O AR QUE NOS FAZ RECOMEÇAR DO ZE­RO

Os es­tu­dos não en­ga­nam: a po­lui­ção at­mos­fé­ri­ca é res­pon­sá­vel pe­lo au­men­to de 30% dos aci­den­tes vas­cu­la­res ce­re­brais en­tre 1990 e 2013. Pa­ra quem so­bre­vi­ve, é co­mo vol­tar ao pon­to de par­ti­da. O Dia Mun­di­al do AVC as­si­na­la-se na se­gun­da-fei­ra 29.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti- Los -

Co­nhe­ci­do pe­la lo­ca­li­da­de on­de se si­tua, o Cen­tro de Me­di­ci­na e Re­a­bi­li­ta­ção de Al­coi­tão re­ce­be inú­me­ras vítimas de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC). É lá que mui­tas vol­tam a apren­der a an­dar, a uti­li­zar as mãos, a sen­tar, fa­lar, co­mer, vi­ver. Com Diana Wong Ra­mos, de Sin­tra, não foi di­fe­ren­te. Ti­nha 34 anos quan­do, em ju­nho de 2011, so­freu um AVC. Acon­te­ceu pou­cos di­as de­pois de uma in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca a uma hér­nia no um­bi­go, em que co­me­çou a sen­tir for­tes do­res de ca­be­ça acom­pa­nha­das de vó­mi­tos e im­pos­si­bi­li­da­de de le­van­tar o pes­co­ço. Cé­lio, o ma­ri­do, le­vou-a às ur­gên­ci­as hos­pi­ta­la­res. “Dis­se­ram que de­ve­ria ser con­sequên­cia da ci­rur­gia e man­da­ram-me pa­ra ca­sa”, re­fe­re Diana, que ain­da faz fi­si­o­te­ra­pia nu­ma clí­ni­ca três ve­zes por se­ma­na e aguar­da va­ga pa­ra hi­dro­te­ra­pia, em Al­coi­tão, em re­gi­me de am­bu­la­tó­rio.

Não co­me­mo­rou os 12 anos de ca­sa­men­to. As for­tes do­res de ca­be­ça re­co­me­ça­ram, as­sim co­mo os vó­mi­tos, a que se jun­ta­ram a fal­ta de for­ça, a bo­ca de la­do, as con­vul­sões e a per­da de sen­ti­dos. Diana ti­nha so­fri­do um AVC isqué­mi­co, di­ag­nos­ti­ca­do só 24 ho­ras de­pois do apa­re­ci­men­to dos sin­to­mas, por­que “pen­sa­vam que era uma cri­se de an­si­e­da­de” e le­va­ram-na pa­ra o hos­pi­tal de re­fe­rên­cia, que na al­tu­ra não ti­nha Via Ver­de do AVC. “Só no Hos­pi­tal de São José, em Lisboa, on­de fi­quei in­ter­na­da dez di­as, é que fi­ze­ram o di­ag­nós­ti­co.”

Fi­cou com he­mi­pa­re­sia es­quer­da (pa-

ra­li­sia par­ci­al ou di­mi­nui­ção da for­ça de um la­do do cor­po), mas re­cu­pe­rou a mo­bi­li­da­de e in­de­pen­dên­cia, fru­to dos lar­gos me­ses em Al­coi­tão. Já de­pois do AVC, em 2014, foi mãe pe­la ter­cei­ra vez e o Da­vid, 17 anos, e a Ma­da­le­na, de 14, ti­ve­ram as­sim uma ir­mã, a Ma­ria. Mas, ao ní­vel cog­ni­ti­vo, tem “uma fa­di­ga cons­tan­te e o ra­ci­o­cí­nio não é tão rá­pi­do co­mo an­tes”, co­men­ta Diana, ho­je com 42 anos, su­bli­nhan­do que co­me­çou do ze­ro, “com o in­con­di­ci­o­nal apoio da fa­mí­lia”.

Carros, fá­bri­cas, fo­gos, ci­gar­ros

A Fe­de­ra­ção Mun­di­al de Neu­ro­lo­gia (WFN) já fez o aler­ta e men­ci­o­nou as con­clu­sões do re­la­tó­rio internacional Glo­bal Bur­den of Di­se­a­se, que apon­ta

