MINIMIZAR O IM­PAC­TO DA DO­EN­ÇA

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti-los -

A psi­có­lo­ga Mag­da Oli­vei­ra su­ge­re al­gu­mas es­tra­té­gi­as pa­ra li­dar com os vá­ri­os de­sa­fi­os fa­mi­li­a­res que o can­cro in­fan­til im­põe.

● Pa­ra a gran­de mai­o­ria das cri­an­ças, mais im­por­tan­te do que tem­po em quan­ti­da­de, é o tem­po em qua­li­da­de. É per­ce­be­rem que, por pou­cos que se­jam os mo­men­tos, elas são o cen­tro da aten­ção dos pais, sen­tin­do-se re­al­men­te ama­das e pro­te­gi­das por eles.

● É fundamental pro­cu­rar man­ter as ro­ti­nas o mais pos­sí­vel, as­sim co­mo a per­ce­ção de afe­to e a pre­sen­ça in­con­di­ci­o­nal, cul­ti­van­do a ideia de que ca­da fi­lho é um ser úni­co, es­pe­ci­al e in­subs­ti­tuí­vel pa­ra ca­da um dos pais.

● Pa­ra es­tes pais e cri­an­ças, é es­sen­ci­al en­con­trar su­por­te prá­ti­co e emo­ci­o­nal na fa­mí­lia e re­de de ami­gos. Da mes­ma for­ma, quan­do a co­mu­ni­da­de (es­co­la, tra­ba­lho, as­so­ci­a­ções, ins­ti­tui­ções re­li­gi­o­sas, gru­pos de apoio, etc.) se mo­bi­li­za, é pos­sí­vel mi­no­rar as con­sequên­ci­as da do­en­ça e pro­mo­ver o ajus­ta­men­to a es­te pro­ces­so com­ple­xo.

● Ide­al­men­te, to­das as cri­an­ças e fa­mí­li­as de­ve­ri­am ser al­vo de uma ava­li­a­ção cui­da­da e es­pe­ci­a­li­za­da aquan­do do di­ag­nós­ti­co, as­sim co­mo em to­dos os mo­men­tos-cha­ve da tra­je­tó­ria da do­en­ça, de mo­do a ga­ran­tir uma res­pos­ta cé­le­re e ajus­ta­da, não só às ne­ces­si­da­des da cri­an­ça do­en­te, mas dos fa­mi­li­a­res en­vol­vi­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.