Sim, is­to é um oá­sis das es­tre­las

Ma­don­na achou que uma no­ta de 50 eu­ros não che­ga­va pa­ra pa­gar um co­po de Mos­ca­tel de Se­tú­bal. Mo­ni­ca Bel­luc­ci ace­na sem­pre que lhe sor­ri­em na rua. Eric Can­to­na não dis­pen­sa o crois­sant fran­cês e, de­pois de to­mar o pe­que­no-al­mo­ço, nun­ca vai em­bo­ra sem en­tr

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário#1375 - TEX­TO Ana Tu­lha FO­TOS João Sil­va/Glo­bal Ima­gens

Uns são mais re­ca­ta­dos, ou­tros mais sim­pá­ti­cos. Nes­te país tran­qui­lo q.b., ve­de­tas mun­di­ais da mú­si­ca, mo­da e des­por­to ain­da ob­têm al­go pa­re­ci­do com uma vi­da nor­mal. As pro­vas fo­ram en­con­tra­das pe­la jor­na­lis­ta Ana Tu­lha e pe­lo fo­to­jor­na­lis­ta João Sil­va, cal­cor­re­an­do ru­as de Lis­boa e con­fe­rin­do sel­fi­es tu­rís­ti­cas.

Cláu­dia es­tá mais do que ha­bi­tu­a­da ao en­tra-e-sai da es­pla­na­da, uma dú­zia de me­sas pa­ca­tas, es­tra­te­gi­ca­men­te co­lo­ca­das a meio da es­ca­da­ria do Cha­fa­riz das Ja­ne­las Ver­des, em Lis­boa, com vis­ta pa­ra um sim­pá­ti­co lar­go, es­prai­a­do na co­li­na. Es­tá tão ha­bi­tu­a­da que, há uns me­ses, quan­do por lá viu uma fi­gu­ra meia ex­tra­va­gan­te, ca­be­lo loi­ro vis­to­so e ócu­los de sol a ta­par par­te do ros­to, nem li­gou. “Primeiro nem re­pa­rei que era ela. Só quan­do a fui aten­der e pu­xou os ócu­los pa­ra ci­ma é que per­ce­bi que era a Ma­don­na”, con­ta-nos a fun­ci­o­ná­ria, a meio da azá­fa­ma dos di­as de um es­pa­ço que é tan­to res­tau­ran­te co­mo padaria. Lem­bra-se bem. Não é to­dos os di­as que se aten­de uma das mai­o­res ar­tis­tas à es­ca­la mun­di­al. Mas, pa­ra quem ali vi­ve ou tra­ba­lha, qua­se pa­re­des mei­as com o Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­te An­ti­ga, a pre­sen­ça da di­va da pop já não é no­vi­da­de. Des­de ja­nei­ro, to­dos sa­bem que a can­to­ra, ago­ra com 60 anos, anda por ali. Ela e os fi­lhos (Da­vid Ban­da, Mercy Ja­mes, Esther e Stel­la, qua­tro dos seis fi­lhos da ame­ri­ca­na).

Até por­que Ma­don­na não fez a coi­sa por me­nos: ren­di­da aos en­can­tos de um país com uma “ener­gia ins­pi­ra­do­ra”, co­mo já dis­se pu­bli­ca­men­te, ins­cre­veu os fi­lhos na es­co­la (o Li­ceu Fran­cês, diz-se), pôs um de­les (Da­vid Ban­da) a jo­gar nos sub-12 do Ben­fi­ca e, co­mo tu­ris­ta que se pre­ze, até an­dou a co­nhe­cer a ci­da­de e a ex­pe­ri­men­tar pro­du­tos com ADN por­tu­guês. “Pe­diu um Mos­ca­tel de Se­tú­bal”, re­la­ta Cláu­dia. “Mas não gos­tou mui­to.” A pro­va é que não aca­bou o co­po. De res­to, tam­bém não fi­cou gran­de tem­po. Mal deu pa­ra fa­lar, por­tan­to. Mas, an­tes de ver a di­va da pop se­guir vi­a­gem, Cláu­dia ain­da guar­dou um epi­só­dio cu­ri­o­so pa­ra con­tar. “Quan­do foi pa­ra pa­gar, es­ta­va com uma no­ta de 50 eu­ros na mão. Acha­va que não che­ga­va”, par­ti­lha, meio a rir, meio atra­pa­lha­da com o cor­ru­pio da ho­ra de al­mo­ço. “Não é mui­to sim­pá­ti­ca”, sen­ten­cia, a tor­cer o na­riz.

