A MU­LHER DE PUL­SO FIR­ME

A fra­se é de Mi­guel Es­te­ves Car­do­so, e a pri­mei­ra mu­lher di­re­to­ra da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na do Por­to apro­pri­ou-se de­la quan­do re­ce­beu o Pré­mio D. Antónia Ade­lai­de Fer­rei­ra. Con­sul­to­ra na área de saú­de do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ado­ra co­zi­nhar e é por­tis­ta

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1375 - TEX­TO Sa­ra Di­as Oli­vei­ra PE­DRO GRANADEIRO / GLO­BAL IMA­GENS

A jor­na­lis­ta Sa­ra Di­as Oli­vei­ra en­con­trou-se com Ma­ria Amé­lia Fer­rei­ra na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to, a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge e on­de rom­peu com uma he­ge­mo­nia mas­cu­li­na de qua­se dois sé­cu­los.

Ma­ria Amé­lia, 63 anos, anda com de­sen­vol­tu­ra pe­los cor­re­do­res do ter­cei­ro pi­so da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to, on­de tem o ga­bi­ne­te. Pá­ra sem­pre pa­ra dois de­dos de con­ver­sa com quem se cru­za pe­lo ca­mi­nho em mais um dia de tra­ba­lho nu­ma ca­sa que co­nhe­ce há mais de 40 anos. On­de se tor­nou mé­di­ca, on­de é di­re­to­ra, a pri­mei­ra mu­lher na his­tó­ria da fa­cul­da­de. Um pri­vi­lé­gio, uma res­pon­sa­bi­li­da­de. “Em ter­mos de igual­da­de de gé­ne­ro não se­rá mui­to dis­tin­ti­vo. Ser a pri­mei­ra mu­lher em 190 anos é al­go que po­de­rá mar­car a di­fe­ren­ça na­qui­lo que as mu­lhe­res têm de fa­zer: sen­ta­rem-se à me­sa e as­su­mi­rem as res­pon­sa­bi­li­da­des e os de­sa­fi­os”, re­fe­re.

É mu­lher de pul­so fir­me. Per­se­ve­ran­te, crí­ti­ca sem ser rí­gi­da, fle­xí­vel nas de­ci­sões. Não li­da bem com fal­tas de trans­pa­rên- cia e de le­al­da­de, com a men­ti­ra e a ar­ro­gân­cia. “Te­nho uma de­ter­mi­na­ção for­tís­si­ma quan­do te­nho con­vic­ções.” For­mar mé­di­cos, trans­for­mar pes­so­as tem si­do o seu le­ma na ca­sa que tem 3 692 alu­nos, 206 pro­fes­so­res a tem­po in­tei­ro, 164 fun­ci­o­ná­ri­os não do­cen­tes.

O seu tra­je­to é den­so. Em 2017, re­ce­beu o Pré­mio Do­na Antónia Ade­lai­de Fer­rei­ra pe­lo per­cur­so con­so­li­da­do e me­re­ce­dor “de inequí­vo­co re­co­nhe­ci­men­to pú­bli­co.” Um or­gu­lho imen­so. “Sig­ni­fi­ca um re­co­nhe­ci­men­to de to­da es­ta ati­vi­da­de re­la­ci­o­na­da não só com uma ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal, li­mi­ta­da a uma área uni­ver­si­tá­ria, mas a to­da uma área so­ci­al que te­nho de­sen­vol­vi­do.” Na ho­ra do dis­cur­so, de­cal­cou uma fra­se de Mi­guel Es­te­ves Car­do­so: “As mu­lhe­res do Nor­te de­vi­am man­dar nes­te país.” Não por uma ques­tão de bair­ris­mo ou de re­gi­o­na­lis­mo. Mas por uma ques­tão de fi­bra. “As mu­lhe­res do Nor­te têm as­su­mi­do mui­to da­qui­lo que é o co­man­do das ins­ti­tui­ções fa­mi­li­a­res, o co­man­do do que são os va­lo­res ins­ti­tu­ci­o­nais da so­ci­e­da­de. Is­so tem

