­vi­da­de é o jo­go das pa­la­vras, a re­cons­tru­ção do puzz­le da lín­gua, a ne­ces­si­da­de de olhar pa­ra o ori­gi­nal co­mo quem olha uma par­ti­tu­ra, pa­ra ou­vir a mú­si­ca do tex­to. Por is­so, nun­ca lhe pas­sou pe­la ca­be­ça pa­rar de tra­du­zir. “Re­for­mar-me da tra­du­ção, era re­for­mar-me da vi­da”, con­ta. “Te­nho uma vi­da pes­so­al e fa­mi­li­ar fan­tás­ti­ca, mas a tra­du­ção tam­bém faz par­te do meu pra­zer de vi­ver e da mi­nha fe­li­ci­da­de.” Os úl­ti­mos anos de­ram-lhe, aliás, tem­po pa­ra se de­di­car a um ti­po de tra­du­ção que a ar­re­ba­ta, mas exi­ge mais dis­po­ni­bi­li­da­de: a po­e­sia. “A mú­si­ca, a ca­dên­cia, a mé­tri­ca e o rit­mo fa­zem com que se­ja um tra­ba­lho que es­tá mais de­pen­den­te da ins­pi­ra­ção do mo­men­to, ao con­trá­rio da tra­du­ção de pro­sa.” E es­se “ou­vir” o po­e­ma exi­ge tem­po e a dis­po­ni­bi­li­da­de que ago­ra, sem a ati­vi­da­de de en­si­no, já tem.

Cla­ro que qual­quer re­for­ma­do que tra­ba­lha vai acabar, um dia, por se re­for­mar de vez e “en­fren­tar” a ver­da­dei­ra re­for­ma. E is­so po­de ser as­sus­ta­dor. “O pro­ces­so de tran­si­ção de vi­da as­so­ci­a­do à re­for­ma en­vol­ve ne­ces­sa­ri­a­men­te per­das e ga­nhos que aca­bam por in­flu­en­ci­ar o bem-es­tar psi­co­ló­gi­co e so­ci­al dos in­di­ví­du­os”, fri­sa Ja­cin­to Gau­dên­cio. “A mai­or ou me­nor ên­fa­se atri­buí­da pe­los in­di­ví­du­os aos as­pe­tos po­si­ti­vos ou aos ne­ga­ti­vos as­so­ci­a­dos à re­for­ma vai de­pen­der, em gran­de par­te, do per­cur­so de vi­da an­te­ri­or e das es­tra­té­gi­as de adap­ta­ção à no­va re­a­li­da­de.”

O ví­cio do tra­ba­lho

Man­ter-se ati­vo, se­ja atra­vés do tra­ba­lho que sem­pre se te­ve, se­ja atra­vés de ou­tros mei­os, é fun­da­men­tal. “Te­mos de sen­tir que es­ta­mos in­cluí­dos num ci­clo de re­ci­pro­ci­da­de. O que por ve­zes de­pri­me as pes­so­as que se re­for­mam é dei­xa­rem de se sen­tir úteis e dei­xa­rem de per­ce­ber qual é o seu pa­pel, e quem são”, ana­li­sa Ale­xan­dra Vei­ga de Araú­jo. De acor­do com a in­ves­ti­ga­do­ra, de uma for­ma ge­ral, as mu­lhe­res en­cai­xam me­lhor o fim da ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal. “Já têm o seu pa­pel co­mo mães e avós mui­to bem de­fi­ni­do. Por­tan­to, não têm uma cri­se de iden­ti­da­de, mui­tas aca­bam por ver a re­for­ma co­mo a al­tu­ra que vão, fi­nal­men­te, po­der aju­dar os fi­lhos e ne­tos co­mo gos­ta­ri­am. Os ho­mens, por­que a cons­tru­ção so­ci­al não os apro­xi­ma tan­to dis­so, têm mais di­fi­cul­da­de em re­de­fi­nir quem são atra­vés des­ses pa­péis fa­mi­li­a­res.” Jo­sé Ter­ro­so é um ho­mem de fa­mí­lia, que sem­pre es­te­ve pre­sen­te na vi­da dos fi­lhos e dos ne­tos. Ape­sar dis­so, é so­bre­tu­do pe­lo tra­ba­lho que se de­fi­ne. “Eu ain­da não es­tou na ida­de da re­for­ma: te­nho 57 anos, vou a ca­mi­nho dos 56”, de­cla­ra. Na re­a­li­da­de, tem 73 anos, mas diz que des­de que se re­for­mou, com 65 anos, co­me­çou a con­tar ao con­trá­rio.

