HAL­LOWE­EN, TEM­PO­RA­DA 2018

Bru­xas, di­a­bos, en­fer­mei­ras, bo­tas al­tas. Se pen­sou nu­ma des­tas fan­ta­si­as pa­ra o Dia das Bru­xas, es­tá em sin­to­nia com as ten­dên­ci­as do mo­men­to. E não fal­tam fes­tas pa­ra se mos­trar.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti- Los -

Ima­gi­na­ção, ar­ro­jo, von­ta­de de sur­pre­en­der: eis al­guns dos re­qui­si­tos a se­guir pa­ra atin­gir um lo­ok de as­som­bro na noi­te de Hal­lowe­en, quar­ta-fei­ra 31. Com a da­ta a apro­xi­mar-se, en­con­tra out­fits em lo­jas de­co­ra­das a pre­cei­to pa­ra en­fren­tar a pro­cu­ra da épo­ca. E não só: gu­lo­sei­mas, bru­xas, du­en­des, más­ca­ras e aces­só­ri­os que lem­bram o di­a­bo (li­te­ral­men­te), o es­sen­ci­al des­ta tra­di­ção an­ces­tral nos Es­ta­dos Uni­dos já foi im­por­ta­do pa­ra Por­tu­gal.

Pa­ra os adul­tos, a ideia passa por ten­tar as­so­ci­ar susto a al­gu­ma clas­se e ela­bo­ra­ção. Es­tão em al­ta, pa­ra ho­mem, os fa­tos as­so­ci­a­dos a di­a­bos, pri­si­o­nei­ros, per­so­na­gens ma­lé­fi­cas do ci­ne­ma (co­mo o Jo­ker de “Bat­man”) ou zom­bi­es em avan­ço es­ta­do de de­gra­da­ção. As mu­lhe­res po­dem con­tar com os ha­bi­tu­ais fa­tos de fei­ti­cei­ra, de vam­pi­ra, de di­a­bo em ves­tes fe­mi­ni­nas, até de en­fer­mei­ra. Além dis­so, há aces­só­ri­os que não po­dem fal­tar, co­mo lon­gas bo­tas ne­gras de ca­be­dal ou vas­sou­ras de bru­xa per­so­na­li­za­das.

Quem qui­ser le­var a brin­ca­dei­ra pa­ra um pa­ta­mar mais re­fi­na­do, há pin­tu­ras fa­ci­ais pron­tas a dei­xar qual­quer um si­mul­ta­ne­a­men­te ir­re­co­nhe­cí­vel e um au­tên­ti­co susto de gen­te.

Tam­bém os mais pe­que­nos têm di­rei­to a es­co­lha es­pe­ci­al de in­du­men­tá­ria pa­ra o Dia das Bru­xas. As vam­pi­ras gó­ti­cas e os dis­far­ces com es­que­le­tos es­tão em al­ta pa­ra elas. Pa­ra eles, ir mas­ca­ra­do de Darth Va­der (da sa­ga “Guerra das Es­tre­las”) ou de di­a­bi­nho é o que con­ta­rá pa­ra po­de­rem di­zer que se­gui­ram as mo­das da épo­ca.

O Hal­lowe­en tem ori­gens cel­tas e na tra­di­ção do fes­ti­val da co­lhei­ta, o Samhaim, que mar­ca­va o fi­nal do ano ve­lho. Os cel­tas acre­di­ta­vam que, nes­sa al­tu­ra, os mor­tos re­gres­sa­vam pa­ra vi­si­tar as fa­mí­li­as e ali­men­tar-se, e que os el­fos eram vis­tos pe­los hu­ma­nos. A par­tir do sé­cu­lo XIX, so­bre­tu­do atra­vés da co­mu­ni­da­de ir­lan­de­sa, o Hal­lowe­en es­pa­lhou-se pe­los Es­ta­dos Uni­dos, on­de se ins­ti­tuiu co­mo uma das mai­o­res e mais trans­ver­sais fes­tas pa­gãs do país.

Ao con­trá­rio do que acon­te­ce em Por­tu­gal e na ge­ne­ra­li­da­de da Eu­ro­pa, nos Es­ta­dos Uni­dos não são os fa­tos de bru­xas e afins os pre­di­le­tos. Por lá, no­vos e mais ve­lhos pre­fe­rem fan­ta­si­ar-se de su­per-he­róis, ani­mais mís­ti­cos ou ex­tin­tos, ou de per­so­na­gens alu­si­vas a “Fort­ni­te”, o jo­go on­li­ne mais po­pu­lar do mo­men­to. Foi es­ta a con­clu­são da re­vis­ta “Vo­gue”, que re­co­lheu a lis­ta dos dez dis­far­ces mais co­bi­ça­dos e per­ce­beu que, além de “Fort­ni­te”, é mui­to pro­vá­vel que no dia 31 os ame­ri­ca­nos sai­am às ru­as quais clo­nes de Ho­mem-Ara­nha, uni­cór­ni­os ou di­nos­sau­ros.

O que em ter­ras ame­ri­ca­nas não irá fal­tar se­rão os tra­di­ci­o­nais bo­los e tar­tes de abó­bo­ra. Aliás, tudo o que te­nha abó­bo­ra co­mo in­gre­di­en­te mes­tre se­rá rei – até ce­re­ais e ba­ta­tas fri­tas.

Em Por­tu­gal, a fe­bre com a abó­bo­ra não é tan­ta. Mes­mo as­sim, não fal­tam os do­ces pre­pa­ra­dos es­pe­ci­al­men­te pa­ra o acon­te­ci­men­to. As gu­lo­sei­mas ga­nham lu­gar de des­ta­que, cla­ro. E não se es­que­ça: do­çu­ras ou tra­ves­su­ras? ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.