Apren­der nos mor­tos a cui­dar dos vi­vos

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Doar O Corpo À Ciência -

Ése­gun­da-fei­ra de ma­nhã e os alu­nos da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de do Por­to es­tão de vol­ta de vá­ri­os cor­pos. Têm lu­vas e ba­tas bran­cas. Não há chei­ros, não há más­ca­ras. É uma au­la de ana­to­mia so­bre a par­te lo­co­mo­to­ra. “E is­to é o quê? Co­mo se cha­ma? Es­tão a ver es­tas fi­bras? A apó­fi­se es­pi­nho­sa é gran­de, não é?” De pin­ça na mão, a pro­fes­so­ra Dul­ce Ma­dei­ra, di­re­to­ra da uni­da­de de Ana­to­mia, faz per­gun­tas so­bre pe­ças de di­fe­ren­tes ca­dá­ve­res que fo­ram do­a­dos em vi­da e que ago­ra es­tão à dis­po­si­ção da ci­ên­cia. Sem fil­tros. Tal co­mo fo­ram, ca­da um com a sua pró­pria his­tó­ria. Ve­lhos e no­vos, sau­dá­veis e do­en­tes, ma­gros e gor­dos, au­top­si­a­dos ou não. A cau­sa da mor­te não é im­por­tan­te.

“Não há dois ca­dá­ve­res iguais, ne­nhum fé­mur é igual ao ou­tro. Usa­mos as mãos pa­ra iden­ti­fi­car o que é, iden­ti­fi­car es­tru­tu­ras in­de­pen­den­te­men­te do for­ma­to. Os alu­nos apren­dem a olhar e a ver, a in­ter­pre­tar o que ali es­tá, de­sen­vol­vem a ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­cí­nio que é fun­da­men­tal pa­ra a prá­ti­ca clí­ni­ca”, des­ta­ca. E não há na­da me­lhor do que o ori­gi­nal. “Não te­mos me­lhor li­vro do que um ca­dá­ver”, acres­cen­ta.

Os alu­nos olham, per­gun­tam, ti­ram dú­vi­das, con­sul­tam ano­ta­ções dos ca­der­nos. De­pois da te­o­ria, a prá­ti­ca, a pos­si­bi­li­da­de de to­car, de ver um cor­po por den­tro. “Ter­mos ca­dá­ve­res dis­po­ní­veis no te­a­tro ana­tó­mi­co é mui­to di­fe­ren­te do que ter­mos pró­te­ses

ou pe­ças ar­ti­fi­ci­ais. Aju­da-nos mui­to, pre­pa­ra-nos me­lhor pa­ra o fu­tu­ro”, salienta Fran­cis­co Gi­rão, alu­no do 2. ano de Me­di­ci­na, que per­ce­be o que tem à fren­te. “Já foi uma pes­soa que quis doar o seu cor­po, con­tri­buir pa­ra a evo­lu­ção da ci­ên­cia, e con­fi­ou em nós pa­ra tra­tar­mos com to­do o res­pei­to o que nos dei­xou.” Le­o­nar­do Araújo An­dra­de, alu­no do 4. ano, con­cor­da. “Al­guém que en­tre­ga o seu pri­mei­ro e úl­ti­mo bem es­tá a dar uma con­tri­bui­ção mui­to gran­de pa­ra que con­ti­nu­e­mos a in­ves­ti­gar pa­ra além da mor­te. São anó­ni­mos que fi­cam na nos­sa me­mó­ria pe­lo con­tri­bu­to que dão.” E ter um cor­po nu­ma au­la faz to­da a di­fe­ren­ça. “A opor­tu­ni­da­de de ver­mos a três di­men­sões é mui­to me­lhor do que um re­gis­to num li­vro ou num atlas.”

Os cor­pos do­a­dos es­tão ao dis­por de alu­nos, pro­fes­so­res, mé­di­cos. Há pe­di­dos de es­pe­ci­a­lis­tas que que­rem re­ver al­gu­mas par­tes de ana­to­mia an­tes de uma ci­rur­gia mais com­ple­xa. E es­sas dá­di­vas não são ape­nas lem­bra­das nas au­las, mas tam­bém nu­ma ce­ri­mó­nia emo­ti­va. A 23 de no­vem­bro, a fa­cul­da­de faz, pe­la ter­cei­ra vez, uma ho­me­na­gem à do­a­ção ca­da­vé­ri­ca, um agra­de­ci­men­to aos do­a­do­res e fa­mi­li­a­res, no Se­re­na­rium do ce­mi­té­rio de Agra­mon­te, espaço ver­de ce­di­do pe­la Câ­ma­ra do Por­to, on­de são de­po­si­ta­das as cin­zas dos da­do­res. “As pes­so­as são de uma ge­ne­ro­si­da­de imen­sa, ao do­a­rem o cor­po es­tão a aju­dar mé­di­cos a com­pre­en­de­rem me­lhor a ci­ên-

cia”, su­bli­nha Dul­ce Ma­dei­ra.●

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.