MAQUILHAGEM SEM MAR­GEM PA­RA BORRÕES

Na cor­re­ria do quo­ti­di­a­no, o prag­ma­tis­mo do­mi­na os cui­da­dos de be­le­za. Aos pro­du­tos de lon­ga du­ra­ção jun­te es­tas di­cas bá­si­cas pa­ra que os rostos per­ma­ne­çam ma­qui­lha­dos du­ran­te mais ho­ras e sem má­cu­la.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti- Los -

Vi­su­ais fres­cos e na­tu­rais, em­bo­ra com cor, são a ten­dên­cia no que res­pei­ta a maquilhagem que se quer du­ra­dou­ra e per­fei­ta no dia-a-dia e em oca­siões es­pe­ci­ais. Lá­gri­mas, ou o te­le­mó­vel en­cos­ta­do ao ou­vi­do e a par­te do ros­to, po­dem ame­a­çar o as­pe­to in­có­lu­me e até man­char a ma­ke-up, mas há formas de a pre­ser­var por mais tem­po.

Com o pas­sar das ho­ras, a ba­se ten­de a des­va­ne­cer-se, os olhos pa­re­cem con­su­mir a cor co­lo­ca­da nas pál­pe­bras e os lá­bi­os pin­ta­dos mar­cam o guar­da­na­po ao al­mo­ço, be­lis­can­do a ima­gem de­se­ja­da. Mas Pau­lo Al­mei­da, di­re­tor de for­ma­ção da MAC Eu­ro­pa, tro­ca os se­gre­dos da maquilhagem por miú­dos, dei­xan­do per­ce­ber que es­tar im­pe­cá­vel du­ran­te to­da a jor­na­da não é mis­são as­sim tão com­pli­ca­da. Tudo co­me­ça pe­la es­co­lha de um “hi­dra­tan­te que se­ja mais ri­co em água do que em cre­me por­que, se fi­car em ex­ces­so na pe­le, a ba­se não vai agar­rar e não vai du­rar tan­to tem­po”. De­pois, re­co­men­da o uso de ba­ses de lon­ga du­ra­ção: “A MAC já tem al­gu­mas que che­gam a du­rar 24 ho­ras, que são fei­tas pa­ra apli­car de ma­nhã, ir tra­ba­lhar e não se pre­o­cu­par mais com is­so”. Co­lo­ca­da a ba­se, um tru­que a re­ter: “Apli­car um bo­ca­di­nho de pó em pon­tos-cha­ve do ros­to pa­ra fi­xar a ba­se e re­ti­rar os bri­lhos”. Se­guem-se os olhos, a zo­na a que se de­ve de­di­car mais aten­ção, pois dão o mo­te à ex­pres­são, pri­vi­le­gi­an­do “som­bras em pó que du­ram mui­to mais do que as ver­sões em cre­me”. Ou­tra di­ca passa por “usar um pre­pa­ra­dor pa­ra os olhos que faz com que as som­bras agar­rem à pál­pe­bra, co­mo que co­lo­can­do co­la num pa­pel e de­pois glit­ter por ci­ma”, acres­cen­ta Pau­lo. Pa­ra as pes­ta- nas exis­tem más­ca­ras à pro­va de água, mas o ma­qui­lha­dor não é mui­to apo­lo­gis­ta des­sa so­lu­ção. Ex­pli­ca­ção? “A más­ca­ra de­ve ser sem­pre lim­pa, as­sim co­mo qual­quer re­sí­duo de maquilhagem, e a más­ca­ra à pro­va de água vai ser di­fí­cil de ti­rar.”

