PO­E­SIA VI­RAL

Não se­rá um no­vo gé­ne­ro li­te­rá­rio, mas é cer­ta­men­te um fe­nó­me­no que in­te­res­sa ob­ser­var: se­rão os INS­TA­PO­E­MAS um per­ti­nen­te re­a­vi­var da po­e­sia ou ape­nas uma for­ma de de­ne­gri-la?

Máxima - - Tendência - Por Cláu­dia Mar­ques San­tos

Co­me­ce­mos por ex­pli­car o con­cei­to. Os ins­ta­po­e­mas são um fe­nó­me­no da po­e­sia que en­con­tra, em re­des so­ci­ais co­mo o Ins­ta­gram, a sua for­ma pri­mor­di­al de di­vul­ga­ção. Atra­vés do cres­cen­do do nú­me­ro de se­gui­do­res e gos­tos aos posts pu­bli­ca­dos – que no Ins­ta­gram são ima­gens ti­ra­das a um ver­so ou a um po­e­ma, nun­ca mui­to ex­ten­so –, o con­se­quen­te su­ces­so aca­ba por tra­du­zir-se em con­vi­tes pa­ra que o tra­ba­lho se­ja pu­bli­ca­do em li­vro. E é aqui que a po­lé­mi­ca es­ta­la. Há es­cri­to­res di­tos de re­fe­rên­cia a cri­ti­ca­rem a qua­li­da­de dos po­e­mas. “Acha­va que te­ria de ser uma ac­triz ou uma es­tre­la pop pa­ra ser con­vi­da­da do pro­gra­ma.” Foi as­sim que, em Ju­nho, a ins­ta­po­e­ta de mai­or su­ces­so do mun­do, a ca­na­di­a­na de as­cen­dên­cia in­di­a­na Ru­pi Kaur, co­me­çou por fa­lar no pro­gra­ma de te­le­vi­são nor­te-ame­ri­ca­no The To­night Show, apre­sen­ta­do por Jimmy Fal­lon. Ao que o apre­sen­ta­dor res­pon­deu: “A po­e­sia é a no­va pop! Ab­so­lu­ta­men­te.” Ru­pi Kaur, de 25 anos, tem 2,8 mi­lhões de se­gui­do­res no Ins­ta­gram. O li­vro de­cor­ri­do des­se êxi­to, Milk and Ho­ney (2015; Lei­te e Mel, Lua de Pa­pel, 2017), foi best-sel­ler do The New York Ti­mes e con­se­guiu a pro­e­za de ven­der mais de um mi­lhão e meio de có­pi­as. “when you are/ full/ and I am/ full/ we are two suns” (“quan­do es­tás/ cheio/ e eu es­tou/ cheia/ so­mos dois sóis”) – es­te po­e­ma de 21 de Ju­lho de Ru­pi Kaur no Ins­ta­gram ti­nha, à ho­ra de fe­cho des­te tex­to, 219.414 gos­tos.

Es­tas ins­ta­po­e­tas, na sua mai­o­ria mu­lhe­res – co­mo Aman­da Lo­ve­la­ce, Yr­sa Da­ley-ward, Lang Le­av, Nayyi­rah Wahe­ed ou War­san Shi­re –, tra­du­zem fe­nó­me­nos que, di­zem os apo­lo­gis­tas, fi­ze­ram com que a po­e­sia se tor­nas­se vi­ral, re­a­vi­van­do o gé­ne­ro. Já pa­ra não fa­lar na ques­tão eco­nó­mi­ca dos li­vros que pu­bli­cam, au­tên­ti­cos best-sel­lers. O su­ces­so foi cons­truí­do na ra­zão in­ver­sa à dos poetas que são da­dos a co­nhe­cer da for­ma di­ta tra­di­ci­o­nal, até por­que pri­mei­ro cri­am pú­bli­co atra­vés do nú­me­ro de se­gui­do­res que con­se­guem ca­ti­var e só de­pois pu­bli­cam em for­ma­to li­vro o que es­cre­ve­ram – uma com­pi­la­ção do que pos­ta­ram ao lon­go de me­ses e anos nas re­des so­ci­ais.

