#ME­TOO MAIS DE QUE UM HASHTAG, UM MO­VI­MEN­TO QUE ABANOU O MUN­DO

Mui­tas pes­so­as, so­bre­tu­do mu­lhe­res, vêm fi­nal­men­te con­tan­do o que ca­la­ram du­ran­te anos. Qu­e­bra­ram o si­lên­cio, des­ta­pa­ram a ver­go­nha, pu­se­ram o de­do na fe­ri­da. E na­da fi­ca co­mo dan­tes.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sabe Tudo - POR Sara Di­as Oli­vei­ra

Uma his­tó­ria, de­pois ou­tra, e mui­tas ou­tras se se­gui­ram. O #Me­Too trou­xe à to­na um pro­ble­ma sé­rio da sociedade glo­bal: o as­sé­dio se­xu­al, a im­por­tu­na­ção não con­sen­ti­da, a hos­ti­li­da­de so­bre o cor­po. Tu­do co­me­çou nas re­des so­ci­ais e não tar­dou a ga­nhar ex­pres­são nos jor­nais, nas re­vis­tas, nas televisões de to­do o mun­do. Tor­nou-se um mo­vi­men­to pla­ne­tá­rio e co­lo­cou mui­ta gen­te a pen­sar em ques­tões im­por­tan­tes que en­vol­vem cor­po, in­ti­mi­da­ção, medo, rai­va, ver­go­nha, po­der.

Mui­tas pes­so­as, so­bre­tu­do mu­lhe­res, ví­ti­mas de as­sé­dio, de­nun­ci­a­ram abu­sos, ex­pu­se­ram his­tó­ri­as. Con­vi­tes ina­pro­pri­a­dos, pro­pos­tas in­de­cen­tes, to­ques de­sa­de­qua­dos, bei­jos for­ça­dos, con­tac­tos não con­sen­ti­dos. E mi­lhões de pes­so­as, em to­dos os can­tos do glo­bo, le­van­ta­ram a voz con­tra o abu­so se­xu­al.

O Me­Too é um dos mo­vi­men­tos mais in­ten­sos das úl­ti­mas dé­ca­das, que in­cen­ti­va a par­ti­lhar o que se guar­dou pa­ra mos­trar que va­le a pe­na de­nun­ci­ar

o que es­tá mal. Que o cor­po e a men­te não po­dem ser in­va­di­dos de for­mas ina­pro­pri­a­das. Os ca­sos que fo­ram sen­do re­ve­la­dos co­lo­ca­ram em xe­que no­mes do ci­ne­ma, da po­lí­ti­ca, do des­por­to. Des­ta­pa­ram a ver­go­nha e mui­tas fe­ri­das. E, de re­pen­te, um hashtag con­se­guiu con­den­sar his­tó­ri­as for­tes e pro­fun­das e uma on­da de so­li­da­ri­e­da­de cres­ceu. Pa­ra te­res ideia do im­pac­to, 12 mi­lhões de pes­so­as re­a­gi­ram no Fa­ce­bo­ok em 24 ho­ras e 500 mil no Twit­ter em ape­nas 12 ho­ras. E, no mês pas­sa­do, foi lan­ça­da uma cam­pa­nha pa­ra an­ga­ri­ar 25 mi­lhões de dó­la­res (qua­se 22 mi­lhões de eu­ros) pa­ra apli­car em ações que cha­mem a aten­ção pa­ra ques­tões re­la­ci­o­na­das com a violência se­xu­al.

A ex­pres­são foi cri­a­da pe­la ati­vis­ta ame­ri­ca­na Ta­ra­na Bur­ke em 2006, nu­ma cam­pa­nha em que se en­vol­veu pa­ra ou­vir his­tó­ri­as de ví­ti­mas de violência se­xu­al e com­ba­ter o as­sé­dio. Mas foi um twe­et da atriz Alys­sa Mi­la­no, há cer­ca de um ano, que trou­xe vi­si­bi­li­da­de ao te­ma. “Se to­das as mu­lhe­res fo­rem se­xu­al­men­te as­se­di­a­das es­cre­vam ‘Me Too’ no seu es­ta­do, tal­vez as pes­so­as te­nham a no­ção da mag­ni­tu­de do pro­ble­ma.” Es­ta foi a men­sa­gem que es­cre­veu. A par­tir daí, foi uma bo­la de ne­ve. Um ano pas­sou e mui­ta coi­sa mu­dou. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.