SO­MOS A MA­TÉ­RIA- -PRI­MA DA CI­ÊN­CIA

Os seus cor­pos não irão pa­ra de­bai­xo da ter­ra. Se­rão es­tu­da­dos por alu­nos, pro­fes­so­res, mé­di­cos. São dá­di­vas em no­me da evo­lu­ção da ci­ên­cia. Cin­co his­tó­ri­as de quem dá, em vi­da, os res­tos mor­tais e es­pe­ra que, na mor­te, es­sa úl­ti­ma von­ta­de se­ja res­pei­ta­da

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário=1379 - Sa­ra Di­as Oliveira POR

A de­ci­são es­tá to­ma­da, os pa­péis as­si­na­dos. A jor­na­lis­ta Sa­ra Di­as Oliveira ou­viu as ra­zões de pes­so­as que do­a­ram o cor­po à Me­di­ci­na. São his­tó­ri­as de quem já sa­be co­mo se­rá a sua vi­da de­pois da mor­te.

Adí­lia San­tos já sa­be co­mo se­rá a sua vi­da de­pois da mor­te. O seu cor­po irá pa­ra a Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to pa­ra que se­ja es­tu­da­do o tem­po que for ne­ces­sá­rio. De­pois se­rá cre­ma­da e as cin­zas se­rão lan­ça­das num jar­dim do ce­mi­té­rio de Agra­mon­te, no Por­to. A 29 de agos­to des­te ano, for­ma­li­zou a von­ta­de de doar o cor­po à me­di­ci­na jun­ta­men­te com a ir­mã mais ve­lha, Ma­ria Ade­li­na, de 67 anos. Tra­ta­ram de tudo pes­so­al­men­te, fo­ram à fa­cul­da­de, ain­da an­da­ram per­di­das pe­los cor­re­do­res. Quan­do saí­ram, a ir­mã par­ti­lhou uma cer­te­za que não es­que­ce: “Va­mos vol­tar à es­co­la e de­pois ire­mos pa­ra um jar­dim. Não po­de­ría­mos ter me­lhor fim, pois não?”.

Aos 60 anos, a pro­fes­so­ra de Por­tu­guês e Fran­cês, de Bra­gan­ça, sen­te que cum­priu o seu de­ver. “De­vo is­so a uma vas­ta equi­pa mé­di­ca que me tem acom­pa­nha­do. Te­nho es­sa obri­ga­ção, é um or­gu­lho e uma mis­são, é uma fe­li­ci­da­de que nem o jack­pot me po­de­ria dar”, con­fes­sa. Há cin­co anos que não dá au­las por in­ca­pa­ci­da­de com um di­ag­nós­ti­co de mi­e­lo­fi­bro­se, uma do­en­ça no san­gue. Tem um ba­ço e um fí­ga­do mai­o­res do que o ha­bi­tu­al, bar­ri­ga in­cha­da, já te­ve um en­far­te no in­tes­ti­no, vá­ri­as trom­bo­ses ce­re­brais. É se­gui­da na he­ma­to­lo­gia on­co­ló­gi­ca do Hos­pi­tal de San­to António, no Por­to. “O meu cor­po es­tá to­do es­fran­ga­lha­do – des­cul­pe-me a ex­pres­são mas é o que cos­tu­mo di­zer à mi­nha mé­di­ca – e fa­rei tudo pa­ra que pos­sam des­co­brir pro­ble­mas co­mo o meu ou ou­tros.”

Pri­mei­ro fa­lou com o ma­ri­do e a fi­lha, que res­pei­tam a de­ci­são e ga­ran­tem cum­pri-la, de­pois co­mu­ni­cou a do­a­ção à res­tan­te fa­mí­lia du­ran­te um jan­tar. “To­dos acei­ta­ram de bom gra­do.”

Os pro­ble­mas de saú­de co­me­ça­ram a ma­ni­fes­tar-se há 32 anos e há 25 per­deu o ir­mão mais no­vo, te­nen­te da For­ça Aé­rea, que mor­reu com um cancro ra­ro. António Au­gus­to Martins acei­tou ser co­baia da co­mu­ni­da­de mé­di­ca que queria in­ves­ti­gar a sua do­en­ça, com ape­nas cin­co ca­sos de­te­ta­dos no mun­do. Au­to­ri­zou que fil­mas­sem ci­rur­gi­as a que foi sub­me­ti­do, che­gou a ser le­va­do pa­ra In­gla­ter­ra pa­ra ser es­tu­da­do. “Fi­ze­ram de tudo, mas era um cancro mui­to ra­ro.” Aca­bou por não re­sis­tir e mor­reu com 30 anos. “A par­tir des­se mo­men­to, fi­quei sem­pre com is­so no meu pen­sa­men­to: qu­e­ro ser útil à ci­ên­cia por mim e pe­lo meu ir­mão.” Adí­lia não vai mu­dar de opi­nião. “É as­sim que qu­e­ro e fi­co mui­to fe­liz por doar o meu cor- po à ci­ên­cia.” Uma ami­ga já lhe per­gun­tou on­de é que iria co­lo­car flo­res. “Po­des man­dá-las ago­ra, em vi­da”, res­pon­deu-lhe.