si­do mui­to mar­ca­do nas mu­lhe­res do Nor­te.” E no pré­mio da Fer­rei­ri­nha, des­sa mu­lher de pe­lo na ven­ta, que lu­tou con­tra o mo­no­pó­lio inglês dos vi­nhos do Por­to, pa­re­ceu-lhe apro­pri­a­do. Ma­ria Amé­lia é uma mu­lher do Nor­te, nas­ci­da em Vi­la No­va de Gaia. É por­tis­ta fer­re­nha, sem car­tão de só­cia, mas com ca­che­col ofe­re­ci­do por Pinto da Cos­ta. Sa­be os no­mes dos jo­ga­do­res, vê os jo­gos em ca­sa, não rói as unhas mas é in­ca­paz de ver pe­nál­tis. “O F. C. Por­to de­ve­ria ga­nhar sem­pre.”

É uma mu­lher que sa­be o que quer. “O que me dei­xa re­al­men­te fe­liz é acor­dar de ma­nhã, le­van­tar-me pa­ra fa­zer o que gos­to, pen­sar que ve­nho tra­ba­lhar pa­ra um lo­cal de que gos­to e que re­co­nhe­ço de qua­li­da­de na sua in­di­vi­du­a­li­da­de. E faz-me mui­to fe­liz sa­ber que te­nho uma fa­mí­lia fe­liz.” Gos­ta de ci­ne­ma, de li­te­ra­tu­ra, de es­tar em fa­mí­lia, de or­ga­ni­zar even­tos na fa­cul­da­de, da re­ce­ção aos es­tu­dan­tes, das ca­mi­nha­das às seis da ma­nhã jun­to ao mar, de con­tem­plar o rio Dou­ro. Ado­ra co­zi­nhar. “É um mo­men­to cul­tu­ral im­por­tan­te além de tu­do o res­to, um mo­men­to em que dá pa­ra ti­rar idei­as in­te­res­san­tes”, con­fes­sa. E é uma mu­lher de ar­mas que não ver­gou a uma do­en­ça on­co­ló­gi­ca. Viu-se do ou­tro la­do. Foi uma li­ção de vi­da, um se­gun­do em­pre­go, co­mo diz. “O es­tar do ou­tro la­do da his­tó­ria é mui­to im­por­tan­te.” Vi­ver e ter a co­ra­gem de ser fe­liz é uma fra­se de uma can­ção de Ma­ria Bethâ­nia que trans­mi­te o que lhe vai na al­ma. Co­mo um espelho.

Qual­quer man­cha no­ta-se na ba­ta bran­ca

Foi a pri­mei­ra pes­soa na fa­mí­lia a ir es­tu­dar pa­ra uma uni­ver­si­da­de. Qua­se não foi mé­di­ca. Foi por um triz. As au­las de Bi­o­lo­gia Ex­pe­ri­men­tal da pro­fes­so­ra Luí­sa Cor­te­são no 7.º a no­no li­ceu, em Vi­la No­va de Gaia, re­vo­lu­ci­o­na­vam- lhe o cé­re­bro. Mu­da­ram-lhe a for­ma de­ve re­pen­sar o mun­do. Co­me­çou aper­ce­be­ra im­por­tân­cia do pen­sa­men­to ci­en­tí­fi­co .“Luí­sa Cor­te­são abriu-nos pers­pe­ti­vas”, re­cor­da. Na­da foi co­mo dan­tes. Ma­ria Amé­lia, alu­na de ex­ce­lên­cia, mé­dia de 18 no li­ceu que lhe va­leu um pré­mio na­ci­o­nal, bar­ra a Ma­te­má­ti­ca, que­ria es­tu­dar En­ge­nha­ria Ae­ro­náu­ti­ca em Lis­boa. Que­ria tra­ba­lhar na NASA. Os al­tos vo­os es­fri­a­ram. Mãe do­més­ti­ca, pai ope­rá­rio fa­bril, o di­nhei­ro não che­ga­va pa­ra es­tu­dar na ca­pi­tal. Com um avô que tra­ba­lha­va no hos­pi­tal mi­li­tar, de­ci­diu ir pa­ra Me­di­ci­na no Por­to. Não era pro­pri­a­men­te uma vo­ca­ção, mas não ha­via al­ter­na­ti­va.

