CAR­NE IN VITRO: DO LA­BO­RA­TÓ­RIO PA­RA A ME­SA EM 2021

Far­ma­cêu­ti­ca ale­mã e pro­ces­sa­do­ra de car­nes suí­ça in­ves­ti­ram 7,5 mi­lhões de eu­ros na in­dus­tri­a­li­za­ção do pro­du­to cri­a­do pe­lo ho­lan­dês Mark Post. Uma no­va ge­ra­ção de ham­búr­gue­res es­tá a che­gar.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti-los -

Quan­do no iní­cio des­ta dé­ca­da um em­pre­sá­rio ho­lan­dês de 86 anos, ob­ce­ca­do pe­la ideia de pro­du­zir car­ne em la­bo­ra­tó­rio, lan­çou o de­sa­fio à co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca do seu país, to­das as por­tas se fe­cha­ram. To­das, me­nos uma. Mark Post, fi­si­o­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de de Ma­as­tri­cht, fez-lhe ca­so. E o que po­dia re­me­ter pa­ra um fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca po­de, afi­nal, tor­nar-se re­a­li­da­de já em 2021. “Po­de­mos sal­var o pla­ne­ta e os ani­mais”, pro­me­te Post, que

em agos­to de 2013 apre­sen­tou ao mun­do um pro­tó­ti­po de ham­búr­guer de va­ca, ge­ra­do a par­tir de cé­lu­las ex­traí­das de mús­cu­lo ani­mal. Es­te ano, a far­ma­cêu­ti­ca ale­mã Merck e a pro­ces­sa­do­ra de car­nes suí­ça Bell Fo­od Group in­ves­ti­ram 7,5 mi­lhões de eu­ros na em­pre­sa de Post, a Mo­sa Me­at, apos­ta­da em co­lo­car o pro­du­to no mer­ca­do. “Po­de­rá es­ten­der-se a mais paí­ses mas, em prin­cí­pio, co­me­ça­re­mos a uma pe­que­na es­ca­la em res­tau­ran­tes

da Eu­ro­pa. Pa­ra co­mer o primeiro ham­búr­guer, o con­su­mi­dor vai ter de ir a Lis­boa, Ber­lim, Ames­ter­dão ou Zu­ri­que”, de­cla­rou Mark Post à “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne”, aquan­do da sua re­cen­te participação no Con­gres­so In­ter­na­ci­o­nal Pa­re­des de Cou­ra Ve­ge­ta­ri­a­na.

Con­di­ci­o­nan­tes do pro­ces­so

A ine­xis­tên­cia de re­gu­la­men­ta­ção eu­ro­peia pa­ra ali­men­tos des­te ti­po im­pe­de, se­gun­do o fi­si­o­lo­gis­ta, a che­ga- da ime­di­a­ta ao mer­ca­do. O cus­to ele­va­do do pro­du­to é ou­tro fa­tor a pon­de­rar. O pro­tó­ti­po de há cin­co anos cus­tou cer­ca de 220 mil eu­ros e, pa­ra já, os ham­búr­gue­res de­ve­rão che­gar aos res­tau­ran­tes a 8,50 eu­ros. A co­mer­ci­a­li­za­ção em su­per­mer­ca­dos avan­ça­rá, se­gun­do Mark Post, “quan­do se con­se­guir bai­xar o pre­ço”. “Não é fá­cil, por­que es­ta era uma tec­no­lo­gia até ago­ra man­ti­da ape­nas no meio mé­di­co, on­de não há a pre­o­cu­pa­ção

com os cus­tos, mas acre­di­to que es­sa re­du­ção é pos­sí­vel, tor­nan­do o pro­du­to até mais ba­ra­to do que a car­ne pro­du­zi­da atu­al­men­te.”

A acei­ta­ção por par­te dos con­su­mi­do­res de­pen­de­rá da qua­li­da­de da fu­tu­ra car­ne. “O gos­to é fá­cil de re­pro­du­zir. A tex­tu­ra é que é mais di­fí­cil”, ad­mi­te. Pa­ra a me­lho­rar foi adi­ci­o­na­do te­ci­do gor­do à pri­mei­ra ver­são. O con­cei­to de ali­men­to ar­ti­fi­ci­al po­de cons­ti­tuir uma “bar­rei­ra men­tal” pa­ra os con­su­mi­do­res, mas o ho­lan­dês acre­di­ta que es­ta se­rá “re­la­ti­va­men­te fá­cil” de su­pe­rar. “A mi­nha ex­pe­ri­ên­cia diz que, se ex­pli­car­mos às pes­so­as to­das as van­ta­gens ine­ren­tes a es­te pro­du­to, a com­pre­en­são ge­ra­rá a acei­ta­ção”, con­si­de­ra. “Te­mos fei­to mui­tas ex­pe­ri­ên­ci­as e não hou­ve uma úni­ca pes­soa que re­jei­tas­se. To­da a gen­te come, por­que tem boa apa­rên­cia e sa­bor. E acei­ta, afas­tan­do aque­la ideia ini­ci­al de no­jo por se tra­tar de um pro­du­to fei­to em la­bo­ra­tó­rio.” Con­tu­do, acres­cen­ta, es­ta ma­té­ria pen­sa­da “pa­ra quem gos­ta de car­ne e não pa­ra ve­ge­ta­ri­a­nos” ain­da não foi aper­fei­ço­a­da ao pon­to de ser per­ce­ci­o­na­da co­mo na­tu­ral.

Ga­nhos pa­ra o am­bi­en­te e saú­de

Post ale­ga que o con­su­mo de “uma car­ne lim­pa e li­vre de ris­cos” re­sol­ve­rá, a mé­dio pra­zo, al­guns dos mais gra­ves pro­ble­mas do Mun­do. “Em 2050 a Ter­ra não vai ter ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir car­ne pa­ra as ne­ces­si­da­des, que são ca­da vez mai­o­res. No­ven­ta e cin­co por cen­to das pes­so­as não são ve­ge­ta­ri­a­nas e o nú­me­ro de ve­ge­ta­ri­a­nos, ao con­trá­rio do que se pensa, es­tá a di­mi­nuir. É pre­ci­so al­te­rar com­por­ta­men­tos.” Re­du­zir a emis­são de ga­ses po­lu­en­tes, o con­su­mo de água e re­cur­sos ener­gé­ti­cos de mi­lhões de pro­du­ções ani­mais, as­sim co­mo com­ba­ter a cru­el­da­de ani­mal, são al­guns dos ga­nhos pro­pa­la­dos por Post. “Es­te ham­búr­guer de­mons­trou ao mun­do que é pos­sí­vel. Quan­do co­me­cei era o úni­co, mas re­cen­te­men­te, nu­ma con­fe­rên­cia em São Francisco, ve­ri­fi­quei que há pe­lo me­nos 25 in­te­res­sa­das em de­sen­vol­ver pro­du­ções, pe­lo mes­mo pro­ces­so, de ma­ris­co, pei­xe, e car­nes de por­co, fran­go e va­ca.” A car­ne in vitro, ga­ran­tiu, tem gran­de po­ten­ci­al, de­vi­do à ca­pa­ci­da­de de pro­li­fe­ra­ção ce­lu­lar. “A par­tir de um pe­que­no pe­da­ço de te­ci­do é pos­sí­vel pro­du­zir dez mil quilos de car­ne em 12 se­ma­nas. E, de­pois dis­so, a pro­du­ção du­pli­ca to­dos os di­as. A ca­da dia é pos­sí­vel pro­du­zir mais 20 mil quilos”, con­clui. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.