MU­DAM-SE OS TEM­POS…

Três dé­ca­das são su­fi­ci­en­tes pa­ra mu­dar um país. E nós da­mos exem­plos de mudanças sim­ples, mas mar­can­tes, que al­te­ra­ram o nos­so quo­ti­di­a­no e o nos­so com­por­ta­men­to des­de 1988.

Máxima - - Contents - Por Ma­ri­na Sam­paio

… mu­dam-se as von­ta­des. Olha­mos as úl­ti­mas três dé­ca­das e ana­li­sa­mos de que for­ma o tem­po al­te­rou há­bi­tos e com­por­ta­men­tos, re­vo­lu­ci­o­nan­do os nos­sos di­as e as nos­sas vi­das.

PA­RA MAIS TAR­DE RE­COR­DAR? Co­me­ce­mos pe­lo mo­do co­mo guar­da­mos as nos­sas me­mó­ri­as fo­to­grá­fi­cas. Há 30 anos, pa­ra não ir­mos mais lon­ge, cor­ría­mos pa­ra re­ve­lar os ro­los de fo­to­gra­fi­as que ti­rá­va­mos com má­qui­nas fo­to­grá­fi­cas, cu­ja evo­lu­ção con­ti­nua a es­pan­tar. E o sus­pen­se aden­sa­va (“Te­rão fi­ca­do bem?”) até ao dia em que as ía­mos bus­car bem re­ve­la­das e con­ti­das num en­ve­lo­pe. Era com uma enor­me ex­ci­ta­ção que as re­ce­bía­mos pa­ra as des­co­brir­mos, uma após ou­tra, ain­da que em al­gu­mas as ca­be­ças es­ti­ves­sem cor­ta­das ou, no me­lhor dos ca­sos, des­fo­ca­das. De­pois co­lo­cá­va­mo-las em ál­buns pe­sa­dos que ti­nham fo­lhas de pa­pel de se­da pa­ra as pro­te­ger. Ho­je, os ál­buns são di­gi­tais e as fo­to­gra­fi­as são ti­ra­das por te­le­mó­veis e se fi­ca­ram mal, apa­gam-se e re­pe­tem-se. Per­deu-se a es­pon­ta­nei­da­de e a ex­pec­ta­ti­va. E se hou­ver um de­sai­re téc­ni­co não fi­ca na­da guar­da­do pa­ra a pos­te­ri­da­de e que nos pos­sa vir a en­som­brar, anos mais tar­de.

BUT FIRST, LET ME TA­KE A SEL­FIE. To­dos o fa­ze­mos, uns mais do que ou­tros. É a “fe­bre” da sel­fie… Ela é ti­ra­da por dá cá aque­la pa­lha e enal­te­ce o ego de quem a ti­ra. Sós ou acom­pa­nha­dos e de te­le­mó­vel em ris­te, aí es­tá ela a mos­trar ve­zes sem con­ta que, afi­nal, sa­be­mos co­mu­ni­car, que gos­ta­mos de pos­tar e que so­mos di­ver­ti­dos e co­ol!

HO­JE, SAI-SE. Há mais de 30 anos, o ter­mo co­co­o­ning de­fi­niu a von­ta­de de es­tar em ca­sa, o nos­so “ca­su­lo”, e foi adop­ta­do por Faith Pop­corn pa­ra ex­pli­car es­se mo­vi­men­to cres­cen­te do re­gres­so à ca­sa e à se­gu­ran­ça que ela re­pre­sen­ta por opo­si­ção à pro­cu­ra do en­tre­te­ni­men­to fo­ra de­la. Ago­ra pa­re­ce es­tar tu­do do aves­so. Ape­sar da cri­se

eco­nó­mi­ca, nun­ca se saiu tan­to e tão ce­do na ida­de, nun­ca se inau­gu­ra­ram tan­tos res­tau­ran­tes e ba­res, nun­ca a di­ver­são, so­bre­tu­do a noc­tur­na, foi tão va­ri­a­da e ani­ma­da, e nun­ca se vi­a­jou tan­to. A ca­sa pa­re­ce ser mais um “re­fú­gio” do que um “ca­su­lo”. Se­rá que Ms. Pop­corn já ade­riu a es­ta ten­dên­cia?