O ve­re­di­to não é con­sen­su­al. Ali per­to, nu­ma lo­ja de rou­pa que a su­per es­tre­la cos­tu­ma fre­quen­tar, há quem ju­re que é sim­pá­ti­ca. “Cum­pri­men­ta quan­do

aqui che­ga. E as cri­an­ças an­dam sem­pre di­ver­ti­das, a dan­çar. É gen­te bem-dis­pos­ta”, ga­ran­te uma fun­ci­o­ná­ria, que pre­fe­re não ser iden­ti­fi­ca­da. O pe­di­do é re­pe­ti­do por ou­tras pes­so­as que tra­ba­lham ali à vol­ta. Na rua, to­dos se mos­tram pou­co à-von­ta­de pa­ra fa­lar aber­ta­men­te. A cus­to, lá vão con­tan­do qual­quer coi­sa. “Qua­se só a vejo a pas­sar da por­ta pa­ra o car­ro, ou da por­ta pa­ra o gi­ná­sio [do ho­tel]. Só sei que é ela pe­lo cha­péu. Anda sem­pre com a ca­de­la [uma gipsy] e, on­de vai, le­va o staff com ela”, diz um vi­zi­nho de Ma­don­na, que tam­bém pre­fe­re con­ti­nu­ar anó­ni­mo. Na ho­ra de es­co­lher ca­sa, a can­to­ra op­tou pe­lo nú­me­ro 92 da Rua das Ja­ne­las Ver­des. O Pa­lá­cio do Ra­ma­lhe­te, co­mo to­dos lhe cha­mam. Cons­truí­do ain­da no sé­cu­lo XVII, com o al­to pa­tro­cí­nio de uma fa­mí­lia abas­ta­da, o edi­fí­cio, que os pro­pri­e­tá­ri­os ga­ran­tem ter ser­vi­do de ins­pi­ra­ção a Eça de Qu­ei­rós em “Os Mai­as”, che­gou à mo­der­ni­da­de co­mo uni­da­de de alo-

ja­men­to lo­cal, com 16 quar­tos e lu­xos que vão des­de uma pis­ci­na com água aque­ci­da a um gi­ná­sio pró­prio. An­tes, foi uma uni­da­de ho­te­lei­ra por on­de, ao lon­go de dé­ca­das, pas­sa­ram fi­gu­ras de re­le­vo co­mo os Du­ques de Wind­sor ou o Rei Ma­nu­el II. Ago­ra, o Pa­lá­cio do Ra­ma­lhe­te vol­ta a ser re­fú­gio de uma per­so­na­li­da­de de vul­to, sem per­ga­mi­nhos de re­a­le­za, mas com fa­ma pla­ne­tá­ria. Ain­da as­sim, con­gra­tu­la-se quem por ali vi­ve, a pre­sen­ça de Ma­don­na na vi­zi­nhan­ça não trou­xe tan­tas mu­dan­ças co­mo se po­de­ria pen­sar. “A úni­ca di­fe­ren­ça que no­to é que ago­ra há mais gen­te aqui a pas­sar pa­ra ti­rar fo­to­gra­fi­as. Os ja­po­ne­ses ti­ram sel­fi­es, os tuk-tuks já pa­ram aqui. Mas só is­so. E pe­lo me­nos não trou­xe um au­men­to dos pre­ços, co­mo se che­gou a fa­lar”, dá gra­ças Gas­par, ca­be­lo gri­sa­lho e dois cães pre­sos pe­las tre­las.

Nas Ja­ne­las Ver­des, to­dos se ha­bi­tu­a­ram a con­vi­ver com a pro­xi­mi­da­de da au­to­ra de “Li­ke a Vir­gin” sem in­tro­mis­sões nem his­te­ri­as. Ela agra­de­ce. “Em Lis­boa, ge­ral­men­te, as pes­so­as dei­xam-me em paz”, elo­gi­ou a ame­ri­ca­na, nu­ma en­tre­vis­ta à ver­são ita­li­a­na da re­vis­ta “Vo­gue”.

