A CAR­NE IN VI­TRO PO­DE EVI­TAR 96% DE EMIS­SÕES DE GÁS

Men's Health (Portugal) - - REPORTAGEM -

Na fri­gi­dei­ra, as pe­que­nas im­per­fei­ções ga­nham uma bo­ni­ta cor de ca­ra­me­lo. Pe­ran­te is­to, Uma Va­le­ti, CEO da Memphis Me­ats, tem to­tal con­fi­an­ça de que es­tá pe­ran­te uma almôn­de­ga ca­paz de mudar o mun­do. E tudo por­que a “bo­la” que es­ta­va na fri­gi­dei­ra não era bem car­ne, ou me­lhor, nem se­quer era car­ne. Pou­co tem­po de­pois, um as­sis­ten­te ti­rou uma amos­tra do pro­du­to co­zi­nha­do e dei­xou to­dos bo­qui­a­ber­tos quan­do dis­se que sa­bia a car­ne de ver­da­de. De­pois pe­diu pa­ra re­pe­tir e, nes­se mo­men­to, Va­le­ti fi­cou com a cer­te­za de ter um pro­du­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio nas mãos.

Cla­ro que já exis­tem car­nes que são cri­a­das em la­bo­ra­tó­ri­os, mas a des­co­ber­ta de Va­le­ti (em 2016) não se pren­deu ape­nas com o fac­to de pro­du­zir pro­teí­na ar­ti­fi­ci­al pa­ra cri­ar um pe­da­ço de car­ne, mas sim com a ca­pa­ci­da­de de a agre­gar a cé­lu­las de gordura. Em bre­ve, qual­quer res­tau­ran­te do mun­do se­ria ca­paz de ex­pe­ri­men­tar es­ta car­ne, acom­pa­nha­da do ini­gua­lá­vel sa­bor da car­ne li­gei­ra­men­te tos­ta­da e dos su­cos de gordura que ela tem. A no­va car­ne de Va­le­ti não só se­ria ca­paz de imi­tar a su­cu­lên­cia de um ham­búr­guer ver­da­dei­ro, co­mo po­de­ria en­cher o pra­to do mais frí­vo­lo car­ní­vo­ro sem ter de ma­tar uma va­ca. O in­te­res­se nes­te ti­po de car­nes in vi­tro cri­a­das em la­bo­ra­tó­rio ex­plo­diu nos anos mais re­cen­tes – prin­ci­pal­men­te por cau­sa das pre­o­cu­pa­ções so­bre o im­pac­to das car­nes ver­me­lhas na saú­de e no meio am­bi­en­te – e a pro­cu­ra por par­te dos con­su­mi­do­res tem vin­do a cres­cer des­de en­tão. Uma pes­qui­sa fei­ta pe­las Na­ções Uni­das su­ge­re que as em­pre­sas de cri­a­ção de ga­do ex­pe­lem mais de 20% das emis­sões de gás que pro­mo­vem o efei­to de es­tu­fa, mais do que to­dos os car­ros, aviões e com­boi­os do mun­do jun­tos. E há mais, pois cer­ca de um ter­ço das mor­tes es­tá re­la­ci­o­na­do com do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res. Só que a so­lu­ção não pre­ci­sa­va ser al­go sem sa­bor: in­ves­ti­ga­do­res da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford (Rei­no Uni­do) es­ti­pu­lam que es­te ti­po de car­nes in vi­tro po­de­ri­am eli­mi­nar es­tas emis­sões até 96% sem se­quer re­du­zir o sa­bor e os vá­ri­os be­ne­fí­ci­os da car­ne tra­di­ci­o­nal. Em mar­ço des­te ano, a Ty­son Fo­ods, a se­gun­da mai­or pro­du­to­ra de car­ne do mun­do, anun­ci­ou 120 mi­lhões pa­ra in­ves­tir em start-ups li­ga­das à so­fis­ti­ca­da car­ne in vi­tro de for­ma a se­rem os pri­mei­ros a che­gar ao seu pra­to, des­de ham­búr­gue­res de plan­tas, ga­li­nhas de tu­bos de en­saio a car­ne de por­co im­pres­sa em 3D

As cé­lu­las são re­ti­ra­das do mús­cu­lo da va­ca atra­vés de uma sim­ples bi­op­sia.