O nú­me­ro de se­gui­do­res de Ru­pi Kaur su­biu em ca­ta­du­pa quan­do, em 2015, de­nun­ci­ou no Fa­ce­bo­ok a cen­su­ra a que foi su­jei­ta por par­te do Ins­ta­gram, por lhe ter blo­que­a­do du­as ve­zes uma fo­to­gra­fia em que apa­re­cia dei­ta­da de cos­tas, com as cal­ças su­jas pe­la mens­tru­a­ção. Fe­mi­nis­ta as­su­mi­da, Ru­pi dis­se, na al­tu­ra: “Não vou pe­dir des­cul­pa por não ali­men­tar o ego e o or­gu­lho da so­ci­e­da­de mi­só­gi­na que acei­ta o meu cor­po em rou­pa in­te­ri­or, mas não acei­ta uma man­cha de san­gue nas su­as pá­gi­nas. Elas es­tão re­ple­tas de fo­to­gra­fi­as/con­tas em que as mu­lhe­res (mui­tas me­no­res de ida­de) são ob­jec­ti­fi­ca­das, por­no­gra­fa­das e tra­ta­das de for­ma me­nos hu­ma­na.”

Milk and Ho­ney é uma co­lec­ção de po­e­mas que abor­da te­mas co­mo vi­o­la­ção ou al­co­o­lis­mo, es­cri­tos de for­ma sim­ples e cur­ta – aces­sí­vel. Kaur com­ple­ta as nar­ra­ti­vas com ilus­tra­ções da sua au­to­ria, que fun­ci­o­nam co­mo “pon­tu­a­ções vi­su­ais”, co­mo re­fe­riu em Maio de 2017 ao The Gu­ar­di­an. Na en­tre­vis­ta que deu a Jimmy Fal­lon em Ju­nho, Ru­pi Kaur re­ve­lou que o can­tor bri­tâ­ni­co Sam Smith tem um dos seus de­se­nhos ta­tu­a­do no cor­po. “O Ins­ta­gram é uma coi­sa qua­se or­gâ­ni­ca, faz par­te da mi­nha ge­ra­ção”, diz o ins­ta­po­e­ta por­tu­guês Pe­dro Ro­dri­gues à Má­xi­ma. Au­tor da pá­gi­na pe­dro­ro­dri­gues_of­fi­ci­al, tem

31 anos e 42,8 mil se­gui­do­res no Ins­ta­gram. Na­tu­ral da

Fi­guei­ra da Foz, é li­cen­ci­a­do em En­ge­nha­ria Ci­vil e pre­pa­ra-se ago­ra pa­ra fa­zer uma pós-gra­du­ção em mar­ke­ting di­gi­tal.

Foi um pri­mo, ges­tor de re­des so­ci­ais, que o in­ci­tou a cri­ar o blo­gue Os Fi­lhos do Mon­de­go, on­de reu­nia as coi­sas que ia es­cre­ven­do. Daí às re­des so­ci­ais, foi um ti­ro. Com um li­vro de pro­sa pu­bli­ca­do, (A)mar (Chi­a­do Edi­to­ra, 2017), con­ta edi­tar, até ao fi­nal do ano, um no­vo li­vro com a po­e­sia que tem di­vul­ga­do nas re­des so­ci­ais e ain­da al­guns iné­di­tos.

“Es­tria: É a be­le­za es­cri­ta/ em brail­le/ no teu cor­po.” É um dos po­e­mas mais re­cen­tes de Pe­dro Ro­dri­gues. Dois di­as após a pu­bli­ca­ção, con­ta­va com 1.300 gos­tos. “Não quei­ras me­ta­des/ Por­que tu me­re­ces tu­do.”: 2.200 gos­tos, seis di­as após a pu­bli­ca­ção. O per­fil des­tes po­e­mas pa­re­ce ser cla­ro: quan­to mais cur­tos, mais gos­tos. “Não es­ta­mos a ge­rir con­teú­dos, es­ta­mos a ge­rir egos, a ge­rir pes­so­as. Não é por aca­so que te­mas co­mo o amor e o de­sa­mor, que é co­mum a to­dos, são dos mais ex­plo­ra­dos”, ex­pli­ca Pe­dro Ro­dri­gues.

