PRI­MEI­RA PES­SOA

Máxima - - Livros -

foi re­pór­ter te­le­vi­si­va e co­la­bo­rou com vá­ri­os jor­nais e re­vis­tas. Au­to­ra best-sel­ler no Bra­sil, apre­sen­ta O Amor Que Sin­to Ago­ra (Pla­ne­ta), o seu pri­mei­ro li­vro a ser lan­ça­do em Por­tu­gal.

Es­te li­vro é uma car­ta de amor pa­ra a sua mãe. É, ao mes­mo tem­po, bi­o­grá­fi­co. Es­cre­vê-lo foi te­ra­pêu­ti­co?

Es­cre­ver es­tas car­tas foi um exer­cí­cio mais in­ten­so e re­ve­la­dor que qual­quer ses­são de te­ra­pia – e olhe que de ses­sões de te­ra­pia eu en­ten­do… [ri­sos]. Fo­ram mui­tos anos de psi­ca­ná­li­se e, em to­dos es­ses anos, acho que nun­ca mer­gu­lhei tão fun­do. Es­cre­ver é dar cor­po aos sen­ti­men­tos. Cria uma pro­xi­mi­da­de ines­ca­pá­vel com o que se sen­te. Es­cre­ver pa­ra uma mãe que já mor­reu, mais ain­da. Não há pa­ra on­de cor­rer. A dor, a per­da, a an­gús­tia, a ne­ces­si­da­de do re­co­me­ço – tu­do é am­pli­a­do. E nin­guém vol­ta des­se mer­gu­lho im­pu­ne­men­te.

Co­mo des­cre­ve o pro­ces­so de es­cri­ta?

O li­vro foi es­cri­to em me­nos de cin­co me­ses e eu brin­co que foi um pro­ces­so lí­qui­do: não sei de on­de saí­ram tan­tas lá­gri­mas… Foi co­mo se um di­que cons­truí­do pa­ra re­pre­sar uma in­fi­ni­da­de de me­mó­ri­as ti­ves­se im­plo­di­do. Jun­to com as lem­bran­ças veio o cho­ro, in­con­tro­lá­vel.

É tam­bém um li­vro de pe­re­gri­na­ção. Ele de­se­nha o seu ma­pa emo­ci­o­nal?

Sim, há ne­le um des­lo­ca­men­to que é mais exis­ten­ci­al do que ge­o­grá­fi­co. Ain­da que a his­tó­ria se pas­se no in­te­ri­or de Mi­nas Ge­rais, São Pau­lo, Mé­xi­co, Egip­to e Fran­ça, o que im­por­ta são as pai­sa­gens in­ter­nas, a to­po­gra­fia aci­den­ta­da que mãe e fi­lha car­re­gam den­tro de si.

Fi­cou al­go por di­zer?

Fi­cou mui­to por di­zer. A or­fan­da­de nos con­de­na a um si­lên­cio in­su­por­tá­vel e, quan­do ele é que­bra­do, co­mo acon­te­ceu quan­do co­me­cei a es­cre­ver es­tas car­tas, há uma ava­lan­che de pa­la­vras e de sen­ti­men­tos que, se não for in­ter­rom­pi­da, po­de nos so­ter­rar. Pre­fe­ri des­li­gar o com­pu­ta­dor an­tes que is­so ocor­res­se, mes­mo sa­ben­do que ain­da ha­ve­ria mui­to que di­zer. Se es­ti­ves­se vi­va, mi­nha mãe en­ten­de­ria: ela era uma mu­lher de pou­cas pa­la­vras.

LEILA FERREIRA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.