A pri­va­ci­da­de que Ma­don­na apre­goa é pre­ci­sa­men­te um dos cha­ma­ri­zes de um país fei­to oá­sis dos fa­mo­sos. “O fac­to de sen­ti­rem que ain­da há pri­va­ci­da­de, que po­dem ter aqui uma vi­da nor­mal, im­pos­sí­vel nou­tros paí­ses, tam­bém pe­sa na de­ci­são de vir pa­ra Por­tu­gal”, fri­sa o pre­si­den­te do Tu­ris­mo de Por­tu­gal. Luís Araú­jo elen­ca ain­da ou­tros atra­ti­vos: “Há uma ques­tão im­por­tan­te, que traz tan­to as ce­le­bri­da­des co­mo in­ves­ti­do­res, e mes­mo gen­te pa­ra es­tu­dar, que é o fac­to de as pes­so­as sen­ti­rem que Por­tu­gal é um país es­tá­vel, do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, ju­rí­di­co e mes­mo em ter­mos de segurança fí­si­ca. É um país tran­qui­lo. E o re­for­ço da co­ne­ti­vi­da­de tam­bém pe­sa. As pes-

so­as sen­tem que, mes­mo es­tan­do nes­te pe­que­no paraíso, es­tão li­ga­das ao mun­do.”

Bel­luc­ci não ne­ga uma fo­to

Mas há mais. O cli­ma, a gas­tro­no­mia, a ar­te de bem re­ce­ber. Mo­ni­ca Bel­luc­ci que o di­ga. “Ado­ro a ci­da­de. As pes­so­as são mui­to aco­lhe­do­ras, a co­mi­da é óti­ma. Es­tão de pa­ra­béns por es­ta be­la ci­da­de, por um céu tão bo­ni­to, uma luz ma­ra­vi­lho­sa e um país tão en­can­ta­dor”, re­al­çou, em tem­pos, a atriz ita­li­a­na, de 53 anos, es­tre­la de fil­mes co­mo “Malè­na”, “Ir­re­ver­sí­vel” e “007 Spec­tre”. Em 2016, de­pois de umas quan­tas vi­si­tas a Por­tu­gal que, já con­tou, a fa­zi­am sem­pre pen­sar o mes­mo (“um dia hei de ter uma ca­sa cá”), pas­sou das pro­mes­sas aos atos. Com­prou ca­sa per­to do Cas­te­lo de São Jorge, no nú­me­ro 3 do Lar­go Con­ta­dor-Mor, fez obras de fun­do e co­me­çou a ser pre­sen­ça fre­quen­te nas re­don­de­zas. “Che­gou a vir cá. É sim­pá­ti­ca e aces­sí­vel”, re­ve­la um fun­ci­o­ná­rio que há qua­se 30 anos tra­ba­lha num res­tau­ran­te na zo­na do Cas­te­lo. Sim­pa­tia es­sa que, ga­ran­te Má­rio, faz ques­tão de es­ten­der a to­dos os que pas­sam nas re­don­de­zas: “Quan­do pas­sa por aqui cum­pri­men­ta to­da a gen­te, ace­na a to­da a gen­te.”

Po­rém, o res­tau­ran­te que Bel­luc­ci mais fre­quen­ta ali na zo­na é à por­ta de ca­sa, sem sur­pre­sa... um ita­li­a­no. “Já veio cá umas quan­tas ve­zes. Co­mer co­mi­da ita­li­a­na, cla­ro. Piz­za, mas­sa. Nu­ma das úl­ti­mas ve­zes, veio com um gru­po gran­de, umas 20 pes­so­as”, vai di­zen­do um fun­ci­o­ná­rio do es­pa­ço. Abour, na­tu­ral do Ban­gla­desh, con­fir­ma que a atriz es­pa­lha sor­ri­sos por on­de pas­sa. “É mui­to sim­pá­ti­ca. Já to­dos aqui no res­tau­ran­te ti­rá­mos fo­tos com ela”, or­gu­lha-se. Mo­ni­ca já não apa­re­ce há al­gum tem­po. Cor­rem bo­a­tos de que es­ta­rá de saí­da. “Ou­vi di­zer que quer ven­der”, acres­cen­ta Abour. Mais abai­xo, Rosa Mas­ca­te até ou­viu mais. “Que já vi­e­ram bus­car tu­do.” Tem 78 anos e, da pe­que­na ja­ne­la da ca­sa em que nas­ceu, go­za de vis­ta di­re­ta pa­ra o pré­dio da vi­zi­nha Bel­luc­ci. Pa­re­ce pou­co im­por­ta­da. “Dis­se­ram que era uma atriz co­nhe­ci­da que vi­nha pa­ra aí, pa­ra aque­le pré­dio de dois an­da­res, mas eu nem sei quem é.”