Jo­sé tra­tou de cri­ar o pró­prio ne­gó­cio aos 65 anos, de­pois de dé­ca­das de tra­ba­lho na área da me­ta­lo­me­câ­ni­ca, qua­se sem­pre por con­ta de ou­tros. E a ex­pe­ri­ên­cia que já ti­nha com­pen­sou-o por­que cons­truiu um pe­que­no im­pé­rio. A JTSL – So­lu­ções Téc­ni­cas Ma­nu­ten­ção Me­ta­lo­me­câ­ni­ca –, re­gis­ta­da no dia 13 de mar­ço de 2010, 15 di­as an­tes de Jo­sé se re­for­mar – co­me­çou com 50 pes­so­as num ar­ma­zém alu­ga­do de 800 me­tros qua­dra­dos e ho­je, dez anos de­pois, ge­re uma mé­dia de 200 pes­so­as por mês, ocu­pa um es­pa­ço pró-

prio com 23 mil me­tros qua­dra­dos e faz tra­ba­lho nos qua­tro can­tos do mun­do. Mas nem tu­do fo­ram fa­ci­li­da­des: “Com o tem­po, a mi­nha mu­lher aca­bou por se adap­tar à ideia, mas quan­do lhe dis­se que ia abrir uma em­pre­sa fi­cou mui­to zan­ga­da co­mi­go”, re­cor­da. Con­fes­sa que não tem gran­des hob­bi­es e aqui­lo que sa­be fa­zer é tra­ba­lhar. “Há quem te­nha ou­tros ví­ci­os, eu te­nho o ví­cio do tra­ba­lho. Os pi­o­res di­as da se­ma­na são o sá­ba­do e o do­min­go: vou pa­ra ca­sa e não te­nho na­da com que me en­tre­ter”. A ex­ce­ção são os fins de se­ma­na em que os fi­lhos e ne­tos apa­re­cem de vi-

si­ta, aí o ca­so mu­da de fi­gu­ra. Tam­bém os 15 di­as de fé­ri­as são um pro­ble­ma: du­ran­te a pri­mei­ra se­ma­na, ain­da se dis­trai; na se­gun­da, já es­tá an­si­o­so que as fé­ri­as aca­bem pa­ra vol­tar ao tra­ba­lho.

E o tra­ba­lho, no­te-se, não é só fi­car sen­ta­do a uma se­cre­tá­ria. Faz en­tre 2800 e 3000 qui­ló­me­tros de car­ro to­das as se­ma­nas, em Por­tu­gal e Es­pa­nha. “É pre­ci­so ir à pro­cu­ra de cli­en­tes, não é só fi­car à es­pe­ra que apa­re­çam. Além dis­so, tam­bém é im­por­tan­te vi­si­tar os cli­en­tes ha­bi­tu­ais por­que sa­be co­mo diz o di­ta­do: ‘Quem não apa­re­ce, es­que­ce.’”

E se dú­vi­das ain­da hou­ves­se so­bre a von­ta­de de con­ti­nu­ar e o vi­gor que sen­te aos 73 anos, a con­ver­sa que se se­gue tra­ta de as des­fa­zer. Quan­tas ho­ras por dia tra­ba­lha? “É fle­xí­vel: nun­ca me­nos de 14 ho­ras e nun­ca mais de 24”. E não se sen­te can­sa­do? “Can­sa­do em que as­pe­to?” De tan­tas ho­ras de tra­ba­lho e tan­tos qui­ló­me­tros de car­ro. “Na­da. Fa­ço mil qui­ló­me­tros de se­gui­da e saio do car­ro co­mo se na­da fos­se. Às ve­zes, nem pa­ro; ou­tras ve­zes, só pa­ra co­mer uma san­des e be­ber um ca­fé, mas nem me sen­to, si­go lo­go ou­tra

vez.” Porquê? “Por­que há mui­to pa­ra fa­zer.” ●

m

q Má­rio Fer­rei­ra, 73 anos. De­pois de qua­tro dé­ca­das a tra­ba­lhar pa­ra os ou­tros, abriu uma ofi­ci­na de re­lo­jo­a­ria quan­do se re­for­mou

q Jo­sé Ter­ro­so, 73 anos, cri­ou o pró­prio ne­gó­cio aos 65 anos. Ge­re uma equi­pa de 200 pes­so­as e faz tra­ba­lhos nos qua­tro can­tos do mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.