SE­XO À LA CAR­TE… DI­GI­TAL. Whit­ney Wolf Herd deu um gran­de pas­so em fren­te ao cri­ar a Bum­ble, a apli­ca­ção que per­mi­te às mu­lhe­res to­ma­rem a ini­ci­a­ti­va de en­con­trar um par­cei­ro se­xu­al. Is­to há três dé­ca­das se­ria im­pos­sí­vel por­que não ha­via In­ter­net e as mu­lhe­res não ti­nham uma gran­de li­ber­da­de pa­ra to­mar a ini­ci­a­ti­va. Ha­via to­do um ri­tu­al a cum­prir: sair de ca­sa, fre­quen­tar lu­ga­res de en­tre­te­ni­men­to noc­tur­nos, ves­tir-se bem, sen­tir a tal “quí­mi­ca”, etc., etc… Ago­ra, até em ca­sa e de pi­ja­ma se po­de pro­cu­rar um par­cei­ro se­xu­al. Bas­ta ter um te­le­mó­vel, li­ga­ção à In­ter­net e es­tar ins­cri­ta num dos si­tes de “en­con­tros amo­ro­sos” ou sim­ples­men­te no Fa­ce­bo­ok, que con­ti­nua na ori­gem de mui­tas re­la­ções…

NÃO COM­PRA, MAS ALU­GA. Pa­ra a Ge­ra­ção Y ou Mil­len­ni­als ou Ge­ra­ção da In­ter­net ou o mais que ain­da lhes quei­ram cha­mar, ou se­ja, aque­la ge­ra­ção que con­ti­nu­a­rá a ter um mai­or im­pac­to na eco­no­mia mun­di­al, a pro­pri­e­da­de, per se, não lhe diz na­da. Por is­so, não se com­pram ca­sas ou car­ros, mas alu­gam-se. O le­ma é es­te: não é pre­ci­so com­prar uma ca­sa pa­ra ter um lar e não é pre­ci­so com­prar car­ro pa­ra se con­se­guir ir de um lu­gar pa­ra o ou­tro. Alu­gar, ar­ren­dar e par­ti­lhar são os no­vos “con­tra­tos de com­pra e ven­da”. O mun­do Mil­len­ni­al abra­çou tam­bém to­das as for­mas de tro­cas, o que ex­pli­ca o su­ces­so de fór­mu­las co­mo Airbnb, Lyft, Uber e es­pa­ços de cowor­king. Além do mais, o pu­ro con­su­mo foi subs­ti­tuí­do por ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais en­ri­que­ce­do­ras, co­mo, por exem­plo, vi­a­jar, ir ao te­a­tro e fre­quen­tar spas e res­tau­ran­tes.

STAYING ALI­VE! A to­ma­da de cons­ci­ên­cia, ca­da vez mai­or, de que so­mos o que co­me­mos e que as nos­sas es­co­lhas afec­tam a nos­sa saú­de e a lon­ge­vi­da­de é uma re­a­li­da­de. As­su­mi­mos, mais do que nun­ca, to­da uma no­va for­ma de vi­da que pri­vi­le­gia o bem-es­tar. E is­so pas­sa não só pe­la ac­ti­vi­da­de fí­si­ca, que se mul­ti­pli­cou em mil e uma no­vas mo­da­li­da­des, mas tam­bém pe­la ali­men­ta­ção. Ou de­ve­re­mos fa­lar de nu­tri­ção? Su­pe­ra­li­men­tos, an­ti­o­xi­dan­tes ou pro­bió­ti­cos são ter­mos que en­tra­ram no vo­ca­bu­lá­rio co­mum e já não nos cau­sam es­tra­nhe­za. Be­be­mos su­mos de­tox, to­ma­mos su­ple­men­tos mul­ti­vi­ta­mí­ni­cos di­a­ri­a­men­te, tra­ça­mos pla­nos ali­men­ta­res isen­tos de lac­to­se e de glú­ten, evi­ta­mos ali­men­tos

QUAN­TAS MAIS, ME­LHOR. Os “ban­dos”, as “tri­bos” ou, pu­ra e sim­ples­men­te, os gru­pos de mu­lhe­res que, nos anos 90, in­va­di­ram a noi­te e os ae­ro­por­tos foi mais do que uma ten­dên­cia. Nun­ca, co­mo ago­ra, tan­tas mu­lhe­res de di­fe­ren­tes ida­des se jun­tam pa­ra sem com­ple­xos se di­ver­ti­rem à noi­te ou pa­ra vi­a­jar. Em Por­tu­gal, on­de há meio sé­cu­lo “pa­re­cia mal” uma se­nho­ra sair sem com­pa­nhia, so­bre­tu­do à noi­te, a tra­di­ção já não é o que era. E ca­da vez mais as mu­lhe­res as­su­mem a par­ti­lha dos es­pa­ços noc­tur­nos com os mes­mos di­rei­tos de usu­fru­to e de la­zer que os ho­mens.