E por fa­lar em vi­zi­nhan­ça, ali bem per­to há ou­tro fa­mo­so que se ren­deu aos en­can­tos de Por­tu­gal: Ch­ris­ti­an Lou­bou­tin, o de­sig­ner fran­cês que cri­ou os co­nhe­ci­dos sa­pa­tos de so­la ver­me­lha e, cu­ri­o­sa­men­te, ami­go de lon­ga da­ta de Mo­ni­ca Bel­luc­ci. Mas se a atriz ita­li­a­na pas­seia fre­quen­te­men­te pe­las ime­di­a­ções do Cas­te­lo, o fran­cês, de 54 anos, pre­fe­re o re­ca­to do lar. Do nú­me­ro 12 do Lar­go dos Lói­os, mais pre­ci­sa­men­te. “Tem um ca­sal de ca­sei­ros que vi­ve cá o ano in­tei­ro, no ane­xo que tem por trás da ca­sa, e que

faz tu­do por ele. Por is­so não cos­tu­ma sair”, con­fi­den­cia-nos uma fun­ci­o­ná­ria da pas­te­la­ria ao la­do, que não quer di­zer o no­me. “Nun­ca os vi [nem Lou­bou­tin nem Bel­luc­ci], mas às ve­zes vejo pas­sar car­ros com vi­dros es­cu­ros e per­ce­bo lo­go que é gen­te co­nhe­ci­da”, acres­cen­ta a em­pre­ga­da de uma lo­ja de con­ser­vas, ali ao la­do, que não se sur­pre­en­de por o Cas­te­lo ser um lo­cal de elei­ção pa­ra gen­te en­di­nhei­ra­da. “Há ca­da vez mais bra­si­lei­ros a pas­sar aqui, a per­gun­tar se sa­be­mos de ca­sas pa­ra com­prar. To­da a gen­te quer vir pa­ra cá. É um bair­ro sos­se­ga­do.”

Vol­tan­do aos cha­ma­ri­zes, é pre­ci­so não es­que­cer as van­ta­gens fis­cais: os re­si­den­tes não ha­bi­tu­ais be­ne­fi­ci­am da ine­xis­tên­cia de du­pla tri­bu­ta­ção da pen­são e de uma ta­xa fi­xa de 20% de IRS du­ran­te dez anos. De­pois, há as par­ti­cu­la­ri­da­des de um mer­ca­do par­ti­cu­lar­men­te ape­te­cí­vel. “Por­tu­gal tem apre­sen­ta­do uma va­lo­ri­za­ção con­tí­nua do se­tor imo­bi­liá­rio, a mé­dio e lon­go pra­zo. O in­ves­ti­men­to em imó­veis con­ti­nua a ser mui­to atra­ti­vo e per­ce­ci­o­na­do co­mo mais se­gu­ro fa­ce aos pro­du­tos fi­nan­cei­ros”, ex­pli­ca Ri­car­do Cos­ta, CEO da Lu­xi­mos Ch­ris­tie’s In­ter­na­ti­o­nal Re­al Es­ta­te, fri­san­do ain­da que, “nos úl­ti­mos anos, vá­ri­os ran­kings in­ter­na­ci­o­nais têm co­lo­ca­do Por­tu­gal co­mo um dos me­lho­res des­ti­nos pa­ra in­ves­tir em imó­veis, por ser ca­da vez mais se­gu­ro e ren­tá­vel”. “Es­tes fac­tos co­lo­cam o pú­bli­co com ca­pa­ci­da­de pa­ra in­ves­tir de olhos pos­tos no mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês.” En­tre os fa­to­res va­lo­ri­za­dos por quem com­pra, con­ti­nua Ri­car­do Cos­ta, es­tão a qua­li­da­des dos imó­veis, o de­ta­lhe e o bom gos­to ar­qui­te­tó­ni­co, mas tam­bém a lo­ca­li­za­ção. “A pro­xi­mi­da­de da praia ou de es­pa­ços ver­des, de co­mér­cio e de ser­vi­ços, bem co­mo a aces­si­bi­li­da­de” são fa­to­res a ter em con­ta: “No ca­so dos es­tran­gei­ros, a pro­xi­mi­da­de ao ae­ro­por­to e a es­ta­ções de me­tro cos­tu­ma ser um as­pe­to re­le­van­te.”