Mas o fe­nó­me­no da ins­ta­po­e­sia é tam­bém mui­to cri­ti­ca­do e há in­clu­si­ve pá­gi­nas que brin­cam com es­te ti­po de po­e­mas. A ques­tão que se co­lo­ca é, em es­sên­cia: tra­ta-se de po­e­sia? Em Por­tu­gal, o meio li­te­rá­rio ma­ni­fes­ta-se igual­men­te nas re­des so­ci­ais em re­la­ção a es­te ti­po de es­cri­ta. Ex­cer­tos de li­vros de au­to­res co­mo Pe­dro Cha­gas Frei­tas, Raul Mi­nh’al­ma ou Afon­so Noi­te-lu­ar são par­ti­lha­dos de for­ma re­gu­lar nas re­des so­ci­ais, su­jei­tos a tro­ça. A ló­gi­ca é a mes­ma da dos po­e­mas: es­te ti­po de literatura é es­cri­to de ma­nei­ra a po­de­rem des­ta­car-se má­xi­mas que se­guem a ló­gi­ca de su­ces­so dos ins­ta­po­e­mas. “A mu­lher in­te­li­gen­te aque­ce. As ou­tras nem aque­cem nem ar­re­fe­cem”, ex­cer­to de Pro­me­to Fa­lhar (Mar­ca­dor, 2014), do qual re­sul­tou um fil­me, par­ti­lha­do na pá­gi­na de Fa­ce­bo­ok de Pe­dro Cha­gas Frei­tas. “Não leio es­ses poetas com mui­ta aten­ção”, re­ve­la Ma­ria Te­re­sa Hor­ta à Má­xi­ma. A po­e­ta ad­mi­te ter um per­fil de Fa­ce­bo­ok, pla­ta­for­ma que ale­ga ser mui­to pe­ri­go­sa e su­per­fi­ci­al, ape­nas pa­ra di­vul­gar a sua po­e­sia. É o seu ma­ri­do, o jor­na­lis­ta Luís de Bar­ros, qu­em ge­re a sua pá­gi­na ofi­ci­al. “No meu per­fil, pu­bli­co um po­e­ma to­dos os di­as. É uma pro­mes­sa que fiz a mim mes­ma”, diz a es­cri­to­ra fe­mi­nis­ta que foi uma das Três Ma­ri­as, jun­ta­men­te com Ma­ria Isa­bel Bar­re­no e Ma­ria Ve­lho da Cos­ta, au­to­ras do li­vro No­vas Car­tas Por­tu­gue­sas que, em 1972, lhes va­leu um pro­ces­so em tri­bu­nal por “por­no­gra­fia e ofen­sas à mo­ral pú­bli­ca”. “É uma pro­mes­sa poé­ti­ca, aten­ção. Não é uma pro­mes­sa ca­tó­li­ca”, es­cla­re­ce. “En­quan­to pla­ta­for­ma de di­vul­ga­ção, de par­ti­lha, fa­ci­li­ta a vi­da aos lei­to­res.”

“O Ins­ta­gram pa­re­ce-me um meio tão vá­li­do co­mo qual­quer ou­tro. Se um po­e­ma é va­li­da­do por uma co­mu­ni­da­de de lei­to­res e não por ou­tra, diz ape­nas da di­ver­si­da­de das co­mu­ni­da­des de au­to­res e lei­to­res”, diz à Má­xi­ma a po­e­ta Ca­ta­ri­na San­ti­a­go Cos­ta, que tem três li­vros pu­bli­ca­dos: Es­tu­fa (2015), Tár­ta­ro (2016) e Fi­lha Fe­bril (2017), to­dos pe­la edi­to­ra Dou­da Cor­re­ria. “En­quan­to au­to­ra, que­ro crer que os meus po­e­mas não per­de­ri­am na­da se os pu­bli­cas­se no Ins­ta­gram ou on­de quer que fos­se”, con­ti­nua. “Em tem­pos, o meu blo­gue ins­ta­va-me a es­cre­ver. A ins­ta­po­e­sia é con­for­me das pu­bli­ca­ções na re­de so­ci­al on­de é pro­pa­ga­da e coin­ci­de com o es­pí­ri­to de sín­te­se de ago­ra.” Cri­ti­car es­te es­pí­ri­to, diz a po­e­ta, é cri­ti­car o es­ti­lo de vi­da que qua­se to­dos ali­men­ta­mos.

