RE­GRAS A SE­GUIR NAS MU­DAN­ÇAS DE ES­TA­ÇÃO

Máxima - - Sair Do Armário -

PA­RA CO­ME­ÇAR A pri­mei­ra gran­de re­gra, an­tes do iní­cio de ca­da es­ta­ção, con­sis­te em abrir­mos o guar­da-rou­pa, olhar­mos com cri­té­rio pa­ra o que es­tá guar­da­do e per­gun­tar­mo-nos: “O que é que eu re­al­men­te pre­ci­so?” Se ti­ver­mos a lu­ci­dez e dis­cer­ni­men­to pa­ra con­cluir que, afi­nal, pre­ci­sa­re­mos de pou­co ou, qu­em sa­be, de na­da, tu­do fi­ca fa­ci­li­ta­do e não cor­re­re­mos o ris­co de en­cher os ar­má­ri­os com pe­ças de que não pre­ci­sa­mos e que ape­nas ser­vi­rão pa­ra ali­vi­ar a con­ta ban­cá­ria.

DEI­XAR AS TEN­DÊN­CI­AS ASSENTAREM De­pois da­que­le exer­cí­cio in­tros­pec­ti­vo, de­ve­mos dei­xar que as ten­dên­ci­as sa­zo­nais ga­nhem ter­re­no e só de­pois de­ve­re­mos es­co­lher com cri­té­rio an­tes de as co­me­çar a in­cor­po­rar no guar­da-rou­pa. É fá­cil dei­xar­mo-nos en­can­tar pe­lo can­to da se­reia da Mo­da, mas o mo­men­to de­ve ser de con­ten­ção e de ser­mos dis­ci­pli­na­dos e, por is­so, de es­co­lhas acer­ta­das. O que as mo­de­los mos­tram nas pas­se­rel­les e nas pro­du­ções de mo­da é uma coi­sa e aqui­lo que de­ve­mos re­al­men­te ves­tir é ou­tra…

SIMPLIFICAR Man­te­nha as cal­ças e os ves­ti­dos pre­tos, os bla­zers e as camisolas de lã. São aces­só­ri­os mar­can­tes, eter­nos e per­mi­tem con­ju­ga­ções qua­se in­fin­das.

ADICIONAR COR Ge­of­frey Be­e­ne, cou­tu­ri­er fe­ti­che das prin­ce­sas de No­va Ior­que, tal co­mo Jac­kie Ken­nedy Onas­sis, de­cla­ra­va: “Co­me­ce com uma cor. O pre­to en­qua­dra tu­do o que tem à sua vol­ta. De­fi­ne as li­nhas e de­fi­ne a si­lhu­e­ta. Po­de acres­cen­tar ou re­ti­rar. A quan­ti­da­de de pre­to não im­por­ta. É a quan­ti­da­de das ou­tras co­res que é mais im­por­tan­te.” Já Henry Ford ti­nha ra­zão ao afir­mar: “O cli­en­te po­de ter o car­ro pintado da cor que qui­ser des­de que se­ja pre­to.”

ORGANIZAR O GUAR­DA-ROU­PA Cal­ças de gan­ga pa­ra um la­do, ca­sa­cos e ves­ti­dos pa­ra ou­tro, etc., etc., etc. Ofe­re­ça­mos (de pre­fe­rên­cia a qu­em mais ne­ces­si­ta) o que já não vestimos e “re­ci­cle­mos” o que ain­da qu­e­re­mos. Li­ber­te­mo-nos do que es­tá lar­go ou aper­ta­do. Sem cul­pas. Abra­mos as ga­ve­tas e or­ga­ni­ze­mos os lo­oks. Com mais fa­ci­li­da­de des­co­bri­re­mos do que te­mos re­al­men­te ne­ces­si­da­de. Pa­ra não che­gar­mos a ca­sa e des­co­brir­mos que com­prá­mos uma ca­mi­sa exac­ta­men­te igual à que te­mos pen­du­ra­da e que tí­nha­mos es­que­ci­do…

IR ÀS COM­PRAS SEM COM­PA­NHIA As me­lho­res com­pras fa­zem-se em so­li­tá­rio e sem o im­pul­so da vo­ra­gem con­su­mis­ta das ami­gas.