E ain­da há ou­tro fa­tor, so­bre­tu­do ten­do em con­ta que fa­la­mos de com­pra­do­res me­diá­ti­cos, dis­pos­tos a gran­des in­ves­ti­men­tos (no Al­gar­ve, uma mo­ra­dia po­de che­gar aos 12 mi­lhões de eu­ros): a con­fi­den­ci­a­li­da­de. “É es­sen­ci­al e é uma das ver­ten­tes que nos ca­rac­te­ri­za. Te­mos acor­dos de con­fi­den­ci­a­li­da­de, com as par­tes en­vol­vi­das no ne­gó­cio e tam­bém com os tra­ba­lha­do­res da em­pre­sa pa­ra ga­ran­tir a re­ser­va da in­for­ma­ção”, su­bli­nha Ri­car­do Cos­ta. Por is­so, adi­an­ta ape­nas que a Lu­xi­mos Ch­ris­tie’s In­ter­na­ti­o­nal Re­al Es­ta­te já te­ve “di­ver­sos cli­en­tes es­tran­gei­ros co­nhe­ci­dos, de­sig­na­da­men­te ar­tis­tas e jo­ga­do­res da prin­ci­pal li­ga de fu­te­bol”.

Um Can­to­na bem di­fe­ren­te

Os an­sei­os pe­la pri­va­ci­da­de e dis­cri­ção per­ce­bem-se quan­do ten­ta­mos en­con­trar as re­si­dên­ci­as de al­guns dos fa­mo­sos que com­pra­ram ca­sa em Por­tu­gal. A mo­ra­da exa­ta do ex-fu­te­bo­lis­ta Eric Can­to­na, por exem­plo, con­ti­nua no se­gre­do dos deu­ses. Sa­be-se ape­nas que o fran­cês se ren­deu aos en­can­tos de Lis­boa há al­gum tem­po, que é vis­to mui­tas ve­zes a pas­se­ar en­tre o Ra­to e o Prín­ci­pe Re­al e que fre­quen­te­men­te es­co­lhe o qui­os­que do Jar­dim das Amo­rei­ras pa­ra to­mar o pe­que­no-al­mo­ço. “Cos­tu­ma pe­dir um crois­sant fran­cês, um su­mo de la­ran­ja e um ca­fé”, es­pe­ci­fi­ca Jú­ni­or, fun­ci­o­ná­rio ha­bi­tu­a­do a aten­der o an­ti­go jo­ga­dor do Man­ches­ter Uni­ted.

Jú­ni­or lem­bra-se bem dos tem­pos do Can­to­na jo­ga­dor da bo­la: im­po­si­ti­vo, tru­cu­len­to, por ve­zes iras­cí­vel. Pois o Can­to­na ci­da­dão na­da tem a ver com es­sa imagem que lhe fi­cou da vi­da fu­te­bo­lís­ti­ca. “É uma pes­soa mui­to dis­cre­ta, mui­to edu­ca­da. É mui­to di­fe­ren­te da his­tó­ria de­le.” Jú­ni­or ri-se. De­pois, lem­bra- -se de um por­me­nor de­li­ci­o­so: “Até faz ques­tão de en­tre­gar o ta­bu­lei­ro no bal­cão, sem­pre que aca­ba.” Sem­pre com rou­pa ca­su­al, um ar des­por­ti­vo, tran­qui­lo, ócu­los de sol – o “tí­pi­co fran­cês de clas­se mé­dia/al­ta”, por­me­no­ri­za Jú­ni­or –, Can­to­na até ace­de, com frequên­cia, a dar du­as de le­tra. “Gos­ta imen­so de Por­tu­gal. Da ali­men­ta­ção, do cli­ma, de não ser abor­da­do co­mo é em Fran­ça.” Tu­do ra­zões que fo­men­tam o es­ta­do de ena­mo­ra­men­to. “Lis­boa foi uma ver­da­dei­ra des­co­ber­ta. Con­ti­nua a ser. É uma ci­da­de ins­pi­ra­do­ra e com uma ener­gia mui­to for­te. Es­tou ver­da­dei­ra­men­te apai­xo­na­do”, con­fes­sou o an­ti­go as­tro do fu­te­bol, en­tre­vis­ta-

do pe­la “Vi­são”, em 2016. Um ano de­pois, em 2017, Can­to­na deu no­va pro­va de amor por Por­tu­gal, ao pas­sar de sim­ples mo­ra­dor a in­ves­ti­dor: jun­ta­men­te com Alex Fer­gu­son, an­ti­go trei­na­dor do Man­ches­ter Uni ted, com­prou um pré­dio de lu­xo( que fun­ci­o­na co­mo uni­da­de ho­te­lei­ra) na Co­li­na de Sant’Ana.