Quan­to à mos­sa que es­te fe­nó­me­no pos­sa fa­zer na po­e­sia di­ta tra­di­ci­o­nal, Ca­ta­ri­na San­ti­a­go Cos­ta con­tra­põe: “Não sei se os poetas e os lei­to­res an­te­ri­o­res a es­te fe­nó­me­no se dei­xa­rão in­flu­en­ci­ar por ele, mas du­vi­do. Ve­lhos há­bi­tos são di­fí­ceis de mu­dar. Es­tes mo­vi­men­tos de con­ser­va­ção e su­pe­ra­ção são o que faz da ar­te um or­ga­nis­mo ma­cio e mu­tá­vel.”

A pá­gi­na de di­vul­ga­ção de po­e­sia O Po­e­ma En­si­na a Cair – Ain­da, da au­to­ria de Ra­quel Ma­ri­nho, ex-jor­na­lis­ta e ac­tu­al di­rec­to­ra de co­mu­ni­ca­ção da Fei­ra do Li­vro Por­tu­gal Gu­a­da­la­ja­ra 2018, que de­cor­re no Mé­xi­co em fi­nais de No­vem­bro, con­ta com mais de 4.200 se­gui­do­res no Ins­ta­gram. Ra­quel Ma­ri­nho con­ta à Má­xi­ma que os au­to­res com mais su­ces­so na pá­gi­na – 80% do que pu­bli­ca é por­tu­guês – são Adí­lia Lo­pes, Sophia de Mel­lo Brey­ner, Eu­gé­nio de Andrade e Da­ni­el Fa­ria.

No Ins­ta­gram, a pá­gi­na tem mui­tos se­gui­do­res bra­si­lei­ros, que são mais de­si­ni­bi­dos a “ta­gar” as pes­so­as ama­das nos co­men­tá­ri­os das pu­bli­ca­ções que fa­lam so­bre amor. Num po­e­ma da au­to­ria da por­tu­gue­sa Cláu­dia R. Sam­paio, Fo­go, al­guém ta­gou o ama­do e es­cre­veu: “Era is­so que eu que­ria fa­lar, fe­liz­men­te a rui­va es­cre­veu.” A per­for­man­ce dos se­gui­do­res des­ta pá­gi­na não é mui­to di­fe­ren­te da de ou­tros ti­pos de posts, in­clu­si­ve de ins­ta­po­e­mas. “As pes­so­as não per­dem mui­to tem­po. Se os po­e­mas forem mui­to lon­gos, têm me­nos su­ces­so.” O mes­mo em re­la­ção à te­má­ti­ca: amor e de­sa­mor re­ben­tam sem­pre a es­ca­la e os mais com­ple­xos fi­cam aquém da mé­dia de gos­tos das pu­bli­ca­ções da pá­gi­na. Ma­ria Te­re­sa Hor­ta re­ma­ta: “A hu­ma­ni­da­de es­tá sal­va en­quan­to hou­ver po­e­sia. Se dei­xar de ha­ver po­e­sia, a par­tir des­sa al­tu­ra dei­xa de ha­ver esperança.”

Voz ac­ti­va do fe­mi­nis­mo con­tem­po­râ­neo, a ca­na­di­a­na Ru­pi Kaur, 25 anos, é um dos ros­tos mais vi­sí­veis des­ta no­va po­e­sia, nas­ci­da no uni­ver­so di­gi­tal.

War­san Shi­re, Lang Le­av, au­to­ra do li­vro Sea of Stran­gers, e Aman­da Lo­ve­la­ce são três ros­tos des­ta no­va po­e­sia. Sím­bo­lo in­con­tor­ná­vel da po­e­sia por­tu­gue­sa, Ma­ria Te­re­sa Hor­ta, à es­quer­da, pu­bli­ca di­a­ri­a­men­te um po­e­ma na sua con­ta de Fa­ce­bo­ok.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.