A re­la­ção não foi fá­cil no iní­cio. No primeiro ano do cur­so, qua­se de­sis­tiu. O inglês do li­ceu não lhe pa­re­cia su­fi­ci­en­te pa­ra di­ge­rir os li­vros de Me­di­ci­na. E, num dia de de­ses­pe­ro, ati­rou o li­vro de Ana­to­mia con­tra uma pa­re­de de ca­sa. Fi­cou di­vi­di­do em três par­tes, te­ve de o co­ser. Iro­nia do des­ti­no, aca­bou por ser pro­fes­so­ra ca­te­drá­ti­ca de Ana­to­mia. Es­te­ve sem­pre no gru­po dos me­lho­res alu­nos. Es­tu­da­va mui­to. “É um cur­so mui­to exi­gen­te, co­mo cla­ra­men­te tem de ser, que exi­ge um tra­ba­lho mui­to in­ten­so nos pri­mei­ros anos por­que os con­teú­dos são im­por­tan­tes, es­tru­tu­ram o pen­sa­men­to clí­ni­co.” Ves­tiu, pe­la pri­mei­ra vez, a ba­ta bran­ca na dis­ci­pli­na de Pro­pe­dêu­ti­ca Mé­di­ca no São João e sen­tiu o pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de. “Qual­quer man­cha que caia no­ta-se mui­to na ba­ta bran­ca.”

Ain­da não ti­nha aca­ba­do o cur­so e já ti­nha um con­vi­te pa­ra ensinar na uni­ver­si­da­de. Dou­to­rou-se em 1985, fez um es­tá­gio de qua­tro anos em Ames­ter­dão. É pro­ve­do­ra da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Mar­co de Ca­na­ve­ses des­de 2012. Ori­en­ta vá­ri­os pro­je­tos que não se res­trin­gem ao tra­ba­lho no lar de ido­sos da Mi­se­ri­cór­dia. O ser­vi­ço mó­vel de saú­de SMS + Mais Cui­da­do­res tra­ta da co­mi­da, hi­gi­e­ne e não só. Tem uma equi­pa mul­ti­dis­ci­pli­nar com en­fer­mei­ra, psi­có­lo­ga, far­ma­cêu­ti­ca, te­ra­peu­ta ocu­pa­ci­o­nal, mé­di­co, fi­si­o­te­ra­peu­ta pa­ra qual­quer ne­ces­si­da­de, e dá for­ma­ção aos cui­da­do­res nas mo­bi­li­za­ções e na ali­men­ta­ção. Um pro­je­to que re­ce­beu uma men­ção hon­ro­sa no Pré­mio Ma­ria José No­guei­ra Pinto. A Mi­se­ri­cór­dia tra­ba­lha em vá­ri­as fren­tes. Faz ras­trei­os car­di­o­ló­gi­cos aos ido­sos, pro­mo­ve pro­je­tos de li­te­ra­cia em saú­de. “Nes­tas ins­ti­tui­ções de eco­no­mia so­ci­al, co­mo as Mi­se­ri­cór­di­as, nos cui­da­dos con­ti­nu­a­dos, nos in­ter­na­men­tos, nos pa­li­a­ti­vos, po­de­mos ensinar áre­as emer­gen­tes que de ou­tra ma­nei­ra não se­ria pos­sí­vel.” De­sa­fi­os que só são pos­sí­veis, re­al­ça, com equi­pas mo­ti­va­das. Em ju­lho, re­ce­beu o Pré­mio Nu­no Cor­rea Ver­da­des Fa­ria, da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, pe­las ati­vi­da­des de res- pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al pro­mo­vi­das jun­to das po­pu­la­ções ido­sas que vi­vem em am­bi­en­te ru­ral.