DRESS TO IM­PRESS? Quan­do é que sair à noi­te dei­xou de ser mo­ti­vo de cuidado com a in­du­men­tá­ria, tal co­mo há 30 anos? “O que é que vais le­var ves­ti­do lo­go à noi­te?” te­rá saí­do do lé­xi­co ur­ba­no nes­tes no­vos tem­pos? Ago­ra que te­mos aces­so a mo­da pa­ra to­dos os gos­tos e pa­ra to­das as bol­sas, não é pre­ci­so ven­der os anéis pa­ra se con­se­guir ali­nhar um out­fit. Até por­que ves­tir bem não é si­nó­ni­mo de ves­tir ca­ro, ou me­lhor, ves­tir ca­ro não é o mes­mo que ves­tir bem. E des­lum­brar vol­tou a es­tar na or­dem do dia. À VE­LO­CI­DA­DE DA LUZ. Vi­a­jar dei­xou de ser um acon­te­ci­men­to e um de­se­jo lon­gín­quo com ne­ces­si­da­de de gran­des pre­pa­ra­ti­vos. O mun­do é glo­bal e é pa­ra ser des­co­ber­to de mo­chi­la ou de ma­la de ca­bi­ne. As com­pa­nhi­as low-cost pu­lu­lam e a fa­ci­li­da­de com que se com­pra um bi­lhe­te, se sal­ta pa­ra o tá­xi, se de­sem­bar­ca no ae­ro­por­to e se en­tra num ho­tel é fei­ta qua­se à ve­lo­ci­da­de da luz. Ma­pas de pa­pel, agên­ci­as de vi­a­gens, tra­vel­ler checks, má­qui­nas fo­to­grá­fi­cas e afins pa­re­cem coi­sas de museu.

CO­MI­DA DE FU­SÃO, GAS­TRO­NO­MIA MO­LE­CU­LAR, CHEFS,

SU­PER-CHEFS E UBER-CHEFS. Nun­ca se atri­buiu tan­ta aten­ção à co­mi­da, a um chef, a um res­tau­ran­te no­vo e a um me­nu di­fe­ren­te. De re­pen­te, abri­ram-se as portas de to­das as co­zi­nhas do mun­do nu­ma imen­sa fei­ra de sa­bo­res. E se há 30 anos era a Te­le­vi­são que se en­car­re­ga­va da di­vul­ga­ção, ho­je são os me­dia e a In­ter­net que trans­for­mam co­zi­nhei­ros em chefs e a cu­li­ná­ria em gas­tro­no­mia. Mu­dam-se os tem­pos, mu­dam-se os sa­bo­res.

SÉ­RI­ES DE TE­LE­VI­SÃO, O NO­VO VÍ­CIO. Co­mo é que vi­vía­mos, há 30 anos, an­tes de ha­ver tan­tos ca­nais te­le­vi­si­vos e tan­tas sé­ri­es? Co­mo é que não mor­ría­mos de an­si­e­da­de? Na­que­le tem­po, as sé­ri­es icó­ni­cas eram pa­ra ser vis­tas a con­ta-go­tas, ou se­ja, um epi­só­dio ape­nas por se­ma­na. E es­pe­rar pe­la se­ma­na se­guin­te pa­re­cia uma eter­ni­da­de. Ho­je, di­fi­cil­men­te se­gui­mos as mes­mas sé­ri­es ao mes­mo tem­po, mas fa­la­mos das per­so­na­gens co­mo se as co­nhe­cês­se­mos bem. Em ge­ral, a qua­li­da­de au­men­tou e deu-nos es­te ví­cio que, afi­nal, ado­ra­mos.

IN­FLU­EN­CERS. Não, não se tra­ta de uma no­va es­tir­pe de ví­rus da in­flu­en­za. Re­fe­ri­mo-nos à in­flu­en­cer mui­to em vo­ga nos di­as que cor­rem e que mais não é do que uma for­ma de mar­ke­ting, cu­jo fo­co es­tá co­lo­ca­do nas pes­so­as que vão in­flu­en­ci­ar ou­tras ao in­vés do mer­ca­do, em ge­ral. É iden­ti­fi­ca­da (Fa­ce­bo­ok, Ins­ta­gram e por aí fo­ra…) con­so­an­te o nú­me­ro avas­sa­la­dor que ti­ver de se­gui­do­ras e de se­gui­do­res. Mais um ca­so em que o que con­ta é a qu­an­ti­da­de e não a qua­li­da­de. Mas o Fi­nan­ci­al Ti­mes já lhes ga­ran­te o de­clí­nio jun­to das gran­des mar­cas. Se­rá as­sim?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.