a po­lui­ção at­mos­fé­ri­ca co­mo um fa­tor pa­ra o au­men­to do AVC em mais de 30%, en­tre 1990 e 2013, com ba­se em da­dos de 188 paí­ses. Se­gun­do a Agência Por­tu­gue­sa do Am­bi­en­te (APA), a Co­mis­são Eu­ro­peia iden­ti­fi­ca es­se fa­tor co­mo o pro­ble­ma am­bi­en­tal que mais mor­tes cau­sa na Eu­ro­pa, es­ti­man­do em 2013 cer­ca de 436 mil na UE e 6 100 em Por­tu­gal. “A úl­ti­ma es­ti­ma­ti­va de mor­tes atri­buí­veis à po­lui­ção, em to­do o mun­do, é de 12 mi­lhões por ano, e es­tão re­la­ci­o­na­das com do­en­ças car­día­cas, pul­mo­na­res, on­co­ló­gi­cas e, mais re­cen­te­men­te, neu­ro­ló­gi­cas, co­mo o AVC ou a de­mên­cia”, ga­ran­te José Manuel Ca­lhei­ros, pro­fes­sor ca­te­drá­ti­co da Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or (UBI) e mem­bro da co­mis­são ci­en­tí­fi­ca da So-

ci­e­da­de Por­tu­gue­sa do AVC (SPAVC). A con­ta­mi­na­ção do ar de­ve-se a vá­ri­os agen­tes tó­xi­cos, co­mo o ozo­no, o dió­xi­do de azo­to e as par­tí­cu­las em sus­pen­são (PM10 e PM2.5), que “en­tram em con­tac­to com o or­ga­nis­mo, so­bre­tu­do atra­vés da mu­co­sa na­sal e os al­véo­los pul­mo­na­res, po­den­do ori­gi­nar al­te­ra­ções da co­a­gu­la­ção e des­re­gu­la­ção do sis­te­ma ner­vo­so au­tó­no­mo”, ex­pli­ca José Manuel Ca­lhei­ros, fa­zen­do re­fe­rên­cia a “um es­tu­do, com 45 mil par­ti­ci­pan­tes, que in­di­ca que por ca­da au­men­to de dez mi­cro­gra­mas de PM2.5 por ca­da me­tro cú­bi­co, a pro­ba­bi­li­da­de de ocor­rer um AVC au­men­ta 13%, po­den­do che­gar a 22%. Do to­tal dos ca­sos de AVC, en­tre os par­ti­ci­pan­tes des­te es­tu­do, 6,6% po­dem ser atri­buí­dos às PM2.5”.

O trá­fe­go ro­do­viá­rio, a ati­vi­da­de fa­bril, as cen­trais de pro­du­ção elé­tri­ca ou os fo­gos flo­res­tais po­lu­em o ar. “O con­su­mo de ta­ba­co, em ca­sa e no au­to­mó­vel, é tam­bém uma das prin­ci­pais fon­tes de po­lui­ção”, su­bli­nha o pro­fes­sor da UBI. Em es­pa­ços in­te­ri­o­res, mas tam­bém ex­te­ri­o­res, a APA des­ta­ca o aque­ci­men­to doméstico por com­bus­tão em la­rei­ras aber­tas pe­la emis­são de par­tí­cu­las e re­fe­re co­mo me­di­da pre­ven­ti­va a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal pa­ra o Ar – ENAR 2020, ado­ta­da em 2016, com o ob­je­ti­vo de cum­prir de for­ma sus­ten­ta­da os va­lo­res li­mi­tes pa­ra a qua­li­da­de do ar e os te­tos na­ci­o­nais de emis­são de po­lu­en­tes pa­ra 2020 e 2030.

Um ano an­tes da cri­a­ção des­ta ini­ci­a­ti­va, Diana Wong Ra­mos in­ter­rom­peu por op­ção a car­rei­ra de jor­na­lis­ta e dei­xou de es­tar di­a­ri­a­men­te ex­pos­ta à po­lui­ção at­mos­fé­ri­ca dos cen­tros ur­ba­nos. “Dei­xei de fu­mar e pas­sei a ter uma vi­da mais sau­dá­vel e cal­ma, lon­ge do trân­si­to, da po­lui­ção am­bi­en­tal e até das re­la­ções tó­xi­cas que tam­bém são uma fonte de stress”, in­di­ca a ex-edi­to­ra da re­vis­ta “No­va Gen­te”, e que ago­ra é vo­lun­tá­ria, em prol dos so­bre­vi­ven­tes de AVC, fa­mi­li­a­res e ami­gos, na Por­tu­gal AVC, as­so­ci­a­ção que em 2016 aju­dou a fun­dar com ou­tros dois so­bre­vi­ven­tes. ●m

Diana Wong Ra­mos (em bai­xo, à es­quer­da) fun­dou a Por­tu­gal AVC que, en­tre ou­tras ati­vi­da­des, or­ga­ni­za o Gru­po de Aju­da Mú­tua pa­ra so­bre­vi­ven­tes da do­en­ça, em Al­coi­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.