Uni­ver­si­da­de, eco­no­mia so­ci­al, fa­mí­lia

Du­ran­te qua­se dez anos, foi di­re­to­ra do ga­bi­ne­te de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na­da Uni­ver­si­da­de do Por­to. Mais pro­je­tos pa­ra quem não con se­gue es­tar pa­ra­da, nal inha da fren­te em pro­gra­mas de co­o­pe­ra­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to so­bre­tu­do com os PALOP. A hu­ma­ni­za­ção da Me­di­ci­naéu­mam is são que se lhe en­tra­nhou na pe­le. “Mui­to mais do que o tra­tar dos do­en­tes, é ocui­dar .” En­vol­veu-se­no pro­gra­ma “A Na­me for He­alth ”, fi­nan­ci­a­do pe­la Co­mis­são Eu­ro­peia. Três anos em An­go­la e Moçambique pa­ra cri­ar cen­tros de in­for­ma­ção mé­di­ca, ga­bi­ne­tes de apoio aos es­tu­dan­tes, ins­ta­lar um la­bo­ra­tó­rio de si­mu­la­ção bi­o­mé­di­ca em Ca­bin­da, tor­nar pos­sí­vel o en­si­no à dis­tân­cia de ana­to­mia pa­to­ló­gi­ca nu­ma uni­ver­si­da­de de Ma­pu­to. “Ga­nhar mun­do é ab­so­lu­ta­men­te re­le­van­te pa­ra to­dos. A quan­ti­da­de de con­teú­dos não fal­ta, fal­ta é sa­ber ge­rir as coi­sas. A mo­bi­li­da­de cria mun­do, cria opor­tu­ni­da­des, e as ins­ti­tui­ções ga­nham mui­to com is­so.” Em 2011, es­tes pro­gra­mas va­le­ram-lhe o Pré­mio Edu­ca­ção da Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an.

É con­sul­to­ra pa­ra a área da saú­de de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. So­bre os con­se­lhos nem uma pa­la­vra, es­sas con­ver­sas são se­gre­do de Es­ta­do. “O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é a pes­soa que o país pre­ci­sa­va pa­ra unir os por­tu­gue­ses e tem-no con­se­gui­do pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas ím­pa­res de per­so­na­li­da­de que tem man­ti­do”, co­men­ta. A saú­de é o seu ter­ri­tó­rio. Em seu en­ten­der, o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de (SNS) atra­ves­sa di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras e de re­or­ga­ni­za­ção de re­cur­sos hu­ma­nos. Há mes­tres em Me­di­ci­na que não têm aces­so à es­pe­ci­a­li­da­de por­que o nú­me­ro de va­gas é in­fe­ri­or ao nú­me­ro dos que sa­em das fa­cul­da­des. Os in­di­fe­ren­ci­a­dos já são mais de meio mi­lhar e há mi­gra­ção de mé­di­cos pa­ra o pri­va­do. “Ha­ve­rá uma al­tu­ra de fa­lha de mé­di­cos es­pe­ci­a­lis­tas”, aler­ta. “Com a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca, com as ne­ces­si­da­des téc­ni­cas que são ne­ces­sá­ri­as à área da saú­de, é mui­to di­fí­cil uma ges­tão co­mo a do Mi­nis­té­rio da Saú­de. O SNS, se com­pa­rar­mos com ou­tros paí­ses, tem uma boa es­tru­tu­ra que não de­vía­mos per­der. De­vía­mos de­fen­dê-lo do me­lhor mo­do pos­sí­vel”, acres­cen­ta.

Mo­ve-se nu­ma tría­de que con­si­de­ra per­fei­ta, es­sen­ci­al pa­ra a sua vi­da co­mo o ar que res­pi­ra. Uni­ver­si­da­de-tra­ba­lho, so­li­da­ri­e­da­de-eco­no­mia so­ci­al, ca­sa-fa­mí­lia. É mãe de um mé­di­co of­tal­mo­lo­gis­ta que gos­ta de to­car sa­xo­fo­ne. E o que mu­da­ria no mun­do? “A ga­nân­cia do po­der pe­lo po­der. De­te­ri­o­ra so­ci­e­da­des e tor­na afli­ti­vas as vi­das das pes­so­as. Há mui­tos atos de vi­o­lên­cia de paí­ses com ex­ces­so de tu­do.” ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.