INVISTIR EM FLEXIBILIDADE Quan­to mais ca­ra for a pe­ça, mais ver­sá­til de­ve ser. Por is­so, néons, ani­mal prints e ou­tras de­cli­na­ções de­ve­rão es­tar re­ser­va­das a apon­ta­men­tos. A não ser que quei­ra­mos pa­re­cer a An­na Del­lo Rus­so (ida­de in­cluí­da…).

O QUE SE DE­VE COM­PRAR EM PRI­MEI­RO LU­GAR Um tren­ch co­at! Pe­ça ver­sá­til que po­de ser usa­da tan­to du­ran­te o dia co­mo à noi­te por ci­ma de um ves­ti­do de cock­tail. Ou ao fim-de-se­ma­na com cal­ças de gan­ga. Não é por ca­so que Au­drey Hep­burn o fa­zia quan­do usa­va um tren­ch co­at com uma blu­sa e cal­ças ou com um ves­ti­do pre­to e um co­lar de pé­ro­las.

TER UMA CAR­TEI­RA ES­TRU­TU­RA­DA In­vis­ta­mos nu­ma car­tei­ra de mão de de­sign in­tem­po­ral que tan­to po­de ser usa­da no dia-a-dia em oca­siões prá­ti­cas co­mo em mo­men­tos mais for­mais. Dei­xe­mos de la­do as que gri­tam: “Sem fu­tu­ro !!!! ”

O CLÁS­SI­CO LBD Ou se­ja, o pe­que­no ves­ti­di­nho pre­to, la pe­ti­te ro­be noi­re, o Lit­tle Black Dress (LBD) ou co­mo qui­ser­mos cha­mar à pe­ça in­tem­po­ral po­pu­la­ri­za­da por Ga­bri­el­le Cha­nel. É uma pe­ça que nos ti­ra de qual­quer apu­ro, a res­pos­ta rá­pi­da pa­ra inú­me­ros acon­te­ci­men­tos e, so­bre­tu­do, à dú­vi­da do “Não sei o que ves­tir”!

O BLAZER AZUL É, com o ca­sa­cão be­ge ou com o tren­ch co­at, uma das pe­ças mais ver­sá­teis que po­de­mos com­prar. É que es­te mu­da de “per­so­na­li­da­de” con­for­me qu­em o en­ver­ga: for­mal com cal­ças e des­con­traí­do com je­ans.

SAL­TOS AL­TOS SEXY Pe­lo me­nos de­ve­re­mos ter um par de sa­pa­tos com os sal­tos mui­to al­tos. Po­dem não ser prá­ti­cos e con­for­tá­veis, mas trans­mi­tem sen­su­a­li­da­de e em­po­de­ra­men­to. De­ve­mos usá-los tan­to com ves­ti­dos co­mo com cal­ças de gan­ga ou com saias pen­cil. Aten­ção ao sal­to: é o seu for­ma­to que de­ter­mi­na a lon­ge­vi­da­de e bom gos­to dos mes­mos.

O TO­QUE DE MIDAS Pa­ra se es­tar na mo­da sem gas­tar for­tu­nas na es­ta­ção fria, há que se man­ter o que se tem e adicionar-se pe­ças ou aces­só­ri­os (um fou­lard, uns sa­pa­tos, uma car­tei­ra, umas lu­vas, um cha­péu…) nas co­res, no ma­te­ri­al ou nos pa­drões que do­mi­nam as ten­dên­ci­as da es­ta­ção.

UMAS BO­TAS DE CANO AL­TO Se­rão uma das gran­des es­tre­las da es­ta­ção no que diz res­pei­to aos aces­só­ri­os. Mas aten­ção por­que te­rão de obe­de­cer às ten­dên­ci­as do mo­men­to: a al­tu­ra do cano, a bi­quei­ra, o sal­to, o mo­de­lo, etc.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.