As cé­lu­las são in­cu­ba­das pa­ra que pos­sam ser di­vi­di­das, cri­an­do uma sec­ção ini­ci­al de te­ci­do.

Cola-se es­te te­ci­do a vel­cro pa­ra ser es­ti­ca­do. Is­to au­men­ta a amos­tra.

Mais de 20.000 pe­da­ços des­ta car­ne são moí­dos e mis­tu­ra­dos com sal, ce­bo­la e um pou­co de pi­men­ta pa­ra cri­ar a mistura ide­al pa­ra fa­zer um ham­búr­guer. (sim, is­so mes­mo). Com Bill Ga­tes, cri­a­dor da Mi­cro­soft, dis­pos­to a in­ves­tir cer­ca de 240 mi­lhões pa­ra ob­ter um re­tor­no de 5 bi­liões em 2020, es­ta al­ter­na­ti­va à car­ne tra­di­ci­o­nal é di­nhei­ro em cai­xa ga­ran­ti­do. Po­rém, num país tão de­vo­ra­dor de car­ne – com um con­su­mo anu­al de cer­ca de 84 kg por pes­soa, se­gun­do um es­tu­do do Te­le­graph – se­rá que o Ho­mem vai mes­mo con­se­guir mudar a re­la­ção tão su­cu­len­ta com um ver­da­dei­ro na­co de car­ne? Por ou­tro la­do, com a car­ne ver­me­lha li­ga­da a tudo o que é mau - des­de do­en­ças do co­ra­ção ao can­cro -, se­rá que um ham­búr­guer cri­a­do em la­bo­ra­tó­rio não po­de­rá sal­var a nos­sa vi­da ou só nos vai dei­xar com um amar­go de bo­ca?

O COR­TE PRIN­CI­PAL

A car­ne in vi­tro e idei­as se­me­lhan­tes já exis­tem há mui­to. Wins­ton Chur­chill era um fu­tu­ro­lo­gis­ta ali­men­tar, e em 1931 exi­giu um es­tu­do ten­do em vis­ta a ali­men­ta­ção “da­qui a 50 anos”, no qual ele pre­via o ab­sur­do que se­ria cri­ar uma ga­li­nha in­tei­ra pa­ra se po­der co­mer o pei­to ou a asa. Se­ten­ta anos mais tar­de, per­to de 2010, a vi­são de Chur­chill fi­cou um pou­co mais per­to da re­a­li­da­de quan­do Va­le­ti e a con­cor­rên­cia, ape­sar de tra­ba­lha­rem em di­fe­ren­tes pro­du­tos, con­se­gui­ram cri­ar um pro­ces­so viá­vel que per­mi­te cri­ar car­ne com­ple­ta­men­te in vi­tro. Pa­ra fa­zer um ham­búr­guer de car­ne com­ple­ta­men­te sem car­ne, é pre­ci­so ob­ter as cé­lu­las de um da­dor (atra­vés de uma sim­ples bi­op­sia a uma va­ca) e as­sim cri­ar cen­te­nas de ham­búr­gue­res. Es­tas cé­lu­las são de­pois cri­a­das du­ran­te vá­ri­as semanas em “cen­tros de cul­ti­vo” jun­ta­men­te com um se­rum ex­traí­do da va­ca pa­ra cri­ar fi­os de fi­bras que são de­pois re­mo­vi­dos ma­nu­al­men­te, aber­tos, es­ti­ca­dos e es­mi­ga­lha­dos pa­ra pro­du­zir car­ne moí­da. Ape­sar do pro­ces­so com­ple­xo de produção, é mui­to mais eco­nó­mi­co do que o pro­ces­so tra­di­ci­o­nal. Con­tu­do, em 2013, Mark Post, um pro­fes­sor de fi­si­o­lo­gia na Uni­ver­si­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.