OS TRANS­PLAN­TES CAPILARES JÁ NÃO SÃO UM AS­SUN­TO CABELUDO

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Esti- Bem-estar Los Por Filomena Abreu -

A cal­ví­cie é uma das con­di­ções que mais afe­ta a au­to­es­ti­ma dos ho­mens (e de al­gu­mas mu­lhe­res). Ho­je, ao con­trá­rio do que acon­te­ceu du­ran­te mui­tas dé­ca­das, este pro­ble­ma que ul­tra­pas­sa a bar­rei­ra es­té­ti­ca já po­de ser re­sol­vi­do de ma­nei­ra efi­ci­en­te e du­ra­dou­ra.

Cha­ma-se alo­pe­cia mas qua­se nin­guém a co­nhe­ce por es­se no­me. A cal­ví­cie, es­se bi­cho-de-se­te-ca­be­ças que sempre mo­eu o juízo e a au­to­es­ti­ma, prin­ci­pal­men­te aos ho­mens, vai dei­xan­do de ser uma con­di­ção per­ma­nen­te. De­pois de atin­gir um es­ta­do avan­ça­do, os champôs, as am­po­las, os me­di­ca­men­tos e as me­zi­nhas pou­co fa­rão pe­los fo­lí­cu­los. É aí que en­tram os trans­plan­tes capilares, a for­ma mais efi­caz de re­sol­ver a ques­tão. Não só por cau­sa do bem-es­tar, evi­tan­do ca­sos ex­tre­mos de iso­la­men­to e de­pres­são, mas tam­bém pa­ra pre­ve­nir ou­tros pro­ble­mas, co­mo o can­cro.

A DHI Glo­bal Me­di­cal Group foi fun­da­da em 1970 por K. Gi­o­tis e de­di­ca-se à pes­qui­sa, di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to de do­en­ças do ca­be­lo e do cou­ro cabeludo. Che­gou a Por­tu­gal em 2013, es­tá pre­sen­te no Por­to e em Lis­boa e tem Pe­dro Oli­vei­ra co­mo di­re­tor. “A do­en­ça da alo­pe­cia an­dro­ge­né­ti­ca, que tem fa­to­res he­re­di­tá­ri­os, afe­ta uma nú­me­ro mui­to mai­or de pes­so­as do que pen­sa­mos. E a for­ma co­mo o pa­ci­en­te li­da com is­so é ex­tre­ma­men­te im­pac­tan­te no seu dia-

-a-dia.”Até por­que, re­cor­da o re­pre­sen­tan­te da clí­ni­ca, “a alo­pe­cia ain­da es­tá mui­to as­so­ci­a­da ao en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce”. Al­go que po­de aba­lar a con­fi­an­ça, ge­ran­do ini­bi­ção pes­so­al e so­ci­al. O trans­plan­te ca­pi­lar con­sis­te, ba­si­ca­men­te, nu­ma re­dis­tri­bui­ção de fo­lí­cu­los no cou­ro cabeludo, mas a in­di­ca­ção pa­ra este mé­to­do es­tá de­pen­den­te do grau da pa­to­lo­gia. O tra­ta­men­to po­de va­ri­ar de acor­do com as di­fe­ren­tes clí­ni­cas e os ca­sos apre­sen­ta­dos por ca­da pa­ci­en­te. Na DHI a téc­ni­ca uti­li­za­da cha­ma-se Di­rect: “Ca­da fo­lí­cu­lo é in­je­ta­do di­re­ta­men­te, não ha­ven­do aber­tu­ra de ori­fí­ci­os pré­vi­os na zo­na re­ce­to­ra”. Is­to tor­na “o trans­plan­te ca­pi­lar de­fi­ni­ti­vo”, des­de que ha­ja “so­bre­vi­vên­cia do fo­lí­cu­lo im­plan­ta­do e sal­vo quais­quer pa­to­lo­gi­as ex­tra­or­di­ná­ri­as do pa­ci­en­te”, des­cre­ve Pe­dro Oli­vei­ra. Na DHI, os cus­tos va­ri­am em fun­ção da di­men­são da área cal­va e, con­se­quen­te­men­te, do ti­po de im­plan­te ne­ces­sá­rio. “Te­mos ses­sões pe­que­nas, de du­as ho­ras, e ses­sões de 12 ho­ras, re­a­li­za­das em dois di­as.” Os pre­ços os­ci­lam en­tre 2 000 e 8 000 eu­ros, e o di­re­tor as­se­gu-

ra que não con­se­gue con­ta­bi­li­zar “o nú­me­ro de pa­ci­en­tes que já dis­se que o trans­plan­te mu­dou a sua vi­da”.

