DAN­ÇAR TRAZ- -LHES MAIS ALE­GRIA À VI­DA

Nas es­co­las e aca­de­mi­as de dan­ça há ca­da vez mais gen­te em bus­ca de es­ca­pe da ten­são quo­ti­di­a­na. E en­tre a apren­di­za­gem dos mo­vi­men­tos da sal­sa ou Bollywo­od, até po­de nas­cer uma pai­xão.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti-los -

Foi tão sim­ples co­mo um pas­so de dan­ça. Há qua­tro anos, já di­vor­ci­a­do, Pe­dro Oli­vei­ra, o “Pe­ter”, viu na te­le­vi­são um fil­me em que os per­so­na­gens dan­ça­vam ao rit­mo da sal­sa. Ele, que já ti­nha na ca­be­ça a ideia de pro­cu­rar um hobby a bai­lar, en­con­trou ali a luz que pro­cu­ra­va. Mal pôs os pés na es­co­la ALC Dan­ce Stu­di­os, em Gaia, re­co­nhe­ceu que ti­nha acer­ta­do na es­co­lha. “Vi que era uma ale­gria in­crí­vel e uma for­ma não só de me dis­trair co­mo de co­nhe­cer e con­vi­ver com ou­tras pes­so­as.” Fez uma au­la ex­pe­ri­men­tal (de sal­sa, cla­ro) e nun­ca mais de lá saiu. Me­lhor, aca­bou por co­nhe­cer a atu­al mu­lher, com quem te­ve uma be­bé. “Não sei co­mo é que não há mais gen­te a dan­çar. No fi­nal deum­di ade tr aba lhoé­re la­xan­te. Às ve­zes ve­nho co­ma ca­be­ça cheia de pro­ble­mas mas de­pois vou pa­ra ca­sa mui­to mais le­ve.” A con­ver­sa ter­mi­na aqui. Pe­ter, de 53 anos, aca­bou a sua ho­ra de sal­sa e tem de ir acor­rer pa­ra ca­sa. Asor­rir.Éa vez de ele fi­car a to­mar con­ta da be­bé pa­ra que a mu­lher pos­sa fa­zer a au­la de­la. “Não ab­di­ca­mos da dan­ça.”

Quer na es­co­la de Gaia, quer na do Por­to, é es­te o es­pí­ri­to que João Paulo Duarte ten­ta in­cu­tir aos alu­nos da ALC Dan­ce, da qual é só­cio-ge­ren­te. Na ver­da­de, a ava­li­ar pe­lo en­tra e sai de alu­nos bem-dis­pos­tos, nem é pre­ci­so mui­to es­for­ço. “O que di­go a quem nos vi­si­ta pe­la pri­mei­ra vez é: se con­se­guir pen­sar nos pro­ble­mas en­quan­to es­ti­ver a fa­zer a au­la de dan­ça, não pa­ga. Aqui, ao con­trá­rio dos gi­ná­si­os, não há co­mo pen­sar na vi­da; é pre­ci­so es­tar aten­to aos pas­sos.” E a re­cei­ta pa­re­ce ter su­ces­so. Tan­to que, só em Gaia, a es­co­la já tem 800 alu­nos, que pa­gam men­sa­li­da­des en­tre 22 eu­ros (uma au­la por se­ma­na) e 65 eu­ros (“full pass” pa­ra vá­ri­as au­las den­tro do mes­mo ní­vel). “Não te­mos fi­de­li­za­ções. Não ven­de­mos au­las de dan­ça, mas sim fe­li­ci­da­de. Se o alu­no não es­ti­ver fe­liz não nos adi­an­ta ter aqui uma fi­cha de fi­de­li­za­ção, por­que ele não vai apa­re­cer.”

Es­te re­la­to pa­re­ce ser con­sen­su­al: há ca­da vez mais pes­so­as com von­ta­de de ter au­las de dan­ça. O fe­nó- me­no po­de es­tar a dar-se por di­ver­sos mo­ti­vos: os pro­gra­mas te­le­vi­si­vos de­di­ca­dos ao te­ma, o fac­to de vá­ri­as fi­gu­ras pú­bli­cas se mos­tra­rem in­te­res­sa­das na dan­ça, a pu­bli­ci­da­de e ou­tras for­mas de mar­ke­ting que se ser­vem da prá­ti­ca pa­ra di­vul­ga­rem pro­du­tos, e até o fac­to de a da­da al­tu­ra, prin­ci­pal­men­te a par­tir dos 40, as pes­so­as ve­rem na dan­ça uma for­ma mais atra­ti­va de fa­zer exer­cí­cio. Um le­ma que ser­ve pa­ra os mais ve­lhos, mas não só.

Es­ter Filipe tem 17 anos e há dois que é alu­na da Dan­ce4U, no Por­to. Co­me­çou por dan­çar Bollywo­od, uma das mo­da­li­da­des mais pro­cu­ra­das, mas en­tre­tan­to já pra­ti­cou ou­tros es­ti­los. No mo­men­to em que a en­con­trá­mos, a sua tur­ma de MTV es­tá a en­sai­ar a co­re­o­gra­fia pa­ra apre­sen­tar na aber­tu­ra do es­pe­tá­cu­lo de MC Ke­vi­nho, em Gon­do­mar, no dia 7 de ou­tu­bro.