Li­li­a­na Cos­te­lha tam­bém não quer fu­ne­ral, nem flo­res. Gu­ar­da o pa­pel da do­a­ção do cor­po na pas­ta dos do­cu­men­tos, jun­to ao pas­sa­por­te, e sou­be des­sa pos­si­bi­li­da­de pe­lo pai, há seis me­ses, quan­do ele lhe pe­diu pa­ra ser o fa­mi­li­ar de con­tac­to no for­mu­lá­rio. Pri­mei­ro fi­cou ad­mi­ra­da, de­pois não he­si­tou. “A mor­te é a úni­ca cer­te­za que te­mos, porquê com­pli­car? Te­nho uma po­si­ção atí­pi­ca em re­la­ção à mor­te, aos ve­ló­ri­os e aos dra­mas que as fa­mí­li­as vi­vem. Fa­zer sa­la e so­ci­a­li­zar jun­to a um cor­po mor­to faz-me confusão, é um ri­tu­al que abo­lia. Não pre­ci­so de ir ao ce­mi­té­rio pôr flo­res pa­ra me lem­brar das pes­so­as.”

Li­li­a­na, 42 anos, con­sul­to­ra imo­bi­liá­ria, li­cen­ci­a­da em Ges­tão de Mar­ke­ting, na­tu­ral da Maia, é uma mu­lher de­ter­mi­na­da. Os mo­men­tos que vi­veu com al-

gu­mas ami­gas com do­en­ças ter­mi­nais, que aca­ba­ram por fa­le­cer, acres­cen­ta­ram-lhe no­vas pers­pe­ti­vas. “Li­do com a mor­te de uma for­ma mui­to na­tu­ral, en­quan­to cá es­ta­mos va­le a pe­na apro­vei­tar to­dos os mo­men­tos.”

Há mais uma ra­zão. As su­as im­per­fei­ções in­ter­nas po­dem aju­dar a ci­ên­cia. Uma cos­te­la cer­vi­cal a mais, um pân­cre­as pou­co ha­bi­tu­al, di­vi­di­do a meio, he­man­gi­o­mas no fí­ga­do, uma es­pé­cie de va­ri­zes. “Ana­to­mi­ca­men­te sou di­fe­ren­te, po­de­rei ser uma mais-va­lia pa­ra os fu­tu­ros mé­di­cos”, diz. E um cor­po quan­do mor­re não tem de ir pa­ra de­bai­xo da ter­ra. “Os mé­di­cos de­vem ter ma­té­ria-pri­ma. Se nin­guém doar, co­mo vão es­tu­dar? De­pois de mor­ta vou ser útil pa­ra al­gu­ma coi­sa.” Fa­lou com o ma­ri­do, com os pais e, em bre­ve, fa­la­rá so­bre o as­sun­to com os fi­lhos, ain­da me­no­res.

Afon­so Neves, 36 anos, pro­fes­sor na Fa­cul­da­de de Des­por­to da Uni­ver­si­da­de do Por­to, quer que a sua úl­ti­ma von­ta­de se­ja cum­pri­da à ris­ca e não dá hi­pó­te­ses. Em se­tem­bro, tra­tou da do­cu­men­ta­ção pa­ra doar o cor­po à Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na do Por­to e pou­co de­pois re­for­çou a de­ci­são no tes­ta­men­to vi­tal, in­cluin­do uma cláu­su­la em que dei­xa es­cri­to que não quer ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres, es­pe­ci­al­men­te re­li­gi­o­sas. En­tre­gou có­pi­as à es­po­sa, à mãe, ao pai e ao ir­mão. Não quer des­cul­pas, mes­mo de­pois de já cá não es­tar, por­que sa­be que há fa­mí­li­as que não res­pei­tam a von­ta­de dos do­a­do­res e não avi­sam a fa­cul­da­de pa­ra a re­co­lha do cor­po. “Va­mos mor­rer. Pon­to. Se­rá que o meu cor­po po­de ser útil de­bai­xo da ter­ra? Não.” Quer, por­tan­to, que o cor­po se­ja útil à me­di­ci­na, não vê sen­ti­do em pre­ser­var um mor­to num cai­xão. “Sem­pre

achei as ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres um des­per­dí­cio de espaço e de re­cur­sos”, afir­ma.