Bar­ba e ca­be­lo — e so­bran­ce­lhas

O pós-ope­ra­tó­rio de um pa­ci­en­te que faz um trans­plan­te é sim­ples. Quem o afir­ma é Carlos Por­ti­nha, mé­di­co e co­or­de­na­dor da Clí­ni­ca Saú­de Viá­vel, que há dez anos exis­te em Por­tu­gal (Por­to, Lis­boa e, bre­ve­men­te, em Vi­la­mou­ra). “Re­pou­so nos primeiros três di­as, hi­dra­ta­ção da zo­na re­ce­to­ra e de­sin­fe­ção da área da­do­ra. Ao quar­to dia faz-se a pri­mei­ra la­va­gem e a par­tir daí

o pa­ci­en­te re­tor­na pro­gres­si­va­men­te à vi­da nor­mal.”

No ano pas­sa­do, as clí­ni­cas Saú­de Viá­vel re­a­li­za­ram, de acor­do com Carlos Por­ti­nha, “mais de três mil trans­plan­tes”. O clí­ni­co sa­li­en­ta que os pro­ce­di­men­tos se apli­cam não só ao ca­be­lo, mas tam­bém às so­bran­ce­lhas e à bar­ba. “Po­de­rá haver ne­ces­si­da­de de mais do que uma ses­são, mas da­do o ele­va­do nú­me­ro de uni­da­des fo­li­cu­la­res que trans­plan­ta­mos nu­ma só ses­são (aci­ma de 3 500), em mui­tos pa­ci­en­tes po­de­rá

bas­tar ape­nas uma.” Os valores dos tra­ta­men­tos co­me­çam nos 27 eu­ros, mas no que res­pei­ta es­pe­ci­fi­ca­men­te aos trans­plan­tes capilares, os cus­tos co­me­çam nos 79 eu­ros por mês, pa­ra quem op­tar pe­lo pa­ga­men­to a cré­di­to. Clas­si­fi­ca­da co­mo do­en­ça pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de, a alo­pe­cia é mais do que uma ques­tão me­ra­men­te es­té­ti­ca, uma vez que a fal­ta de ca­be­lo “au­men­ta o ris­co de car­ci­no­ma ma­lig­no da pe­le do cou­ro cabeludo, pe­lo que a re­cons­tru­ção ca­pi­lar sur­ge co­mo um ato te­ra­pêu­ti­co pre­ven­ti­vo”, fri­sa Carlos Por­ti­nha.

Pa­ra o su­ces­so das clí­ni­cas con­tri­bu­em não só re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os co­mo tam­bém as per­so­na­li­da­des pú­bli­cas que nos úl­ti­mos anos têm em­pres­ta­do o tes­te­mu­nho. Na clí­ni­ca Saú­de Viá­vel a lis­ta de cli­en­tes fa­mo­sos in­clui o ca­be­lei­rei­ro Edu­ar­do Be­au­té, a fa­dis­ta Fá­bia Re­bor­dão e o ex-fu­te­bo­lis­ta Raul Mei­re­les. Aos pou­cos, com os trans­plan­tes capilares, a alo­pe­cia tem dei­xa­do de ser um es­tig­ma. Por­que sen­tir­mo-nos bem traz mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas à nos­sa vi­da.

r Per­so­na­li­da­des que re­a­li­za­ram trans­plan­tes capilares na Clí­ni­ca Saú­de Viá­vel: o trei­na­dor pes­so­al San­ti­a­go Go­mes, o fu­te­bo­lis­ta Ru­ben Mi­ca­el, o trei­na­dor Augusto Iná­cio e o ca­be­lei­rei­ro Edu­ar­do Be­au­té

r ❶ Trans­plan­te ca­pi­lar re­a­li­za­do na Clí­ni­ca DHI. ❷ ❸ Na Clí­ni­ca Saú­de Viá­vel, trans­plan­te de so­bran­ce­lhas da fa­dis­ta Fá­bia Re­bor­dão e trans­plan­te de bar­ba de um pa­ci­en­te anó­ni­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.