CEDE O DI­REI­TO À HONRA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Con-tra - LEVANTE-SE O RÉU POR Rui Car­do­so Mar­tins O AU­TOR ES­CRE­VE DE ACOR­DO COM A AN­TE­RI­OR ORTOGRAFIA.

Vi ad­vo­ga­dos ir­ri­ta­dos, vi ad­vo­ga­dos a fin­gir ir­ri­ta­ção, até vi um ad­vo­ga­do cri­ar um in­ci­den­te de re­cu­sa em que, com te­a­tral so­fri­men­to (e von­ta­de de adi­ar até à pres­cri­ção...), afir­mou ser im­pos­sí­vel con­ti­nu­ar com o juiz par­ci­al que ti­nha à fren­te. Nun­ca ti­nha ou­vi­do, no en­tan­to, um ad­vo­ga­do di­zer, e com boa edu­ca­ção:

—Pos­so fa­zer uma no­ta, dou­to­ra? Não há ra­zão ne­nhu­ma pa­ra fa­lar co­mi­go des­sa ma­nei­ra. Não há mo­ti­vo pa­ra fal­tar ao res­pei­to. Es­ta­mos to­dos su­jei­tos aos mes­mos de­ve­res de ur­ba­ni­da­de. Não es­tou ha­bi­tu­a­do a fa­lar as­sim. À noi­te, tal­vez num bar... com pes­so­as em­bri­a­ga­das.

Tal­vez es­te ca­so trou­xes­se o con­tá­gio dos equí­vo­cos, das in­ter­pre­ta­ções das pa­la­vras, do tom de voz, dos ner­vos es­tra­ga­dos. Na ori­gem da dis­cus­são en­tre a juí­za e o ad­vo­ga­do de de­fe­sa es­ta­va um di­le­ma en­tre pro­fes­so­res, alu­nos e pais. Uma pro­fes­so­ra de Por­tu­guês, com 35 anos de do­cên­cia, acu­sou de de­nún­cia ca­lu­ni­o­sa a mãe de um alu­no. A mãe, em e-mail às au­to­ri­da­des es­co­la­res, dis­se­ra que a do­cen­te tra­ta­va mal os alu­nos, não ti­nha au­to­ri­da­de, que era uma mu­lher ner­vo­sa por não con­se­guir en­gra­vi­dar. E que não per­ce­bia co­mo é que ela con­ti­nu­a­va pro­fes­so­ra “quan­do exis­tem tan­tas pes­so­as de­sem­pre­ga­das”. En­fim, um cal­do pe­ri­go­so de fac­tos e opi­niões. De­pois da de­nún­cia ines­pe­ra­da, a pro­fes­so­ra dei­xou de dor­mir, te­ve que­bra psí­qui­ca. E ago­ra es­ta­vam em tri­bu­nal a dis­cu­tir se ti­nha si­do di­to

—Ago­ra já não se po­de jo­gar à bo­li­nha...

Ou se te­ria cha­ma­do por­co a um ra­paz de 11 anos por es­te jo­gar à bo­la, to­do su­a­do, num dia de ca­lor. Se acu­sa­ra de rou­bo de li­vro uma alu­na e in­sul­ta­ra uma me­ni­na por usar ba­tom nos lá­bi­os. Dis­se a pro­fes­so­ra (a cer­ta al­tu­ra pa­re­cia ser ela a acu­sa­da):

—Não uti­li­zo ex­pres­sões des­sas... “man­dar bo­cas”, “co­nhe­ço-te bem”... “En­tão se não que­res que man­de bo­cas, vais pa­ra a rua”, são ex­pres­sões que eu não uti­li­zo. O miú­do não se ca­la­va, ges­ti­cu­la­va. A au­to­ri­da­de do pro­fes­sor era pos­ta em cau­sa. Eu já o ti­nha man­da- do à ca­sa de ba­nho, mas vol­tou e con­ti­nu­ou a pro­vo­car. “Es­tá-me a cha­mar por­co?” Nin­guém te es­tá a cha­mar por­co, es­tou só a di­zer que es­tá mui­to ca­lor.