Afon­so, li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as do Des­por­to, dou­to­ra­do e pós-dou­to­ra­do na área, é cu­ri­o­so e tem no­ção do que lhe vão fa­zer de­pois de mor­to. Es­tá a ter­mi­nar o cur­so de es­pe­ci­a­li­za­ção em Dis­sec­ção Ana­tó­mi­ca no pre­ci­so lo­cal pa­ra on­de o seu cor­po se­rá le­va­do de­pois de mor­rer. “O cur­so é ex­ce­ci­o­nal, de uma qua­li­da­de ele­va­dís­si­ma”, re­fe­re. E salienta a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as, as inú­me­ras va­ri­a­ções ana­tó­mi­cas que te­ve opor­tu­ni­da­de de ver, as as­si­me­tri­as in­ter­nas e ex­ter­nas dos cor­pos. Co­nhe­ci­men­tos de ana­to­mia que vai usan­do nas au­las, so­bre­tu­do quan­do se cru­zam com ques­tões de pre­pa­ra­ção fí­si­ca. Afon­so não é re­li­gi­o­so. Leu a Bí­blia e o Co­rão do iní­cio ao fim, com ano­ta­ções a acom­pa­nhar as lei­tu­ras, não pen­sa na mor­te mas não es­que­ce que ela não tem ho­ra mar­ca­da, fez as pa­zes com es­sa ques­tão há mui­to tem­po, e ga­ran­te que é fácil vi­ver as­sim por­que sa­be que tem de apro­vei­tar a vi­da.

“O cor­po é ape­nas um in­vó­lu­cro”

Car­los Cam­pe­lo co­me­çou por de­ci­dir que não ha­ve­ria de ser en­ter­ra­do. De vez em quan­do, em miú­do, fi­ca­va ago­ni­a­do com a ter­rí­vel e as­fi­xi­an­te vi­são de que po­dia acor­dar de­bai­xo da ter­ra de­pois de mor­rer. Is­so pas­sou com o tem­po. Re­sol­veu que queria ser cre­ma­do e quer que o seu cor­po, de­pois de mor­to, se­ja útil de al­gu­ma ma­nei­ra. Pen­sou no as­sun­to du­ran­te um bom tem­po e há cin­co me­ses for­ma­li­zou a do­a­ção do cor­po. “Ca­da um de nós po­de ser um con­tri­bu­to im­por­tan­te pa­ra con­cluir a pe­ça de um puzz­le.” Tem 42 anos, é téc­ni­co de saú­de no Hos­pi­tal de São

João, no Por­to, é na­tu­ral de La­me­go, es­tá or­gu­lho­so da de­ci­são. E não vai mu­dar de idei­as.

Os di­as pas­sa­dos em am­bi­en­te hos­pi­ta­lar, as au­tóp­si­as a que já as­sis­tiu, o tra­ba­lho em la­bo­ra­tó­rio, a imen­sa cu­ri­o­si­da­de pe­ran­te o des­co­nhe­ci­do, aca­bam por mol­dar-lhe o pen­sa­men­to e a es­co­lha de, em vi­da, dei­xar es­cri­to o que quer que lhe fa­çam de­pois de mor­to. “Não es­tou mui­to pre­o­cu­pa­do com is­so, nun­ca se sa­be o que po­de­rão des­co­brir, te­mos tan­ta coi­sa es­con­di­da. Em dois cor­pos da mes­ma ida­de, irão en­con­trar cen­te­nas ou mi­lha­res de coi­sas di­fe­ren­tes lá den­tro”, co­men­ta. Há tan­to por sa­ber, tan­to por des­co­brir, e a ci­ên­cia cons­trói-se dia a dia, pas­so a pas­so, des­co­ber­ta a des­co­ber­ta. “É im­por­tan­te sa­ber­mos sem­pre mais so­bre o que não co­nhe­ce­mos.” Sem­pre gos­tou de pes­qui­sar, de olhar, de me­xer, de com­pre­en­der o que se passa, de ques­ti­o­nar. “O meu cor­po po­de ser útil de­pois de mor­to.”

