CO­MO AC­TU­A­LI­ZAR O GUAR­DA-ROU­PA

Máxima - - Para Começar - Por Ma­ri­na Sam­paio

Mu­dar de ves­tuá­rio to­das as es­ta­ções é um pri­vi­lé­gio dos mui­to ri­cos. Mas o que po­de fa­zer uma co­mum mor­tal pa­ra es­tar na mo­da? Des­cu­bra co­mo e sem se arruinar.

Mais do que re­no­var o guar­da-rou­pa (só os su­per-ri­cos é que o po­de­rão fa­zer, du­as ve­zes ao ano), o que es­tá in é ac­tu­a­li­zá-lo ou até “re­ci­clá-lo” sem nos ar­rui­nar­mos com com­pras des­ne­ces­sá­ri­as. O mo­te é ter-se es­ti­lo ou não, sem nun­ca ser e, pi­or ain­da, pa­re­cer uma ví­ti­ma da mo­da.

Nu­mas fé­ri­as dis­tan­tes, num país tam­bém dis­tan­te, eu lem­bro-me de en­trar no ele­va­dor de um ho­tel e de fi­car ab­so­lu­ta­men­te ren­di­da ao es­ti­lo de uma se­nho­ra fran­ce­sa com uma si­lhu­e­ta da­que­las de pon­to de ex­cla­ma­ção (ou não fos­se ela uma fran­ce­sa). Usa­va um ves­ti­do Puc­ci com­pri­do. Não me con­ti­ve e elo­gi­ei-o. De­pois de agra­de­cer o cum­pri­men­to e sem en­con­trar for­ma, di­ga-se a ver­da­de, de po­der re­tri­buir, con­fes­sou (de um rés-do-chão a um 15.º an­dar po­de-se fi­car a sa­ber mui­to so­bre a vi­da de uma pes­soa) que era um ves­ti­do vin­ta­ge que o ma­ri­do lhe ti­nha ofe­re­ci­do há mui­tos anos, por oca­sião do dé­ci­mo ani­ver­sá­rio de ca­sa­men­to e que pas­sa­dos ou­tros tan­tos anos o ti­nha re­cu­pe­ra­do pa­ra ves­tir na­que­las fé­ri­as: “Na­da co­mo uma boa com­pra que nun­ca pas­sa de mo­da, n’est ce pas, ché­rie?” Voilà! O exem­plo ali ma­te­ri­a­li­za­do do que era o lu­xo da lon­ge­vi­da­de, a au­to­ri­da­de si­len­ci­o­sa que se trans­por­ta, atra­vés dos anos, sem de­si­lu­dir. Não sei o que in­ve­jei mais, se o ves­ti­do, se o bom gos­to ou se o fac­to de es­sa se­nho­ra, pas­sa­da uma dé­ca­da so­bre as ou­tras dé­ca­das de vi­da que ele­gan­te­men­te apa­ren­ta­va, ain­da ca­ber den­tro do mes­mo. Ali es­ta­va a pro­va vi­va que quan­do se tra­ta de gas­tar di­nhei­ro, mais va­le in­ves­tir­mos em qua­li­da­de, ou me­lhor, em va­lo­res se­gu­ros. E is­to não sig­ni­fi­ca que te­nha­mos de nos arruinar pa­ra com­prar um ca­sa­co com­pri­do, umas bo­tas al­tas ou qual­quer ade­re­ço de mar­ca, se­ja Puc­ci ou não. O que sig­ni­fi­ca é que de­ve­mos fa­zer es­co­lhas, ter­mos no­ção das pri­o­ri­da­des e com­prar a me­lhor qua­li­da­de que con­se­gui­mos pe­lo me­lhor pre­ço. Me­nos é mais. E po­de ser mui­to mais ape­sar do pre­ço quan­do a ver­sa­ti­li­da­de es­tá pre­sen­te. Um tail­leur que pos­sa ser usa­do de va­ri­a­dís­si­mas for­mas ao lon­go dos anos aca­ba, no fi­nal, por cus­tar me­nos do que um ar­má­rio cheio de pe­chin­chas. Se di­vi­dir o cus­to da pe­ça de rou­pa ou do acessório pe­lo nú­me­ro de ve­zes que o usou ou sa­be que o vai usar, te­rá o re­al cus­to do mes­mo. Um ca­sa­co de ca­xe­mi­ra é ca­ro e nem to­dos po­de­re­mos ter aces­so a um, mas quan­do se con­se­gue in­ves­tir num de­les e quan­do se usa anos a fio aca­ba­rá por cus­tar me­nos do que um de mo­da des­car­tá­vel que se usa uma es­ta­ção e se “dei­ta fo­ra”.

