MA­NI­FES­TO

Máxima - - Contents -

Trin­ta anos de Má­xi­ma. Um le­ga­do sem­pre de olhos pos­tos no fu­tu­ro, pe­la pe­na de Ma­nu­el Di­as Co­e­lho.

Re­cor­do, com a ni­ti­dez das me­mó­ri­as que se guar­dam no co­ra­ção, do pri­mei­ro anún­cio te­le­vi­si­vo da Má­xi­ma que vi­ria a ser, sem eu ain­da sa­ber, a re­vis­ta da mi­nha vi­da. Mos­tra­va três mu­lhe­res, jo­vens e bo­ni­tas, ali­nha­das no bor­do de uma gran­de pis­ci­na. Du­as de­las usa­vam fa­tos-de-ba­nho e tou­cas azuis e ver­me­lhas e uma de­las mos­tra­va-se com um fa­to-de-ba­nho ver­me­lho e com uma tou­ca ver­de. Is­so sig­ni­fi­ca­va, im­pli­ci­ta­men­te, a di­fe­ren­ça en­tre as co­res das ban­dei­ras fran­ce­sa e por­tu­gue­sa por a Má­xi­ma es­tar a ser lan­ça­da no mes­mo mês que as edi­ções por­tu­gue­sas das du­as re­vis­tas fe­mi­ni­nas com mais tra­di­ção pu­bli­ca­das em Fran­ça. No anún­cio, as mu­lhe­res lan­ça­vam-se à água e com­pe­ti­am en­tre si até que a na­da­do­ra de ver­me­lho e de ver­de to­ma­va a di­an­tei­ra, che­ga­va à ou­tra ponta da pis­ci­na, re­ti­ra­va a tou­ca e sor­ria pa­ra a câ­ma­ra en­quan­to, em fun­do, se ou­via uma voz fe­mi­ni­na que de­cla­ra­va, em tom de voz se­gu­ro: “Má­xi­ma. A mu­lher por­tu­gue­sa em pri­mei­ro lu­gar.” Es­sa de­mar­ca­ção dos tí­tu­los fran­ce­ses fez pre­va­le­cer a no­ção de que a nos­sa re­vis­ta era uma pu­bli­ca­ção de raiz na­ci­o­nal e sem as in­ter­ven­ções edi­to­ri­ais e de ca­pi­tais do es­tran­gei­ro.