No en­tan­to, Can­to­na es­tá lon­ge de ser a úni­ca ce­le­bri­da­de à es­ca­la in­ter­na­ci­o­nal a vir pa­ra Por­tu­gal na dis­po­si­ção de abrir os cor­dões à bol­sa. Mui­to me­nos a pri­mei­ra. O ator John Mal­ko­vi­ch fê-lo há mais de 15 anos, quan­do com­prou uma ca­sa em Por­tu­gal e in­ves­tiu no res­tau­ran­te Bi­ca do Sa­pa­to e na dis­co­te­ca Lux, am­bos pró­xi­mos da es­ta­ção de com­boi­os de San­ta Apo­ló­nia. “Ado­ro Lis­boa. O sol, a cul­tu­ra, as pes­so­as, tu­do. É uma ci­da­de mui­to cal­ma pa­ra pas­se­ar, tra­ba­lhar, mas tam­bém pa­ra me di­ver­tir”, as­su­miu Mal­ko­vi­ch, que até já re­ce­beu a Me­da­lha Mu­ni­ci­pal Grau Ou­ro da Câ­ma­ra de Lis­boa.

Ou­tra das ha­bi­tan­tes fa­mo­sas (e me­nos re­cen­tes) de Lis­boa é a can­to­ra bra­si­lei­ra Mal­lu Ma­ga­lhães, que se mu­dou pa­ra a ca­pi­tal há cin­co anos. Tem­po mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra se de­cla­rar. “Eu ado­ro Lis­boa. Até já con­si­go an­dar por aí sem o Go­o­gle Maps! Con­si­go des­can­sar, é mui­to cal­mo. Aliás, é a me­di­da per­fei­ta. Ado­ro pas­se­ar no Ra­to, no Prín­ci­pe Re­al, gos­to da­que­la con­fu­são, e tam­bém fui des­co­brin­do ou­tros bair­ros, os An­jos, por exem­plo”, dis­se, no ano pas­sa­do, nu­ma en­tre­vis­ta ao “Ob­ser­va­dor”.

Mas há ou­tros ca­sos, uma in­fi­ni­tu­de de­les. De ar­tis­tas fran­ce­ses, co­mo o de­sig­ner Phi­lip­pe Starck, o re­a­li­za­dor Jo­el San­to­ni e o mú­si­co Flo­rent Pagny, aos ato­res bra­si­lei­ros co­mo Agui­nal­do Sil­va, Lu­a­na Pi­o­va­ni e Gi­o­va­na An­to­nel­li. Em Hollywo­od, tam­bém já há quem te­nha ce­di­do aos en­can­tos por­tu­gue­ses: se a no­tí­cia de que Scar­lett Johans­son se pre­pa­ra­va pa­ra com­prar ca­sa em Lis­boa nun­ca foi con­fir­ma­da, pa­re­ce cer­to que Mi­cha­el Fas­s­ben­der e Ali­cia Vi­kan­der se pre­pa­ram pa­ra pas­sar umas tem­po­ra­das em Por­tu­gal, de­pois do in­ves­ti­men­to que fi­ze­ram nu­ma ca­sa de lu­xo no Pa­lá­cio de San­ta He­le­na, em Al­fa­ma.