—E “que não ti­nha na­da que es­tar a le­var com o chei­ro de­le”?

—Não usei na­da es­sa ex­pres­são.

A pro­fes­so­ra dis­se que as quei­xas co­me­ça­ram quan­do ela quis que com­pras­sem e les­sem li­vros. O pro­ble­ma co­me­ça­va em ca­sa.

—Eles não ti­nham há­bi­tos de tra­ba­lho. Te­nho no­ção de que sou exi­gen­te. Ten­tei im­pri­mir al­guns há­bi­tos de tra­ba­lho.

Pa­ra o ad­vo­ga­do da pro­fes­so­ra, “nun­ca es­te­ve em cau­sa o exer­cí­cio do di­rei­to da ar­gui­da de apre­sen­tar es­ses fac­tos à di­rec­ção-ge­ral, não é es­sa a ques­tão, lon­ge vão os tem­pos em que os pro­fes­so­res, os mé­di­cos, os ad­vo­ga­dos eram uma es­pé­cie de mons­tros sa­gra­dos em quem nin­guém po­dia to­car”. Mas há li­mi­tes: a mãe do alu­no, ale­gou o ad­vo­ga­do, deu “uma imagem da as­sis­ten­te co­mo de­se­qui­li­bra­da emo­ci­o­nal­men­te”, é di­to tex­tu­al­men­te que a pro­fes­so­ra “se sen­te no di­rei­to de des­car­re­gar nos seus alu­nos as su­as frus­tra­ções pes­so­ais”. Dan­do co­mo cer­tas as pa­la­vras não con­fir­ma­das das cri­an­ças, “ver­sões con­tra­di­tó­ri­as que plas­mou no seu e-mail sem nun­ca fa­lar com a pro­fes­so­ra nem nun­ca fa­lar com nin­guém”.

Mas, pa­ra a juí­za, a mãe es­cre­veu o e-mail “em boa-fé, re­pu­tan­do co­mo ver­da­dei­ras as acu­sa­ções das cri­an­ças”, e de­pois de fa­lar com os ou­tros pais. “Não fa­lou des­tes fac­tos pu­bli­ca­men­te, não os fez cir­cu­lar em re­des so­ci­ais ou na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, não as di­vul­gou se­quer na co­mu­ni­da­de edu­ca­ti­va da es­co­la do fi­lho.” “É cer­to que a ar­gui­da não con­fron­tou di­rec­ta­men­te a pro­fes­so­ra vi­sa­da. En­ten­de o tri­bu­nal que mal an­da­ria o Es­ta­do de Di­rei­to de­mo­crá­ti­co e o exer­cí­cio de quei­xa/in­for­ma­ção dos ci­da­dãos se, nes­te ca­so con­cre­to, en­ten­des­se que o di­rei­to de in­for­ma­ção da ar­gui­da im­pli­cas­se o con­fron­to di­rec­to.” “Es­ta­be­le­cen­do uma ana­lo­gia — sig­ni­fi­ca que não são si­tu­a­ções iguais, são se­me­lhan­tes — exi­gir-se que a ar­gui­da con­fron­tas­se a as­sis­ten­te [pro­fes­so­ra] com o te­or dos re­la­tos an­tes de for­mu­lar a sua quei­xa, se­ria o mes­mo que exi­gir a um pro­ge­ni­tor, a quem um fi­lho re­la­ta um epi­só­dio de agres­são por par­te de um adul­to que o tem à sua guar­da, que con­fron­tas­se o agres­sor com tal re­la­to an­tes de o fa­zer che­gar à au­to­ri­da­de com com­pe­tên­cia pa­ra a in­ves­ti­ga­ção.”

— Cede o di­rei­to à honra fa­ce ao di­rei­to a in­for­mar, ter­mi­nou a juí­za, e ab­sol­veu a mãe do alu­no.

JOÃO VASCO COR­REIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.