A iro­nia su­pre­ma é que a Má­xi­ma nas­ceu e triun­fou de um pro­jec­to fa­lha­do. Ma­da­le­na Fra­go­so, que fun­dou a Má­xi­ma, es­te­ve acom­pa­nha­da de Jo­sé Miguel Jú­di­ce, en­tão pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa de­ten­to­ra do já ex­tin­to Se­ma­ná­rio, nu­ma reu­nião com os res­pon­sá­veis de uma da­que­las re­vis­tas fran­ce­sas, em Pa­ris, pa­ra pro­por a pu­bli­ca­ção do tí­tu­lo no nos­so país. Foi-lhes qua­se ga­ran­ti­da a vi­tó­ria. Uns me­ses mais tar­de sa­be­ri­am pe­los jor­nais por­tu­gue­ses que a ex­plo­ra­ção do tí­tu­lo ha­via si­do en­tre­gue à so­ci­e­da­de de­ten­to­ra do jor­nal Cor­reio da Ma­nhã, cu­ri­o­sa­men­te o diá­rio líder em cu­jo gru­po edi­to­ri­al es­tá ho­je in­te­gra­da a Má­xi­ma. Além de uma gran­de se­nho­ra, Ma­da­le­na Fra­go­so era uma mu­lher de ar­mas e não bai­xou os bra­ços pe­ran­te o ines­pe­ra­do fra­cas­so. Com o apoio inequí­vo­co de Jo­sé Miguel Jú­di­ce, de­ci­diu fa­zer uma re­vis­ta com ca­pi­tais por­tu­gue­ses. A ideia avan­çou e tor­nou-se uma re­a­li­da­de em fi­nais de Se­tem­bro de 1988, quan­do a nos­sa re­vis­ta che­gou às ban­cas. O tí­tu­lo de­ve­ria cor­res­pon­der ao ide­al de Ma­da­le­na Fra­go­so: que a sua re­vis­ta fos­se o má­xi­mo. E daí a Má­xi­ma. Foi as­sim que tu­do co­me­çou. Mas co­mo os tem­pos eram ou­tros e não exis­tia a tra­di­ção de pu­bli­ca­ções fe­mi­ni­nas de qua­li­da­de em lín­gua por­tu­gue­sa, hou­ve a ne­ces­si­da­de de re­cor­rer ao apoio de uma re­vis­ta es­tran­gei­ra atra­vés da com­pra de ex­clu­si­vos de tex­to, de mo­da e de be­le­za que re­for­ças­sem os con­teú­dos na­ci­o­nais. Re­sul­tou des­sa von­ta­de a re­la­ção co­mer­ci­al, de 30 anos, com a Ma­da­me Fi­ga­ro, ain­da ho­je a re­vis­ta mais li­da em Fran­ça e pu­bli­ca­da pe­lo Le Fi­ga­ro. Sa­li­en­to que a Má­xi­ma é, des­de o nú­me­ro um, in­de­pen­den­te aos ní­veis edi­to­ri­al e de ca­pi­tais es­tran­gei­ros. A re­vis­ta foi to­man­do for­ma em reu­niões de tra­ba­lho di­ver­ti­das na ca­sa en­so­la­ra­da de Ma­da­le­na Fra­go­so, com uma vis­ta mag­ní­fi­ca so­bre o Te­jo, e si­tu­a­da no úl­ti­mo an­dar de um pré­dio do ele­gan­te bair­ro da La­pa, em Lis­boa. Es­sa at­mos­fe­ra de es­pe­ran­ça e de fe­li­ci­da­de foi trans­pos­ta pa­ra as pri­mei­ras ins­ta­la­ções da Má­xi­ma, no Chi­a­do lis­bo­e­ta, num ter­cei­ro an­dar tam­bém cheio de sol e com uma vis­ta so­ber­ba so­bre o rio. Re­cor­do, mais uma vez com a emo­ção que res­guar­da as me­mó­ri­as mais bo­ni­tas, que quan­do en­trei na­que­las ins­ta­la­ções, pe­la pri­mei­ra vez, ha­via sol, um gar­ga­lhar cris­ta­li­no de vo­zes fe­mi­ni­nas em fun­do e que pai­ra­va no ar um ras­to agra­dá­vel de per­fu­mes. Por eu ser oriun­do de um meio pro­fis­si­o­nal mais rí­gi­do, da­do ter si­do jor­na­lis­ta po­lí­ti­co e par­la­men­tar, es­se am­bi­en­te po­de­ria ter-me si­do in­ti­mi­dan­te, mas, bem pe­lo con­trá­rio, trans­por­tou-me men­tal­men­te pa­ra a mi­nha ca­sa de fa­mí­lia que é mar­ca­da por mu­lhe­res. E o aco­lhi­men­to das mi­nhas fu­tu­ras co­le­gas foi tão re­con­for­tan­te que os re­cei­os que eu pu­des­se ter sen­ti­do ter-se-iam dis­si­pa­do co­mo aque­le ras­to de per­fu­me.