INÈS DE LA FRES­SAN­GE,

mu­sa de Karl La­ger­feld e ex-mo­de­lo Cha­nel, con­fes­sa no li­vro Chic Sim­ple Clothes (por Ch­ris­ta Worthing­ton, edi­ções Knoff ): “Tra­ba­lhei na in­dús­tria da mo­da du­ran­te mui­to tem­po. Tal co­mo to­da a gen­te, tra­ba­lho, saio e to­das as ma­nhãs te­nho de en­con­trar al­go pa­ra ves­tir – al­go no qual eu me sin­ta con­for­tá­vel to­do o dia. Dan­tes, eu ti­nha guar­da-rou­pas tão chei­os que qua­se po­di­am re­ben­tar. Ho­je, pre­fi­ro ter só al­gu­mas pe­ças, mas de boa qua­li­da­de. Não con­cor­do com a ideia de as ten­dên­ci­as mu­da­rem au­to­ma­ti­ca­men­te de uma es­ta­ção pa­ra a ou­tra. O meu guar­da-rou­pa de­sen­vol­ve-se, gra­du­al­men­te, com sub­tis ino­va­ções e de acor­do com o meu es­ti­lo de vi­da.” Pa­ra eu nun­ca me es­que­cer des­ta li­nha de ac­ção, to­dos os anos re­ci­to um man­tra (sem mui­to su­ces­so, di­ga-se): vou trans­for­mar es­ta fal­ta de jei­to pa­ra com­prar só o que pre­ci­so num efei­to de es­ti­lo e sair vi­to­ri­o­sa dis­so tu­do! Mas con­tra mim es­cre­vo. Aos pri­mei­ros acor­des da no­va es­ta­ção, à pri­mei­ra ame­a­ça de tem­pe­ra­tu­ras li­gei­ra­men­te mais bai­xas pa­ra a épo­ca (no

fi­nal de Se­tem­bro, o bo­le­tim me­te­o­ro­ló­gi­co pas­sa a ser um dos meus pro­gra­mas de te­le­vi­são mais vis­tos…) e eis-me em êx­ta­se a olhar pa­ra as mon­tras, a to­mar de as­sal­to as lo­jas, ab­so­lu­ta­men­te con­ven­ci­da de que eu não te­nho na­da pa­ra ves­tir e de que pre­ci­so de tu­do o que es­tá nos ex­po­si­to­res di­rec­ta­men­te pa­ra o meu clo­set pa­ra ser fe­liz! Uma es­qui­zo­fre­nia fashi­on, até por­que o que era mo­da há cin­co mi­nu­tos, já não é. Re­sul­ta­do? Um ar­má­rio que é um tú­nel in­fi­ni­to on­de tu­do se per­de. Se a mi­nha vi­da de­pen­des­se da ca­pa­ci­da­de de con­se­guir enu­me­rar to­das as cal­ças, as ca­mi­sas, as tú­ni­cas, os ca­sa­cos e os ves­ti­dos que lá es­tão… já es­ta­ria, há mui­to, mor­ta e en­ter­ra­da. Al­guém (uma fran­ce­sa, cla­ro!) dis­se a pro­pó­si­to de ou­trem (uma ame­ri­ca­na): “Eu não per­ce­bo co­mo é que ela se po­de ves­tir bem com tan­ta rou­pa no ar­má­rio.” Tal­vez se­ja es­te o pa­ra­do­xo da Mo­da. Quan­to mais se amon­toa, mais di­fí­cil é a es­co­lha. Mui­tas ve­zes, a mai­or par­te mes­mo, são com­pras des­ne­ces­sá­ri­as, im­pul­si­vas, du­pli­ca­ções do mes­mo! E é por es­ta ra­zão que dei­xei de ir às com­pras com uma ami­ga. De ca­da vez que eu pe­ga­va nu­ma ca­mi­so­la be­ge, eu ou­via, tal co­mo um co­ro da tra­gé­dia gre­ga a in­vo­car os deu­ses e a re­pe­tir-se num efei­to ir­ri­tan­te, a per­gun­ta des­sa mi­nha ami­ga: “Ou­tra be­ge?! Mas qu­an­tas iguais a es­sa tens lá em ca­sa?” Um in­fer­no. Ter um guar­da-rou­pa fun­ci­o­nal com o qual pos­sa re­sol­ver as inú­me­ras exi­gên­ci­as do dia-a-dia é co­mo es­cre­ver. Qu­em não tem vo­ca­bu­lá­rio não se sa­be ex­pres­sar. Ou se­ja, na Mo­da qu­em não tem os bá­si­cos e as pe­ças in­tem­po­rais que se des­do­bram, ano após ano, em va­ri­an­tes de for­mas e de ma­te­ri­ais fi­ca li­mi­ta­da ou li­mi­ta­do. São uma es­pé­cie de bóia sal­va-vi­das e não re­que­rem de mui­ta ima­gi­na­ção pa­ra fun­ci­o­nar. As es­ta­ções mu­dam, mas aque­les con­ti­nu­am a ser os mes­mos. Co­mo os bons ami­gos. Quan­do são ver­da­dei­ros, são pa­ra a vi­da!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.