Lá­bi­os car­nu­dos e bem tra­ta­dos pe­dem ba­tons tam­bém de lon­ga du­ra­ção. Da mar­ca que re­pre­sen­ta, Pau­loAl­mei­da­re­co­men­da os Re­tro Mat­te lí­qui­dos, que pro­me­tem du­rar “cer­ca de 12 ho­ras sem re­to­que”. E ca­so se sin­tam os lá­bi­os mui­to se­cos, há di­cas clás­si­cas a con­si­de­rar: “Pri­mei­ro, po­de­mos usar um lá­pis de lá­bi­os, não só pa­ra per­fi­lar co­mo tam­bém pa­ra pre­en­cher li­gei­ra­men­te os lá­bi­os, e de­pois apli­car o ba­tom por ci­ma. Es­te tru­que é mais ve­lho do que o tem­po e aju­da a ter uma tex­tu­ra à qu­al se vão agar­rar as par­tí­cu­las do ba­tom”. Ou­tro pas­so con­sis­te em “usar pre­pa­ra­dor tam­bém pa­ra os lá­bi­os, cri­an­do uma pe­lí­cu­la à qu­al o ba­tom vai agar­rar, tal co­mo com as som­bras nos olhos”. E as­sim tam­bém não se ar­ris­ca, por exem­plo, a mar­car o ros­to de quem se bei­ja.

ME­NOS É MAIS

O blush é o por­me­nor com me­nos se­gre­dos pois, ex­pli­ca Pau­lo Al­mei­da, “tem mais a ver com a tex­tu­ra e

o ti­po de

pe­le: se ti­ver­mos uma pe­le normal ou se­ca, qual­quer coi­sa que se po­nha em ci­ma vai du­rar mais; já nu­ma pe­le mais ole­o­sa vai que­brar o que se pu­ser por ci­ma”. É por is­so que a tam­bém ma­qui­lha­do­ra Lu­cí­lia La­ra apos­ta sem­pre num “pri­mer [pre­pa­ra­dor] ade­qua­do” à ne­ces­si­da­de da pe­le. “No ca­so de uma pe­le ole­o­sa use um cre­me hi­dra­tan­te ‘mat­te con­trol’ que vai do­mi­nar a ole­o­si­da­de e evi­tar ex­ces­so de bri­lhos. O pri­mer fe­cha os po­ros com uma es­pé­cie de ce­ra in­co­lor pa­ra a pe­le fi­car mais li­sa.” Já em pe­les mais se­cas, “o ide­al é um sé­rum hi­dra­tan­te com mais lu­mi­no­si­da­de.” Afi­nal, “uma pe­le ole­o­sa não é bo­ni­ta, mas uma tez lu­mi­no­sa é”. Uma pe­le can­sa­da ou mais ma­du­ra exi­ge ou­tros cui­da­dos e Lu­cí­lia in­di­ca o sé­rum in­ten­si­vo de Spi­ru­li­na da Esthe­derm co­mo op­ção a con­si­de­rar pa­ra ga­nhar vi­ta­li­da­de. Ha­bi­tu­a­do a li­dar com lei­gos na ma­té­ria, Pau­lo Al­mei­da aler­ta pa­ra o fac­to de, na mai­o­ria das ve­zes, ha­ver ten­dên­cia a usar “demasiado pro­du­to”, acon­se­lhan­do que se fa­çam as coi­sas ao con­trá­rio. “Apli­car pri­mei­ro a ba­se no ros­to to­do e só de­pois o cor­re­tor de olhei­ras ape­nas nos sí­ti­os on­de é pre­ci­sa es­sa co­ber­tu­ra ex­tra, em­bo­ra as ba­ses que exis­tem no mer­ca­do já cu­bram olhei­ras sem ne­ces­si­da­de de mui­ta coi­sa.” Me­nos é mais na ho­ra de se pre­pa­rar ao es­pe­lho, usan­do com con­ta, pe­so e me­di­da os pro­du­tos ade­qua­dos pa­ra o seu per­fil e, cla­ro, de acor­do com o gos­to pes­so­al. ●m

M Re­ge­ne­ra­dor e hi­dra­tan­te de lá­bi­os, Bi­o­der­ma, 8,57 eu­ros

M Esthe­derm, 80 eu­ros

M Ba­ton ma­te, MAC, 20,45 eu­ros

M Blush, Shi­sei­do, 41,50 eu­ros

M Som­bras em pó, MAC, 85,45 eu­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.