COLLANTS ARROJADOS PA­RA PER­NAS COM ES­TI­LO

Pa­drões ge­o­mé­tri­cos, es­tam­pa­do animal, com la­ços ou de re­de, as mei­as fan­ta­sia são ten­dên­ci­as que as­su­mem pro­ta­go­nis­mo em vi­su­ais mais mar­can­tes.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estilos -

De­pois de um ve­rão fo­ra de ho­ras, o frio pa­re­ce ter vin­do mes­mo pa­ra fi­car, con­vi­dan­do a re­che­ar as ga­ve­tas com collants que, mais do que aga­sa­lho, em­pres­tam es­ti­lo aos vi­su­ais. Há su­ges­tões va­ri­a­das e pa­ra to­dos os gos­tos no mer­ca­do, de­sa­fi­an­do a que se dei­xe as mei­as “à vis­ta qua­se co­mo nos anos 80, pas­san­do-as pa­ra pro­ta­go­nis­tas”, quer com­bi­na­das com cal­ças, sai­as, ves­ti­dos ou cal­ções, in­di­ca Ma­ria Li­ma da Bou­ti­que das Mei­as. A mar­ca se­di­a­da em Gui­ma­rães apos­ta nos mo­de­los li­sos pa­ra a mu­lher adul­ta, dei­xan­do a ori­gi­na­li­da­de pa­ra as pro­pos­tas in­fan­tis, de acor­do com o que di­ta a mo­da. A Cal­ze­do­nia trans­por­ta pa­ra o mun­do re­al o que é lan­ça­do nas pas­sa­re­las, apre­sen­tan­do uma vas­ta mon­tra de ten­dên­ci­as pa­ra a es­ta­ção no que res­pei­ta a collants. Pa­drões ge­o­mé­tri­cos, co­mo o xa­drez, “pol­ka dots” e lo­san­gos es­tão na ber­ra, per­mi­tin­do ain­da re­cu­ar três dé­ca­das atra­vés de te­ci­dos co­mo o vi­nil ou o “animal print”co­mo pa­drão, a par de “uma mis­tu­ra de ris­cas for­tes e co­res vi­bran­tes”, su­bli­nham os res­pon­sá­veis da mar­ca ita­li­a­na. Nu­ma tó­ni­ca mais ro­mân­ti­ca e sen­su­al, há ain­da os collants em ce­tim e tu­le, com mo­ti­vos flo­rais e jo­gos de trans­fe­rên­ci­as e re­cor­tes ou-

sa­dos, além de la­ços es­tra­te­gi­ca­men­te po­si­ci­o­na­dos.

E a ver­da­de é que “a mo­da trou­xe ves­ti­dos cur­tos ou com­pri­dos dos mais va­ri­a­dos ma­te­ri­ais, exi­gin­do co­mo aces­só­rio o col­lant”, fri­sa Ca­ta­ri­na Correia, do de­par­ta­men­to co­mer­ci­al da mar­ca na­ci­o­nal Da­ra. “Já as cal­ças de gan­ga bas­tan­te ro­tas pe­dem um col­lant de re­de ou com um pa­drão por bai­xo.” São tó­ni­cas im­pres­sas nas pro­pos­tas da Mag­gi­olly, a prin­ci­pal mar­ca do Gru­po Fal­cão, de Bar­ce­los, o mai­or pro­du­tor da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, que de­sen­vol­ve as pró­pri­as fi­bras e ma­lhas. Is­so sig­ni­fi­ca “o lan­ça­men­to cons­tan­te de no­vos pro­du­tos”, as­se­gu­ra o ad­mi­nis­tra­dor An­tó­nio Fal­cão, elen­can­do to­dos os itens no cam­po da fan­ta­sia an­tes re­fe­ri­dos e re­for­çan­do que “os collants em re­de vão man­ter-se e con­so­li­dar-se”, de­pois de se te­rem afir­ma­do no ano pas­sa­do. Usam-se tam­bém “os lu­rex, dou­ra­do ou cin­zen­to, e até co­res mais for­tes”.

Pa­ra lá do es­ti­lo

E dei­xa uma cer­te­za: “Os collants opa­cos nun­ca se dei­xam de con­su­mir, pois

o col­lant já não é só pa­ra abri­gar do frio e faz par­te da toi­let­te. Uma se­nho­ra, as­sim co­mo co­lo­ca uns brin­cos ou uma car­tei­ra a con­di­zer, tam­bém usa um par de collants con­for­me a rou­pa. Es­te ano lan­çá­mos o azu­lão, o mos­tar­da, o

ca­qui, o bor­de­aux, mas o pre­to con­ti­nua a ser es­co­lha, pois é um bá­si­co”.

A tec­no­lo­gia e es­tu­dos na área ofe­re­cem tam­bém collants com ca­rac­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res, quer com fi­na­li­da­de me­di­ci­nal ou pu­ra­men­te por es­té­ti­ca, além de ga­ran­ti­rem que du­ram mais tem­po. Com o ar­ti­go in­des­ma­lhá­vel, os te­mi­dos fo­gue­tes nas mei­as dei­xam de ser uma ame­a­ça, pois as ma­lhas não abrem ao lon­go das per­nas, mes­mo qu­an­do há um pe­que­no fu­ro. Mei­as pro­du­zi­das com fi­os re­ci­cla­dos ou bi­o­de­gra­dá­veis são ou­tra apos­ta da Mag­gi­olly, e An­tó­nio Fal­cão acres­cen­ta ao ca­tá­lo­go as “mei­as push-up, que se mo­de­lam ao cor­po, e as de com­pres­são, que as se­nho­ras usam pa­ra mais con­for­to, além das que ofe­re­cem

o efei­to mas­sa­jan­te ou as que re­pe­lem a água”.

A par­tir da Lou­sã, a Da­ra não foge ao que a con­cor­rên­cia faz e an­te­vê tam­bém, pa­ra bre­ve, “al­gu­mas op­ções mo­de­la­do­ras, aten­den­do à gran­de pro­cu­ra”, em­bo­ra te­nha “a li­nha com aloé vera” co­mo mais-va­lia a con­si­de­rar. “É co­lo­ca­do um adi­ti­vo [de aloé vera] no mo­men­to do tin­gi­men­to, o que pro­por­ci­o­na uma sen­sa­ção de fres­cu­ra, con­for­to e hi­dra­ta­ção da pe­le”, ex­pli­ca Ca­ta­ri­na Correia, pro­van­do que há sem­pre novidades pa­ra se­du­zir o pú­bli­co feminino. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.