Eu não pre­ci­sei de mui­to tem­po pa­ra en­ten­der que, a par da im­por­tân­cia do tex­to e da for­ça dos te­mas abor­da­dos, a ima­gem de re­fi­na­men­to era o leit­mo­tiv da Má­xi­ma, o qual per­sis­te. Por is­so, pe­di ao ilus­tra­dor An­tó­nio Car­los So­a­res que se es­tre­as­se na co­la­bo­ra­ção com a Má­xi­ma, nes­te nú­me­ro, em­be­le­zan­do es­te edi­to­ri­al com a ima­gem de uma mu­lher su­bli­me ves­ti­da de ver­me­lho, uma das co­res da ban­dei­ra na­ci­o­nal que a nos­sa re­vis­ta adop­tou e que é uma sua ima­gem de mar­ca. Apren­di com Ma­da­le­na Fra­go­so e com Ma­ria An­tó­nia Pal­la, a gran­de jor­na­lis­ta que ele­vou a qua­li­da­de edi­to­ri­al do tex­to da Má­xi­ma a um ní­vel que ain­da ho­je nos es­for­ça­mos por man­ter, a di­ri­gir pro­fis­si­o­nal e hu­ma­na­men­te uma equi­pa, a ge­ri-la nos mo­men­tos mais agi­ta­dos, a exe­cu­tar com brio to­dos os números co­mo se fos­sem o pri­mei­ro e, so­bre­tu­do, a amar o que fa­ço. Con­fes­so que nun­ca so­nhei poder es­cre­ver es­te edi­to­ri­al de ce­le­bra­ção dos 30 anos da re­vis­ta que es­tá no meu co­ra­ção. É uma hon­ra, pa­ra mim, poder fa­zê-lo.

UMA RE­VIS­TA RE­SIS­TIR A 30 ANOS

de pu­bli­ca­ção não é co­mum, em Por­tu­gal. A Má­xi­ma con­se­guiu-o. A par­tir de ago­ra, to­dos quan­tos tor­na­ram pos­sí­vel es­ta me­ta têm a res­pon­sa­bi­li­da­de de co­me­çar a cons­truir o fu­tu­ro da nos­sa e sua re­vis­ta. Mas não es­que­ce­re­mos o le­ga­do de três dé­ca­das que ga­ran­ti­ram à Má­xi­ma a chan­ce­la de re­vis­ta fe­mi­ni­na de re­fe­rên­cia, no nos­so país. So­mos mui­to mais que uma ca­pa bo­ni­ta. E re­pi­to: so­mos uma re­vis­ta com con­teú­do pa­ra mu­lhe­res com con­teú­do. Sin­to-me re­ben­tar de or­gu­lho sem­pre que me di­zem que a Má­xi­ma não é uma re­vis­ta pa­ra mu­lhe­res, mas pe­las mu­lhe­res. Foi sem­pre es­sa a nos­sa ban­dei­ra. Enal­te­cer a Mu­lher, dig­ni­fi­car a Con­di­ção Fe­mi­ni­na e hon­rar tu­do o que foi e es­tá a ser fei­to por mu­lhe­res que já não que­rem ter o ró­tu­lo de Be­lo Se­xo e, mui­to me­nos, su­por­tar a car­ga in­dig­na de se­rem ape­li­da­das de Se­xo Fra­co. Daí que ce­le­bre­mos os nos­sos 30 anos de pu­bli­ca­ção com um ar­ti­go atra­vés do qual es­tre­a­mos uma sé­rie de re­tra­tos e de per­fis de mu­lhe­res por­tu­gue­sas que, na se­lec­ção da Má­xi­ma, se des­ta­cam pe­las mais ex­ce­len­tes ra­zões e que pu­bli­ca­re­mos, in­ter­va­la­da­men­te, ao lon­go dos 12 me­ses que cor­res­pon­dem à A ca­pa do pri­mei­ro nú­me­ro da Má­xi­ma, com a en­tão mo­de­lo e ho­je uma bem-su­ce­di­da mu­lher de ne­gó­ci­os, Xa­na Nu­nes, fo­to­gra­fa­da por Cla­ra Aze­ve­do. Ao la­do, a re­por­ta­gem es­cri­ta pe­la en­tão jor­na­lis­ta da Má­xi­ma, He­le­na Ma­tos, que lhe va­leu, em 1993, o mai­or pré­mio de Jor­na­lis­mo do país. Tam­bém com es­ta dis­tin­ção, a Má­xi­ma va­li­dou o seu es­ta­tu­to edi­to­ri­al e con­tri­buiu pa­ra a va­lo­ri­za­ção das re­vis­tas fe­mi­ni­nas. nos­sa efe­mé­ri­de, ou se­ja, até Se­tem­bro de 2019. Eu re­gres­sei à “mi­nha” re­vis­ta há um ano e man­te­nho co­mo meu o le­ma de The­o­do­re Ro­o­se­velt: “Ke­ep your eyes on the stars and your fe­et on the ground.” Sem­pre que de­li­neio ca­da nú­me­ro, com o in­subs­ti­tuí­vel apoio da mi­nha equi­pa edi­to­ri­al (que in­te­gra a Re­dac­ção e a Arte), eu lem­bro-me dis­to e de lhe re­cor­dar que a Má­xi­ma de­ve trans­mi­tir a quem a lê e a quem ne­la in­ves­te pu­bli­ci­ta­ri­a­men­te es­se tão be­lo prin­cí­pio de ter os olhos nas es­tre­las e os pés bem fir­mes na ter­ra. O gla­mour das fo­to­gra­fi­as, das ilus­tra­ções, das pro­du­ções de mo­da e dos artigos de be­le­za, po­ten­ci­a­do pe­lo de­sign grá­fi­co, tem de acom­pa­nhar a ex­ce­lên­cia dos tex­tos, se­jam eles de con­teú­dos jor­na­lís­ti­cos frac­tu­ran­tes ou me­ra­men­te eva­si­vos. De­fen­do que às lei­to­ras se de­ve pro­por­ci­o­nar a do­se cer­ta de so­nho e de re­a­li­da­de. A nos­sa ideia da Mo­da mis­tu­ra o so­nho das ima­gens com a crí­ti­ca cons­tru­ti­va e sem­pre que ne­ces­sá­ria à res­pec­ti­va in­dús­tria e a quem a su­por­ta.