“Co­me­cei pu­xa­da por uma ami­ga, mas só fi­quei por­que gos­tei mui­to. Pas­so cer­ca de qua­tro ho­ras e meia

por se­ma­na em au­las de dan­ça. Não vejo a mi­nha vi­da sem is­to. É um es­ca­pe. É dei­xar os pro­ble­mas lá fo­ra. É en­trar num mun­do no­vo. Evo­luo fi­si­ca­men­te mas tam­bém psi­co­lo­gi­ca­men­te”, ga­ran­te a alu­na. Bru­no Mou­ra­to, di­re­tor da Dan­ce4U, acre­di­ta que é o con­cei­to de pro­xi­mi­da­de que mais atrai os alu­nos, e que es­te “af­fai­re” com a dan­ça só tem ten­dên­cia pa­ra au­men­tar. “Te­mos ca­da vez mais bai­la­ri­nos a se­rem pre­mi­a­dos. Além dis­so, pa­ra os es­tran­gei­ros, Por­tu­gal tor­nou-se um mer­ca­do mui­to atra­ti­vo pa­ra eles cá vi­rem dar workshops”, as­se­gu­ra. Atu­al­men­te, a es­co­la tem 140 alu­nos dis­tri­buí­dos por 25 au­las se­ma­nais nos dois es­tú­di­os, o do Por­to e o de Ma­to­si­nhos. “Te­mos pes­so­as dos seis aos 60 anos. E há men­sa­li­da­des pa­ra to­dos os gos­tos, dos 25 aos 40 eu- ros. Há quem nos pro­cu­re por­que quer ter um hobby e há quem ve­ja na dan­ça uma ati­vi­da­de mais so­ci­al e divertida do que, por exem­plo, os gi­ná­si­os.” Es­sa é, de res­to, uma ques­tão que cau­sa al­gu­ma po­lé­mi­ca. “Ca­da um de­ve­ria fa­zer aqui­lo em que é bom. Nós aqui não da­mos au­las de fit­ness, da­mos dan­ça. Mas há ca­da vez mais gi­ná­si­os a in­ves­tir nas mo­da­li­da­des de dan­ça e eu sou con­tra.”

Ini­ci­al­men­te, na Aca­de­mia João Ca­pe­la, em Bar­ce­los, eram mais as mu­lhe­res que pro­cu­ra­vam ar­ras­tar os par­cei­ros pa­ra uns pe­zi­nhos de dan­ça. Nes­te mo­men­to, co­me­ça a no­tar-se uma in­ver­são da ten­dên­cia. “Ca­da vez mais a dan­ça é vis­ta de for­ma po­si­ti­va e sau­dá­vel”, apon­ta João Ca­pe­la, o res­pon­sá­vel. Nes­ta, tal co­mo na gran­de mai­o­ria das es­co­las de dan­ça, os ho­rá­ri­os das au­las são qua­se to­dos pós-la­bo­rais ou ao sá­ba­do. E es­te é ou­tro dos es­pa­ços que não se po­de quei­xar dos tem­pos que cor­rem. “Os nú­me­ros qua­se que tri­pli­ca­ram. Con­ta­mos ago­ra com cer­ca de 250 alu­nos nas vá­ri­as ver­ten­tes, ida­des e mo­da­li­da­des. Sem fa­lar das au­las que da­mos fo­ra do nos­so es­pa­ço, em as­so­ci­a­ções e jar­dins-de-in­fân­cia.” Um cres­ci­men­to que tam­bém de­cor­re de um mai­or in­ves­ti­men­to dos pró­pri­os es­pa­ços. “En­quan­to, há al­guns anos, as es­co­las de dan­ça eram prin­ci­pal­men­te cons­ti­tuí­das por pro­fes­so­res que de­ti­nham uma ou ou­tra tur­ma no sa­lão pa­ro­qui­al ou na jun­ta de fre­gue­sia, atu­al­men­te ca­da vez mais as es­co­las es­tão a tor­nar-se em­pre­sas e a me­lho­rar o la­do do ne­gó­cio.” Além dis­so, vêm apri­mo­ran­do o “mar­ke­ting e pro­mo­ção”, cri­an­do “no­vos ti­pos de au­las, es­co­las me­lhor or­ga­ni­za­das e es­pa­ços mais bo­ni­tos e fun­ci­o­nais. Ou se­ja, es­co­las com ofer­tas ca­da vez mais ape­la­ti­vas ao pú­bli­co em ge­ral”, ex­pli­ca João Ca­pe­la. O que pa­re­ce es­tar a fun­ci­o­nar. ●m

“An­do na dan­ça e tam­bém no gi­ná­sio. Mas se tivesse de op­tar, não dei­xa­va a dan­ça”

PE­DRO OLI­VEI­RA 53 anos

“O am­bi­en­te na es­co­la de dan­ça é aco­lhe­dor e os es­pe­tá­cu­los mo­ti­vam-nos mui­to por cau­sa da união do gru­po”

ES­TER FILIPE 17 anos

a As noi­tes são sem­pre de ma­gia na Aca­de­mia João Ca­pe­la, em Bar­ce­los. Se­jam au­las de mú­si­ca la­ti­na ou afri­ca­na Há sem­pre au­las a de­cor­rer em si­mul­tâ­neo na ALC Dan­ce Stu­di­os, em Gaia. A boa dis­po­si­ção é um de­no­mi­na­dor co­mum

ARTUR MACHADO / GLO­BAL IMA­GENS

q Na Dan­ce4U, no Por­to, trei­na-se pa­ra o es­pe­tá­cu­lo do fun­kei­ro bra­si­lei­ro MC Ke­vi­nho, a 7 de ou­tu­bro em Gon­do­mar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.