Foi edu­ca­do na re­li­gião ca­tó­li­ca que não te­ve qual­quer in­fluên­cia na sua do­a­ção. Não pen­sa na mor­te, mas sa­be que ela po­de che­gar a qual­quer mo­men­to. “Ain­da sou mui­to no­vo pa­ra mor­rer, mas pa­ra mor­rer não há ida­de.” A re­a­li­da­de de to­dos os di­as con­fir­ma-lhe que o tem­po é efé­me­ro e que a mor­te não tem con­si­de­ra­ção pe­la or­dem na­tu­ral da vi­da. “A vi­da é mes­mo as­sim, pa­ra mor­rer tan­to va­le ter 20 anos ou 70.” E a mor­te, na sua pers­pe­ti­va, é ne­ces­sá­ria. “Se fôs­se­mos sem­pre no­vos, se ti­vés­se­mos sem­pre for­ça, se fôs­se­mos sem­pre au­tó­no­mos... mas não, o nos­so cor­po vai per­den­do as ca­pa­ci­da­des mo­to­ras e men­tais, e en­tão a mor­te é ne­ces­sá­ria.”

Jo­a­na Gil tem 28 anos, é far­ma­cêu­ti­ca, mo­ra em Car­ca­ve­los com a avó Pi­e­da­de, de 72 anos, é ca­tó­li-

ca, acre­di­ta em Deus. Há dois anos, com 26, tra­tou da pa­pe­la­da e do­ou o cor­po à Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to. “A mi­nha avó to­mou es­sa de­ci­são e de­ci­di fa­zer a mes­ma coi­sa, nem sa­bia que em Por­tu­gal is­so era pos­sí­vel.” E o as­sun­to fi­cou ar­ru­ma­do na ca­be­ça. “De­ci­di doar o meu cor­po pa­ra evi­tar cus­tos à fa­mí­lia que con­si­de­ro des­ne­ces­sá­ri­os com en­ter­ros e fu­ne­rais e por­que é im­por­tan­te o de­sen­vol­vi­men­to da ci­ên­cia”, ex­pli­ca. “De­pois, nun­ca se sa­be quan­do vai acon­te­cer, é uma ques­tão que já es­tá tra­ta­da e não te­nho de pen­sar mais nis­so”, acres­cen­ta de for­ma prag­má­ti­ca. Co- mu­ni­cou aos pais e aos avós que res­pei­tam a op­ção que ain­da não foi te­ma de con­ver­sa com os ami­gos. Não ca­lhou. “Na nos­sa ida­de, não se fa­la mui­to nes­ses as­sun­tos, mas pen­so que acei­ta­rão com na­tu­ra­li­da­de, te­mos uma men­ta­li­da­de um bo­ca­di­nho mais aber­ta”, con­si­de­ra.

Con­tri­buir pa­ra a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca é a ra­zão mai­or e me­xe­rem no seu cor­po não lhe faz confusão. “Po­de­mos con­tri­buir pa­ra no­vas des­co­ber­tas. O cor­po é ape­nas um in­vó­lu­cro, não me cau­sa im­pres­são que de­pois de mor­ta al­guém me­xa ne­le. De­pois da mor­te, dei­xa de ter im­por­tân­cia, nin­guém vai fi­car ofen­di­do por o cor­po ser es­ven­tra­do e aber­to”, de­fen­de. Uma coi­sa é o cor­po, ou­tra é a al­ma ou uma cons­ci­ên­cia que acre­di­ta que se li­ber­ta­rá da par­te fí­si­ca de­pois da mor­te. “O que acon­te­ce­rá de­pois, não fa­ço a mí­ni­ma ideia.” Mas de uma coi­sa tem a cer­te­za. O

seu cor­po se­rá útil à ci­ên­cia. ●

a Adí­lia San­tos (pá­gi­na an­te­ri­or), for­ma­li­zou a do­a­ção do cor­po em agos­to, com a ir­mã a Car­los Cam­pe­lo IGOR MARTINS/GLO­BAL IMA­GENS

IGOR MARTINS/GLO­BAL IMA­GENS

q Aos 26 anos, Jo­a­na Gil, far­ma­cêu­ti­ca, do­ou o cor­po e ar­ru­mou o as­sun­to na ca­be­ça ANTÓNIO PE­DRO SAN­TOS/GLO­BAL IMA­GENS

IGOR MARTINS/GLO­BAL IMA­GENS a Li­li­a­na Cos­te­lha, da Maia, de­ci­diu ser útil à me­di­ci­na de­pois da mor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.