OS PRÉ­MI­OS DE JOR­NA­LIS­MO

com que a Má­xi­ma con­ti­nua a ser dis­tin­gui­da são in­cen­ti­vos pa­ra que man­te­nha­mos a pes­qui­sa jor­na­lís­ti­ca e re­cu­se­mos os te­mas e os ró­tu­los que tei­mam em re­le­gar as mu­lhe­res pa­ra uni­ver­sos que lhes têm si­do atri­buí­dos cul­tu­ral e se­cu­lar­men­te e que, nos di­as de ho­je, já dei­xam de fa­zer sen­ti­do. O mun­do mu­dou com o 11 de Se­tem­bro de 2001. Es­tá a mu­dar com o mo­vi­men­to Me­too nas so­ci­e­da­des mais de­mo­crá­ti­cas que, ape­sar de o se­rem, ain­da con­ti­nu­am a re­le­gar as mu­lhe­res pa­ra um pla­no su­bal­ter­no. Or­gu­lho­me que me di­gam que eu sou um ho­mem fe­mi­nis­ta. O meu res­pei­to pe­las mu­lhe­res é in­co­men­su­rá­vel. Nas­ci de uma. Or­gu­lho-me, tam­bém, de poder tra­ba­lhar com e pa­ra mu­lhe­res. Ter­mi­no es­tas pa­la­vras es­cri­tas re­cor­dan­do o ou­tro claim da Má­xi­ma quan­do foi lan­ça­da, há três dé­ca­das: “A re­vis­ta da mu­lher que fa­la e que pen­sa em Por­tu­guês.” Ho­je, re­es­cre­vo-o: “A re­vis­ta da mu­lher que pen­sa.” E ne­le es­tão in­cluí­das to­das as mu­lhe­res. Mes­mo aque­las a quem não con­se­guem proi­bir de pen­sar. A to­das as mu­lhe­res que nos acom­pa­nha­ram nes­tes 10.950 di­as de tan­ta fe­li­ci­da­de e par­ti­cu­lar­men­te a si, que nos lê nes­te mo­men­to, o re­co­nhe­ci­men­to e o agra­de­ci­men­to de to­dos os que, mês após mês, le­vam a Má­xi­ma até si. Nun­ca dei­xe de acre­di­tar que sem­pre que a ti­ver nas su­as mãos, os seus olhos irão es­tar nas es­tre­las. E o co­ra­ção tam­bém.

Or­gu­lho-me que me di­gam que eu sou um ho­mem fe­mi­nis­ta. O meu res­pei­to pe­las mu­lhe­res é in­co­men­su­rá­vel. Nas­ci de uma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.