O de­sa­fio de pre­pa­rar o Jor­ge Cor­ru­la pa­ra a ma­ra­to­na de No­va York é igual a de mui­tos ou­tros atle­tas,

Men's Health (Portugal) - - TREINO -

que pre­pa­ra­mos pa­ra di­ver­sas ma­ra­to­nas, ape­nas com a di­fe­ren­ça de que ele é uma fi­gu­ra pú­bli­ca. O de­sa­fio mai­or é o fac­to de es­ta ser a pri­mei­ra ma­ra­to­na do Jor­ge e ten­do em con­ta to­dos os con­di­ci­o­na­lis­mo pro­fis­si­o­nais e fa­mi­li­a­res. A sua evo­lu­ção foi mui­to po­si­ti­va, bas­ta ver­mos que na Meia Ma­ra­to­na de Por­tu­gal ele me­lho­rou o seu re­cor­de pes­so­al em pra­ti­ca­men­te 20 mi­nu­tos. O seu em­pe­nha­men­to no trei­no e o com­pro­me­ti­men­to com o mes­mo, foi sem­pre em cres­cen­do e ape­sar do au­men­to da car­ga de trei­no, foi pos­sí­vel tra­tar e re­cu­pe­rar a le­são (ten­di­no­pa­tia dos is­qui­o­ti­bi­ais).

Quan­do um atle­ta com o ní­vel do Jor­ge, to­ma a de­ci­são se fa­zer uma ma­ra­to­na, o ide­al se­ria fa­zer uma pre­pa­ra­ção de 16 semanas, que in­cluís­sem pe­lo me­nos 8 trei­nos lon­gos, em que con­si­de­ra­mos trei­nos lon­gos, aque­les em que to­ta­li­zam pe­lo me­nos 25 km ou mei­as ma­ra­to­nas em rit­mo com­pe­ti­ti­vo. Ten­do em con­ta a le­são e os con­di­ci­o­na­lis­mo pro­fis­si­o­nais, o Cor­ru­la só fez 4 trei­nos des­tes e apre­sa­rão foi de ape­nas 10 semanas. A pou­co tem­po de re­a­li­zar a sua pri­mei­ra ma­ra­to­na fi­ca a ideia de que o ide­al se­ria ter mais 4 semanas de pre­pa­ra­ção.

Os pe­ri­gos são alguns re­la­ci­o­na­dos com a fal­ta de qui­ló­me­tros, o trei­no mais lon­go foi de 28 km, quan­do te­ria si­do in­te­res­san­te fa­zer três a qua­tro trei­nos en­tre os 30 e os 35 km. Es­ta fal­ta de qui­ló­me­tros, po­de se tra­du­zir na ma­ra­to­na por uma que­bra do rit­mo a par­tir dos 30km da ma­ra­to­na. Ape­sar de to­do is­to, es­pe­ra­mos uma es­treia mui­to in­te­res­san­te na ma­ra­to­na por par­te do Jor­ge aci­ma de to­do que ele des­fru­te da mes­ma e que es­ta ex­pe­ri­ên­cia se­ja pos­te­ri­or­men­te re­cor­da­da co­mo um mo­men­to de su­pe­ra­ção e fe­li­ci­da­de.

A es­tra­té­gia pa­ra uma ma­ra­to­na, co­me­ça a ser de­li­ne­a­do no pri­mei­ro trei­no, na pri­mei­ra ava­li­a­ção, na pri­mei­ra con­ver­sa! Os atle­tas quan­do re­cor­rem aos nos­sos ser­vi­ços, não es­pe­ram ape­nas um pla­no de trei­nos, mas sim to­do um acom­pa­nha­men­to a ní­vel de pre­ven­ção de le­sões, tra­ba­lha­mos a ní­vel do for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar, da mo­bi­li­da­de ar­ti­cu­lar e da fle­xi­bi­li­da­de, com trei­nos di­re­ci­o­na­dos pa­ra es­tas ver­ten­tes e tam­bém com ses­sões de mas­sa­gem e con­sul­tas de nutrição.

A es­tra­té­gia pa­ra a ma­ra­to­na de No­va York, ain­da não es­tá com­ple­ta­men­te de­li­ne­a­da, ain­da va­mos re­a­li­zar alguns trei­nos im­por­tan­tes pa­ra afe­rir do ver­da­dei­ro es­ta­do de for­ma do Jor­ge, de qual­quer for­ma se­rá sem­pre im­por­tan­te es­ta­be­le­cer um rit­mo pa­ra que lhe se­ja con­for­tá­vel, rit­mo es­se que irá an­dar pró­xi­mo dos 5 m/km, pa­ra que o tem­po fi­nal se­ja en­tre as 3h30 e as 3h45.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.