De Vi­a­na ao Al­gar­ve

Lis­boa as­su­me-se, por is­so, co­mo des­ti­no pre­fe­ren­ci­al da eli­te in­ter­na­ci­o­nal. Mas a ca­pi­tal não é des­ti­no úni­co. Ch­ris­ti­an Lou­bou­tin, por exem­plo, tem uma se­gun­da ca­sa em Me­li­des, no Alen­te­jo. Phi­lip­pe

Starck, de­sig­ner fran­cês, tem um imó­vel na Com­por­ta. A can­to­ra Bon­nie Ty­ler há mui­to en­con­tra re­fú­gio no Al­gar­ve. O re­a­li­za­dor Aki Kau­ris­ma­ki vi­ve há per­to de 30 anos em Vi­a­na do Cas­te­lo. E de há uns anos pa­ra cá tam­bém o Dou­ro en­trou na ro­ta dos des­ti­nos tu­rís­ti­cos mais pro­cu­ra­dos pe­los fa­mo­sos. “É uma ten­dên­cia que abran­ge to­do o ter­ri­tó­rio. Is­so de­mons­tra ou­tra coi­sa: que Por­tu­gal tem ofer­tas pa­ra qual­quer ti­po de ne­ces­si­da­de. Tan­to pa­ra as pes­so­as que que­rem vi­ver no cen­tro his­tó­ri­co, co­mo pa­ra as que pre­fe­rem uma vi­da mais tran­qui­la e que­rem des­can­so. Co­nhe­ço ce­le­bri­da­des e CEO’s de em­pre­sas que vi­vem em No­va Ior­que e têm uma ca­sa no interior por­tu­guês, pa­ra on­de vêm uma vez por mês. Há uma dis­per­são ao lon­go do ter­ri­tó­rio”, con­fir­ma Luís Araú­jo, pre­si­den­te do Tu­ris­mo de Por­tu­gal. Agra­de­ce o país, que en­tra nu­ma sen­da de po­pu­la­ri­da­de, fei­ta bo­la de ne­ve po­si­ti­va. “Nos di­as que cor­rem, gra­ças às re­des so­ci­ais e à tec­no­lo­gia di­gi­tal, es­tas pes­so­as es­tão per­ma­nen­te­men­te ex­pos­tas, são vis­tas por mi­lhões em to­do o mun­do. Ao di­ze­rem que es­tão cá, que in­ves­tem cá, des­per­tam cu­ri­o­si­da­de so­bre aqui­lo que os fez vir”, en­fa­ti­za o lí­der do Tu­ris­mo de Por­tu­gal. Se ti­ver­mos em con­ta que só Ma­don­na, por exem­plo, tem, en­tre Fa­ce­bo­ok e Ins­ta­gram, per­to de 30 mi­lhões de se­gui­do­res, fa­cil­men­te se per­ce­be o im­pac­to que uma pu­bli­ca­ção da es­tre­la da pop a ga­bar Lis­boa po­de ter. E as­sim, um país ha­bi­tu­a­do a es­ca­par aos ho­lo­fo­tes, ga­nha pro­ta­go­nis­mo na ro­ta de fa­mo­sos dos qua­tro can­tos do mun­do. Tan­to que até a im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal já faz eco des­ta atra­ção. “To­da a gen­te es­tá a ir pa­ra Por­tu­gal”, anun­ci­ou ao Mun­do o “The Te­le­graph”. Ou co­mo diz o de­sig­ner Phi­lip­pe Starck: “Por­tu­gal é o me­lhor sí­tio da Eu­ro­pa pa­ra se es­tar por cau­sa dos por­tu­gue­ses”. Ao cui­da­do da au­to­es­ti­ma na­ci­o­nal. ●m

a Na Rua das Ja­ne­las Ver­des, on­de vi­ve Ma­don­na, é fre­quen­te ver tu­ris­tas a pa­rar pa­ra ti­rar fo­tos. Nas re­don­de­zas, a di­va da pop já com­prou rou­pa e be­beu Mos­ca­tel de Se­tú­bal

O de­sig­ner Ch­ris­ti­an Lou­bou­tin tem uma ca­sa pa­la­ci­a­na no Lar­go dos Lói­os, tam­bém per­to do Cas­te­lo, mas pre­fe­re o re­ca­to do lar

A mo­ra­da de Can­to­na em Lis­boa con­ti­nua no se­gre­do dos deu­ses, mas o ex-fu­te­bo­lis­ta gos­ta de to­mar o pe­que­no-al­mo­ço no qui­os­que do Jar­dim das Amo­rei­ras. No ano pas­sa­do, in­ves­tiu num pré­dio de lu­xo na Co­li­na de Sant’Ana

John Mal­ko­vi­ch ren­deu-se a Lis­boa há mais de 15 anos: com­prou ca­sa e in­ves­tiu nu­ma dis­co­te­ca e num res­tau­ran­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.